Export behavior of the Brazilian coffee agribusiness and interactions with production elements

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13503

Keywords:

Exchange; Grain; Soluble; Roasted.

Abstract

Coffee has relative importance for the trade balance and for the productive structure of Brazilian agribusiness, although it presents difficulties in adding value to exports. In order to analyze the behavior of Brazilian coffee industrial-agricultural exports and its relationship with production agents, this study considered data from the years 2001 to 2019, which are related to production, area and production feet. Data on the quantity and value of exported coffee were also evaluated. All variables were subjected to statistical correlation analysis. Production quantity, productivity (bags per hectare), area and planted trees were inversely related to exchange rate variations, with positive responses of the quantity of productive trees to price increases. Coffee exports were more concentrated in the first stage of the industrial-agricultural chain, with a small increase in soluble coffee and successive decreases in roasted and ground coffee, which accounts for 0.1% of all coffee exports in the country. Even though the industrial-agricultural has shown average increases of 4% and 3% annual in the volume of exported beans and soluble coffee, the production chain is experiencing stagnation in the values sold in the foreign market, which correlate negative way with the exchange rate. These results show that the strong concentration in the initial stage of the Brazilian coffee production chain is sensitive to exchange rate variations, while soluble, roasted and ground coffees have difficulties in expanding in the international market, culminating in the challenge of creating valuation policies for these products.

Author Biographies

Lidiany dos Santos Soares, Universidade José do Rosário Vellano

Doutoranda em Agricultura Sustentável

Ana Maria Santana do Amaral, Universidade José do Rosário Vellano

Doutoranda em Agricultura Sustentável

Tiago Teruel Rezende, Universidade José do Rosário Vellano

Doutor em Fitotecnia

Departamento de Ciências Agrárias

Fernando Ferrari Putti, Universidade Estadual Paulista

Mestre em Engenharia Rural

Departamento de Ciências Agronômicas

Bruno César Góes, Universidade José do Rosário Vellano

Doutor em Agronegócio e Desenvolvimento

Departamento de Ciências Agrárias/Administração

References

Abrantes, L. A., Ferreira, M. A. M., Reis, R. P. & Nazareth, M. S. (2006). Perfil estratégico e competitivo do segmento de torrefação e moagem de café em Minas Gerais. Anais do Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Fortaleza, CE, Brasil, 44.

Arevalo, J. L. S., Arruda, D. O. de. & Carvalho, J. P. de. (2016). Competitividade no comércio internacional do café: um estudo comparativo entre Brasil, Colômbia e Peru. Organizações Rurais & Agroindustriais, 18(1), 62-78. http://revista.dae.ufla.br/index.php/ora/article/view/888.

Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel. (2020). Relatório do café solúvel do Brasil. https://www.abics.com.br/noticia.php?noticia=199&relatorio_do_cafe_soluvel_do_brasil_jan eiro_de_2020.

Barreto, R. C. S. & Zugaib, A. C. C. (2016). Dinâmica do mercado internacional de café e determinantes na formação de preços. Economia & Região, 4(2), 7-27. http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2016v4n2p7.

Begg, D., Fischer, S. & Dornbusch, S. (2005). Economics (7a ed.). UK: McGraw-Hill Education publishing.

Bryan, M. F. & Cecchettit, S. G. (1993). The Consumer Price Index as a Measure of Inflation. National Bureal of Economic Research. Working Paper 4505. https://doi.org/10.3386/w4505.

Caldarelli, C. E., Gilio, L. & Zilberman, D. (2018). The coffee market in Brazil: challenges and policy guidelines. Revista de Economia, 39(69), 1-21. http://dx.doi.org/10.5380/re.v39i69.67891.

Camargo, M. B. P. (2010). The impact of climatic variability and climate change on

arabica coffee crop in Brazil. Bragantia, 69(1), 239-247.

Carrara, A. F. & Correa, A. L. (2012). O regime de metas de inflação no Brasil: uma análise empírica do IPCA. Revista de Economia Contemporânea, 16(3), 441-462. https://doi.org/10.1590/S1415-98482012000300004.

