Scientific studies of mobile applications that address the concepts of Physical discipline in Libras

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10009

Keywords:

Teaching; Play Store; Applications; Inclusion.

Abstract

Digital technologies are increasingly present in people's daily lives, of the most varied age group and social class. Modern society is also marked by the social inclusion of people with disabilities. The inclusion of disabled people begins in the classroom, with the school assuming the role of integrator. For deaf students, this integration must occur through a Libras interpreter, which is one of the communication channels between the deaf student and his colleagues, teachers and school staff. However, this interaction is sometimes limited by the fact that deaf students do not have a 24-hour interpreter at their disposal. The use of a mobile device can be a useful tool in the inclusion of the deaf, since they can use their devices to access applications that allow the combination of the Portuguese language with Libras. Therefore, the objective of this work was to conduct a search in order to identify whether this technology is already available and able to be explored by deaf students in the teaching of Physics. The analysis was limited to the period from 2014 to 2019, as it is a time of strong technological expansion. A search of the GooglePlay Store resulted in 94 applications involving the word Libras, 57 of which were of Brazilian origin and 37 were foreign. Of this total, only one Brazilian application involved teaching Physics. Thus, the research showed that the possibilities of applications that favor the teaching and learning processes of Physics to deaf students are still scarce.

Author Biographies

Marciele Keyla Heidmann, Universidade do estado de Mato Grosso.

Possui graduação em Matemática pela UNEMAT (2004), segunda licenciatura em Pedagogia pela UNIFAVEST (2020), especialização em Ensino de Matemática pela UNEMAT (2008) e especialização em Libras pelo Centro Universitário Barão de Mauá (2013). Aprovada no ATESTO 2017/3 - intérprete de LIBRAS na tradução e interpretação de LIBRAS - Português e Português - LIBRAS pelo CASIES/SEDUC - Secretaria de Estado de Educação Esporte e Lazer. Atualmente atua como professora efetiva da Educação Básica do Estado de Mato Grosso na E. E. 13 de Maio em Tangará da Serra ? MT. Tem experiência na área de Matemática e na área da educação especial - AEE/Matemática com ênfase em LIBRAS.

Gabriel Schardong Ferrão, Universidade do Estado de Mato Grosso

Graduated in Webdesign and Programming from the University of Southern Santa Catarina (2014). He is currently a university agent - administrative technician at the State University of Mato Grosso. , acting mainly on the following themes: cocoa, education, solidarity and Easter.

Raquel Aparecida Loss, Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade de Passo Fundo,Mestrado e Doutorado em Engenharia de Alimentos pela Universidade Federal de Santa Catarina. Exerce atividade como Docente da Educação Superior na Universidade do Estado do Mato Grosso.

Claudinéia Aparecida Queli Geraldi, Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2001), mestrado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá (2006), doutorado em Engenharia Química pela Universidade Estadual de Maringá (2010) e Pós Doutorado em Engenharia Química pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2013). Tem experiência na área de Engenharia Química, com ênfase em Processos de Separação e Sistemas Particulados, em indústrias de extração fécula de mandioca e amido de milho e processos de biossorção em efluentes líquidos contendo corantes e metais pesados. Atualmente exerce atividade como docente da educação superior nos cursos de Agronomia e Administração da Universidade do Estado de Mato Grosso.

Sumaya Ferreira Guedes, Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em Licenciatura Plena em Química pela Universidade Federal de Mato Grosso (2009), mestrado em Tecnologia e Segurança Alimentar pela Universidade Nova de Lisboa-Faculdade de Ciências e Tecnologia (2010) e doutorado em Química pela Universidade Estadual de Campinas (2016). Atualmente é docente do ensino superior da Universidade do Estado de Mato Grosso.

References

Brasil. (1998). Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para educação infantil. (1) (2). Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (2015). Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Recuperado em 06 novembro, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Brasil. (1999). Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Recuperado em 06 novembro, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm.

Brasil. (1997). Secretaria de Educação Especial. A educação dos surdos. Série Atualidades Pedagógicas; n. 4/ organizado por Giuseppe Rinaldi et al. Brasília: MEC/SEESP. Recuperado em 06 novembro, 2020, de http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/educacao_surdos.pdf .

Brasil. (2000). Decreto 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

Brasil. (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO.

Brasil. (2004). O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa / Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília: MEC; SEESP. 94 p.: il. Recuperado em 06 setembro, 2020, de http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/tradutorlibras.pdf.

Carvalho, C. (2012). Uma revisão de literatura sobre o uso de softwares/simuladores/applets e principais referenciais teóricos no ensino de física. Departamento de Ciências Naturais, Universidade Federal de São João del Rei.

