Precariousness, flexibility, and labor relations in the Fashion Industry

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.10841

Keywords:

Labor; Precariousness; Fashion Industry; Brazil.

Abstract

In this work, we carry out a reflection around issues regarding work in the Brazilian fashion and clothing industry – one of the oldest activities performed by mankind. The objective of conceiving such work was to be able to understand the main aspects related to precariousness and inhuman work in this field. As far as the methodology applied to the study goes, this research is characterized as qualitative, and of descriptive and bibliographic type. As a result, in general, it can be observed that the precarious and flexible working relationships are utilized by companies as a means of profitability. However, when using this mechanism, worker’s rights, which are the most fragile part of this process, are the most affected, and in many cases, workers find themselves in situations similar to slavery, working in a forced way, with exhaustive workdays, and in degrading conditions.

Author Biographies

Fabiano Eloy Atílio Batista, Universidade Federal de Viçosa

Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica (PPGED) - área de concentração em Família e Sociedade - pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduado em Tecnologia em Design de Moda, pela Faculdade Estácio de Sá - Juiz de Fora.

Glauber Soares Junior, Universidade Federal de Viçosa

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica (PPGED) - área de concentração 'Família e Sociedade' - pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduado em Tecnologia em Design de Moda pelo 'Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Muriaé'.

Isadora Franco Oliveira, Universidade Federal de São João Del Rei

Mestranda pelo Programa de Pós- Graduação em Artes, Urbanidades e Sustentabilidade , pela Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ). Graduada em Tecnologia em Design de Moda pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - IF Sudeste MG - campus Muriaé.

References

ABIT. (2019). Perfil do setor. Retrieved from Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção: https://www.abit.org.br/cont/perfil-do-setor

Antunes, R. (2009). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Antunes, R., & Druck, G. (2015). A terceirização sem limites: a precarização do trabalho como regra. O Social Em Questão, 18(34), 19-40.

Barros, S., Rosa, F., & Ribeiro, E. M. (2017). Princípios e técnicas para elaboração de textos acadêmicos: pensando na pós-graduação. Salvador: UFBA.

Batista, F. E. A. (2018). A moda que não sai de moda: o trabalho nas confecções têxteis brasileiras. Falange Miúda, 2(1), 87-92. Fonte: http://www.falangemiuda.com.br/index.php/refami/article/view/77

Borba, C. da C. M., & D'Angelo, I. B. de M. (2020). The capitalist system in the context of migrant and refugee workers: the sisyphus myth. Research, Society and Development, 9(1), e169911826. doi:10.33448/rsd-v9i1.1826

Duarte, G. G. (2015). O fast-fashion e o fator humano: uma abordagem para a conscientização da produção e do consumo e eliminação do trabalho escravo contemporâneo. Anais do 11º Colóquio de Moda.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (6th ed.). São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29. doi:10.1590/S0034-75901995000300004

Harvey, D. (2010). A condição pós-moderna (19th ed.). São Paulo: Loyola.

Manduca, M. L. G., & Navarro, L. A. (2019). O trabalho análogo à condição de escravo no setor têxtil brasileiro. Boletim Jurídico, 31(1673). Retrieved from https://www.boletimjuridico.com.br/artigos/direito-do-trabalho/4646/o-trabalho-analogo-condicao-escravo-setor-textil-brasileiro

Miraglia, L. M. M., Hernandez, J. do N., & Oliveira, R. F. de S. (2018). Trabalho escravo contemporâneo: conceituação, desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Motta-Roth, D., & Hendges, G. R. (2010). Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola.

Refosco, E., & Pessoa, J. (2013). A terceirização nas indústrias de vestuário. 9º Colóquio de Moda, 1-12.

R

epórter Brasil. (2019, december). Pacto Pelo Trabalho Decente nas Confecções de São Paulo Completa 10 Anos. Retrieved from Repórter Brasil: https://reporterbrasil.org.br/2019/12/pacto-pelo-trabalho-decente-nas-confeccoes-de-sao-paulo-completa-10-anos/

Repórter Brasil. (2020, june). Trabalho escravo, despejos e máscaras a R$0,10: pandemia agrava exploração de migrantes bolivianos em SP. Retrieved from Repórter Brasil: https://reporterbrasil.org.br/2020/06/trabalho-escravo-despejos-e-mascaras-a-r-010-pandemia-agrava-exploracao-de-migrantes-bolivianos-em-sp/

Santos, S. D. M. dos. (2017). Entre fios e desafios: indústria da moda, linguagem e trabalho escravo na sociedade imperialista. RELACULT - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, 3. doi:10.23899/relacult.v3i3

Silva, A. A. B., & Silveira, W. H. A. (2018). Análise do Trabalho Escravo nas Grandes Magazines: uma leitura moderna acerca do novo modo de exploração. Scientia Iuris, 22(1), 223-257. doi:10.5433/2178-8189.2018v22n1p223

Downloads

Published

04/01/2021

How to Cite

BATISTA, F. E. A.; SOARES JUNIOR, G. .; OLIVEIRA, I. F. Precariousness, flexibility, and labor relations in the Fashion Industry. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e11510110841, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.10841. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/10841. Acesso em: 24 jan. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences