The sustainability of vegetable oils and butters production in na amazonian community – RESEX Médio Juruá

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13478

Keywords:

Non Timber Forest Products; Productive Process; Rural Communities; Conservation of natural resources.

Abstract

It is increasingly evident the importance of the economic use of the diversity of forest products, among them the Non Timber Forest Products. The aggregation of values, the use of adequate technologies to the exploitation conditions, sustainable forest management and the development of appropriate research, converge in a more strategic plan in the restructuring of the commercialization of these vegetable inputs. In this work the production process of vegetable oils and butters in the Amazon is analyzed with a view to sustainability. For this, a case study was carried out at the Oil Extraction Industry of the Roque Community, located in the municipality of Carauari, Amazonas, based on the analysis of the environmental dimension of the production process complemented by theoretical review, research and descriptive analysis. The parameters analyzed in this process were the management of native vegetation, the use of raw materials and the destination of residues. Currently, the seeds processed in the industry are of the Andiroba, Murumuru and Ucuúba species, collected in 51 communities in the Médio Juruá Territory. It was observed that the yield in the industrial process of the seeds rarely exceeds 30%, 23% and 43% respectively, of the total volume of processed seeds, which generates large amounts of waste. The biggest costs for the production of oil and butters are the acquisition of raw materials and distribution logistics. Besides these difficulties, the producers still deal with the seasonality of the production of forest species, which in some years yields more raw material and in others not, consequently impacting the earnings of the Cooperative responsible for managing the industry. 

Author Biographies

Terena do Couto Sampaio Vidal, Universidade Federal do Amazonas

Engenheira Florestal, Mestre em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia. Especialista em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental.

Maria Olívia de Albuquerque Ribeiro Simão, Universidade Federal do Amazonas

Doutora em Biologia de Água Doce e Pesca Interior pelo Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia – INPA. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

Valdiney Ferreira de Almeida, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas

Doutorando no Programa de Gestão Ambiental pela Universidade Positivo - PGAMB/UP - Paraná/PR. Mestre em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia do PPGCASA pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM.  E Especialista em Metodologia do Ensino Superior.

References

Andrade, C. S. (2010). Energia elétrica e as populações tradicionais do Estado do Amazonas: aprendizados a partir da experiência na Comunidade do Roque na Reserva Extrativista do Médio Juruá. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Bardin, L (2014). Análise de Conteúdo: Edições 70.

Bernardes, R. S., Costa, A. A. D. & Bernardes, C. (2018). Projeto Sanear Amazônia: tecnologias sociais e protagonismo das comunidades mudam qualidade de vida nas reservas extrativistas. Desenvolvimento e Meio ambiente. Edição especial: 30 Anos do Legado de Chico Mendes V. 48. DOI: 10.5380/dma.v48i0.58510. e-ISSN 2176-9109

Brasil. (2011). Instituto Chico Mendes da Biodiversidade. Plano de Manejo da Reserva Extrativista do Médio Juruá. http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomasbrasileiros/amazonia/unidades-de-conservacao-amazonia/2036-resex-medio-jurua.

Cardoso, L. M. F. (2004). Indicadores de produção limpa: uma proposta para análise de relatórios ambientais de empresas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia.

Cavicchioli, A. F. & Gasparotto, A. M. S. (2019). Uma análise de interação entre os sistemas de produção Lean Manufacturing e Produção Mais Limpa. SIMTEC - Simpósio de Tecnologia da Fatec Taquaritinga, 5(1).

CNT. Confederação Nacional do Transporte. (2019). Aspectos gerais da navegação interior no Brasil. Brasília. https://cnt.org.br/aspectos-gerais-navegacao-brasil.

Di Lascio, M. A; et. al. (2009). Energia e desenvolvimento sustentável para a Amazônia rural brasileira: eletrificação de comunidades isoladas. Ministério de Minas e Energia. https://agritrop.cirad.fr/567794/1/solucoes_energeticas_para_a_amazonia.pdf

Diniz, J. D. A. S. et. al. (2013). Agregação de valores a espécies do Cerrado como oportunidade de inserção da agricultura familiar em mercados diferenciados. Via Sapiens (Difusão IEPE/UGRGS). pp. 268-289.

Emperaire, L., Lescure, J. P. & Pinton, F. (1996). O povo e os produtos florestais na Amazônia central: uma abordagem multidisciplinar do extrativismo.

Enríquez, G. E. V. (2008). Desafios da Sustentabilidade na Amazônia: Biodiversidade, Cadeias Produtivas e Comunidades Extrativistas Integradas. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília.

Ferraz, I. D. K. (2003). Andiroba, Carapa guianensis Aubl. Informativo Técnico Rede de Sementes da Amazônia. N. 1. https://www.inpa.gov.br/sementes/iT/1_Andiroba.pdf

Ferraz, I. D. K. & Camargo, J. L. C., Sampaio, P. T.B. (2002). Sementes e plântulas de andiroba (Carapa guianensis AUBL. E Carapa procera D. C.): aspectos botânicos, ecológicos e tecnológicos. ACTA AMAZÔNICA.

Freitas N. F. & Schor, T. (2020). Bioeconomia e a Bolsa de Mercadorias da Amazônia: Uma Iniciativa Inovadora Para o Desenvolvimento Sustentável da Região Amazônica. Interesse Nacional – edição especial 01 – BIOECONOMIA. Instituto Escolhas, 2020.

Herculano, F. E. B. (2013). Produção Industrial de Cosméticos: o protagonismo da biodiversidade vegetal da Amazônia. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Amazonas.

Holanda Junior, E. V. (2020). Árvore do conhecimento: ovinos de corte. Gestão de Unidade Produtiva. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Brasília. https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/ovinos_de_corte/arvore/CONT000fwf8r72302wyiv807fiqu9a5u4l0t.html.

IBGE, (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Censo 2020. https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/am/carauari.html.

Leitão, A. (2015). Economia Circular: Uma Nova Filosofia de Gestão Para O Século XX. Portuguese Journal of Finance, Management and Accouting, 1(2).

Lopes, R. H. (2015). A inserção de agricultores familiares em cadeias, produtivas globais: Um estudo da produção de óleo de buriti (Mauritia flexuosa) na Comunidade Santo Antônio do Abonari. Tese de Doutorado. Universidade Federal Amazonas.

Lourenço, J. N. P. et. al. (2017). Produção, biometria de frutos e sementes e extração do óleo de andiroba (carapa Guianensnis Aublet. Sob manejo comunitário em Parintins, AM. Embrapa Amazônia ocidental.

Macedo, C. S. (2012). Infraestrutura de transporte hidroviário de carga no estado do Amazonas: um diagnóstico a partir das políticas públicas de investimentos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Amazonas.

Machado, et. al. (2020). Economia Circular e Resíduo de Pescado. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 55, (4), 2176-9478.

Machado, F. S. (2008). Manejo de Produtos Florestais Não Madeireiros: um manual com sugestões para o manejo participativo em comunidades da Amazônia.

Mascarenhas, J. M. G. A. (2019). Bioplásticos e plásticos biodegradáveis surfando a sexta onda: um estudo sobre a ecoeficiência. Revista Valore (Edição especial). Volta Redonda. DOI: https://doi.org/10.22408/reva402019359133-142

Menezes, B. P. (2012). Consumo, digestibilidade, balanço de nitrogênio e composição bromatológica da torta de murumuru (Astrocaryum murumuru var murumuru mart) na alimentação de ruminantes. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Pará.

Morais et. al. (2013). Produção de leite e consumo concentrado em búfalas lactantes suplementadas com concentrado à base de torta de cupuaçu (Theobroma grandiflorium) e torta de murumuru (Astrocaryum murumuru). Anais do X Congresso Brasileiro de Buiatria. Pará.

Neves, N. A. S. (2016). Ensino da Economia Através do Estudo da Cadeia Produtiva do Artesanato de Bio e Eco Joias no município de Tabatinga no Amazonas. Tese de Doutorado. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Oliveira, F. R., França, S. L. B. & Rangel, L. A. D. (2019). Princípios de economia circular para o desenvolvimento de produtos em arranjos produtivos locais. INTERAÇÕES. Campo Grande. 20(4). DOI: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v20i4.1921

Ometto, A. R., Amaral, W. A., Iritani, D. R. (2018). Economia circular: oportunidades e desafios para a indústria brasileira. Confederação Nacional da Indústria. – Brasília: CNI, 2018.

Pedrozo, E. A. et. al. (2011). Produtos Florestais Não Madeiráveis (PFNMS): as Filières do Açaí e da Castanha da Amazônia. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, 3(2). https://www.periodicos.unir.br/index.php/rara/article/view/201/234.

Pereira A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_MetodologiaPesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Pimenta, C. & Azevedo, A. (2020). Por Uma Bioeconomia Inclusiva e Que Mantenha Em Pé a Floresta. Interesse Nacional – edição especial 01 – BIOECONOMIA. Instituto Escolhas.

PPA, Parceiros Pela Amazônia. (2019). Bioeconomia: uma chave de desenvolvimento potente e sustentável para a Amazônia. https://ppa.org.br/2019/11/29/bioeconomia-uma-chave-de-desenvolvimento-potente-e sustentavel-para-a-amazonia/.

Ribeiro, F. M. & Kruglianskas, K. (2015). A Economia Circular no contexto europeu: Conceito e potenciais de contribuição na modernização das políticas de resíduos sólidos. Universidade de São Paulo.

Santos, M. J. T. (2014). Aproveitamento de resíduos da indústria de óleos vegetais produzidos na Amazônia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Pará.

Silva, T. P., Souza, S. A. & Costa, M. N. (2015). Produção mais limpa: eficiência ambiental na produção das indústrias de cerâmica vermelha em Guanambi – Bahia. XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO. Perspectivas Globais para a Engenharia de Produção. Ceará.

Sintra, P. V. (2019). Jornada técnica sobre Economia Circular. Prémios Humana Circular. http://m.smartwasteportugal.com/fotos/editor2/jornada_economia_circular_programa_provisorio.pdf

Sousa, K. A. et. al. (2016). Bioeconomia na Amazônia: uma análise dos segmentos de fitoterápicos e fitocosméticos, sob a perspectiva da inovação. Fronteiras: jornal of social, technological and environmental Science, 5(3).

Torres, F. A. (2019). Ecoeficiência em operações de empresas pelo uso de geração distribuída fotovoltaica. Dissertação de Mestrado. Escola de administração de empresas de São Paulo, São Paulo.

Udaeta, M. E. M. et. al. (2004). Comparação da produção de energia com diesel e biodiesel analisando todos os custos envolvidos. Enc. Energ. Meio Rural. GEPEA-USP, Grupo de Energia do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

Vasquez, M. S. (2014). Sustentabilidade agrícola na comunidade ilha das flores- São Gabriel da Cachoeira, Amazonas. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Amazonas.

Werner, E. M., Bacaraji, A. G. & Hall, R. J. (2009). Produção Mais Limpa: Conceitos e Definições Metodológicas. In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Anais do SEGETC.https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos09/306_306_PMaisL_Conceitos_e_Definicoes_Metodologicas.pdf

Published

17/03/2021

How to Cite

VIDAL, T. do C. S.; SIMÃO, M. O. de A. R. .; ALMEIDA, V. F. de. The sustainability of vegetable oils and butters production in na amazonian community – RESEX Médio Juruá. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e32710313478, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13478. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13478. Acesso em: 13 apr. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences