Physiological performance of seeds and seedlings of forest species submitted to salinity by KCl

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13904

Keywords:

Plant development; Intolerance; Salt stress.

Abstract

The objective of this research was to evaluate the physiological development of seeds and seedlings of de paricá, (Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber x Ducke) Barneby), paineira (Ceiba speciosa (A.St. Hil ex Brako) Ravenna) and pau de balsa (Ochroma pyramidale (Cav. ex Lam.) Urb.), submitted to different levels of salinity by potassium chloride (KCl). The experimental design adopted was entirely randomized. The evaluation of the effect of salt stress was done by moistening the seeds in aqueous solutions of KCl at concentrations: 0; 25; 50; 75; 100 mM. The following variables were evaluated: germination, first count, germination speed index, aerial part length, root length, fresh and dry mass. It was observed that the seeds of paricá and paineira had their germination, germination speed index and first count, reduced as the concentrations of KCl increased. The seedlings presented reduction in root length, fresh mass and dry of the total length in a proportional way to the increase of the dosages, demonstrating intolerance of these species to high concentrations of KCl. The seeds and seedlings of pau de balsa with exception to the variables dry mass and first count, showed tolerance to the concentrations of KCl until reaching the maximum values close to 50mM of the treatment solution.

Author Biographies

Andrezza Lorena Queiroz Pamplona, Universidade Federal Rural da Amazônia

Engenheira Florestal pela Universidade Federal Rural da Amazônia do Campus de Paragominas, fez parte dos grupos de pesquisa Agroecossistemas Amazônicos e Horticultura da Amazônia - HORTIZON e do projeto de pesquisa Estresse Salino na Germinação e Vigor de Sementes Florestais Nativas, com pesquisas na área de Sementes florestais, com ênfase na Produção e Tecnologia de sementes, Fisiologia do estresse e Produção vegetal. Trabalhou como gestora de Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas e Inventário Florestal pela Empresa Ecoflorestal LTDA, prestando serviço para a Mineração Paragominas - Norsk Hydro. Atualmente trabalha como técnica em gestão de meio ambiente pela SEMAS- Belém.

Evilin Nascimento Costa, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduação em engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural da Amazônia - Campus Paragominas (2017). Durante a graduação participei dos seguintes grupos de pesquisas: Hoticultura na Amazônia- HORTIZON; Agroecossistemas Amazônicos; e Estresse Salino na Germinação de Sementes nativas. Atuei durante a graduação com ênfase nas áreas de tecnologia de Sementes, sementes e mudas, e salinidade com varios trabalhos publicados. 

Juliane Silva Brasil Carvalho, Universidade Federal Rural da Amazônia

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2017)

Sebastião Rodrigo do Remédio Souza de Oliveira, Universidade Federal Rural da Amazônia

Mestrando em Ciências Florestais pela Universidade Federal Rural da Amazônia

Sara Souza de Jesus de Oliveira, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural da Amazônia

Carla Topázio Gomes das Chagas, Universidade Federal Rural da Amazônia

 Intitulada Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2012-2017); Tem experiência na área de Produção Vegetal e Tecnologia e Produção de Sementes, durante a Graduação fez parte do Grupo de Estudos Aplicados à Sementes e Mudas (GEASEM) com pesquisas em sementes florestais, agrícolas e de hortaliças; Já foi bolsista de iniciação cientifica por um ano (2016-2017) pela Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (EMBRAPA) em parceria com a Fundação da Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisa (FAPESPA); No ano de 2017 se tornou Coordenadora de Pesquisa de Desenvolvimento na Empresa J P Consultoria Agrícola no município de Paragominas/PA. 2019 atuou no setor de Crédito da empresa Agrex do Brasil. 2020 iniciou o trabalho de desenvolvimento de mercado pela empresa Phosfaz, atuando como Representante Técnica de Vendas.

Henry Albert Werner, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduando em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal Rural da Amazônia

Denes de Souza Barros, Universidade Federal Rural da Amazônia

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2006) e mestrado em Ciências Florestais pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2009). Atualmente é professor assistente da Universidade Federal Rural da Amazônia. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Energia de Biomassa Florestal, atuando principalmente nos seguintes temas: eneregia de biomassa, produção de carvão, resíduos florestais; propriedades da madeira; pro, eucalipto, floresta plantada, propriedades físicas, salinidade, germinação, plantulas e amazonia, energia renovável, carvão vegetal.

