Land use and occupancy in the municipality of new progress in the State of Pará-Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.12060

Keywords:

Geotechnologies, Territorial Occupation, Southwest Para

Abstract

The objective was to analyze the process of land use and occupation in the municipality of Novo Progresso in the State of Pará, linking it with the most economically important activities developed in this region. The limit shapefile of the municipality of Novo Progresso was used on the Google Earth Engine (GEE) online platform, which provided a mosaic of orbital images, from the Landsat-8 / OLI-TIRS satellite, for the year 2019. The classification process was made from the GEE Code Editor, using a spectral index of vegetation to aid classification (Normalized Difference Vegetation Index - NDVI). Software QGis 3.10.6 was used to prepare maps of the municipality's location and the land use and land cover classification maps. The data were tabulated in spreadsheets to determine the growth rates of the analyzed period. In order to assess the reliability of the classification, the Global Accuracy method and the Kappa Index were used. It was possible to identify that in 2019, there was an incidence of 3,064,396.65 ha (80.3%) of dense forest, an area of ​​496,104.07 ha (13.0%) with exposed soil, 248,052.03 ha (6.5%) of secondary forest, and only 7,632.37 ha (0.2%) with predominance of hydrography, totaling an area of  3,816,185.13 ha. The areas that are exposed to the exposed soil are not directly related to population growth, but rather to the way in which land use is established, based on the main activities developed in the region considering that the productive logic occurs in a disordered way, not respecting the criteria of sustainable development.

References

Alves, P. A., Amaral, S., Escada, M. I. S., & Monteiro A. M. V. (2010). Explorando as relações entre a dinâmica demográfica, estrutura econômica e mudanças no uso e cobertura da terra no Sul do Pará: Lições para o Distrito Florestal Sustentável da BR-163. Rio Claro – MG. https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/ageteo/article/view/4824/5186.

Araújo, L. S. M. (2015). Novo Progresso – PA: exemplo recente de ocupação na Amazônia. Resultados e Impactos. Monografia (Graduação) – Universidade de Brasília (UnB), 58 p. Brasília. https://bdm.unb.br/bitstream/10483/19284/1/2015_LaianeSantanaMenezesdeAraujo.pdf

Asta, A. P. D., Gavlak, A.A., Escada, M. I. S., Brigatti, N, & Amaral, S. (2011). Núcleos de ocupação humana e usos da terra entre Santarém e Novo Progresso, ao longo da BR-163 (PA). São José dos Campos. http://mtc-m16d.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/mtc-m19/2011/03.29.14.21/doc/publicacao.pdf?metadatarepository=&mirror=iconet.com.br/banon/2006/11.26.21.31.

Becker, B. (2005). Geopolítica da Amazônia. São Paulo, Estudos Avançados, 19(53), 71-86. https://doi.org/10.1590/S0103-40142005000100005

Castro, E. (2005). Dinâmica socioeconômica e desmatamento na Amazônia, Novos Cadernos NEAE, 8(2). http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v8i2.51

Costa, A. M. S., Bezerra, P. E. S., & Oliveira, R. S. (2017). Mudanças no uso e ocupação da terra associadas a focos de calor na área de influência da Rodovia BR-163 (Cuiabá-Santarém). Revista Brasileira de Gestão Ambiental (Pombal - PB - Brasil), 11(1), 119-125. https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RBGA/article/view/4956/4264

Fearnside, P. M.(2002). Fogo e emissão de gases de efeito estufa dos ecossistemas florestais da Amazônia brasileira. Estudos Avançados 16 (44). https://doi.org/10.1590/S0103-40142002000100007

Fearnside, P. M.(2015). Hidrelétricas na Amazônia: impactos ambientais e sociais na tomada de decisões sobre grandes obras. Manaus: Editora do INPA, 1, 1-296. http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/2015/Livro-Hidro-V1/Livro%20Hidrel%C3%A9tricas%20V.1.pdf

Ferreira, B. O., Almeida, A. P., Leite, T. V. S., & Costa, M. S. S.(2018). Uso e Ocupação do Solo do Município de Tailândia – Pa. Congresso Internacional Das Ciências Agrárias - Cointer Pdvagro. (3), 1-7.

Ferreira, J. C. V. (2003). O Pará e seus municípios. Belém: SEMEAR, Rede Celpa. 443-445.

Ferreira, J. O., Galbiati, C., Neves, S. M. A.S., & Miranda, M. R. S. (2016). Produção de mel nos biomas Amazônia, Cerrado e Pantanal, em Mato Grosso, no período de 2002 a 2011. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 39, 159-171. 10.5380/dma.v39i0.46505

Ferreira, S. B. (2010). Os impactos ambientais causados pela ação humana no atrativo turístico “praia da liberdade” no município de Novo Progresso-PA. Faculdade Opet de Curitiba-PR. https://docplayer.com.br/13436527-Os-impactos-ambientais-causados-pela-acao-humana-no-atrativo-turistico-praia-da-liberdade-no-municipio-de-novo-progresso-pa.html

Gavlak, A. A., Escada, M. I. S., & Monteiro, A. M. V. (2011). Dinâmica de padrões de mudança de uso e cobertura da terra na região do Distrito Florestal Sustentável da BR-163. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, INPE, 6152. http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/marte/2011/06.27.12.54/doc/p1188.pdf

Gorelick, N, Hancher, M., Dixon, M., Ilyushchenko, S, Thau, D., & Moore, R. (2017). Google Earth Engine: Planetary-scale geospatial analysis for everyone. Remote Sensing of Environment, v. 202, p. 18-27. https://doi.org/10.1016/j.rse.2017.06.031

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2006). SIDRA - Sistema IBGE de Recuperação Automática – Censo Agropecuário. http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/default.asp?z=t&o=1&i=P.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2019). SIDRA - Sistema IBGE de Recuperação Automática – Pesquisa da Pecuária Municipal. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ppm/quadros/brasil/2019.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). (2019). SIDRA - Sistema IBGE de Recuperação Automática – Produção Agrícola Municipal. https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pam/tabelas.

Junior, E. A. M., Silva, J. S. V., & Oliveira, R. C. (2017). Geotecnologias no planejamento e ordenamento territorial. Anais do XVIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, INPE – Santos (SP), 4835-4842. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/162042/1/MengatoJr-XVIIISBSR-2017.pdf

Lameira, W. J M, Almeida A. S, & Vieira, I. C. G. (2010). Síntese de ocupação em estradas não oficiais na Amazônia brasileira. Revista Brasileira de Cartografia, 01(62), 261–267. http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43706/22970.

Margulis, S. (2003). Causas do desmatamento na Amazônia brasileira. The World Bank, Brasília. http://documents1.worldbank.org/curated/en/86771 1468743950302/pdf/277150PAPER0Po1az1nia0Brasileira111.pdf.

Margarit, E. (2013) O processo de ocupação do espaço ao longo da BR 163: Uma leitura a partir do Planejamento Regional Estratégico da Amazônia durante o Governo Militar. Geografia em Questão – Projeto Saber. http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/article/view/6634.

Oliveira, A. H. M., & Rodrigues, D. A. (2017). Análise exploratória da degradação florestal na Região de Novo Progresso (PA) e Sinop (MT) – Os Sistemas Degrad, Detex e Focos de Calor. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). São José dos Campos - SP. http://wiki.dpi.inpe.br/lib/exe/fetch.php?media=ser300:trabalho_afonso_danilo.pdf.

Passos, M. M. (2017). BR-163, de Cuiabá a Santarém: o papel dos agentes e sujeitos no ordenamento do território e na implementação de políticas públicas. Ci. & Tróp. Recife, 41(1), 139-164.

Pereira, A. G. C., David, É. C., Viana, J. A. S., Nazaré, J. V. S. P., Aleixo, L. R., Campinas, D. S. N., Hungria, L. C., & Guedes, A. Da S. (2020). Uso de geotecnologias para avaliação do desempenho produtivo paraense na produção de mel, no período de 2008-2018. Brazilian Journal of Development, Curitiba, 6(5), 32087-32106.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira F. J., & Shitsuka R. (2018). Metodologia da pesquisa Científica. UFSM, NTE. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Rego, N., & Freitas, R. M. (2015). Amazônia, representação e mídia. Revistafsa, 12(1), 107-120.

Rebello, F. K., & Homma, A. K. O. (2017). História da colonização do Nordeste paraense: uma reflexão para o futuro da Amazônia. Belém, Pará: EDUFRA.

Rivero, S., Almeida, O., Ávila, S., & Oliveira, W. (2009). Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia_ Belo Horizonte_19 (1), 41-66. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512009000100003 .

Shuber, E, Souza, M, & Moraes, S. (2015). Desenvolvimento Regional do Tapajós: Um Olhar Sob o Cenário Socioeconômico na Região de Integração do Tapajós. Revista de Estudos Sociais. 34(17), 93.

Silva, D. S.(2019). Trajetórias de uso e cobertura da terra no município de Novo Progresso, Pará. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agronomia) – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), 34f. Belém. http://www.bdta.ufra.edu.br/jspui/bitstream/123456789/768/ 1/Trajet%C3%B3rias%20de%20uso%20e%20cobertura%20da%20terra%20no%20munic%C3%ADpio%20de%20Novo%20Progresso-Par%C3%A1.pdf.

Xaud, M. R, & Epiphanio, J. C. N. (2015). Análise da dinâmica das conversões de uso e cobertura da terra na região sudeste de Roraima – Amazônia. Agroambiente, 9(4), 465 – 475.

Published

28/01/2021

How to Cite

ROSÁRIO, R. R. do .; BARBOSA, M. T. .; CARNEIRO, F. da S. .; COSTA, M. do S. S. . Land use and occupancy in the municipality of new progress in the State of Pará-Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e51210112060, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.12060. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12060. Acesso em: 26 feb. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences