Family Health Strategy: characterization of users diagnosed with Mental Health

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11909

Keywords:

Primary Health Care; Family Health Strategy; Mental health.

Abstract

Objective: to characterize users with mental health diagnosis who access a Family Health Strategy in a city in the state of Rio Grande do Sul. Methodology: cross-sectional and descriptive study. After data collection, descriptive statistical analysis is performed. Results: the sample consisted of 266 medical records. The average age of users was 59.07 years, with 80.5% being female. Depression was the most prevalent diagnosis, followed by anxiety disorder. Single users predominate (13.2%), 40.6% live with family and / or partner, 38.7% had incomplete primary education, 77.1% used antiepressants and 50.4% benzodiazepines, 15.4 % use two different antidepressants, 1.5% two anticonvulsants and 2.3% two antipsychotics. Conclusion: the lack of information in the medical records was identified, limited the characterization of users. Depression was the most prevalent diagnosis, a situation that reinforces it as an important public health problem.

References

Bezerra, E., Alves Júnior, E., Diniz, A., Alves, L., Felício, I., & Nóbrega, R. (2017). Utilização de benzodiazepínicos por usuários do sistema único de saúde. Biofarm, 13 (3), 17-21.

Borges, T., Hegadoren, K., & Miasso, A. (2015). Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos em mulheres atendidas em unidades básicas de saúde em um centro urbano brasileiro. Rev Panam Salud Publica, 38 (3), 195-201.

Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde: Ministério da Saúde.

Campos, I., Ramalho, W., & Zanello, V. (2017). Saúde mental e gênero: O perfil sociodemográfico de pacientes em um centro de atenção psicossocial. Estudos de Psicologia, 22 (1), 68-77.

Campos Junior, A., & Amarante, P. (2015). Estudo sobre práticas de cuidado em saúde mental na Atenção Primária: o caso de um município do interior do estado do Rio de Janeiro. Cadernos Saúde Coletiva, 23 (4), 425-435.

Cardoso, L. (2011). Psicoterapias comportamentais no tratamento da depressão. Psicologia Argumento, 29 (67), 479-489.

Cardoso, R., Ferreira, B., Martins, W., & Paludeto, S. (2017). Programa de educação permanente para o uso do prontuário eletrônico do paciente na enfermagem. J Health Inform, 9 (1), 25-30.

Carrer, A., Toso, B., Guimarães, A., Conterno, J., & Minosso, K (2016). Efetividade da Estratégia Saúde da Família em unidades com e sem Programa Mais Médicos em município no oeste do Paraná, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 21 (9), 2849-2860.

Costa, T., Medeiros, R., Sousa, M., Uchida, R., & Miranda, F. (2017). Intensidade e sintomas depressivos em usuários da estratégia saúde da família. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, 5 (3), 47-56.

Dutra, V. D., & Oliveira, R. P. (2015). Revisão integrativa: as práticas territoriais de cuidado em saúde mental. Aquichan, 15 (4), 529-540.

Estrela, C. (2018). Metodologia Científica: ciência, ensino, pesquisa. (3ª ed.): Artes Médicas.

Faria, R. (2018). A territorialização da atenção primária à saúde do sus: avaliação dos resultados práticos implementados numa cidade da região sul do Brasil. Hygeia, 14 (29), 89-104.

Freitas, B., Matos, C., Silva, P., Santos, J., & Batista, E. (2017). Profile of users diagnosed with schizophrenia of a CAPS in the countryside of Rondonia. Nucleus, 14 (1), 41-54.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa: Editora da UFRGS.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://www.ibge.gov.br/.

Melo, T., Weinert, L., Hoshino, M., & Maldaner, T. (2017). Perfil dos usuários de serviços de reabilitação no sistema único de saúde. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 15 (2), 65-77.

MV (2021). Prontuário Eletrônico do SOUL MV. MV Informática Nordeste Ltda. 2015. <http://www.mv.com.br/pt/>

Oliveira, A., Jorge, I., & Mariotti, M. (2017). Perfil sociodemográfico de usuários de um centro de atenção psicossocial e o trabalho. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 25 (4), 795-802.

Oliveira, E., Medeiros, A., Trajano, F., Chaves Neto, G., Almeida, S., & Almeida, L. (2017). Mental health care in the territory: conceptions of primary health care professionals. Escola Anna Nery, 21 (3), 1-7.

Oliveira, J., Mota, L., & Castro, G. (2015). Uso indiscriminado dos benzodiazepínicos: a contribuição do farmacêutico para um uso consciente. Transformar, (7), 214-226.

Oliveira, M., Cestari, T., Pereira, M., Pinho, P., Gonçalves, R., & Claro, H. (2014). Processos de avaliação de serviços de saúde mental: uma revisão integrativa da literatura. Saúde em Debate, 38 (101), 368-378.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Prado, M., Francisco, P., & Barros, M. (2017). Uso de medicamentos psicotrópicos em adultos e idosos residentes em Campinas: um estudo transversal de base populacional*. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26 (4), 747-758.

Reis, L., Pereira, S., Teixeira, C., Cardoso, L., & Gherardi-Donato, E. (2017). Perfil de usuários diagnosticados com deficiência intelectual atendidos em um serviço ambulatorial de saúde mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 9 (23), 39-50.

Ribeiro, W., Andrade, M., Flach, D., Santana, P., Souza, D., & Almeida, V. (2018). Implementação do prontuário eletrônico do paciente: um estudo bibliográfico das vantagens e desvantagens para o serviço de saúde. Revista Pró-univerSUS, 9 (1), 7-11.

Rocha, F., Oliveira, R., Brum, D., Cavalcante, R., & Machado, R. (2015). Epidemiologia dos transtornos do desenvolvimento psicológico em adolescentes: uso de álcool e outras drogas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 16 (1), 54-63.

Rodrigues, P. M., Paraboni, P., Arpini, D., Brandolt, C., Lima, J., & Cezar, P. (2017). O registro em prontuário coletivo no trabalho do psicólogo na Estratégia Saúde da Família. Estudos de Psicologia. 22 (2), 195-202.

Sampaio, J., Guimarães, J., Carneiro, C., & Garcia Filho, C. (2011). O trabalho em serviços de saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica: um desafio técnico, político e ético. Ciência & Saúde Coletiva, 16 (12), 4685-4694.

Silva, D., Torrezan, M., Costa, J., Garcia, A., & Toledo, V. (2017). Perfil sóciodemográfico e epidemiológico dos usuários de um centro de atenção psicossocial álcool e drogas. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, 6 (1), 67-79.

Silva, M., Aguiar, M., & Moreira, T. (2016). Entre os nós da rede de saúde mental: as práticas de agentes comunitários de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, 40 (3), 713-728.

Silva, V., Botti, N., Oliveira, V., & Guimarães, E. (2015). Perfil epidemiológico dos usuários de benzodiazepínicos na atenção primária à saúde. R Enferm Cent O Min, 5 (1), 1393-1400.

Teixeira, A., Longen, W., Minetto, A., & Pacheco, R. (2017). Revisão de registros dos prontuários no setor de fisioterapia das clínicas integradas UNESC. Inova Saúde, 6 (2), 98-114.

Versani, C., Ohara, C., Saparolli, E., Silva, P., Amaral, E., & Siqueira, L. (2015). Avaliação da qualidade dos registros das fichas "C" de crianças menores de 01 ano das equipes de saúde da família de Montes Claros/MG. Revista de APS, 18 (1), 6-15.

Zanetti, L., Stumm, E., Bosse, F., Oliveira, R., Bandeira, V., & Colet, C. (2017). Tratamento medicamentoso e não medicamentoso de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Scientia Médica, 27 (4), 1-10.

Published

18/01/2021

How to Cite

WACLAWOVSKY, A. J.; SCHWANTES, A. L.; RODRIGUES, A. E. B.; EINLOFT, F.; ALVES, C. F.; HALBERSTADT, B. M. K.; WEILLER, T. H. Family Health Strategy: characterization of users diagnosed with Mental Health. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e37210111909, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11909. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11909. Acesso em: 21 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences