Ethnobotanical knowledge of High School students about medicinal plants in Maranguape-Ceará

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13008

Keywords:

Ethnopharmacological studies; Phytotherapy; Phytomedicine; Folk medicine.

Abstract

Plants have been used as medicines since antiquity and an ethnobotany seeks to understand how the population uses these plants. Therefore, the study aimed to verify the ethnobotanical knowledge of high school students from state public schools in Maranguape-CE about medicinal plants. The exploratory and descriptive study with a qualitative and quantitative approach was carried out through the application of semi-structured questionnaires to 188 high school students, on socioeconomic and ethnobotanical aspects. There was a predominance of females (51%) and an age range of 14 to 20 years. Students have large, low-income families. The majority (99%) believe in the power of medicinal plants, but prefer synthetics drugs (53%). 34 species were cited. The predominant method of preparation was tea (75.59%). The part of the plant most cited was the leaf (78.82%). The most cited therapeutic indications were related to diseases of the respiratory system (16), digestive system (11) and circulatory system (11). 41.24% have their own cultivation. Knowledge was obtained mainly from family members (82.45%). It is concluded that students have a simplified concept of medicinal plants, but they know and use medicinal plants. The subject of medicinal plants is little studied in schools and the greatest source of information is family members.

References

Alencar, E. M., Cajaiba, R. L., Martins, J. S. C., Cordeiro, R. S., Sousa, E. S., & Sousa, V. A. (2019). Estudo etnobotânico do conhecimento e uso das plantas medicinais no município de Buriticupu, Maranhão, Brasil. Revista Ibero Americana de Ciências Ambientais, 10(6), 328-338.

Amorozo, M. C. M. (1996). A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: STASI, L. C. Plantas medicinais: arte e ciência - um guia de estudo interdisciplinar (pp. 47-68). São Paulo: Unesp.

Amorozo, M. C. M., & Gély, A. (1988). Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo Amazonas Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 4(1), 47-131.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2021). Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira, 2ª edição. Brasília. Recuperado de https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/formulario-fitoterapico/arquivos/2021-fffb2-final-c-capa2.pdf

Araújo, M. S., & Lima, M. M. O. (2019). O uso de plantas medicinais para fins terapêuticos: os conhecimentos etnobotânicos de alunos de escolas pública e privada em Floriano, Piauí, Brasil. Revista de Educação em Ciências e Matemática, 15(33), 235-250.

Back, G. P. M. (2013). Proposta de ensino de plantas medicinais com a utilização da esxicata (Trabalho de Conclusão de Curso). Programa de Pós-Graduação de Ensino a Distância, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil.

Barboza, A. C., Amador, M. S. M., Gomes, P. W. P., Brito, J. S., Miranda, T. G., Martins-Junior, A. S. M., Pontes, A. N., & Tavares-Martins, A. C. C. (2020). Percepção dos alunos a respeito do uso de plantas medicinais em escolas públicas de Salvaterra. Biota Amazônia, 10(1), 24-30.

Brandão, J. M. P. (2016). Perfil etnobotânico: o uso de plantas medicinais por uma comunidade rural da cidade de Lagoa Seca (Trabalho de Conclusão de Curso). Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Brito, A. A. (2013). Diagnóstico do uso e importância das plantas medicinais entre docentes e discentes do ensino médio do município de Brejo do Cruz–PB. (Trabalho de Conclusão de Curso). Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba, São Bento, Paraíba, Brasil.

Brito, J. A., Sanavria, A., Abreu, J. B. R., Vita, J. F., Ribeiro, C. M., Carrão, D. L., Vilela, J. A. R., & Bessa, E. L. (2019). Resgate do conhecimento popular sobre plantas medicinais e sua aplicação na construção de um herbário didático por discentes de curso técnico em meio ambiente. Experiências em Ensino de Ciências, 14(1), 461-480.

Carneiro, M. S., Silveira, A. P., & Gomes, V. S. (2016). Comunidade rural e escolar na valorização do conhecimento sobre plantas medicinais. Revista Biotemas, 29(2), 89-99.

Carneiro, V. P. P., Gumy, M. P., Otânio, J. K., Menetrier, J. V., Medeiros, K. A., Bonkoski, V. R., Gasparotto Junior, A., Estevan, D. A., Castro, T. E., Lourenço, E. L. B., Velasquez, L. G., & Jacomassi, E. (2020). Perfil do uso de plantas medicinais por moradores da área rural de um Município do Estado do Paraná. Research, Society and Development, 9(10), 1-27, e5099108710.

Cébrian, A. A., & Garcia, M. M. R. (2000). Tamaño y selección de muestras en poblaciones finitas. Pharmaceutical Care España, 2(5), 310-320.

Costa, S. & Pereira, C. (2016). Etnobotânica como subsidio para a educação ambiental nas aulas de ciências. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 11(2), 279-298.