Conforto, D., & Compagnoni Vieira, M. (2015). Smartphone na Escola: Da Discussão Disciplinar Para a Pedagógica. Latin American Journal of Computing Faculty of Systems Engineering Escuela Politécnica Nacional Quito-Ecuador, 2(3).

Fernandes, S. (2011). POLÍTICAS LINGUÍSTICAS E DE IDENTIDADE (S): A LÍNGUA COMO FATOR DE IN (EX) CLUSÃO DOS SURDOS. Trama, 7(14), 109-123.

Garcia, N. M. D. (2012). Livro didático de Física e de Ciências: contribuições das pesquisas para a transformação do ensino. Educar em Revista, (44), 145-163, abr/jun. Recuperado em 12 setembro, 2020, de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=155023661010.

Lacerda, C. B. F. de. (2006). A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cadernos cedes, 26(69), 163-184.

Mantoan, M. T. E.(2003). Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo, SP: Moderna.

Maziero, C. A. (2014). Sistemas operacionais: Conceitos e mecanismos. Livro aberto. Recuperado em 15 novembro, 2020, de: http://wiki.inf.ufpr.br/maziero/doku.php?id=socm:start.

Patrícia, A., Miranda, S., Figueiredo, D. P., & Lobato, H. K. G. A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO E ENSINO-APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS: relato sobre a experiência de uma professora da sala de informática. DIÁLOGOS SOBRE INCLUSÃO ESCOLAR E ENSINO-APRENDIZAGEM DA LIBRAS E LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA PARA SURDOS, 18.

Moreira, H. M. A., & Canto, S. B. (2014). O atendimento educacional especializado nas salas de recursos como apoio ao processo ensino-aprendizagem. Recuperado em 08 setembro, 2020, de http://www.cap.uerj.br/site/images/trabalhos_espacos_de_dialogos/21-Moreira_e_Canto.pdf.

Morigi, V. J., & Pavan, C. (2004). Tecnologias de informação e comunicação: novas sociabilidades nas bibliotecas universitárias. Ciência da Informação, 33(1), 117-125.

Nascimento, A. C., & Goyos, S. (2017). O direito à libras como língua materna: um estudo sobre a política educacional de educação infantil para crianças surdas na rede municipal de ensino de Curitiba.

Nonnenmacher, R. F. (2012). Estudo do comportamento do consumidor de aplicativos móveis.

Pellanda, E. C. (2011). Comunicação móvel pra quê, onde e quem?. Tecnologia, pra quê?, 95.

Quadros, R. M., & Karnopp, L. B. (2004). Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. ArtMed Editora.

Rodrigues, C. S. & Valente, F. (2011). Aspectos linguísticos da Libras. Curitiba: IESDE Brasil SA.

Román, F., Gonzales-Mesones, F., & Marinas, I. (2007). Mobile Marketing: a revolução multimídia. São Paulo: Thomson Learning.

Sacks, O. (1998). Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Trad. Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras.

Sassaki, R. K. (2002). Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997. Legenda, 7.

Silva, J. F. C. (2013). O ensino de física com as mãos: Libras, bilinguismo e inclusão. (Master's thesis, USP).

Souza, I. M. A., & Souza, L. V. A. (2013). O uso da tecnologia como facilitadora da aprendizagem do aluno na escola. Revista Fórum Identidades.

Shuler, C. (2009). Bolsões de potencial: uso de tecnologias móveis para promover o aprendizado das crianças. Nova York: Joan Ganz Cooney Center no Sesame Workshop.

Stokoe, W. C. (1960). Estrutura da linguagem de sinais: um esboço dos sistemas de comunicação visual dos surdos americanos (= Estudos em linguística, documentos ocasionais 8). Buffalo, NY: Universidade de Buffalo.

Stokoe, W. C., Casterline, D. C., & Croneberg, C. G. (1976). A dictionary of American Sign Language on linguistic principles. Linstok Press.

Strobel, K. (2009). As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC.

Torres, C. E. (2013). Palestra Mobilidade - Computação móvel, Dispositivos e Aplicativos. Recuperado em 06 novembro, 2020, de https://pt.slideshare.net/cetorres/palestra-mobilidade-computao-mvel-dispositivos-e-aplicativos-2013.

Wise, S., Greenwood, J., & Davis, N. (2011). Uso de tecnologia digital por professores no ensino médio da música: ilustrações de salas de aula em mudança. British Journal of Music Education, 28(2), 117-134.

Published

21/11/2020

How to Cite

Heidmann, M. K., Ferrão, G. S. ., Loss, R. A. ., Geraldi, C. A. Q. ., & Guedes, S. F. (2020). Scientific studies of mobile applications that address the concepts of Physical discipline in Libras . Research, Society and Development, 9(11), e44791110009. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10009

Issue

Section

Educational Objects