Food consumption, style and quality of life of technical Education Teachers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.12878

Keywords:

Teacher; Food consumption; Quality of life; Lifestyle; Health promotion.

Abstract

This study aimed to analyze the health profile of teachers at a State Technical School in the greater São Paulo. This is a descriptive cross-sectional study with teachers, using a questionnaire containing the socio-demographic variables, food consumption and other lifestyle habits, knowledge of nutrition, style and quality of life. The sample consisted of 43 teachers and there was a predominance of socioeconomic class B and training at a specialization level. The style and quality of life were classified as good. Food consumption needs to improve and knowledge of nutrition was classified as moderate. There were positive and weak correlations, but significant, between age, socioeconomic classification and average scores in the psychological domain of quality of life; between lifestyle and general quality of life and in the psychological and social domains; as well as weak and negative correlations between socioeconomic classification and the social domain of quality of life.

References

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2016). Critério Brasil: Critério de Classificação Econômica. http://www.abep.org/criterio-brasil.

Alvares, M. S. & Ziviani, F. (2015). Qualidade de vida no trabalho: um estudo de caso de docentes e funcionários na ETFG–BH. FACEF Pesquisa-Desenvolvimento e Gestão, 18(1), 95-127. https://doi.org/10.5102/un.gti.v6i1.3875

Araújo, T. M., Pinho, P. S. & Masson, M. L. V., (2019). Trabalho e saúde de professoras e professores no Brasil: reflexões sobre trajetórias das investigações, avanços e desafios. Cadernos Saúde Pública, 35(sup 1:e00087318), 01-14. https://doi.org/10.1590/0102-311X00087318.

Assunção, A. Á. & Abreu, M. N. S. (2019). Pressão laboral, saúde e condições de trabalho dos professores da Educação Básica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 35(sup 1:e00169517), 01-16. https://doi.org/10.1590/0102-311X00169517.

Azevedo, E., Pelicioni, M. C. F. & Westphal, M. F. (2012). Práticas intersetoriais nas políticas públicas de promoção de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 22(4), 1333-1356. https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000400005

Brasil. [s.d.]. Ministério da Saúde. Guia alimentar: como ter uma alimentação saudável. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gui a_alimentar_alimentacao_saudavel_1edicao.pdf.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [Internet]. Diário Oficial da União. N 12, seção 1, p. 59, Brasília. http://bit.ly/1mTMIS3.

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF, 2014. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf.

Brasil. (2008). Ministério da Saúde.Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: 210p. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2008.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. (2020) Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, DF, 2020. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf.

Brum, E. M. (2018). Capacidade para o trabalho e qualidade de vida: avaliação do quadro funcional em instituição de educação profissional - região oeste de Santa Catarina. 93f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, Paraná.

Carneiro, I. M. S. P. & Cavalcante, M. M. D. (2018). A produção acadêmica da formação de professores na Educação Profissional. HOLOS. 34(3). 201-227. https://doi.org/10.15628/holos.2018.5993.

Carvalho, A. F. S. & Dias, E. C. (2012). Promoção da saúde no local de trabalho: revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 25(1). 116-126. https://doi.org/10.5020/2219.

Carvalho, O. F. & Souza, F. H. M. (2014). Formação do docente da educação profissional e tecnológica no Brasil: um diálogo com as faculdades de educação e o curso de Pedagogia. Educação & Sociedade, 35(128), 883-908. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014124974.

Casas, S. B. & Klijn, T. P. (2006). Promoción de la salud y su entorno laboral saludable. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(1),136-41. https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000100019.

Conte, M. B. F. & Paula, M. A. B. (2016a). A docência e o ensino técnico. Educação em Debate, 38(72), 20-32. http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/23139.

Conte, M. B. F. & Paula, M. A. B. (2016b). Quem é o docente do ensino técnico. Revista Científica on-line-Tecnologia, Gestão e Humanismo, 6(2), 77-92.

