Physical Education: “a stranger animal than the platypus”

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11224

Keywords:

Brazilian Physical Education; Plurality; Epistemological identity.

Abstract

The present essay, with a reflective character, is constituted from the objective of elucubating about the field of Physical Education (EF) in Brazil through an analogy with the platypus. The justification for this aim is that there are “metaphorical similarities” between the platypus and EF. With the intention of developing this metaphor, in the first topic, we present some “approximations” between the platypus and EF. In the second topic, we tried to discuss and rutile some possibilities to think about PE, especially with regard to the epistemological plurality of the field, as a possible alternative for (relative) unity among the different Physical Educations. We bet on the dialogical disposition for the plurality of the field of Brazilian EF, seeking recognition for the singularities that constitute it (to the despair of the catalogers on duty).

Author Biographies

Silas Alberto Garcia, Universidade Estadual de Goiás

Graduando Licenciatura em Educação Física na Universidade Estadual de Goiás- Campus ESEFFEGO

Paulo Evaldo Fensterseifer, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutor em Educação (UNICAMP). Professor do Programa de Pós-graduação em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ).                                                                                                                          

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ricardo Rezer, Universidade Federal de Pelotas

Realizou estudos de Pós-Doutorado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (2018). Doutorado em Educação Física (2010) na Universidade Federal de Santa Catarina, com estágio na Universidade do Porto (Porto, Portugal). Atualmente é Professor Adjunto A da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (ESEF/UFPel).

References

Almeida, F. Q., Vaz, A. F. (2010). Do giro linguístico ao giro ontológico na atividade epistemológica em Educação Física. Movimento, 16(3), 11- 28.

Almeida, F. Q., Bracht, V., Vaz, A. F. (2012). Classificações epistemológicas na Educação Física: redescrições.... Movimento, 18(4), 241-263.

Arendt, H. A condição humana. (2010). Rio de janeiro: Forense-Universitária.

Betti, M. Educação física e sociedade. (1991). São Paulo: Editora Movimento.

Bracht, V. (2003). Educação física e ciência: cenas de um casamento (in)feliz. (2a ed.), Ed. Unijuí.

Bungenstab, G. C. (2020). Epistemologia da Educação Física brasileira: (re) descrições da atividade epistemológica no século XXI. Movimento, 26, 1-14.

Castellani Filho, L. (1988). Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Papirus Editora.

Daolio, J. (1996). Educação física escolar: em busca da pluralidade. Revista Paulista de Educação Física, (2), 40-42.

Fensterseifer, P. E. (2010). Educação Física: atividade epistemológica e objetivismo. Filosofia e Educação, 2(2), 99-110.

Feyerabend, P. K. (1977). Contra o Método. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Ghiraldelli Júnior, P. (1991). Educação Física Progressista. São Paulo: Edições Loyola.

Leonel, Z. (1994). Contribuição à história da escola pública: elementos para a crítica da teoria liberal da educação. Tese (Doutorado em Educação), Unicamp, Campinas. http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253849, acessado em: 18/09/2020.

Lima, H. L. A. de. (1999). Pensamento Epistemológico da Educação Física Brasileira: das controvérsias acerca do estatuto científico. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Lima, H. L. A. de. (2000). Pensamento epistemológico da educação física brasileira: das controvérsias acerca do estatuto científico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 21(2), 95-112.

Medina, J. P. S. (1990). A Educação Física cuida do corpo e ... "mente". (9a ed.), Paplrus.

Oliveira, F. (2003). Crítica da razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo.

Romero, A. Jr. (1976). El ornitorrinco, ese absurdo mamífero ponedor huevos. CUNY Academic Works.

Souza, J. de. (2019a). Digressões acerca da ciência aplicada do movimento humano (ou sobre como podem prosperar revoluções simbólicas na área de Educação Física?). Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 27(4), 43-63.

Souza, J. (2019b). Educação física reflexiva – problemas, hipóteses e programa de pesquisa. Movimento, 25, 1-15.

Tani, G. (1996). Cinesiologia, educação física e esporte: ordem emanente do caos na estrutura acadêmica. Motus corporis, 3(2), 9-50.

Published

02/01/2021

How to Cite

GARCIA, S. A. .; FENSTERSEIFER, . P. E.; REZER, R. Physical Education: “a stranger animal than the platypus”. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e11410111224, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11224. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11224. Acesso em: 18 jan. 2021.

Issue

Section

Education Sciences