Epidemiological profile of blood donors with sickle cell trait in the State of Piauí, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.11518

Keywords:

Variant hemoglobins; Sickle cell trait; Race; Public health.

Abstract

The study presented here aims to discuss social and demographic variables of blood donors with variant hemoglobins in the state of Piauí, in 2019, through the analysis of data collected from them and stored in HEMOVIDA. The data obtained were subjected to statistical analysis using the SPSS program, in which they were crossed and the proportions were compared using the Χ2 test. According to the results obtained, of the 37840 donors, 1666 tested positive for variant hemoglobins, 1376 (3.64%) of whom had the sickle cell trait. Most donors (79.3%) live in the city of Teresina, 46.1% were between 19 and 29 years old and the most mentioned professional occupation was that of a student, 22.8% of the total. In addition, 64.8% of donors reported being single. When the gender variable was observed, 57.75% were men, with these also presenting the majority of cases of sickle cell trait. Regarding race, there was no statistical difference when comparing the numbers of individuals with variant hemoglobins, which goes against the studies highlighted in the literature. This paper discusses the race variable critically, understanding that the mechanisms of ethnic recognition are crossed by a complex web of relationships in a colonized society, which may be behind this discrepancy. Patients with the falsiform trait also reported less education compared to donors with HbAA hemoglobins.

Author Biography

Evaldo Hipólito de Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal da Paraíba (1990), graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal da Paraíba (1991), graduação em Direito pela Universidade Federal do Piauí (1999), Doutorado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários (2010), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (2002), especialização em Vigilância Sanitária e Epidemiológica (1997) e Citologia Clínica (2005). Foi Diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Piauí-LACEN-PI (2003 a 2007). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Piauí de microbiologia clínica e imunologia clínica (1994). Tem experiência na área de Farmácia (Interdisciplinaridade), atuando principalmente nos seguintes temas: análises clínicas ( bacteriologia, virologia, imunologia, citologia e hematologia ) e Vírus Linfotrópico de Células T Humanas-1/2-HTLV-1/2, HIV, HBV e HCV (Epidemiologa, Imunologia e Análise Molecular).

References

Batista, A. & Andrade, T. (2005). Anemia Falciforme: Um Problema de Saúde Pública no Brasil. Universitas Ciências da Saúde. 3(1), 83-99.

Costa, S. (2001). A mestiçagem e seus contrários etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo. Tempo Social. 13(1), 143-158.

Fry, P. H. (2005). O significado da anemia falciforme no contexto da 'política racial’ do governo brasileiro 1995-2004. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. 12(2), 347-370.

Manfredini, V. et al. (2007). A Fisiopatologia da Anemia Falciforme. Infarma. 19(1/2), 3-6.

Brasil. Ministério da Saúde (2001). Manual de Doenças Mais Importantes, por Razões Étnicas, na População Brasileira Afro-Descendente. 14-15

Moraes, K. C. M. & Galioti, J. B. (2010). A doença falciforme: um estudo genético-populacional a partir de doadores de sangue em São José dos Campos, São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. 32(4), 286-289.

Murao, M. & Ferraz, M. H. C. (2007). Traço falciforme – heterozigose para hemoglobina S. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. 29(3), 223-225.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Silva Filho I. L. et al. (2005). Triagem de hemoglobinopatias e avaliação da degeneração oxidativa da hemoglobina em trabalhadores portadores do traço falciforme (HbAS), expostos a riscos ocupacionais. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. 27(3), 183-187.

Soares, L. F. et al. (2009). Hemoglobinas variantes em doadores de sangue do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado do Piauí (Hemopi): Conhecendo o perfil epidemiológico para construir a rede de assistência. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. 31(6), 471-472.

Pinheiro, L. S. et al. (2006). Prevalência de hemoglobina S em recém-nascidos de Fortaleza: importância da investigação neonatal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 28(2), 122-125.

Vieira, A. G. (2016). Prevalência do Traço Falciforme em Doadores de Sangue do Distrito Federal. Centro Universitário de Brasília – UniCEUB.

Published

06/04/2021

How to Cite

SOARES, F. A. A. .; COSTA, S. C. R. .; OLIVEIRA, L. V. de C.; OLIVEIRA NETO, A. F. de .; OLIVEIRA, E. H. de . Epidemiological profile of blood donors with sickle cell trait in the State of Piauí, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e20010411518, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.11518. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11518. Acesso em: 20 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences