Sociodemographical and clinical profile of intellectual disabled people in a small

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11674

Keywords:

Life conditions; Intellectual Disability; Health conditions; Quality of life.

Abstract

Intellectual disability (ID) is characterized as a developmental disorder that includes intellectual and adaptive impairments in the conceptual, social and practical domains. Identify the sociodemographic and clinical profile of people with intellectual disabilities in a small city in the interior of Rio Grande do Sul (RS). A census and descriptive study, with a quantitative approach, carried between April and September 2015, through the application of a previously prepared instrument for data collection.  There were 77 people with intellectual disabilities aged between six and 74 years. The majority were male (59.74%), unmarried (92.2%) and illiterate (55.84%). Regarding the diagnosis, 40.25% of the subjects, according to ICD-10, were diagnosed as F79 (Unspecified Mental Retardation), and in 50.64% the diagnosis was given by the neurologist. The study found that most people with intellectual disabilities are in adulthood and are single; their living / health conditions are satisfactory. Although they belong to a small municipality, such data may collaborate with professionals and managers of Health and Education, thus subsidizing discussions aimed at improving the necessary longitudinal care among people with intellectual disabilities.

Author Biographies

Rosane Seeger da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Graduação em Educação Especial / UFSM

Mestrado em Gerontologia / UFSM

Doutorado em Distúrbios da Comunicação Humana / UFSM

Fernanda dos Santos Pascotini, Universidade Federal de Santa Maria

Graduação em Fisioterapia

Mestra em Distúrbios da Comunicação Humana - UFSM

Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana - UFSM

Elenir Fedosse, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Doutora do curso de Graduação em Fonoaudiologia e de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana/Universidade Federal de Santa Maria.

References

AMMR (2006). American Association on Mental Retardation. Retardo mental: definição, classificação e sistemas de apoio. 10.ed. Porto Alegre: Artmed.

Aoki, M. & Oliver, F.C. (2013). Pessoas com deficiência moradoras de bairro periférico da cidade de São Paulo: estudo de suas necessidades. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, 21 (2), 391-398.

APA (2014). American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais - DSM-5. Porto Alegre: Editora Artmed.

Assumpção Jr, F (2004). Psiquiatria da infância e da adolescência. São Paulo: Santos.

Ayres, J. R. C. M. (2009). Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saúde Soc.,18 (supl. 2), 11-23.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília.

Brasil (2005). Subsecretaria de Direitos Humanos. Plano de Ação para o Enfrentamento da Violência Contra a Pessoa Idosa. Brasília: Subsecretaria de Direitos Humanos.

Brasil (2006). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de legislação em saúde da pessoa com deficiência. Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Brasil (2011). Lei nº 12.435 de 06 de julho de 2011. Altera a Lei n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. Dispõe sobre a organização do setor e institui o Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

Brasil (2012). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, 2012. Diretrizes e Normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília. Seção 1 p. 59.

Brasil (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com Síndrome de Down. Brasília: Ministério da Saúde.

Burchardt, T. (2005). The education and employment of disabled young people: Frustrated ambition. London School of Economics and Political Science.

Cecilio, L. C. O. (2006). As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R.A. (Org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 6.ed. Rio de Janeiro: UERJ, IMS/Abrasco: 115-28.

Doval, J. L. M. (2006). Inclusão de pessoas portadoras de deficiência no mercado de trabalho: desafios e tendências. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS.

Girardi, M. et al. (2012). O envelhecimento em de¬ficientes intelectuais. RBCEH. Passo Fundo, 9, (Supl. 1), 79-89.

Guerreiro, E. M. B. R. (2012). A acessibilidade e a educação: um direito constitucional como base para um direito social da pessoa com deficiência. Revista Educação Especial, 25 (43), 217-32.

IBGE (2017). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/ (acessado em 06/Fev/2017).

Kassar, M. C. M. (2012). Educação Especial no Brasil: Desigualdades e Desafios no Reconhecimento da Diversidade. Educ. Soc., Campinas, 33 (120), 833-849.

Mantoan, M. T. E. (2015). Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo, SP: Summus.

Nottestad, J. & Linaker, O. M. (2003). Psychotropic drug use among people with intellectual disability before and after deinstitucionalization. Journal of Intellectual Disability Research, Oxford, 47, 464-471.

O’leary, L. et al. (2018). Early death and causes of death of people with intellectual disabilities: a systematic review. J. Appl. Res. Intellect Disabil. 31, 325-42.

Oliveira, M. F. S. et al. (2008). Qualidade de vida do cuidador de crianças com paralisia cerebral. RBPS, Fortaleza, 21 (4), 275-280.

OMS (1993). Organização Mundial da Saúde. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10 – Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

OPAS (1998). Organização Panamericana de Saúde. La Saluden las Américas. Washington.

Pereira, A. S. et al. (2018). Metodologia da Pesquisa Científica [recurso eletrônico]. 1ºed. – Santa Maria, RS: UFSM, NTE.

Pessotti, I. (1984). Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: Edusp.

Rang, H. P. et al. (2003). Farmacologia. 5. Ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier.

Rimmer, J. H. (2015). Health promotion for people with disabilities: the emerging paradigm shift from disability prevention to prevention of secondary conditions. Disponível em:<http://www.ncpad.org/wthpprs/healthpropwdshift.htm>.

Santos, W. R. (2011). Deficiência e BPC: o que muda na vida das pessoas atendidas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 16 (1), 787-796.

Sena, E. L. S. & Goncalves, L. H. T. (2008). Vivências de familiares cuidadores de pessoas idosas com doença de Alzheimer - Perspectiva da filosofia de Merleau Ponty. Texto &Contexto Enferm, Florianópolis, 17 (2), 232-240.

Schalock, R. L. et al. (2010). Intellectual disability: definition, classification, and systems of supports. 11th Ed. Washington DC: American Association on Intellectual and Developmental Disabilities.

Published

13/01/2021

How to Cite

SILVA, R. S. da; PASCOTINI, F. dos S.; FEDOSSE, E. Sociodemographical and clinical profile of intellectual disabled people in a small. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e27110111674, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11674. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11674. Acesso em: 23 jan. 2021.

Issue

Section

Health Sciences