Permanent education process under the micropolitics of living work in the act of Emerson Merhy: theoretical reflection

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11514

Keywords:

Education Continuing; Work; Health; Learning; Organization and administration.

Abstract

Objective: To understand the confluences of the theory of “living work in the act” by Emerson Merhy and the process of permanent health education. Methodology: Theoretical reflection based on the concepts of the theory of “living work in the act” by Emerson Merhy in discussion with the National Policy of Permanent Education. Results: The liveliness of the work originates from the activity of the worker, in his exact moment of creation. In the field of Permanent Education, health work is centered on living work permanently, since it operates through the use of action technologies centered on relationships. Permanent Health Education presents itself as an effective management tool, being able to work with the realities and singularities of users, workers and health services, through meaningful learning. Final considerations: The confluences of Emerson Merhy's theory of “live work in the act” and the National Policy on Permanent Education bring implications for the pedagogical and healthcare practice in health, as it allows to work a new perspective during the collective reflection of the work process, in addition to assisting in the implementation of Permanent Education in health services.

Author Biographies

Gabryella Vencionek Barbosa Rodrigues, Universidade Federal Fluminense

Enfermeira. Especialista em Enfermagem do Trabalho. Enfermeira plantonista em unidade de urgência e emergência. Docente na Faculdade União Araruama de Ensino. Mestranda pelo Programa Profissional de Ensina na Saúde na Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAAC) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, RJ, Brasil.

Elaine Antunes Cortez, Universidade Federal Fluminense

Pós-doutora em Enfermagem. Professora associada do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica (MEP). Coordenadora do Programa de Mestrado em Ensino na Saúde (MPES) da EEAAC/UFF. Niterói, RJ, Brasil.

Yasmin Saba de Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel e Licenciatura em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense. Pós-graduanda 'lato sensu' em Gestão em Saúde pela Escola de Administração e pelo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Emillia Conceição Gonçalves dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda pela Universidade Federal Fluminense. Licenciatura em Enfermagem e Obstetrícia, Especialista em Clínica Médica e Cirúrgica, Mestre em Ciências do Cuidado em Saúde, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense (EEAAC-UFF). Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

References

Coelho, M. O., & Jorge, M. S. B. (2009). Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciências & Saúde Coletiva, 14(Supl.1), 1523-1531. http://doi.org/10.1590/S1413-81232009000800026

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (2020). (56a ed.). Saraiva Jur.

Feuerwerker, L. C. M. (2014). Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Rede UNIDA.

Fernandes, F.C., Cortez, E.A., Laprovita, D., Almeida, L. P., Ferreira, A. F., & Corvino, M. P. F. (2017). Educação permanente em saúde sob a perspectiva de Agostinho de Hipona. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(3), 656-661. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0484

Franco, T. B., & Merhy, E. E. (2012). Cartografia do trabalho e cuidado em saúde. Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva, 6(2), 151-163. 16 de junho de 2020, de http://www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/1120

Grabois, V. (2011). Gestão do cuidado. In R. Gondim, V. Grabois, & W.V. Mendes Junior (Orgs.), Qualificação dos Gestores do SUS (2a ed.), 153-190. Fiocruz/ENSP/EAD.

Laprovita, D. (2017). Núcleo de educação em urgência na lógica da educação permanente: serviço de atendimento pré-hospitalar móvel (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense). Repositório Institucional da Universidade Federal Fluminense. https://app.uff.br/riuff/handle/1/3110

Merhy, E. E. (1997). Agir em saúde: um desafio para o público. Hucitec.

Merhy, E. E. (2002). Saúde: a cartografia do trabalho vivo em ato. Hucitec.

Merhy, E. E. (2005). Engravidando as palavras: o caso da integralidade. In R. Pinheiro, & R.A. Mattos (Orgs.). Construção Social da Demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos (2a ed.). CEPESC/ UERJ, ABRASCO.

Merhy, E. E. (2015). Educação Permanente em Movimento: uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde em Redes, 1(1), 7-14. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n1p07-14

Merhy, E. E., & Franco, T. B. (2008). Trabalho em saúde. In I. B. Pereira, & J. C. F. Lima (Orgs.), Dicionário da educação profissional em saúde (2a ed.) 427-432. EPSJV.

Merhy, E. E., & Feuerwerker, L. C. M. (2014). Educação permanente em saúde: educação, saúde, gestão e produção do cuidado. https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4448009/mod_resource/content/1/TRABALHO2.pdf

Merhy, E. E., Feuerwerker, L. C. M., & Ceccim, R. B. (2006). Educación Permanente en Salud: una Estrategia para Intervenir en la Micropolítica del Trabajo em Salud. Salud Colectiva, 2(2),147-160. https://doi.org/10.18294/sc.2006.62

Marx, K. (2017). O capital: crítica da economia política. O processo de produção do capital (2a ed.). Boitempo.

Ministério da Saúde. (2009). Política Nacional de Educação Permanente em Saúde.

Ministério da Saúde. (2014). Educação permanente em saúde: reconhecer a produção local de cotidianos de saúde e ativar práticas colaborativas de aprendizagem e de entrelaçamento de saberes.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM.

Portaria nº 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. (2004, 16 fevereiro). Instituí a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1832.pdf

Portaria nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. (2007, 22 agosto). Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html

Sant’Anna, S. R. S., & Hennington, E. A. (2011). Micropolítica do trabalho vivo em ato, ergologia e educação popular: proposição de um dispositivo de formação de trabalhadores de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 6(Supl.1), 223-244. https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000400011

Silva, A. B., Lopes, G. M., Batista, K. M. P., & Castro, M. C. S. (2018). A Educação Permanente em Saúde no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Revista SUSTINERE, 6(1), 63-83. https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.31266

Silva, J. A. M., & Peduzzi, M. (2011). Educação no trabalho na Atenção Primária à Saúde: interfaces entre a educação permanente em saúde e o agir comunicativo. Saúde e Sociedade, 20(4), 1018-1032. https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000400018

Published

06/01/2021

How to Cite

RODRIGUES, G. V. B.; CORTEZ, E. A.; ALMEIDA, Y. S. de; SANTOS, E. C. G. dos. Permanent education process under the micropolitics of living work in the act of Emerson Merhy: theoretical reflection. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e17610111514, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11514. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11514. Acesso em: 18 jan. 2021.

Issue

Section

Health Sciences