Sex workers: starting and maintaining the profession

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10031

Keywords:

Sex workers; Prejudice; Job.

Abstract

Objective: to know the insertion and permanence of sex workers in the profession. Methodology: this is a qualitative, exploratory and descriptive research, which was carried out with ten sex workers in 2015, through semi-structured interviews, participant observation and field diary, in the city of Pelotas-RS. The data obtained were grouped and analyzed using Minayo's thematic analysis. Results: the participants recognize the activity they perform as a job. They started prostitution due to financial issues, lack of job opportunities, intrafamily violence in childhood and not accepting their bodies. They routinely suffer prejudice, but have support from family members. They use the internet as a way of protection against stigma. Many are willing to leave the profession, yet encounter several obstacles. Conclusion: sex workers suffer from a lack of legal, social, and health care support. There is an urgent need to develop public policies aimed at welcoming and addressing the demands of this portion of the population.

Author Biography

Michele Mandagará de Oliveira, Universidade Federal de Pelotas

Professor Adjunto do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas. É professora efetiva do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas

References

Becker, H. S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo, HICITEC, 1993.

Bonifácio, D. P. Di, & Tilio, R. D. (2016). Mulheres profissionais do sexo e o consumo excessivo de álcool. Cadernos de Psicologia Social Do Trabalho, 19(1), 29–44. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v19i1p29-44

Braga, A. D., Miranda, L.H.N.A. (2016). A inconstitucionalidade da tipificação do crime de manter estabelecimento em que ocorra exploração sexual. Virtuajus – Belo Horizonte, 12(28), 184 - 198. ISSN: 1678-3425.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Resolução no 466/12 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde. Recuperado de https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Conselho Federal de Enfermagem - COFEN (2007). Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem COFEN 311/2007.

Costa, T. V. de A., Lourenço, M. P. C., Vidala, ; Otoni, G. H. S., Santos, F. P., & Leal, C. E. (2018) Preconceito , relações familiares e práticas de saúde em profissionais do sexo : uma abordagem qualitativa. 28(Supl 4), 54–62. doi: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20180025

Koche, J. C. (2011). Fundamentos de metodologia científica : teoria da ciência e iniciação à pesquisa. Petrópolis, RJ : Vozes.

Leal, C. B. M., De Souza, D. A., & Rios, M. A. (2017). Aspectos de vida e saúde das profissionais do sexo. Revista Infermagem UFPE, 11(11), 4483–4491. doi: 10.5205/reuol.23542-49901-1-ED.1111201726

Lorenzi, G. (2019): Prostituição virtual: o impacto das novas tecnologias na “Profissão mais antiga do mundo”. Revista Contribuciones a las Ciencias Sociales. ISSN: 1988-7833. Recuperado de https://www.eumed.net/rev/cccss/2019/06/prostituicao-virtual.html //hdl.handle.net/20.500.11763/cccss1906prostituicao-virtual

Ludke, M. & Andre, M. E. D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. São Paulo: E.P.U.

Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Paiva, L. L. de, Araújo, J. L. de, Nascimento, E. G. C. do, & Alchieri, J. C. (2013). A vivência das profissionais do sexo. Saúde Em Debate, 37(98), 467–476. doi: 10.1590/s0103-11042013000300010

Penha, J. C. da, Aquino, C. B. de Q., Neri, É. de A. R., Reis, T. G. O. dos, Aquino, P. de S., & Pinheiro, A. K. B. (2015). Fatores de risco para doenças sexualmente transmissíveis em profissionais do sexo do interior piauiense. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36(2), 63-69. https://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.02.52089

Pereira, A. S. et al., (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free ebook]. Santa Maria: UAB/NTE/UFSM. Recuperado de https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/358/2019/02/Metodologia-da-Pesquisa-Cientifica_final.pdf

Rodrigues, E. E., & Alvarenga, M. A. D. F. P. (2015). Transexualidade E Dignidade Da Pessoa Humana. Revista Eletrônica Do Curso de Direito Da UFSM, 10(1), 72–93. doi: 10.5902/1981369418583

Silva, A. R., Carvalho J. (2016). Prostituição é profissão: motivos para legalizar. Revista Eletrônica de Ciências Jurídicas [Internet]. 1(2), 1 - 36. Recuperado de http://fadipa.educacao.ws/ojs-2.3.3-3/index.php/cjuridicas/article/view/157

Silva, R. F., Sampaio, F. S. Prostituição: Sexo e Mercadoria. (2014). Geografia (Londrina) 1(23), 85 – 105. http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2014v23n1p85

Sofal, A. M. de, Oliveira, M. M. de, Rodrigues, P. H. M., Costa-Silva, T. A., Ribeiro, L. P. (2019). Trajetórias de vida de travestis e transexuais de Belo Horizonte: Ser “T” e “Estar Prostituta”. Serv. Soc. Rev., londrina, 2 (21), 375-396. Doi: 10.5433/1679‐4842.2019v21n2p375

Vieira, L. B., & Freitas Júnior, R. A. de O. (2015). Lei Gabriela Leite: a legalização da prostituição sob uma nova perspectiva no direito penal brasileiro. Revista Transgressões, 3(1), 331-344. Recuperado de https://periodicos.ufrn.br/transgressoes/article/view/7211

Published

18/11/2020

How to Cite

Santo, M. O. do E. ., Oliveira, M. M. de, Ferreira , R. Z. ., Cruz, V. D. ., Coimbra, V. C. C. ., Farias, T. A. ., Silva, K. F. da ., & Timm, S. F. . (2020). Sex workers: starting and maintaining the profession. Research, Society and Development, 9(11), e38291110031. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10031

Issue

Section

Health Sciences