Cruz, E. A. L., Silva, J. W. S., Garcia, W. M., Ferraz-Neto, É., Nunes, J. R. S., & Anez, R. B. S. (2011). Perfil e utilização de plantas medicinais em quintais da comunidade de Salobra Grande Distrito de Porto Estrela-MT. Revista UNICiências, 15(1), 53-66.

Dávila, E. S., Alves, C. C., Lima, B. M., Folmer, V., & Puntel, R. L. (2016). Ideias prévias sobre plantas medicinais e tóxicas de estudantes do ensino fundamental da região da Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Conexões Culturais – Revista de Linguagens, Artes e Estudos em Cultura, 2(1), 358-368.

Freire, A. P. S. (2019). Utilização de plantas medicinais como ferramenta no ensino de Botânica em uma escola do ensino médio, Pedro II, Piauí, Brasil (Dissertação de mestrado). Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional-PROFBIO, Universidade Estadual do Piauí, Teresina, Piauí, Brasil.

Kovalski, M. L., & Obara, A. T. (2013). O estudo da etnobotânica das plantas medicinais na escola. Ciência e Educação, 19(4), 911-927.

Lima, R. A., Pires, L. S. S., & Vieira, N. G. (2014). A educação ambiental e o uso de plantas medicinais utilizadas pela população do distrito de União Bandeirante-Rondônia. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental – REGET, 18(4), 1351-1360.

Magalhães, K. N. (2019). Plantas Medicinais da Caatinga do Nordeste Brasileiro: Etnofarmacopeia do professor Francisco José de Abreu Matos (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica de Medicamentos, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Matos, F. J. A. (1999). Plantas da medicina popular do Nordeste: propriedades atribuídas e confirmadas. Fortaleza: Edições UFC.

Martins, M. C., & Garlet, T. M. B. (2016). Desenvolvendo e divulgando o conhecimento sobre plantas medicinais. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 20(1), 438-448.

Martins, M. K. O., Ferreira, B. O., Costa, F. B., Santos, G. S., & Costa, J. F. (2020). Plantas tóxicas no ambiente escolar: com a palavra, professoras da educação infantil de Aldeias Altas, Maranhão, Brasil. Research, Society and Development, 9(7), 1-15, e586974451.

Miranda, D. M., Cunha, N. J. R., Oliveira, F. Q. (2020). Perfil de utilização de plantas medicinais por discentes dos cursos da área da saúde em uma instituição de ensino superior da rede privada de Belo Horizonte - MG. Revista Científica da FAMINAS, 15(1), 12-21.

Nascimento, A. S., Cardoso, J. V. M., Santos, F. W. R., Silva, I. S., & Macêdo, J. R. A. (2020). Ensino de Biologia: resgate cultural do etnoconhecimento associado ao uso de plantas medicinais. Brazilian Journal of Development, 6(5), 310-384.

Oliveira, D. M. S., & Lucena, E. M. P. (2015). O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá–Ceará. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(3), 407-412.

Organização Mundial da Saúde. (1998). Regulatory situation of herbal medicines: a worldwide review. Geneva: OMS.

Prodonov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a ed.). Rio Grande do Sul: Editora da Universidade Freevale.

Santos, A. M. D. (2018). Ensino de plantas medicinais: conhecimento etnobotânico de alunos de uma escola pública no município de Acari-RN e a construção de um herbário escolar (Trabalho de conclusão de curso). Centro de Educação e Saúde, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, Paraíba, Brasil.

Silva, A. F., Sousa, R. L., Silva, S. G., Costa, J. M., Albuquerque, L. C. S., Pereira, M. G. S., Mesquita, S. S., Silva, E. C., & Cordeiro, Y. E. M. (2021). Etnobotânica de plantas medicinais aromáticas: preparações e usos da flora local em cinco comunidades rurais localizadas na região do Baixo Tocantins, Pará, Brasil. Research, Society and Development, 10(1), 1-12, e9510111284.

Silva, C. G., Marinho, M. G. V., Lucena, M. F. A., & Costa, J. G. M. (2015). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de Caatinga na comunidade do Sítio Nazaré, município de Milagres, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(1), 133-142.

Souza, L. J. (2015). A investigação do conhecimento de uso de plantas medicinais na região do Distrito Prata, município de Monte Alegre de Goiás, GO (Trabalho de conclusão de curso). Universidade de Brasília, Planaltina, Brasília, Brasil.

Xavier, A. R. & Sousa, L. M., & Melo, J. L. M. (2019). Saberes tradicionais, Etnobotânica e o ensino de Ciências: estudo em escolas públicas do Maciço de Baturité, Ceará, Brasil. Educação & Formação, 4(11), 215-233.

Published

07/03/2021

How to Cite

CASTRO, M. A. de; BONILLA, O. H. .; PANTOJA, L. D. M.; MENDES, R. M. de S. .; EDSON-CHAVES, B.; LUCENA, E. M. P. de . Ethnobotanical knowledge of High School students about medicinal plants in Maranguape-Ceará. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e8910313008, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13008. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13008. Acesso em: 18 apr. 2021.

Issue

Section

Education Sciences