Evaluation of municipal plans for basic sanitation in the region of integration Rio Capim, PA

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13541

Keywords:

Legal framework for basic sanitation; Management tools; Universalization.

Abstract

In Brazil, the legal framework for basic sanitation, law nº. 14.026 / 2020 determines the mandatory elaboration of the municipal basic sanitation plan (MBSP). In view of the difficulties encountered by municipal managers in the preparation of the MBSP, and the fragility of the plans drawn up, multiple forms of evaluation are used to test the efficiency of the MBSP in the Brazilian regions. Thus, the objective was to analyze the MBSP s of the Rio Capim Integration Region (RIRC), to ascertain the use of management instruments, if in fact they contribute to the improvement of basic sanitation conditions as stated in the law. The methodological adaptation considered categories of evaluation, roadmap of the Ministry of Cities and principles of the law to assess the conformities of the plans. To evaluate RIRC's MBSP, a methodology was adopted resulting from the unification and adaptation of the methods used by Pereira and Heller, and Brito and Araújo. Of the 16 municipalities in the study area, only three provided the MBSP document, as requested. The counties were classified as follows: MBSP of Mãe do Rio with the highest weighted average of the evaluation of 3.75, yellow color, moderate content; MBSP from Rondon do Pará with 3.51 also obtained moderate content and yellow color; and Abel Figueiredo MBSP, weighted average 1.41 insufficient content standing out in red. With regard to the methodological procedure applied, it proved to be able to evaluate the MBSP’s, allowing analysis of each aspect of the plans with a wealth of details. Thus, it is expected that the present research will subsidize other studies in the area, in order to supply the insufficiency of data found, answer the questions raised, as well as corroborate to better inform the population regarding the basic sanitation relationship and their quality of life. 

Author Biography

Rafael de Lima Souza , Universidade do Estado do Pará

engenheiro ambiental

References

Almeida, I. R., Wartchow, D. & Oliveira, J. V. (2017). Importância da atualização periódica do plano municipal de saneamento básico: caso de Ijuí-RS. Rede de Saneamento e Abastecimento de Água. São Paulo.

Araújo, N. B. D. (2017). Avaliação técnica de planos municipais de saneamento básico da baixada fluminense. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Arruda, P. N., Lima, A. S. C. & Scalize, P. S. (2016). Gestão dos serviços públicos de água e esgoto operados por municípios em Goiás, GO, Brasil. Revista Ambiente & Água, v. 11, n. 2, p. 362-376.

Brito, J. C. M & Araujo, N. B. D. (2017). Avaliação técnica de planos municipais de saneamento básico da baixada fluminense. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Busana, J. D. A., Heidemann, I. T. S. B & Wendhausen, Á. L. P. (2015). Participação popular em um conselho local de saúde: limites e potencialidades. Texto & Contexto-Enfermagem, 24(2), 442-449.

Estatuto da cidade. (2016). A Habitat III: um balanço de quinze anos da política urbana no Brasil e a nova agenda urbana. Brasília: Ipea, p. 361.

Instituto Trata Brasil. (2014). Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). Benefícios econômicos da expansão do saneamento Brasileiro. Pesquisa. Rio de Janeiro.

Instituto Trata Brasil. (2017). Panorama Dos Planos Municipais De Saneamento Básico No Brasil. Edição: Janeiro de 2017.

Instituto Trata Brasil & Saneamento. Painel saneamento Brasil. (2020). http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/o-que-e-saneamento.

Lahoz, R. A. L. & Duarte, F. C. (2015). Saneamento básico e direito à saúde: considerações a partir do princípio da universalização dos serviços públicos. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, 7.1: 62-69.

Lei nº 14.026, de 15 de julho de 2020. Atualiza o marco legal do saneamento básico e altera a Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, a Lei nº 10.768, de 19 de novembro de 2003, a Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005, a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, a Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, a Lei nº 13.089, de 12 de janeiro de 2015 (Estatuto da Metrópole), e a Lei nº 13.529, de 4 de dezembro de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 jul. 2020. 2020.

Lisboa, S. S., Heller, L & Silveira, R. B. (2013). Desafios do planejamento municipal de saneamento básico em municípios de pequeno porte: a percepção dos gestores. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 18, n. 4, p. 341-348.

Loureiro, A. L., Borja, P. C. & Moraes, L. R. S. (2010). V-012–Prestação dos Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário no Estado Da Bahia: características dos diferentes modelos. ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental.

Marchi, C. M. D. F. (2015). Novas perspectivas na gestão do saneamento: apresentação de um modelo de destinação final de resíduos sólidos urbanos. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 7, n. 1, p. 91-105.

Ministério das Cidades. (2010). Diretrizes para a Definição da Política e Elaboração de Planos Municipais e Regionais de Saneamento Básico. Brasília. MCidades, Versão 27/01/2010. http://www.mprs.mp.br/areas/ressanear/arquivos/materialtecrs/novo_diretrizes_pmsb_mc.pdf.

Miranda, G. C. A. (2014). Saneamento básico na cidade do Recife: entre a idealidade do planejamento e a realidade da execução/ Danilo wanderley Matos de abre. Recife.

Morais, L. R. S. (2012). Modelo de Gestão dos serviços de saneamento básico no brasil: limites e possibilidades. Fundação Nacional da Saúde. 8º caderno de pesquisa em engenharia pública. Universidade Federal da Bahia.

Moraes, L. R. S. (2015). Plano Municipal de Saneamento Básico e o componente manejo de resíduos sólidos como instrumento de planejamento participativo. XIX Exposição de Experiências Municipais em Saneamento–Poços de Caldas–MG.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica.

Pereira, T. S. T. & Heller, L. (2015). Planos municipais de saneamento básico: avaliação de 18 casos brasileiros. Engenharia Sanitária e Ambiental, 20(3), 395-404.

Rossoni, H. A. V., Faria, M. T. D. S., Silva, A. C. & Heller, L. (2020). Aspectos socioeconômicos e de desenvolvimento humano municipal determinantes na ausência de prestadores de serviços de esgotamento sanitário no Brasil. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 393-402, Mar.

Santiago, G., dos Santos, E. A., Cordeiro, J., dos Santos, C. I. F., & Quintão, P. L. (2019). Panorama do Plano Municipal de Saneamento Básico de Santo Antônio do Rio Abaixo, Minas Gerais. Research, Society and Development, 8(3), e2483846-e2483846.

Souza, C. M. N. & Heller, L. (2019). O controle social em saneamento e em saúde: análise comparativa com base nos marcos legais federais brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, 24, 285-294.

Sobrinho, R. A. & Cardoso, V. B. S. (2015). Capacitação de atores municipais para a elaboração dos Planos Municipais de Saneamento Básico no estado da Bahia. XIX Exposição de Experiências Municipais em Saneamento. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento.

Sousa, M. C., Esperidião, M. A., & Medina, M. G. (2017). A intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: avaliação do processo político-gerencial e das práticas de trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 1781-1790.

Souza, C. M. N. (2017). Gestão da água e saneamento básico: reflexões sobre a participação social. Saúde e Sociedade, v. 26, p. 1058-1070.

Viegas, A. S., Borja, P. C. & Moraes, L. R. S. (2012). Gestão dos serviços públicos de saneamento básico no brasil: estudo em municípios com população de até 50 mil habitantes. ABES – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental.

WHO/UNICEF. (2017). “Progress on Drinking Water, Sanitation and Hygiene Update and SDG Baselines 2017” tech. rep. (WHO/UNICEF Joint Monitoring Programme for Water Supply and Sanitation, Luxembourg. http://apps.who.int/iris/ bitstream/10665/112727/1/9789241507240_eng.pdf?ua=1.

Published

21/03/2021

How to Cite

SOUSA, V. C. .; MOURÃO, F. V. .; BRITO, R. P. .; RODRIGUES, V. M. .; SOUZA , R. de L. .; MOREIRA, F. N. da C. .; SILVA, J. P. S. da .; BARRAL, A. V. S. . Evaluation of municipal plans for basic sanitation in the region of integration Rio Capim, PA. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e42510313541, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13541. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13541. Acesso em: 12 apr. 2021.

Issue

Section

Engineerings