Vanessa Mayara Souza Pamplona, Universidade Federal Rural da Amazônia

Ingressou no Curso de Bacharelado em Estatística no ano de 2004, concluindo o curso em 2008, pela Universidade Federal do Pará - UFPA. No mesmo ano foi aprovada em Concurso Público pela UFPA, para exercer o Cargo de Estatístico, Classe E, com lotação no Campus Universitário Belém e nomeada no mesmo ano. Em 2010 ingressou no Curso de Pós Graduação em Matemática e Estatística da UFPA, em Nível de Mestrado, em 2011 obteve o título de mestre. No ano de 2012 ingressou no Curso de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), em Nível de Doutorado na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista - Campus de Jaboticabal - SP, em 2016 obteve o título de doutora. No ano de 2013 foi aprovada em Concurso Público de Provas e Títulos, para provimento de cargo efetivo de Professor da Carreira do Magistério Superior em Regime de Dedicação Exclusiva (DE) na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) - Campus de Paragominas - PA. Atualmente é professora efetiva do Magistério Superior e ministra aula nos cursos de graduação em Agronomia, Engenharia Florestal e Zootecnia, nas disciplinas de Estatística, Bioestatística, Estatística Experimental e Biometria.

Bárbara Rodrigues de Quadros, Universidade Federal Rural da Amazônia

Professora Adjunta II na Universidade Federal Rural da Amazônia - Campus de Paragominas/PA. Graduada em Agronomia pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2007). Pós-graduação em Agronomia, com Mestrado em Horticultura (2010) e Doutorado em Agricultura (2013), com ênfase na Produção e Tecnologia de sementes, pela Universidade Estadual Paulista - campus de Botucatu.

References

Bezerra, L. T., Santos, A. R. C. S., Farias, A. S., Couto, P. C., Ferreira, V. M., Araújo Neto, J. C., e Nascimento, H. H. C. (2020). Emergência e crescimento inicial de plântulas de Libidibia ferrea (Mart., ex Tul.) em diferentes níveis de salinidade na água de irrigação. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, 3(3), 1126-1140. DOI: 10.34188/bjaerv3n3-032

Braga, L. F., Sousa, M. P., e Almeida, T. A. (2009). Germinação de sementes de Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. Submetidas a estresse salino e aplicação de poliamina. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, 11(1), 63-70.

Brasil. (2013). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Instruções para análise de sementes de espécies florestais. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: Mapa/ACS, 98p.

Campos, I. S., e Assunção, M. V. (1990). Efeito do cloreto de sódio na germinação e vigor de plântulas de arroz. Revista Pesquisa agropecuária Brasileira, 25(6), 837-843.

Castro, F. C., Santos, A. M., e Araújo, J. F. (2019) A salinização dos solos na concepção da comunidade quilombola de Cupira - Santa Maria da Boa Vista - Pernambuco. Ateliê Geográfico, Goiânia-GO, 13(3), 229–243.

Costa, P. H. A., Silva, J. V., Bezerra, M. A., Enéas-Filho, J., Prisco, J. T., e Gomes-Filho, E. (2003). Crescimento e níveis de solutos orgânicos e inorgânicos em cultivares de Vigna unguiculata submetidos à salinidade. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, 26(3), 289-297.

Cruz, V. S., Yamashita, O. M., Karsburg, I. V., Carvalho, M. A. C., Dallacort, R., Rossi, A. P. B., e Silva, I. V. (2020). Efeito da salinidade na germinação e desenvolvimento de plântulas de Ochroma pyramidale. Nativa, Sinop, 8(2), 239-245. DOI: http://dx.doi.org/10.31413/nativa.v8i2.8266

Dutra, T. R., Massad, M. D., Moreira, P. R., e Ribeiro, E. S. M. (2017). Efeito da salinidade na germinação e crescimento inicial de plântulas de três espécies arbóreas florestais. Pesq. flor. bras., Colombo, 37(91), 323-330. 10.4336/2017.pfb.37.91.1447

Farias, S. G. G., Freire, A. L. O., Santos, D. R., Bakke, I. A., e Silva, R. B. (2009). Efeitos dos estresses hídrico e salino na germinação de sementes de gliricidia [Gliricidia sepium (JACQ.) STEUD.]. Revista Caatinga, 22(4), 152-157.

Ferreira, E. G. B. S., Matos, V. P., Sena, L. H. M. G., Oliveira, R., e Sales, A. G. F. A. (2013). Processo Germinativo e Vigor de Sementes de Cedrela odorata L. sob Estresse Salino. Ciência Florestal, Santa Maria, 23(1), 99-105.

Fonseca, S. C. L., e Perez, S. C. J. G. A. (1999). Efeito de sais e da temperatura na germinação de sementes de olho-de-dragão (Anadenanthera pavonina L. - FABACEAE). Revista Brasileira de Sementes, 21(2), 70-77.

Guedes, R. S., Alves, E. U., Oliveira, L. S. B., Andrade, L. A., Gonçalves, E. P., e Melo, P. A. R. F. (2011) Envelhecimento acelerado na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. Semina: Ciências Agrárias, 32(2), 443-450. DOI: 10.5433/1679-0359.2011v32n2p443

Lavezo, A., Braga, L. F., Batistão, A. C.; Bonfante, L. V. (2015). Estresse osmótico na germinação de sementes de Petiveria alliacea L. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(4), 622-630. DOI: 10.1590/1983-084X/14_026

Lemes, E. Q., Lopes, J. C., Nogueira, N. O., Silva, L. F., Gomes, D. e Pereira, D. S. Qualidade fisiológica de Cupania vernalis Cambess sob diferentes níveis de salinidade (2012). Revista Trópica – Ciencias Agrárias e Biologicas, 6(3), 147.