Cortez, P. A., Souza, M. V. R., Amaral, L. O. & Silva, L. C. A. (2017). A saúde docente no trabalho: apontamentos a partir da literatura recente. Cadernos Saúde Coletiva, 25(1), 113-122. https://doi.org/10.1590/1414-462x201700010001.

Dankel, S., Leke, J. & Loprinzi, P. (2016). Physical activity and diet on quality of life and mortality: The importance of meeting one specific or both behaviors. Int J Cardiol, 202(3), 328-30. https://doi.org/10.1016/j.ijcard.2015.09.019.

Davoglio, T. R., Lettnin, C. C. & Baldissera, C. G. (2015) . Avaliação da qualidade de vida em docentes brasileiros: uma revisão sistemática. Pro-Posições, 26(3), 145-166. https://doi.org/10.1590/0103-7307201507807.

Figueiredo, I. C. R. (2006). Determinantes do consumo de frutas, legumes e verduras em adultos residentes no município de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fleck, M. P., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L. & Pinzon, V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, 34(2), 178-83.http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012.

Garves, W., Souza, A. C., Sánchez, F. R. R., Carvalho, M. M. G. & Moraes, M. C. L., Zukowsky-Tavares, C. (2018). Promoção da saúde na gestão de pessoas: experiência no contexto da gestão pública. Revista Interdisciplinar de Promoção da Saúde. 1(2), 112-118. http://dx.doi.org/10.17058/rips.v1i2.11764.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2020). Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro, IBGE, 2020.

Innstrand, S. T. & Christensen, M. C. (2018). Healthy Universities. The development and implementation of a holistic health promotion intervention programme especially adapted for staff working in the higher educational sector: the ARK study. Global health promotion, 27(1), 68-76. https://doi.org/10.1177/1757975918786877.

Lima, A. & Althaus, D. (2016). Formação docente continuada, desenvolvimento de práticas pedagógicas em sala de aula e promoção da saúde do professor: relações necessárias. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 97(245), 97-116. https://doi.org/10.1590/S2176-6681/366113867.

Lima, R. S., Pereira, S. P. & Kanaane, R. (2017). A construção da identidade do professor no contexto do ensino técnico integrado ao médio. Boletim Academia Paulista de Psicologia, 37(93), 322-352.

Lima-Costa, M. F. & Barreto, S. M.(2003). Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e serviços de saúde, 12(4), 189-201.

Lopes, M. C. L. A., Fagundes, S. N., Mousinho, K. C., Correia, M. G. C., Ribeiro, C. M. B. & Vanderlei, A. D. (2018b). Fatores associados à saúde vocal e a qualidade de vida em professores. Revista CEFAC, 20(4), 515-531. https://doi.org/10.1590/1982-021620182048417.

Maroco, J. & Garcia-Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas? Laboratório de psicologia, 4(1), 65-90. http://hdl.handle.net/10400.12/133.

Mello, R. S. J. A importância da qualidade de vida no trabalho: o caso de uma ETEC. 2014. Monografia (Especialização) - Pós Graduação em Gestão Pública, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, Paraná, 2014.

Mercante, S. C. & Messias, C. M. B. O. (2019). A visão de docentes do ensino médio técnico sobre a educação alimentar e nutricional numa abordagem interdisciplinar. In: FERREIRA, G. R. (Org.). Educação: políticas, estrutura e organização 3. Ponta Grossa: Atena Editora.

Miranda, M. K. V., Porto, E. F. & Souza, A. C. (2018). Influência do estilo de vida e qualidade de vida nos exames de sangue. Temas em saúde (João Pessoa), 18(1), 143-170.

Moraes, G. H. & Albuquerque, E. M. (2019). As Estatísticas da Educação Profissional e Tecnológica: silêncios entre os números da formação de trabalhadores. Textos para discussão, 45, 07-45.

Moraes, M. C. L. (2017). Promoção da saúde: visitando conceitos e ideias. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, 5(1), 75-79. https://doi.org/10.18554/refacs.v5i1.1917.

Penteado, R. Z. & Pereira, I. M. T. B. (2007). Qualidade de vida e saúde vocal de professores. Revista de Saúde Pública, 41, 236-243. https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000200010.

Pereira, E. S., Abdala, G. A., Meira, M. D. D. & Souza, A. C. (2017). Estilo de Vida e qualidade de vida de hipertensos em uma unidade básica de saúde. Revista Sodebras, 12(137), 99-103.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Perrenoud, P. & Thurler, M. G. (2007). As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora.

Rocha, S. V., Cardoso, J. P., Santos, C. A., Munaro, H. L. R., Vasconcelos, L. R. C. & Petroski, E. L. (2015). Sobrepeso/obesidade em professores: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Cineantropometria Desempenho Humano, 17(4),450-459. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2015v17n4p450.

Rodriguez-Añez, C. R., Reis, R. S. & Petroski, E. L. (2008). Versão brasileira do questionário estilo de vida fantástico: tradução e validação para adultos jovens. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 91(2), 102-109. http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2008001400006.

Santos, C. P., Dechandt, S. G., Bittencoust, J. A., Oliveira, J. M., Carvalho, C. & Leite, C. E. (2016). Qualidade de vida no trabalho: um estudo sobre os professores da rede pública de ensino do Distrito Federal. Universitas. Gestão e Tecnologia, 6(1), 97-107. https://doi.org/10.5102/UN.GTI.V6I1.3875

Scagliusi, F. B., Polacow, V. O., Cordás, T. A., Coelho, D., Alvarenga, M., Philippi, S. T. & Lancha Júnior, A. H. (2006). Tradução, adaptação e avaliação psicométrica da Escala de Conhecimento Nutricional do National Health Interview Survey Cancer Epidemiology. Revista de Nutrição, 19(4), 425-436. https://doi.org/10.1590/S1415-52732006000400002.

Silva, D. F. (2019). Jornada de trabalho, qualidade de vida e prática de atividades físicas de professores. Revista Sítio Novo, 3(1), 83-90. http://dx.doi.org/10.47236/2594-7036.2019.v3.i1.83-90p.

Silva, O. O. N., Ramos, M. D. P., Miranda, T. G., Bordas, M. A. G. (2019). Condições de trabalho docente: uma análise de Revistas de Educação da Bahia. Revista Tempos e Espaços em Educação, 12(28), 233-248. https://doi.org/10.20952/revtee.v12i28.8645.

Soares, L. J. S. & Henig, E. V. (2019). Qualidade de vida no trabalho dos professores do ensino médio da rede pública e privada: o caso comparativo em cinco escolas de Rondonópolis Mato Grosso. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, 3(2), 96-114. https://doi.org/10.30781/repad.v3i2.8554.

Tabeleão, V. P., Tomasi, E. & Neves, S. F. (2011). Qualidade de vida e esgotamento profissional entre docentes da rede pública de Ensino Médio e Fundamental no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 27(12), 2401-2408. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011001200011.

Vedovato, T. G., Monteiro, M. I. Perfil sociodemográfico e condições de saúde e trabalho dos professores de nove escolas estaduais paulistas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(2), 291-297. https://doi.org/10.1590/S0080-62342008000200012.

WMA. World Medical Association. (2013) World Medical Association Declaration of Helsinki: ethical principles for medical research involving human subjects. JAMA, 310(20) 2191-2194.

Zaragoza, J. M. E. (1999). O mal-estar docente: a sala-de-aula e a saúde dos professores. Florianópolis: Edusc. https://doi.org/10.3333/ps.v3i3.234.

Published

08/03/2021

How to Cite

LANDIM, K. S. D. .; OLIVEIRA , E. C. da S. .; CAVALCANTE, L. M. .; MAXIMO, V. .; SOUZA, J. M. de .; PORTES, L. A. .; KUTZ, N. A. .; OLIVEIRA, N. R. .; GUIMARÃES, R. M. da P. M. .; SALGUEIRO, M. M. H. de A. de O. . Food consumption, style and quality of life of technical Education Teachers. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e13110312878, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.12878. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12878. Acesso em: 13 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences