The importance of cervical cancer screening and factors related to non-adherence

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14079

Keywords:

Cervical cancer; Tracking; Primary health care; Nursing assistance.

Abstract

Objective: To identify the profile of women attended at a Basic Health Unit, the frequency of the PCCU and the factors that influence non-adherence to the exam. Methodology: Descriptive, exploratory and quantitative study, carried out in a Basic Health Unit in the center of Açailândia / MA with 140 women. A form was applied, containing variables related to the socio-demographic profile, clinical / gynecological profile and adherence to the exam. Results: It was evidenced that 64.3% of the participants are in the age group between 15 and 37 years old, 55% are brown, 57.9% have finished high school, 53.6% are married, 67.1% are in charge of household activities and 60% had no monthly income. Most (84.3%) have up to 3 children, started sexual activity between 11 and 18 years old (69.3%), had a steady partner (96.4%) and 45.7% reported not using condoms during sexual intercourse . Regarding the performance of the PCCU, 85% had already performed it, being the most frequent period of 1 year (52.9%) and, on average, 14.3% reported not performing the preventive exam as recommended due to embarrassment or lack of time. Conclusion: It is known that knowing and evaluating the profile of women attended at a BHU contributes to the knowledge of the population profile, corroborating the reduction in cervical cancer rates. Given this, investment in health education and training, both for professionals and patients, is fundamental, in addition to providing comprehensive health care, knowing the profile of the population and, thus, the greater coverage of screening, promotion programs. , prevention and health education, also including strategies for coping with the disease, thereby reducing its incidence and mortality from cervical cancer.

Author Biography

Ruhena Kelber Abrão Ferreira , Universidade Federal do Tocantins

Graduado em Educação Física (FURG). Mestre em Educação Física (UFPel) e Doutor em Educação em Ciências e Saúde (UFRGS). Professor Adjunto II da Universidade Federal do Tocantins (UFT)

References

Barbosa, K. F., Batista, A. P., Nacife, M. B. P. S. L., Vianna, V. N., Oliveira, W. W. D., Machado, E. L., & Machado-Coelho, G. L. L. (2019). Fatores associados ao não uso de preservativo e prevalência de HIV, hepatites virais B e C e sífilis: estudo transversal em comunidades rurais de Ouro Preto, Minas Gerais, entre 2014 e 2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 28, e2018408.

Barbosa, A. P., Ricacheneisky, L. F., & Daudt, C. (2018). Prevenção e rastreamento de neoplasias femininas: mama e colo do útero. Acta Méd, 39(2), 335-45.

Brito, A. B., Fernando, J., Pereira, S., Batalha, M. N., Ferreira, W. M., & da Silva Lopes, D. I. (2021). Avaliação do conhecimento de estudantes tocantinenses do Ensino Médio de uma escola pública no norte do estado sobre o exame de rastreio do HPV e a principal via de transmissão. Facit Business and Technology Journal, 1(22).

Carvalho, A. P. (2014) Avaliação da qualidade da cobertura do rastreamento do câncer do colo do útero realizado no município de Angicos-RN. Monografia apresentada ao Instituto Nacional do Ensino Superior e Pesquisa e ao Centro de Capacitação Educacional. Recife-PE.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 385 de 18 de julho de 2011 que normatiza a execução, pelo Enfermeiro, da coleta de material para colpocitologia oncótica pelo método de Papanicolau. http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-n-3852011_7934.html.

Conde, C. R., Lemos, T. M. R. & Ferreira, M. L. S. M. (2018). Características sociodemográficas, individuais e programáticas de mulheres com câncer de colo do útero. Enfermería Global, 49, 359-369.

da Costa, F. K. M., Weigert, S. P., Burci, L., & do Nascimento, K. F. (2017). Os desafios do enfermeiro perante a prevenção do câncer do colo do útero.

de Sá, R. L., Rodrigues, Y. A., de Oliveira, E. H., & Britto, M. H. M. (2020). Mortalidade por neoplasia maligna do colo do útero no estado do Maranhão: perfil epidemiológico e tendência. Research, Society and Development, 9(4), e13942876-e13942876.

Da Silva, E. G., dos Santos, R. K., de Alencar Oliveira, L., Leal, B. M. N., de Lima Carvalho, M., Silva, B. G. S., & dos Santos Moura, N. (2020). Letramento em saúde e prevenção do câncer do colo de útero. Brazilian Journal of Development, 6(7), 43439-43448.

da Silva, I. M. L., & Schumacher, B. (2020). Conhecimento e sentimentos das mulheres com diagnóstico de câncer de colo de útero. Redes-Revista Interdisciplinar do IELUSC, 1(3), 85-94.

dos Santos Silva, M. A., Teixeira, É. M. B., Ferrari, R. A. P., Cestari, M. E. W., & Cardelli, A. A. M. (2015). Fatores relacionados a não adesão à realização do exame de Papanicolau. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 16(4), 532-539.

Garcia, M., Campos, G. K. P., Patrício, J. A. L., Rodrigues, L. A., & Rodrigues, A. D. F. M. (2021). Identificação dos fatores que interferem na baixa cobertura do rastreio do câncer de colo uterino através das representações sociais de usuárias dos serviços públicos. Brazilian Journal of Health Review, 4(1), 1462-1477.

Instituto ONCOGUIA (2018). Câncer de mama atinge cada vez mais mulheres abaixo de 30 anos, dizem especialistas. http://www.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/colo_utero.

INCA (2020). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Colo do útero. http://www.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/colo_utero.

INCA (2018). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero. Sumário Executivo para a Atenção Básica.

INCA (2016). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. (2a ed.), INCA. 114p.

Lamarca, G., Vettore, M. (2013) Por que algumas mulheres não fazem o exame preventivo de colo de útero? <http://dssbr.org/site/2013/12/por-que-algumas-mulheres-nao-fazem-o-exame-preventivo-de-colo-de-utero>.

Lima, S. N. D. S. (2018). Tecnologia para promoção da realização do exame papanicolaou para prevenção do câncer de colo uterino na Atenção Primária. Dissertação (Saúde da Mulher). Universidade Federal do Piauí.

Mascarello, K. C., Silva, N. F., Piske, M. T., Viana, K. C. G., Zandonade, E. & Amorim, M. H. C. (2012). Perfil Sociodemográfico e Clínico de Mulheres com Câncer do Colo do Útero Associado ao Estadiamento Inicial. Revista Brasileira de Cancerologia, 58(3), 417-426.

Medeiros, T. (2015) Conhecimento e percepção de mulheres quanto ao exame preventivo para o câncer de colo do útero. REBES, 5 (4), 09-16.

Melo, E. M. F. D., Linhares, F. M. P., Silva, T. M. D., Pontes, C. M., Santos, A. H. D. S., & Oliveira, S. C. D. (2019). Câncer cervico-uterino: conhecimento, atitude e prática sobre o exame de prevenção. Revista Brasileira de Enfermagem, 72, 25-31.

PNAD (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cor ou raça. https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html#:~:text=De%20acordo%20com%20d ados%20da,1%25%20c omo%20 am arelos %20ou%20ind%C3%ADgenas.

Ribeiro, J. F., Silva, A. R. V., Campelo, V., Santos, S. L. D. & Coêlho, D. M. M. (2015). Perfil sociodemográfico e clínico de mulheres com câncer do colo do útero em uma cidade do Nordeste. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 6(2), 1367-81.

Rodrigues, C. F. C., Alves, M. M. M., Brustulin, R., & Ferreira, R. K. A. (2020). Avaliação do Controle do HIV/Aids na Atenção Primária em Palmas/TO. Research, Society and Development, 9(9), e372997126-e372997126.

Sá, M. I., Silva, M. T., Almeida, D., Vieira, B., Lima, T., Conde, C., ... & Oliveira, T. (2015). Infeções sexualmente transmissíveis e factores de risco nas adolescentes e jovens: Dados de um Centro de Atendimento a Jovens. NASCER E CRESCER-BIRTH AND GROWTH MEDICAL JOURNAL, 24(2), 64-69.

SBOC. (2018) Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. Notícias. SBOC divulga que 52% não fazem exame ginecológico preventivo de câncer. https://sboc.org.br/noticias/item/1151-sboc-divulga-que-52-nao-fazem-exame-ginecologico-preventivo-de-cancer.

Silva, M. L., Nunes, J. S. S., de Oliveira, K. S., & Leite, T. A. S. (2020). Conhecimento de mulheres sobre câncer de colo do útero: Uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 7263-7275.

Silva, R. L. D. (2019) A importância da medicina preventiva na prevenção e diagnostico do câncer de colo útero nas mulheres em idade fértil na Estratégia Saúde da Família-Tenoné II no município de Belém-PA. Dissertação (Saúde da Família). Universidade Federal do Pará, Universidade Aberta do SUS.

Tadesse, S. K. Socio-economic and cultural vulnerabilities to cervical cancer and challenges faced by patients attending care at Tikur Anbessa Hospital: a cross sectional and qualitative study. (2015). BMC Women's Health, 15(75), 1-12.

Villa, L. L. (2020) Vacina papilomavírus humano (HPV): Atualização e perspectivas. Ver Imunizações, 13 (4), 12-15.

Vimar, A. C. D. A. V., da Silva Braga, A. C., & Vianna, Y. I. (2020, February). CÂNCER DE COLO UTERINO E HPV. In Simpósio DE Pesquisa E de Práticas Pedagógicas da UGB (No. 8).

Published

21/04/2021

How to Cite

SILVA, T. R. de S. .; SANTOS, J. C. M. dos .; OLIVEIRA, J. S. de .; ABREU, V. P. L. .; SILVA, R. R. da .; DANTAS, K. L. S. .; SILVA, R. M. O. .; JANUÁRIO, P. O. da S. .; GONÇALVES, G. F. de S. .; RODRIGUES, C. F. do C. .; SILVA, M. da V. F. B. .; OLIVEIRA, R. T. S. .; FERREIRA , R. K. A. The importance of cervical cancer screening and factors related to non-adherence. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e51710414079, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14079. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14079. Acesso em: 11 may. 2021.

Issue

Section

Health Sciences