Lemes, E. Q. 2011. Qualidade Fisiológica de Sementes de Paineira em Função do Estádio de Maturação, Temperaturas Cardinais e Estresse Salino. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais), Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Agrárias.

Lima, B. G., e Torres, S. B. (2009). Estresses hídrico e salino na germinação de sementes de Zizyphus joazeiro Mart. (Rhamnaceae). Revista Caatinga, Mossoró, 22(4), 93-99.

Maguire, J. D. (1962). Speed of germination and in selection and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, 2, 176-177.

Matoso, S. C. G., e Salman, A. K. D. (2016). Fertilização orgânica em sistemas silvipastoris. Pesq. flor. bras., Colombo, 36(88), 519-526. DOI: 10.4336/2016.pfb.36.88.982

Mayer, A. M., e Poljakoff-Mayber, A. The germination of seeds. 4. ed. New York: Pergamon Press, 1989, 270 p.

Mendonça, A. V. R. (2006). Reabilitação de cavas de extração de argila e tolerância de espécies florestais à salinidade. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) Universidade Federal do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes.

Mishra, A.; Sharma, S. D.; Khan, G. H. (2003) Improvement in physical and chemical properties of sodic soil by 3, 6 and 9 years old plantationsof Eucalyptus tereticornis: Biorejuvenation of sodic soil. Forest Ecology and Management, 184(1-3), 115-124.

Nakagawa, J. (1999). Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: Krzyzanowski, F.C.,

Vieira, R. D., França Neto, J. B. Vigor de Sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates, 21-24.

Nascimento, I. L. (2012). Superação da dormência em sementes de paineira-branca. Cerne, Lavras, 18(2), 285-291.

Pedrotti; A., Chagas, R. M., Ramos, V. C., Prata, A. P. N., Lucas, A. A. T., e Santos, P. B. (2015). Causas e consequências do processo de salinização dos solos. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, 19(2), 1308-1324. DOI: 105902/2236117016544

Pinto, I. O., Bastos, I. M. A. S., Erasmo, E. A. L., e Garcia, B. O. (2013). Efeitos do estresse salino sob sobre a porcentagem e índice de velocidade de germinação de sementes de Acacia mangium Willd. Palmas: UFT.

Ribeiro, M. C. C., Marques, B. M., e Amarro, J. Filho. (2001). Efeito da salinidade na germinação de sementes de quatro cultivares de girassol (Helianthus annuus L.). Revista Brasileira de Sementes, Brasília, 23(1), 281-284.

Santos, C. A., Silva, N. V., Walter, L. S., Silva, E. C. A., e Nogueira, R. J. M. C. (2016). Germinação de sementes de duas espécies da caatinga sob déficit hídrico e salinidade. Pesq. flor. bras., Colombo, 36(87), 219- 224. DOI: 10.4336/2016.pfb.36.87.101

Silva, R. B. (2015). Ecofisiologia da germinação de sementes e produção de mudas de Parkia platycephala Benth. Tese (Doutorado em Ciências Florestais), Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Silva, R. B. (2011). Ecofisiologia de Sementes de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais), Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Souza, R. S. (2013). Potencial de espécies florestais nativas na fitoextração de sais. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

SPSS Inc. (2001). Statistical Analysis Using SPSS. Chicago.

Stefanello, R., Garcia, D. C., Menezes, N. L., Muniz, M. F. B., e WRASSE, C. F. (2006). Efeito da luz, temperatura e estresse hídrico no potencial fisiológico de sementes de funcho. Revista Brasileira de Sementes, 28(2), 135-141.

Stefanello, R., Viana, B. B., e Neves, L. A. S. (2018). Germinação de sementes de Thymus vulgaris submetidas ao estresse salino. Caderno de Pesquisa, Santa Cruz do Sul, 30(2), 19-27. DOI: 10.17058/cp.v30i2.12220

Su, Y. H., North, H., Grignon, C., Thibaud, J. B., Sentenac, H., e Very, A. A. (2005). Regulation by external K+ in a maize inward shaker channel targets transport activity in the high concentration range. Plant Cell, 17(15), 32–48.

Published

12/04/2021

How to Cite

PAMPLONA, A. L. Q. .; COSTA, E. N.; CARVALHO, J. S. B.; OLIVEIRA, S. R. do R. S. de; OLIVEIRA, S. S. de J. de; CHAGAS, C. T. G. das; WERNER, H. A.; BARROS, D. de S.; PAMPLONA, V. M. S.; QUADROS, B. R. de. Physiological performance of seeds and seedlings of forest species submitted to salinity by KCl. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e33210413904, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13904. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13904. Acesso em: 11 may. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences