Sociodemographic and clinical characteristics of a cohort of puerperal women in a hospital in Santa Catarina

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11288

Keywords:

Women’s health; Parturition; Health profile.

Abstract

The aim of this study is to describe the socio-demographics characteristics and clinical features according to the different types of birth (vaginal and caesarean section) and health care system (SUS or private) in a cohort of puerperal women from a public hospital located in the west of Santa Catarina state. This is a retrospective, descriptive and transversal study, elaborated from the data of a cohort of women who gave birth by vaginal or caesarean delivery and who were admitted in a referral hospital in the west of Santa Catarina State. The data from medical records, stored in the hospital own network, was collected between November 2019 and March 2020. The variables analysed were: race/skin colour/ethnicity, age, marital status, health system (SUS or private), number of pregnancies, delivery route, use of episiotomy, laceration (categorized in second or third degree), maternal comorbidities, complications of delivery and prophylactic antibiotic therapy. The results showed that the majority of women were between 26 and 30 years of age, were white, married or in a stable relationship, pregnant for the second or third time, never had a miscarriage, developed complications during the current pregnancy, did not have intrapartum intercurrences, utilized public health system to grant access to medical care, did not undergo episiotomy and did not have any type of perineal tears during childbirth. These results show an abusive use of caesarean section, mainly in private care system; nevertheless, the rate of episiotomy is in accordance with the Wold Health Organization recommendation.

Author Biographies

Felipe Ongaratto, Universidade Federal da Fronteira Sul

 https://orcid.org/0000-0002-9763-9104, Universidade Federal da Fronteira Sul, felipeongarato@gmail.com

Sofia Belfort Bomfim, Universidade Federal da Fronteira Sul

Sofia Belfort Bomfim, https://orcid.org/0000-0002-5701-7298, Universidade Federal da Fronteira Sul, sofia.belfort.b@gmail.com

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (2017). Medidas de Prevenção e Critérios Diagnósticos de Infecções Puerperais em Parto Vaginal e Cirurgia Cesariana. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília, DF: Anvisa.

Andrade, S. G. de, Vasconcelos, Y. A. de, Carneiro, A. R. S., Severiano, A. R. G., Terceiro, A. J. de M. D., Silva, T. B. da, Carneiro, J. K. R., & Oliveira, M. A. S. (2018). Perfil sociodemográfico, epidemiológico e obstétrico de parturientes em um hospital e maternidade de Sobral, Ceará. Revista Prevenção de Infecção e Saúde. 4. DOI: 10.26694/repis.v4i0.7283

Australian Journal of General Practice (2018). Perineal tears – A review. Recuperado de https://www1.racgp.org.au/ajgp/2018/january-february/perineal-tears-a-review

Barbosa, E. M., Oliveira, A. S. S. de, Galiza, D. D. F. de, Barros, V. L. de, Aguiar, V. F. de, & Marques, M. B. (2017). Perfil Sociodemográfico e Obstétrico de Parturientes de um Hospital Público. Rev Rene, 18(2), 227-32. DOI: 10.15253/2175-6783.2017000200012

Barros, A. J. D., Santos, I. S., Matijasevich, A., Domingues, M. R., Silveira, M., Barros, F. C., & Victora, C. G. (2011). Padrões de partos em uma coorte de nascimentos: cesarianas universais para os ricos. Revista de Saúde Pública. 45(4), 635–643. DOI: 10.1590/S0034-89102011005000039

Carneiro, L. M. de A., Paixão, G. P. do N., Sena, C. D., Souza, A. R. de., Silva, R. S. & Pereira, A. (2015). Parto natural X parto cirúrgico: Percepções de mulheres que vivenciaram os dois momentos. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. 5(2). DOI: 10.19175/recom.v0i0.744

Esteves-Pereira, A. P., Deneux-Tharaux, C., Nakamura-Pereira, M., Saucedo, M., Bouvier-Colle, M.-H., & Leal, M. do C. (2016). Caesarean Delivery and Postpartum Maternal Mortality: A Population-Based Case Control Study in Brazil. PLoS ONE, 11(4). DOI: 10.1371/journal.pone.0153396

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (2016). Guia Prático: Infecções no Ciclo Grávido-Puerperal. Recuperado de https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/02-INFECCOyES_NO_CICLO_GRAVIDO_PUERPERAL.pdf

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (2018). Alta taxa de cesáreas no Brasil é tema de audiência pública. Recuperado de https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/728-alta-taxa-de-cesareas-no-brasil-e-tema-de-audiencia-publica#:~:text=A%C3%A7%C3%A3o%20do%20MPF%20pede%20regulamenta%C3%A7%C3%A3o,consult%C3%B3rios%20m%C3%A9dicos%20e%20hospitais%20privados.

Filho, P.J.M. & Reichert, H. (2017). Condicionantes econômicas e sociais da fecundidade no Brasil. Ciências Sociais em Perspectiva. 16(30), 39-57. DOI: 10.5935/rcsp.v16i30.12179

Fontenelle, L. F (2017). Nível socioeconômico, cobertura por plano de saúde, e autoexclusão do Sistema Único de Saúde. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em epidemiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Brasil.

Freitas, P. F. & Fernandes, T. M. B. (2016). Associação entre fatores institucionais, perfil da assistência ao parto e as taxas de cesariana em Santa Catarina. Revista Brasileira de Epidemiologia. 19(3), 525–538. DOI: 10.1590/1980-5497201600030005

Guimarães, E. E. R., Chianca, T. C. M. & Oliveira, A. C. de. Infecção puerperal sob a ótica da assistência humanizada ao parto em maternidade pública. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 15(4), 536–542. DOI: 10.1590/S0104-11692007000400003.

Jiang, H., Qian, X., Carroli, G., & Garner, P. (2017). Selective versus routine use of episiotomy for vaginal birth. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2. DOI: 10.1002/14651858.CD000081.pub3

Leal, M. do C., Bittencourt, S. de A., Esteves-Pereira, A. P., Ayres, B. V. da S., Silva, L. B. R. A. de A., Thomaz, E. B. A. F. & Lamy, Z. C., et al. (2019). Avanços na assistência ao parto no Brasil: Resultados preliminares de dois estudos avaliativos. Cadernos de Saúde Pública, 35(7). DOI: 10.1590/0102-311x00223018

Ministério da Saúde (2012). Atenção ao pré-natal de baixo risco (Cadernos de Atenção Básica). Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2018). Estatísticas Vitais. Departamento de Informática do SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2017). Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos estratégicos. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (2012). Gestação de alto risco: manual técnico (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (2019). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Conduções Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Oliveira, R.R. de, Melo, E. C., Novaes, E. S., Ferracioli, P. L. R. V., & Mathias, T. A. F. (2016). Fatores associados ao parto cesárea nos sistemas público e privado de atenção à saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(5), 733-740. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000600004

Pascoal, J. M. F., & Reichert H. (2017). Condicionantes econômicos e sociais da fecundidade no Brasil. Revista Ciências Sociais em Perspectiva, 16(30), 39-57. DOI: https://doi.org/10.5935/rcsp.v16i30.12179

Procianoy, R.S., & Silveira, R. C. (2019). Os desafios no manejo da sepse neonatal. Jornal de Pediatria, 96(S1), 80–86. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jped.2019.10.004.

Rasador S. & Abegg C. (2019). Fatores associados à via de parto em um município da região nordeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 19(4), 797-815. DOI: 10.1590/1806-93042019000400004.

Rattner, D. & Moura, E. C. de. (2016). Nascimentos no Brasil: Associação do tipo de parto com variáveis temporais e sociodemográficas. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 16(1), 39–47. DOI: 10.1590/1806-93042016000100005

Royal College of Obstetricians and Gynaecologists (2015). The Management of Third- and Fourth-Degree Perineal Tears. Recuperado de https://www.rcog.org.uk/globalassets/documents/guidelines/gtg-29.pdf

Sales, J. de L., Quitete, J. B., Knupp, V. M. de A. O., & Martins, M. A. R. (2020). Assistência ao parto em um hospital da baixada litorânea do Rio de Janeiro: desafios para um parto respeitoso. Revista Online de Pesquisa (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro). 12, 107–113. DOI: 10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.7092

Schmalfuss, J. M., Rossetto, M., Baseggio, L., Radichewski, V., & Batista, J. d’Arc L. (2016). Fatores associados ao relato de episiotomia em parturientes atendidas em um hospital do oeste catarinense. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. 9(0). DOI: 10.19175/recom.v9i0.3294

Silva G.F. & Pelloso S.M. (2009). Perfil das parturientes e seus recém-nascidos atendidos em um hospital-escola do Noroeste do Estado do Paraná. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 43(1), 95-102. DOI: 10.1590/S0080-62342009000100012

Silveira, M. P. T., Miranda, V. I. A., Silveira, M. F. da, Pizzol, T. S. D., Mengue, S. S., & Bertoldi, A. D. (2019). Uso de medicamentos na internação para o parto: coorte de nascimentos de Pelotas, 2015. Revista de Saúde Pública, 53(51). DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000913

Varela, P. L. R., Oliveira, R. R. de, Melo, E. C., & Mathias, T. A. F. de. (2018). Intercorrências na gravidez em puérperas brasileiras atendidas nos sistemas público e privado de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 25, e2949. DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.2156.2949.

World Health Organization. (1996). Care in normal birth: a pratical guide. Recuperado de http://www.midwiferyservices.org/care_in_normal_birth_practical_guide.pdf

World Health Organization (2018). Policy of interventionist versus expectant management of severe pre-eclampsia before term. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/277236/9789241550444-eng.pdf?ua=1

World Health Organization. (2015). WHO Statement on Caesarean Section Rates. Recuperado de https://www.who.int/reproductivehealth/publications/maternal_perinatal_health/cs-statement/en/

Published

17/01/2021

How to Cite

ONGARATTO, F. .; BOMFIM, S. B. .; ROSSETTO, M. Sociodemographic and clinical characteristics of a cohort of puerperal women in a hospital in Santa Catarina . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e34510111288, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11288. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11288. Acesso em: 26 feb. 2021.

Issue

Section

Health Sciences