Castro, E. R. de, Teixeira, E. C. & Lima, J. E. de. (2005). Efeito da desvalorização cambial na oferta, no preço de insumos e na relação entre os fatores na cultura do café. Revista de Economia e Sociologia Rural, 43(3), 421-441. https://doi.org/10.1590/S0103-20032005000300002.

Chain, C. P., Carvalho, F. M. de. Sant´Ana, N. L. S. dos. Castro Júnior, L. G. C. & Fontes, R. E. (2016). Aglomerações produtivas na indústria do café em minas gerais. Gestão & Regionalidade, 32(94), 84-100. https://doi.org/10.13037/gr.vol32n94.2890.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. (2013). Agromensal: café. https://www.cepea.esalq.usp.br/br/categoria/agromensal. aspx?mes=12&ano=2013.

Companhia Nacional de Abastecimento. (2019). Acompanhamento da safra brasileira de café, Boletim dezembro 2019. Brasília, 5(3), 1-48. https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/cafe.

Companhia Nacional de Abastecimento. (2020). Indicadores da Agropecuária. Brasília, 1, 01-88. https://www.conab.gov.br/info-agro/precos/revista-indicadores-da-agropecuaria. Acesso em 11 jul. 2020.

Conceição, J. C. P. R. da., Ellery Júnior, R. G. de. & Conceição, P. H. Z. da. (2019). Cadeia agroindustrial do café no Brasil: agregação de valor e exportação. Boletim de Economia e Política Internacional, 24, 25-29.

Conselho de Exportadores de Café do Brasil. (2020). Relatório de mensal – dezembro 2020. http://www.sapc.embrapa.br/arquivos/consorcio/informe_estatistico/CECAFE_Relatorio_Mensal_Dezembro_2020.pdf.

Copetti, L. S. & Coronel D. A. (2019). Competitividade das exportações brasileiras e colombianas de café. Desenvolvimento Regional em debate, 9(1), 646-667.

Dawid J. & Hailu, G. (2018). Inorganic fertilizers requirement of coffee (Coffea arabica L.), a Review. Journal of Biology, Agriculture and Healthcare, 8(21), 24-34.

Dixit, A. & Pindyck, R. (1994). Investment under uncertainty. Princeton NJ: Princeton University Press. 484 p.

Faleiros, R. N. & Tosi, P. G. S. (2019). O café no Brasil: produção e mercado mundial na primeira metade do século XX. História Econômica & História de Empresas, 22(2), 309-343.

Fávero, L. P. (2017). Manual de análise de dados. Elsevier.

Figueiredo, A. M., Ferreira, A. V. & Teixeira, E. C. (1999). Impactos de uma desvalorização cambial sobre as relações de produção na cultura do café. Revista de Economia e Sociologia Rural, 37(4), 47–69.

Frederico, S. (2014). Globalização, competitividade e regionalização: a cafeicultura científica globalizada no território brasileiro. Geousp – Espaço e Tempo (Online), 18(1), 55-70.

Gurgel, A. C. (2014). Impactos de políticas comerciais e agrícolas sobre a agropecuária e a agroindústria brasileiras. Anais do Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Goiânia, GO, Brasil, 52.

Innocentini, M. (2015). Política brasileira do agronegócio do café: desafios e propostas. Revista de Política Agrícola, 24(1), 5-16.

Krugman, P. e Obstfeld, M. (2005). Economia Internacional: teoria e política (6a ed.). Pearson, 558 p.

Lacerda, A. C. de., Bocchi, J. I., Rego, J. M., Borges, M. A. e Marques, R. M. (2018). Economia brasileira (6a ed.). Saraiva, 328 p.

Marques, J. G. C. de., Paixão, S. K. da., Lyra, M. R. C. C., Carvalho, R. M. C. M. O. de. & Silva, R. F. S. da. (2019). Gestão para a sustentabilidade no ambiente rural. Revista gestão e sustentabilidade ambiental, 8(4), 312-329. http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v8e42019312-329.

Matiello, J. B. (2005). Cultura de café no Brasil: novo manual de recomendações (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ e Varginha, MG: Ministério da Agricultura, da Pecuária e do Abastecimento, 434 p.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2019). Sumário executivo do café. Brasília, 12p. http://www.sapc.embrapa.br/arquivos/consorcio/informe_estatistico/Sumario_Cafe_ Dezembro_2019.pdf.

Moreira, P., Moreira, G., Castro, N. & Silva, R. P. (2019). Produtividade e economia de fatores de produção na cafeicultura brasileira. Revista de Política Agrícola, 2(1), 6-21.

Morozini, J. F., Martin, D. M. L. & Cardoso, C. E. (2012). Teoria de opções reais para análise de risco e determinação dos preços de entrada e saída em uma lavoura de café no Brasil. Custos e @gronegócio on line, 8(4), 2-24.

Organização Internacional do Café. (2020). Relatório mensal do mercado cafeeiro – dezembro 2020. http://www.ico.org/Market-Report-20-21-e.asp.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Universidade Federal de Santa Maria, 119p. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Ponciano, N. J., Ney, M. G., Mata, H. T. C. da. & Rocha, J. P. (2008, Julho). Dinâmica da cadeia agroindustrial do café (Coffea Arábica L.) brasileiro após a desregulamentação. Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Rio Branco, Acre, Brasil, 21. http://dx.doi.org/10.22004/ag.econ.113969.

Ponciano, N. J., Souza, P. M. de. & Ney, M. G. (2009). Ajustamentos na cadeia agroindustrial do café brasileiro. Revista IDeAS, 3(2), 256-287.

Reuters. (2014). Safra de café 2012/13 cai após chuvas. Obtido em http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRSPE88502Z20120906>.

Sereia, V. J. C. da., Gabardo, M. R. & Cintra, M. V. (2008). Competitividade internacional do complexo cafeeiro brasileiro e paranaense. Semina: Ciências Agrárias, 29 (3), 557-578. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2008v29n3p557.

Sereia, V. J. C. da., Camara, M. R. G. & Anhesini, J. A. R. (2012). Competitividade do complexo cafeeiro: uma análise a partir do market share e das vantagens comparativas simétricas. Revista de Economia, 38(1), 07-34.

Sório, A. (2015). Reposicionamento estratégico das indústrias processadoras de café do Brasil: propostas para sistematização de políticas públicas e estratégias de negócio. Passo Fundo: Méritos, 222 p.

Takano, A. L. R., Cabrera, L. C. & Caldarelli, C. E. (2021). Cadeia produtiva e mercado cafeeiro no Brasil:desafios e potencialidades. Economia e Ensaios, 36(1), 128-145.

Vasconcelos, M. A. S. & Garcia, M. E. (2014). Fundamentos de economia (5a ed.). São Paulo: Saraiva, 368 p.

Verdin Filho, A. C., Volpi, P.S., Ferrão, M. A. G., Ferrão, R. G., Mauri, A. L., Fonseca, F. A. da, Tristão, F. A. & Andrade Júnior, S. de. (2016). New management technology for arabica coffee: the cyclic pruning program for arabica coffee. Coffee Science, 11(4) 475 – 483.

Victorino, E. C., Carvalho, L. G. de. & Ferreira, D. F. (2016). Modelagem agrometeorológica para a previsão de produtividade de cafeeiros na região Sul do Estado de Minas Gerais. Coffee Science, 11(2), 211 – 220.

Published

20/03/2021

How to Cite

SOARES, L. dos S.; AMARAL, A. M. . S. do; REZENDE, T. T.; PUTTI, F. F.; GÓES, B. C. Export behavior of the Brazilian coffee agribusiness and interactions with production elements. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e39210313503, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13503. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13503. Acesso em: 18 apr. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences