Social representations of Libras as a mandatory subject by actors from schools in public and private schools in the Municipality of Guarabira-PB

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11549

Keywords:

Social representations; Brazilian sign language; Educational inclusion.

Abstract

The present study aimed to apprehend the social representations of students and teachers of basic education in the Municipality of Guarabira / PB with regard to the inclusion of the discipline Libras in schools. As a theoretical contribution, the theory of social representations was chosen, as it allows understanding how social subjects conceive everyday events - information, feelings and social experiences - related to the area of ​​deafness. As a methodological support, a field research was carried out, with a qualitative and quantitative approach, composed of a non-probabilistic and convenience sample, formed by 50 subjects, 22 students of the pedagogy course and 18 teachers of basic education held in public and private schools. For data collection, a socio-demographic questionnaire and the Associação Livre de Palavras technique were used, whose inducing stimuli were: deaf; pounds; social inclusion of the deaf; inclusion of the discipline of pounds in the school. The data from the free association were processed and analyzed by the Tri-Deux-Mots software, through the correspondence factor analysis. The “Libras” stimulus was represented as: “something produced by the hands”, a “sign language”, which provides “teaching and help”, being, therefore, a “sign language”. The results pointed out the relevance of the study of social representations in terms of their importance and obligation in learning Libras. It provided a better understanding in the urgency of debates and discussions about the valorization and popularization for society, as well as in the didactic-pedagogical training and expansion as a teaching and learning tool in the researched universe.

References

Abric, J. C. (1994). Pratiques sociales et représentations. Paris: Presses Universitaires de France.

Brasil (2002). Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. (Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências). Presidência da República. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

Brito, L.F. (1993). Integração social e educação de surdos. BABEL Editora.

Castro, M. G. F. (2016). Representação Social da Libras por sujeitos surdos bilíngues. IV Seminário Internacional Inclusão em Educação: Universidade e Participação, inclusão, ética e interculturalidade, Rio de Janeiro, Brasil. https://eventos.ufrj.br/evento/iv-seminario-internacional-inclusao-em-educacao/

Cibois, U. F. R. (1995). Tri-deux-mots. Versão 2.2 Sciences Sociales.

Costa, S. S. C.& Kelman, C. A. (2013). Representações sociais dos surdos do curso de graduação em Letras-Libras. Revista Educação Especial, 26, (46), 437-450. http://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Coutinho, M. P. L. & Saldanha, A. A. W. (2005). Representações Sociais e Práticas de Pesquisa. Editora Universitária/UFPB.

Coutinho, M. P. L. (2005). Depressão Infantil e Representação Social. Ed. Universitária UFPB.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Artmed.

Davis, H. & Silverman, S. R. (1970). Audição e Surdez. Rinehart and Winston.

Di Giacomo, J. P. (1981). Aspects méthodologiques de l’analyse des représentations sociales. Cahiers de Psychologie Cognitive, 1(1), 397-422.

Félix, L. B. & Santos, M. F. S. (2011). A velhice na mídia escrita: um estudo em representações sociais. RBCEH, 8 (3), 363-374.

Fernandes, E. (2003). Linguagem e surdez. Artmed.

Gesser, A. (2009). LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. Parábola.

Gilly, Michel. (2001). As representações sociais no campo da educação. Em: Jodelet, D. As representações sociais. EdUERJ.

Jodelet, D. (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Junqueira, A. E. S. Algumas representações sociais do instrutor de libras na educação de surdos em Gado Bravo-PB. Congresso Internacional de Educação e inclusão, Campina Grande, Paraíba, Brasil. https://www.editorarealize.com.br/editora/anais/cintedi/2014/Modalidade_1datahora_14_11_2014_19_17_50_idinscrito_5327_755c37904d0e1bdc1248be9adba0f660.pdf

Lafon, J. C. (1989). A deficiência Auditiva na Criança. São Paulo: Manole.

Minayo, M. C. de S. (2002). O desafio da pesquisa social. Em: Deslandes, S. F.; Gomes, R. & Minayo, M. C. S. (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Vozes.

Minayo, M. C. S. (2008). O conceito de representações sociais dentro da Sociologia clássica. Em: P. A. Guareschi e S. Jovchelovitch (Orgs.). Textos em representações sociais. (pp. 89-111). Vozes.

Moscovici, S. (2008). O conceito de Representações sociais dentro da sociologia clássica. Em: Guareschi, P. & Jovchelovitch, S. (Orgs). Textos em representações sociais. Vozes.

Moscovici, S. (2012). A Psicanálise, sua Imagem e seu Público. Petrópolis: Vozes.

Nóbrega, S. M. & Coutinho, M. P. L. (2003). O Teste de Associação Livre de Palavras. Em: Coutinho, M. P. L. & Cols. Representações Sociais: abordagem interdisciplinar (pp.67-77). Universitária UFPB.

Oliveira. L. A. (2012). Fundamentos Históricos, Biológicos e Legais da Surdez. IESDE Brasil S.A.

Organização mundial da saúde, (2000). Retardamento Mental: enfrentando o desafio. Washington DC: Organização Mundial da Saúde.

Quadros, R. M. & Karnopp, L. B. (2004). Língua de Sinais Brasileira: Estudos linguísticos. Artmed.

Sá, C. (2001). Núcleo Central das Representações Sociais. Vozes.

Sá, C. (1998). A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Sá, N.R.L. (2002). Cultura, poder e educação de surdos. Universidade Federal do Amazonas.

Saraiva, E. R. de A. (2010). Violência contra idosos: aproximações e distanciamentos entre a fala do idoso e o discurso da mídia impressa. Tese de Doutorado em Psicologia Social. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Saraiva, E. R. A. (2007). A experiência materna mediada pela depressão pós-parto: um estudo das representações sociais (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil.

Sêga, R. A. (2000). O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Anos 90. Porto Alegre, 13, 128-133. Recuperado de: http://www.ufrgs.br/ppghist/anos90/13/13art8.pdf

Silva, A.C & Nembri, A.G. (2008). Ouvindo o silêncio: educação, linguagem e surdez. Mediação.

Silva, M. P. S. (2016). Inclusão de libras como disciplina no ensino fundamental. Prospectiva.

Skliar, C. (1997). Uma análise preliminar das variáveis que intervêm no Projeto de Educação Bilíngüe para os Surdos. Espaço Informativo Técnico Científico do INES, 6(1), 49-57.

Souza, L. L. & Silva, L.V.L. (2018). Representações sociais sobre os artefatos da cultura surda. Revista TCBRASIL, 2(1), 384 – 403.

Vagula, E. & Veodato, S.C.M. (2014). Educação inclusiva e língua brasileira de sinais. UNOPAR.

Published

08/01/2021

How to Cite

OLIVEIRA, A. B. R. de .; MOURA, G. B. de .; CIRINO, C. da S. .; SANTOS, W. da S. .; DINIZ, Ércules L. . Social representations of Libras as a mandatory subject by actors from schools in public and private schools in the Municipality of Guarabira-PB. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e21110111549, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11549. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11549. Acesso em: 19 jan. 2021.

Issue

Section

Education Sciences