Intestinal dysbiosis: Correlation with current chronic diseases and nutritional intervention

Authors

  • Camila NeuHannig Centro Universitário Campos de Andrade
  • Cristina dos Prazeres Régis Centro Universitário Campos de Andrade
  • Joceli Herchonvicz Soika Centro Universitário Campos de Andrade
  • Lucas Alexandre de Souza Silva Centro Universitário Campos de Andrade
  • Viviane Aparecida Bernardo Quintanilha Centro Universitário Campos de Andrade
  • Lenice Teresinha Bussolotto Centro Universitário Campos de Andrade
  • Mariana Scudeller Vicentini União das Instituições de Serviços, Ensino e Pesquisa
  • Sergio Ricardo Brito Bello Centro Universitário Campos de Andrade

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i6.1054

Keywords:

Dysbiosis intestinal; Nutrition; Prebiotics; Probiotics.

Abstract

Intestinal dysbiosis is characterized by imbalance in relation to the proportion of favorable and unfavorable bacteria in the intestinal environment. The presence of diseases, poorly planned diets, drug conducts and environmental toxic exposure are associated with their greater expression. Thus, the objective of this bibliographic review was to present the main implications related to intestinal dysbiosis, its correlation with current diseases with a focus on promoting the design of nutritional strategies. Within this context, numerous factors contribute to the development of the condition, thus reinforcing the need for changes in lifestyle and promotion of dietary guidelines guided by the supply of probiotics and prebiotics in the control of this dysfunction.

References

Silva, I. S. da. (2014). Avaliação de alguns microrganismos da microbiota intestinal endógena de crianças eutróficas com sobrepeso e obesas em idade escolar (Dissertação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Conrado, B. Á., de Souza, S. A., Mallet, A. C. T., de Souza, E. B., dos Santos Neves, A., & Saron, M. L. G. (2018). Disbiose Intestinal em idosos e aplicabilidade dos probióticos e prebióticos. Cadernos UniFOA, 13(36), 71–78.

de SOUZA, M. V. O., & FERNANDES, L. A. B. (2015). Nutrição funcional aplicada na disbiose intestinal. In Anais-UNIC-Congresso de Iniciação Científica-UNIFEV (pp.397-398). (Vol. 1), Votuporanga.

dos Santos Moraes, M., dos Santos Oliveira, L. P., de Carvalho Furtado, C., & Gonzalez, F. G. (2018). Efeitos funcionais dos probióticos com ênfase na atuação do kefir no tratamento da disbiose intestinal. UNILUS Ensino e Pesquisa, 14(37), 144–156.

Fajardo, A. C. da S. (2015). Caracterização do microbioma humano (Dissertação em mestrado). Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, Caparica.

Ferreira, G. S. (2014). Disbiose intestinal: aplicabilidade dos prebióticos e dos probióticos na recuperação e manutenção da microbiota intestinal (Monografia). Centro Universitário Luterano de Palmas, Palmas.

Gomes, V. T. S., Gomes, R. N. S., Gomes, M. S., Viana, L. V. M., Conceição, F. R., Soares, E. L., & Souza, G. P. (2017). Benefícios da biomassa de banana verde á saúde humana. Revista Univap, 22(40), 655.

Kercher, K. K. O., & Garcia, M. C. R. (2016). Correlação da disbiose intestinal e obesidade: uma revisão bibliográfica. In: Salão do Conhecimento: Ciência alimentando o Brasil. Unijuí Universidade Regional. Rio Grande do Sul.

Lopes, C. L. R., dos Santos, G. M., & Coelho, F. O. A. M. (2017). Prevalência de sinais e sintomas de disbiose intestinal em pacientes de uma clínica em Tersina-Pi. Ciência & Desenvolvimento-Revista Eletrônica da FAINOR, 10(3), 280-292.

Paixão, L. A., & dos Santos Castro, F. F. (2016). Colonização da microbiota intestinal e sua influência na saúde do hospedeiro. Universitas: Ciências da Saúde, 14(1), 85–96.

Paludo, N. (2017). Desenvolvimento e caracterização de kombucha obtida a partir de chá verde e extrato de erva-mate: processo artesanal e escala laboratorial (Monografia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Porto Alegre.

Sanmiguel, C., Gupta, A., & Mayer, E. A. (2015). Gut microbiome and obesity: a plausible explanation for obesity. Current obesity reports, 4(2), 250–261.

Serdoura, S. V. (2017). Microbiota intestinal e obesidade (1º ciclo em Ciências da Saúde). Universidade do Porto, Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, Porto.

Silvestre, C. M. R. F. (2015). O diálogo entre o cérebro e o intestino: qual o papel dos probióticos? (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Clínica Universitária de Pesquisa, Lisboa.

Vieira, C. R. (2016). Efeito da abordagem nutricional e o uso de probióticos no tratamento da disbiose (Monografia). Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo.

Weiss, G. A., & Hennet, T. (2017). Mechanisms and consequences of intestinal dysbiosis. Cellular and Molecular Life Sciences, 74(16), 2959–2977.

Published

29/03/2019

How to Cite

NEUHANNIG, C.; RÉGIS, C. dos P.; SOIKA, J. H.; SILVA, L. A. de S.; QUINTANILHA, V. A. B.; BUSSOLOTTO, L. T.; VICENTINI, M. S.; BELLO, S. R. B. Intestinal dysbiosis: Correlation with current chronic diseases and nutritional intervention. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 6, p. e25861054, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i6.1054. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1054. Acesso em: 24 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences