Review: Implementation of good manufacturing practices in the Brazilian food industry

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11687

Keywords:

Foodborne diseases; Good manufacturing practices in the food industry; Standardized operating procedure; Health surveilance.

Abstract

Food safety includes knowledge and practices related to collective health, in order to prevent risks associated with food. Adjacent is quality control, which combines basic foundations for the food production process to be carried out avoiding the emergence of foodborne diseases (DTAs). DTAs are caused by eating contaminated food or water, where several factors contribute to the emergence of diseases. With this, the Health Surveillance presents as one of the inspection roles for the release of the health license. Thus, the present work is a review of the literature based on quality control programs based on food safety with an emphasis on foodborne diseases. To guarantee product hygiene and food safety, there are several programs, such as: Good Manufacturing Practices (GMP) aim to avoid contamination of products, from the reception of raw materials to consumption. Self-Control Program (PAC), the main tool for agribusiness in the control of manufacturing processes. Standardized operating procedure (SOP) consists of describing all operations to perform a given procedure. Hazard analysis and critical control points (HACCP) system is based on the application of technical and scientific principles of prevention, with the purpose of guaranteeing the safety of the processes of production, handling, transportation, distribution and consumption of food. And the 5S method consists of organizing the workplace through maintenance, cleaning, standardization and discipline in carrying out the work, with the least possible supervision. It is shown that all programs go together.

References

Artilha-Mesquita, C. A. F., Stafussa, A. P., Paraiso, C. M., Rodrigues, L. M., da Silva, L. A., dos Santos, S. S., ... & Madrona, G. S. (2021) Avaliação da Gestão da Qualidade e suas ferramentas: aplicabilidade em indústria de alimentos de origem animal. Research, Society and Development, 10(1), e20210111248-e20210111248.

Barbosa, Lorna Bandeira, Moreira, Marta da Rocha, Lustosa, Iramaia Bruno Silva, Brito, Fernando César Rodrigues, Sousa, Verlaine Suênia Silva de, & Cabral, Lisidna de Almeida. (2018). Evaluation of good hygienic-sanitary practices in food trucks. Motricidade, 14(1), 226-231. http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-107X2018000100032&lng=pt&tlng=en.

Berthier, F. M. (2007). Ferramentas de gestão da segurança de alimentos: APPCC e ISO 22000 (uma revisão). Monografia de especialização. Universidade Federal de Brasília - UFB. http://bdm.unb.br/bitstream/10483/186/1/2007_FlorenceMarieBerthier.pdf.

Berti, R. C., & Santos, D. C. (2016). Importância do controle de qualidade na indústria alimentícia: prováveis medidas para evitar contaminação por resíduos de limpeza em bebida UHT. Atas de Ciências da Saúde (ISSN 2448-3753), 4(1), 23-38. https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/ACIS/article/view/1084.

Bertolino, M. T. (2009). Gerenciamento da qualidade na indústria alimentícia: ênfase na segurança dos alimentos. Artmed Editora.

Brasil. (1990). Ministério da Justiça. Secretaria de Direito Econômico. Lei n° 8078, de 11 de setembro de 1990. Código de defesa do consumidor. Brasília, DF, 12 de novembro de 1990. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078compilado.htm.

Brasil. (1993) Ministério da Saúde. Portaria n° 1428, de 26 de novembro de 1993. Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, 02 de dezembro de 1993. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1993/prt1428_26_11_1993.html.

Brasil. (1997) Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria SVS/MS 28 n° 326, de 30 de julho de 1997. Condições Higiênicos Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs1/1997/prt0326_30_07_1997.html.

Brasil. (1997). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria SVS/MS n° 368, de 04 de setembro de 1997. Regulamento Técnico sobre condições Higiênico Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Elaboradores/Industrializadores de Alimentos. https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-animal/empresario/Portaria_368.1997.pdf/view.

Brasil. (1998) Ministério da Saúde. Portaria n° 46, de 10 de fevereiro de 1998. Manual Genérico de Procedimentos para APPCC em Indústrias de Produtos de Origem Animal. Diário Oficial da União, Poder Executivo, fev. https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/PRT_046_10_02_199 8_MANUAL_GENERICO_DE_PROCEDIMENTOS_APPCCID-f4POhN0ufV.pdf

Brasil. (2002). Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União, 2002. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2002/ane xos/anexo_res0275_21_10_2002_rep.pdf.

Brasil. (2004) Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Regularização de Empresas: Alimentos. 2004. http://portal.anvisa.gov.br/registros-e-autorizacoes/alimentos/empresas/boas-praticas-de-fabricacao.

Brasil. (2004) Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC n°. 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas práticas para serviços de alimentação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2004. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0216_15_09_2004.html.

Brasil. (2004) Ministério da Saúde. Portaria n° 216, de 15 de setembro de 2004. Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, 15 de setembro de 2004.http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0216_15_09_2004.html.

Brasil. (2005) Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC n° 275, de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2005/rdc0270_22_09_2005.html.

Brasil. (2017)a Ministério da Saúde. Atribuições da vigilância sanitária de alimentos. Portal da Saúde. http://www.saude.curitiba.pr.gov.br/vigilancia/sanitaria/separadoralimentos/atribuicoes-da-vigilancia-sanitaria-de-alimentos.html.

Brasil. (2017)b Ministério da Saúde. Doenças transmitidas por alimentos (DTA). http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o- ministerio/principal/secretarias/svs/doencas-transmitidas-por-alimentos- dta.

Buzinaro, D. V. C., & Gasparotto, A. M. S. (2019). Como a implementação das boas práticas de fabricação (BPF) auxiliam a competitividade e a qualidade em uma indústria. Revista Interface Tecnológica, 16(2), 371-382. https://doi.org/10.31510/infa.v16i2.662.

Codex Alimentarius Commission. (1996). Principles for the establishment and application of microbiological criteria for foods. ALINORM 97/13A.

Codex Alimentarius Commission. (1999). Principles and guidelines for the conduct of microbiological risk assessment. CAC/GL-30.

Colenghi, V. M. (1997). O & M e qualidade total: uma integração perfeita. Qualitymark.

David, M. L., & Guivant, J. S. (2020). Os padrões de identidade e qualidade dos alimentos: uma análise de suas transformações no Brasil. Mediações: revista de ciências sociais. Londrina, PR. 25(1), 247-264. https://doi.org /10.5433/2176-6665.2020.1v25n1p247

de Andrade, M. L., & Sturion, G. L. (2015). Segurança dos alimentos em serviços de alimentação do setor de turismo. Segurança Alimentar e Nutricional, 22(1), 618-632. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8641595.

Ferreira, J.S., Cerqueira, E. S, Carvalho, J. S., Oliveira, L. C., Costa, W. L. R., & Almeida, R. C. C (2013), Conhecimento, atitudes e práticas em segurança alimentar de manipuladores de alimentos em hospitais públicos de Salvador, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, 37(1), 35-55. https://doi.org/10.22278/2318-2660.2013.v37.n0.a589.

Figueiredo, A. V. A., Recine, E., & Monteiro, R. (2017). Regulação dos riscos dos alimentos: as tensões da Vigilância Sanitária no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 2353-2366.

Furtini, L. & Abreu, L. (2006) Utilização de APPCC na Indústria de Alimentos. Revista Ciência e Agrotecnologia. 30(2). https://doi.org/10.1590/S1413-70542006000200025.

Hoag, M. A., Porter, C., Uppala, P. P., & Dyjack, D. T. (2007). A risk-based food inspection program. Journal of environmental health, 69(7), 33-37.

ISO, I. (2018). 22000: Food safety management systems—Requirements for any organization in the food chain. International Standard, 1-48.

Lourenço, B. M. S. G. (2020). Diagnóstico e avaliação dos sistemas de gestão da qualidade em uma empresa do setor alimentício viabilizando ações de melhorias (Bachelor's thesis, Universidade Tecnológica Federal do Paraná). http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/16320.

Marchiori, C. (2015). Diagnóstico e implantação de boas práticas de fabricação em uma indústria de conservas do Município de Francisco Beltrão, PR. http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/7185.

Marins, B. R. (2014). Segurança alimentar no contexto da vigilância sanitária: reflexões e práticas. https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/8649.

Marmentini, R.P.; Ronqui, L.; Alvarenga, V.A. A importância das boas práticas de manipulação para os estabelecimentos que manipulam alimentos. Revista Facimed, 40(8), 263-2015. https://docplayer.com.br/6172068-A-importancia-das-boas-praticas-de-manipulacao-para-os-estabelecimentos-que-manipulam-alimentos.html.

Nunes, G. Q., Adami, F. S., & Fassina, P. (2017). Boas práticas em serviços de alimentação escolar. Segurança Alimentar E Nutricional, 24(1), 26-32. https://doi.org/10.20396/san.v24i1.8648035.

Oliveira, A. B. A. D., Paula, C. M. D. D., Capalonga, R., Cardoso, M. R. D. I., & Tondo, E. C. (2010). Doenças transmitidas por alimentos, principais agentes etiológicos e aspectos gerais: uma revisão. Revista HCPA. Porto Alegre. Vol. 30, n. 3 (Jul./set. 2010), 279-285. http://hdl.handle.net/10183/157808.

Pandolfi, I. A., Moreira, L. Q., & Teixeira, E. M. B. (2020). Segurança alimentar e serviços de alimentação-revisão de literatura. Brazilian Journal of Development, 6(7), 42237-42246. https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-002

Pereira, W. B. B., & Zanardo, V. P. S. (2020). Gestão de boas práticas em uma cantina escolar. Vivências, 16(30), 193-200. https://doi.org/10.31512/vivencias.v16i30.152

Progeal. (2012) Programa de Gestão da Qualidade em Alimentos. Implantação e Implementação de BPF/GMP. http://www.progeal.com.br/site/paulo-guimaraes-2/.

Ramos, G. V., & Vilela, J. (2016). Implantação dos programas de autocontrole em indústrias de alimentos de origem animal. XII SEGeT: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia-Desenvolvimento de Competências Frente aos Desafios do Amanhã-Resende, RJ.

Sandle, T. (2018). Biocontamination Control for Pharmaceuticals and Healthcare. Academic Press.

Santos, C., Santos, E., Branco, V., Soares, C., & Saraiva, A. (2014). Segurança alimentar em grupos de risco. Revista INFAD de Psicología. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 6(1), 337-342. https://doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n1.v6.752

Sebrae (2018) Serviço de apoio às micro e pequenas empresas do amazonas-SEBRAE/AM. Boas Práticas para Manipuladores de Alimentos.https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/11/Boas-pr%C3%A1ticas-para-manipuladores-de-alimentos.pdf.

Senac. (2001) Elementos de Apoio: Boas Práticas de Fabricação e sistema APPCC. (Qualidade e Segurança Alimentar). Projeto APPCC Mesa. Convênio CNC/CNI/SEBRAE/ANVISA. Rio de Janeiro, 278 p. https://pt.scribd.com/document/66004018/28747976-Elementos-de-Apoio-Boas-Praticas-e-Sistema-APPCC.

Sérvio, A. V., Souza, B. G, Pereira, R. C. D., Souza, C. G. G., & Martins, T. C. F. (2019) Importância do Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos. XII FAVE - Fórum Acadêmico da Faculdade Vértice – Univértix. https://fave.univertix.net/2019/11/04/importancia-do-controle-de-qualidade-na-industria-de-alimentos/

Silva, E. M. D. (2011). Implantação das boas práticas de fabricação em uma agroindústria de produtos cárneos embutidos no município de São Jerônimo-RS. http://hdl.handle.net/10183/38139.

Sirtoli, D. B., & Comarella, L. (2018). O papel da vigilância sanitária na prevenção das doenças transmitidas por alimentos (DTA). Revista Saúde e Desenvolvimento, 12(10), 197-209. https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/878/507

Soman, R., & Raman, M. (2016). HACCP system–hazard analysis and assessment, based on ISO 22000: 2005 methodology. Food Control, 69, 191-195. https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2016.05.001

Veronezi, C. T., & Caveião, C. (2016). A importância da implantação das boas práticas de fabricação na indústria de alimentos. Revista Saúde e Desenvolvimento, 8(4), 90-103.

Veronezi, C. T., & Caveião, C. (2016). A importância da implantação das boas práticas de fabricação na indústria de alimentos. Revista Saúde e Desenvolvimento, 8(4), 90-103. https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/410.

Vigilância Sanitária Estado De Santa Catarina. (2017) Doença Transmitida por Alimento (DTA). Santa Catarina. http://www.vigilanciasanitaria.sc.gov.br/index.php/inspecao-de- produtos-e-servicos-de-saude/alimentos/91-area-de-atuacao/inspecao- de-produtos-e-servicos-de-saude/alimentos/415-doenca-transmitida- por-alimento-dta.

WHO - World Health Organization. (2008). Exposure assessment of microbiological hazards in food: guidelines (Vol. 7). World Health Organization.

Yu, H., Neal, J. A., & Sirsat, S. A. (2018). Consumers' food safety risk perceptions and willingness to pay for fresh-cut produce with lower risk of foodborne illness. Food Control, 86, 83-89

Zurlini, A. C., Lupino, C. S., Nery, J. S., & Santos, M. C. H. (2018). Avaliação do controle higienicossanitário da produção de alimentos em unidades de alimentação e nutrição hospitalar. Hig. aliment, 51-55. https://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/11/965436/284-285-set-out-2018-51-55.pdf.

Published

18/01/2021

How to Cite

OLIVEIRA, P. O. . de .; SILVEIRA, R. da .; ALVES, E. S.; SAQUETI, B. H. F. .; CASTRO, M. C. de; SOUZA, P. M. de .; PONHOZI, I. B.; COSTA, J. C. M. da .; SCHUELER, J.; SANTOS, O. O.; VISENTAINER, J. V.; DUAILIBI, S. R. . Review: Implementation of good manufacturing practices in the Brazilian food industry. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e35810111687, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11687. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11687. Acesso em: 1 mar. 2021.

Issue

Section

Review Article