Contribution of a residency course in the training and professional insertion of graduated obstetric nurses

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.12797

Keywords:

Obstetric Nursing; Obstetrics; Nursing Care; Nursing Education; Qualitative research.

Abstract

The study aimed to analyze the training and professional insertion of nurses who graduated from a residency course in Obstetric Nursing. A qualitative study was carried out that used Symbolic Interactionism as theoretical framework and the Grounded Theory as methodological framework. The study sample consisted of 12 social actresses who were nurses graduated from the course. Data collection took place through a recorded interview with the following guiding question: “Please report the contribution of the obstetric residency course to your training and professional insertion in the job market”. The data led to the construction of a central category: The residency in Obstetric Nursing for graduates of the course provided training for qualified performance and insertion into the job market with a view to professional autonomy. The graduates declared that the obstetric residency enabled them to offer scientific evidence-based care to the mother/child binomial. 

References

Alves, T. T. M., Paixão, G. P. N., Fraga, C. D. S., Lírio, J. G. S., & Oliveira, F. A. (2018). Atuação da enfermeira obstetra no desenrolar do trabalho de parto e parto. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, 71(1), 41-50. doi: 10.18554/reas.v7i1.2282.

Amaral, R. C. S., Alves, V. H., Pereira, A.V., Rodrigues, D. P., Silva, L. A., & Marchiori, G. R. S. (2019). A inserção da enfermeira obstétrica no parto e nascimento: obstáculos em um hospital de ensino no Rio de Janeiro. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 23(1), 1-10. doi: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0218.

Batista, K. B. C., & Gonçalves, O. S. J. (2011). Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde e Sociedade, 20(4): 884-899. doi: 10.1590/S0104-12902011000400007.

Blumer, H. (1969). Symbolic interacionism: perspective e method. Berkeley: University of California. 208 p.

Brasil. (2001). Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada a mulher. Brasília, DF. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf.

Brasil. (2011). Manual Prático para Implementação da Rede Cegonha. Brasília, DF. file:///D:/Downloads/manual-pratico-rede-cegonha-[444-090312-SES-MT]%201.pdf.

Brasil. (2012). Conselho Nacional de Saúde, MS/CNS. Resolução n. 466, 12 de dezembro de 2012. Aprova as Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo Seres Humanos. Diário Oficial da União, 13 de junho de 2013. Brasília, DF. http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020.

Brasil. (2012a). Ministério da Saúde. Projeto Piloto. Programa Nacional de Residência em Enfermagem Obstétrica. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde – SGTES. Departamento de Gestão da Educação – DEGES. Brasília, DF.

Brasil (2012b). Ministério da Saúde. Projeto Político Pedagógico. Projeto Político Pedagógico do Programa Nacional de bolsas para Residência em Enfermagem Obstétrica da Universidade Federal de Alfenas. Alfenas, MG.

Brasil. (2017). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Brasília, DF. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf

Carvalho, V. D., Borges, L. O., & Rêgo, D. P. (2010). Interacionismo Simbólico: origens, pressupostos e contribuições aos estudos em psicologia social. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(1), 146-161. https://www.scielo.br/pdf/pcp/v30n1/v30n1a11.pdf.

Conselho Federal de Enfermagem. (2016). Resolução COFEN Nº 516/2016 – Alterada pela resolução COFEN Nº 524/2016. Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência nos Serviços de Obstetrícia. http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05162016_41989.html.

Davis-Floyd, R. The technocratic, humanistic and holistic paradigms of childbirth. (2001). International Journal Gynaecology & Obstetrics, 75, S5-S23. http://bhpelopartonormal.pbh.gov.br/estudos_cientificos/arquivos/the_technocratic_humanistic_and_holistic_paradigms_of_childbirth.pdf.

Guedes, A. (2018). Especialistas apontam epidemia de cesarianas. https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania.

Gutiérrez, M. G. R., Barros, A. L. B. L., & Barbieri, M. (2019). Seguimento de doutores egressos de um programa de pós-graduação em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 32(2), 129-138. doi: 10.1590/1982-0194201900019.

Jesus, B. H., Gomes, D. C., Spillere, L. B. B., Prado, M. L., & Canever, B. P. (2013). Inserção no mercado de trabalho: trajetória de egressos de um curso de graduação em enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 17(2), 336-345. doi: 10.1590/S1414-81452013000200019.

Lobato, C. P., Melchior, R., & Baduy, R. S. (2012). A dimensão política na formação dos profissionais de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22(4),1273-1291. https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/physis/v22n4/a02v22n4.pdf .

Magnabosco, G., Haddad, M. C. L., Vannuchi, M. T. O., Rossaneis, M. A., & Silva, L. G. C. (2015). Opinião de egressos sobre o curso de residência em gerência dos serviços de enfermagem. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 36(1),73-80. doi:10.5433/1679-0367.2014v35n2p73.

Miranda, N. M. V., Leonello, V. M., & Oliveira, M. A. C. (2015). Multiprofessional residency in health: a document analysis of political pedagogical projects. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(4), 586-593. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680403i.

Pereira, A. L. F., Guimarães, J. C. N., Nicácio, M. C., Batista, D. B. S., Mouta, R. J. O., & Prata, J. A. (2018). Percepções das enfermeiras obstetras sobre sua formação na modalidade de residência e prática profissional. REME – Revista Mineira de Enfermagem, 22, e-1107. doi: 10.5935/1415-2762.20180035.

Prata, J. A., & Progianti, J. M. (2013). A influência da prática das enfermeiras obstétricas na construção de uma nova demanda social. Revista Enfermagem UERJ, 21(1), 23-28. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/6341/4516.

Sade, P. M. C., & Peres, A. M. (2015). Desenvolvimento de competências gerenciais do enfermeiro: diretriz para serviços de educação permanente. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(6), 991-998. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000600016.

Sandall, J., Soltani, H., Gates, S., Shennan, A., & Devane, D. (2016). Midwife-led continuity models versus other models of care for childbearing women. Cochrane Database of Systematic Reviews. http://shura.shu.ac.uk/12286/1/Sandall_et_al-2016-midwife%20ledThe_Cochrane_Library.pdf.

Silva, R. M. O., Cordeiro, A. L. A.O., Fernandes, J. D., Silva, L. S., & Teixeira, G. A. S. (2014). Contribution of a residency specialization program to professional know-how. Acta Paulista de Enfermagem, 27(4), 362-366. doi: 10.1590/1982-0194201400060.

Sousa, A. M. M., Souza, K. V., Rezende, E. M., Martins, E. F., Campos, D., & Lansky, S. (2016). Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 20(2), 324-331. doi: 10.5935/1414-8145.20160044.

Souza, T. G., Gaíva, M. A. M., Modes, P.S.S.A. (2011). A humanização do nascimento: percepção dos profissionais de saúde que atuam na atenção ao parto. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(3), 479-86. doi: https://doi.org/10.1590/S1983-14472011000300007.

Strauss, A., & Corbin, J. (2008). Pesquisa Qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed. 288 p.

Winck, D. R., & Brüggemann, O. M. (2010). Responsabilidade legal do enfermeiro em obstetrícia. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(3): 464-469. doi: 10.1590/S0034-71672010000300019.

Word Health Organization. (1996). Care in normal birth: a practical guide: report of a Technical Working Group. Geneve: WHO.

Zanardo, G. L. P., Uribe, M. C., Nadal, A. H. R., & Habigzang, L. F. (2017). Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade, 29, e155043. doi: 10.1590/1807-0310/2017v29155043.

Published

08/03/2021

How to Cite

GARCIA, E. S. G. F. .; GRADIM, C. V. C.; RUELA, L. de O. .; MAIRINK, A. P. A. R.; CLAPIS , M. J. Contribution of a residency course in the training and professional insertion of graduated obstetric nurses. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e12910312797, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.12797. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12797. Acesso em: 16 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences