Profile of clinical gravity of patients admitted in na Intensive Care Unit

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13759

Keywords:

Intensive care unit; Early warning score; Critical care.

Abstract

Objective: to assess the clinical severity of the patient admitted to the ICU using the Modified Early Warning Score. Method: cross-sectional, analytical study with a quantitative approach; was performed in the ICU of a regional reference hospital. Data were collected from patients' medical records using an instrument focusing on: reason for admission to the ICU; underlying disease and comorbidities; clinical complications and interventions performed in the ICU; the sample consisted of 265 medical records considering a 5% significance level and a relative sampling error of 8%. Results: the age groups of 41-50 (13%) and 71-80 years (18%) prevailed; as to the reason for admission, it was identified: traumatic injuries (30%), pneumonia (12%), stroke (11%) and hemorrhagic stroke (10%). The severity assessment using the MEWS identified: values between 1 and 12 with a mean of 5.2; highest mortality rate associated with MEWS classified between 4 to 6. Among patients who used IMV, for 40.3% the MEWS was between 4-6. The longest stay in the ICU was recorded in patients with MEWS from 1-4. Conclusion: the higher scores in the MEWS are associated with greater clinical severity, as well as greater need for care, allowing the establishment of priorities in care.

References

Barreto, L. M., Torga, J. P., Coelho, S. V., Nobre, V. (2015). Principais características observadas em pacientes com doenças hematológicas admitidos em unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Revista Brasileira Terapia Intensiva. 27(3), 212- 219.

Barros, L. L. S., Maia, C. S. F., Monteiro, M. C. (2016). Fatores de risco associados ao agravamento de sepse em pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. Caderno de Saúde Coletiva, 24(4), 388-396.

Constantin, A. G., Moreira, A. P. P., Oliveira, J. L. C., Hofstãtter, L.M., Fernandes, L.M. (2018) Incidência de lesão por pressão em unidade de terapia intensiva para adultos. Braz J Enterostomal Ther, 16.

Liz, J. S., Gouveia, P. B., Acosta, A. S., Sandri, J. V. A., Paula, D. M., Maia, S. C. (2020). Cuidados multiprofissionais relacionados a prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica. Revista Enfermagem em Foco, 11(2), 85-90.

Malvestio, M. A. A., Behringer, L. P. B., Martuchi, S. D., Fonseca, M. A. S., Silva, L., Souza, E. F., ... Bezerra, R. (2019). Enfermagem em práticas avançadas no atendimento pré-hospitalar: oportunidade de ampliação do acesso no Brasil. Enfermagem em Foco, 10(6), 157-164.

Montenegro, S. M. S. L. (2017). Avaliação do desempenho de alerta precoce modificado em hospital público brasileiro (Dissertação de Mestrado). Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, Brasil.

Morales, C. L. P. (2016). Avaliação de pacientes graves em emergência e terapia intensiva a partir da escala mews: revisão sistemática sem metanálise. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil.

Nascimento, J. S. G., Macedo, G. O., Borges, G. B. (2019). Poder preditivo de uma escala de alerta precoce para deterioração clínica de pacientes críticos. Revista Enfermagem UFSM, 10(5),1-15.

Nassiff, A., Araújo, T. R., Menegueti, M.G., Bellissímo-Rodrigues, F., Basile-Filho, A., Laus, A. M. (2018). Carga de trabalho de enfermagem e a mortalidade dos pacientes em unidade de terapia intensiva. Texto & Contexto Enfermagem, 27(4).

Novelli e Castro, M. C. N., Dell’Acqua, M. C. Q., Unger, I.C., Cyrino, C. M. S., & Almeida, P. M. V. (2018). Gravidade e carga de trabalho de enfermagem em pacientes candidatos à vaga na UTI. Escola Anna Nery, 22(1), 1-6.

Pereira, K. R. (2017). Perfil dos pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva. Mossoró, Faculdade de enfermagem Nova Esperança de Mossoró

Roque, K. E., Tonini, T., Melo, E. C. P. (2016). Eventos adversos na unidade de terapia intensiva: impacto na mortalidade e no tempo de internação em um estudo prospectivo. Cad Saúde Pública, 32(10), 1 - 15.

Santos, F. C., & Camelo, S. H. (2015) The nurses who work in intensive care units: Profile and Professional Training. Ribeirão Preto, SP.

Santos, M. G., Silva, T. G., Silva, A. M., Bitencourt, J. V. O. V., Nascimento, E. R. P., Bertoncello, K. C. G. (2020). Boas práticas de enfermagem na unidade de terapia intensiva: Desenvolvendo o histórico de enfermagem. Enfermagem em Foco, 11(1), 21-26.

Silva, D. L. M., Gomes, W.H., Souza, V. P. S., Santos, G. P. R., Domingos, E. P. S. (2017, julho) Critérios de admissão na unidade de terapia intensiva. In: Anais da Mostra de Pesquisa em Ciência e Tecnologia. Fortaleza, CE.

Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Universidade Aberta do SUS – UNA-SUS. (2015). Redes de Atenção à saúde: Rede de Urgência e Emergência – RUE, Brasil.

Published

27/03/2021

How to Cite

ARAÚJO, M. E. da S. .; MAXIMIANO, L. C. de S. .; OLIVEIRA, C. J. de L. .; QUEIROZ, J. C. de .; PEREIRA, A. M. F. C. .; VIEIRA, A. N. . Profile of clinical gravity of patients admitted in na Intensive Care Unit . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e58410313759, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13759. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13759. Acesso em: 12 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences