Desire of performance in the discursive field on teachers’ deprofessionalization

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11702

Keywords:

Democratic management; Neoliberalism; Performativity; Teachers'work; Deprofessionalization.

Abstract

The principle of democratic management in the Brazilian educational system goes  discursively foward by directions of the Federal Constitution of 1988 and the LDB - the main policy that guides Brazilian education - (Law 9.394/96) which moves new configurations for teachers' work. From that context this study intends to problematize how the democratic/neoliberal focus and its meaning dissolutions has working in parallel with the performatic culture, mapping new roles and new profiles to the teachers' work. To do that, we developed a bibliographic research to support the discussion on work, management, and  global/ local discursive fields of educational policies. We conclude that when a performatic culture works over the teachers' work, it produces deprofessionalization meanings, which are linked, above all, to an imagined autonomy process that might generate bigger control and engagement of the teachers in the educational accountability  policies. So, facing those problems, we can believe that the teacher is the fundamental keystone to promote discursive movements in the educational policies, considering their potential engagement as to performance desire as to design the ways to recontextualize those policies, which might lead them to the success or failure in educational process.

Author Biographies

Joacir Marques da Costa, Universidade Federal de Santa Maria

Joacir Marques da Costa
Prof. no Programa de Pós Graduação em Educação e no Programa de Pós Graduação em Políticas públicas e gestão educacional da Universidade Federal de Santa Maria.
Doutor em Educação
Líder do Grupo de Pesquisa "RIZOMA - Políticas, Currículo e Educação" / CNPq

Cléber Lixinski de Lima, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas, RS, Brasil

Técnico-administrativo do quadro permanente do Instituto Federal Farroupilha.

References

Antunes, R. (1995). Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Cortez.

Apple, M. (2000). Official knowledge: democratic knowledge in a conservative age. Routledge.

Ball. (2004). Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. In: Educação & Sociedade. Campinas, 25(89), 1105-1126. http://www.cedes.unicamp.br.

Ball, S. (1994). Education Reform: A Critical and Post-Structural approach. Buckingham: Open University Press.

Ball. (2010a). Vozes/redes políticas e um currículo neoliberal global. In: Espaço do Currículo, 3(1).

Ball. (2010b). Performatividade e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. In: Educação e Realidade, 35(2), 37-55.

Bernstein, B. (1990). A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. (2a ed.), Vozes.

Brasil, (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília.

Brasil, (1996). Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 26 dez.

Brittes. (2013). Democratização da gestão nas escolas públicas brasileiras em uma abordagem discursiva. Revista Exitus, 3, 1-11.

Chiavenato, I. (2000). Introdução à Teoria Geral da Administração. (6a ed.), Campos.

Dagnino, E. (2004). Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva. In: GRIMSON, A. La cultura en las crisis latinoamericanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina.

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Editora Universidade de Brasília.

Fairclough, N. (2004). Analysing discourse - textual analysis for social research. Routledge.

Garcia. (2010). Textos e contextos na reforma das Licenciaturas: o caso da UFPel. In: Educação e Realidade, 35(2), 229-252.

Harvey, D. (1998). Neoliberalismo: história e implicações. Edições Loyola.

Hypolito, A. (1999). Trabalho docente e profissionalização: sonho prometido ou sonho negado? In: Veiga, I. P. A.; Cunha, M. I. (Org.). Desmistificando a profissionalização do magistério. Papirus.

Hypolito, A., & Pizzi, L. C. V. (2002). Reestruturação educativa e trabalho docente: autonomia, contestação e controle. In: Hypolito, A. M. Trabalho docente: formação e identidade. Seiva Publicações.

Hypolito, A. (2010). Políticas curriculares, Estado e regulação. Educação & Sociedade, Campinas, 31(113), 1337-1354.

Kuenzer, A. (2002). Caldas, A. Exclusão includente e inclusão excludente – a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. Lombardi, J. C; Saviani, D.; Sanfelice, J. L. (Orgs.) Capitalismo, trabalho e educação. São Paulo: Autores Associados.

Lopes, A. (2005). Política de currículo: Recontextualização e Hibridismo. Currículo sem Fronteiras. 5(2), 50-64.

Machado, L. (1994). Controle da qualidade total: uma nova gestão do trabalho, uma nova pedagogia do capital. In: Fidalgo, F. S.; Machado, L. R. de S. (orgs.). Controle da qualidade total: uma nova pedagogia do capital. Belo Horizonte: Movimento de Cultura Marxista.

Marx, K. (1984). Teses sobre Feuerbach. In: A ideologia alemã. Edições Avante.

Rose, N. (1998). Governando a alma: a formação do eu privado. In: Silva, T. T. Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo de eu. Vozes.

Sander, B. (1995). Gestão da Educação na América Latina: construção e reconstrução do conhecimento. Autores Associados.

Sander, B. (2005). Políticas públicas e gestão democrática da educação. Líber Livro.

Triviños, A. (2008). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Atlas.

Vásquez, A. (2007). Filosofia da práxis. Expressão Popular.

Wood, E. (2003). Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. Boitempo.

Published

17/01/2021

How to Cite

BRITTES, L. R. .; COSTA, J. M. da .; LIMA, C. L. de . Desire of performance in the discursive field on teachers’ deprofessionalization. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e30710111702, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11702. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11702. Acesso em: 8 mar. 2021.

Issue

Section

Education Sciences