Equity and mental health: challenges for the psychologist’s work with people with deaf people

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14208

Keywords:

Hearing Loss; Psychology; Mental Health; Health Equity; Human rights.

Abstract

Hearing is considered an important sense for insertion in society. The deprivation of this sense can result in the difficulty of using several health services, such as Psychology, considering as possible factors, the professional unpreparedness and the environments that are part of the person daily life. In view of this theme, this article aims to address the challenges encountered in the psychologist's work in the care of people Qualitative research was carried out, and the method used consisted of a narrative literature review. The results were divided in three categories: equity of care, challenges in health, and psychological assistance to deaf people. In view of professional practice, the difficulty in understanding sign language can present itself as na obstacle in the care of deaf people who are not oralized. Some reasons for this obstacle are related to the lack of theoretical deepening about Libras in undergraduate courses, late learning about this language and the lack of interest in training by professionals. With this study, it is considered the importance of further studies on the subject, since there is a need to support, accept and understand the demands of this audience.

Author Biographies

Gabriela Maffini, Universidade Franciscana

Universidade Franciscana

Camila dos Santos Gonçalves, Universidade Franciscana

Doutora em Psicologia Social e Institucional

References

Assis, D. N. C. (2019). Interseccionalidades. Instituto de Humanidades, Artes e Ciências: Superintendência de Educação a Distância, UFBA: Salvador.

Baelli, I. M. M., Canteiro, M. T. R., Dardet, C. A., Lago, E. F., & Aroca, E. F. (2011). Comunidades surdas: pacientes ou cidadãos? Gaceta Sanitária, 25(1),

-9.

Barnes, C. (2009). Un chiste “malo”: ¿rehabilitar a las personas con discapacidad en una sociedad que discapacita? In: Brogna, P. (Org.). Visiones e revisiones de la discapacidad. México: FCE, 101-122.

Bisol, C. A., Simioni, J., & Sperb, T. (2008). Contribuições da Psicologia Brasileira para o Estudo da Surdez. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(3), 392-400.

Borborema, C. S., & Aguillera, F. (2017) Criança com deficiência auditiva e família: desafios e contribuições da Psicologia. Rev. Psicol. Diversidade e Saúde, 6(2), 133-137.

Brasil. (2015). Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Estatuto da pessoa com deficiência.

Brasil. (2008). Política nacional de saúde da pessoa portadora de deficiência.1ª edição. Ministério da Saúde. Brasília.

Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Regulamento Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências.

Camargos, G., & Àvila, L. (2019). A interface da psicologia com a surdez: uma revisão sistemática. Revista De Psicologia, 10(2), 148-158.

Cardoso, A. H. A., Rodrigues, K. G., & Bachion, M. M. (2006). Percepção da pessoa com surdez severa e/ou profunda acerca do processo de comunicação durante seu atendimento de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(4), 553-560.

Coelho, A C., Brasolotto, A. G., & Bevilacqua, M. C. (2012). Análise sistemática dos benefícios do uso do implante coclear na produção vocal. J. Soc. Bras. Fonoaudiol. v. 24(4), 395-402.

Conselho Federal de Psicologia - CFP (2005). Resolução CFP nº 010/2005. Código de Ética Profissional do Psicólogo, XIII Plenário. Brasília, DF: CFP.

Dizeu, L. C. T. B., & Carporali, S. A. (2005). A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educ. Soc. 26(91), 583-597.

Denzin, N., & Lincoln, Y. (2006). O Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: ArtMed.

Dizeu, L. C. T. B., & Caporali, S. A. (2005). A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educação & Sociedade, 26(91), 583-597.

Fonseca, R. T. M. (2007). A ONU e o seu conceito revolucionário da pessoa com deficiência. Site Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Recuperado de http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smacis/default.php?reg=4&p_secao=96

Gonçalves, P. C. S. (2005). Linguagem do silêncio: psicanálise e surdez. Arqueiro, 12, 17-21.

Gonçalves, P. C. S. (2011). Atendimento psicológico para surdos. Petrópolis: Arara Azul.

Guarinello, A. C., Berberian, A. P., Eyng, D. B., Festa, P. S. V., Marques, J. M., & Bortolozzi, K. B. (2013). A disciplina de Libras no contexto de formação acadêmica em fonoaudiologia. Revista CEFAC, 15(2), 334-340.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempos soc., 26(1), 61-63.

Isaac, M. L, & Manfrendi, A. K. S. (2005). Diagnóstico precoce da surdez na infância. Medicina, Ribeirão Preto, 38(3), 253-244.

Lamberg, D. T., & Oliveira, G.T. S. (2017) Seminário Internacional Fazendo Gênero 11:transformações, conexões e deslocamentos &13thWomen’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis.

Lieu, C. C., Sadler, G. R., Fullerton, J. T., & Stohlmann, P. D. (2007). Communication strategies for nurses interacting with deaf patients. Medsurg Nursing Journal. 16(4), 239-45.

Lopes, L. F. (2014). Novos Comentários à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Secretaria de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Macêdo, L. S., & Torres, C. R. V. (2017). Psicologia inclusiva: a importância do atendimento psicoterapêutico a pessoas surdas. I Seminário Luso-Brasileiro de educação inclusiva. Porto Alegre: RS.

Maciel, M. R. C. (2000). Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. Em Perspectiva, 14(2), 51-56.

Machado, A.M., Almeida, I., & Saraiva, L. F. O. (2009). Rupturas necessárias para uma prática Inclusiva. In Educação inclusiva: experiências profissionais em psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 21-36.

Mariani, R., Santos, M. P., & Silva, F. A. (2016). Uma experiência de equidade e inclusão de surdos numa escola regular. Revista Digital Simonsen, Rio de Janeiro, 10(4), 112-124.

Minayo, M. C. S. (2012). Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, 17(3), 621-626.

Oliveira, Y.C.A., Costa, G. M. C., Coura, A. S., Cartaxo, R. O., & França, I. S. X. (2012). A língua brasileira de sinais na formação dos profissionais de enfermagem, fisioterapia e odontologia no estado da Paraíba, Brasil. Interface - Comunic., Saúde, Educ., 16(43), 995-1008.

Pereira, B. A. M., & Lourenço, L. M. (2017). Surdez e Psicologia Clínica: Contribuições da Literatura. Recuperado de: https://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?surdez-e-psicologia-clinica-contribuicoes-da-literatura&codigo=A1118&area=D15F

Quiñónez, E., Ramírez, P., Velásquez, R., & Rey, P. (2009) Salud auditiva y comunicativa: módulo de capacitación. Instituto Nacional para Sordos, 13(3), 468-480.

Rother, E. T (2007). Revisão sistemática x revisão Narrativa. Acta. paul. enferm, 20(2), 5-6.

Sacks, O. (2010). O olhar da mente. São Paulo: Companhia das Letras.

Sassaki, R. (2003). Vida Independente: história, movimento, liderança, conceito, filosofia e fundamentos. São Paulo. RNR.

Silva, A. M. S., & Carmo, M. B.B. (2016). Desafios na atenção psicológica a surdos utilizados da LSB em Salvador – BA. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 5(2), 184-192.

Silva, C. R. (2004). Metodologia e organização do projeto de pesquisa. Fortaleza: CEFET.

Siqueira, S.A.V., Hollanda, E., & Motta, J.I.J. (2017). Políticas de Promoção de Equidade em Saúde para grupos vulneráveis: o papel do Ministério da Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5), 1397-1406.

Souza, R. M. (1998). Sujeito surdo e profissionais ouvintes: repensando esta relação. Estilos da Clínica, 3(4), 130-145.

Tedesco, J.R., & Junges, J.R. (2013). Desafios da prática do acolhimento de surdos na atenção primária. Cad. Saúde Pública, 29(8), 1685-1689.

Villela, E. M. B. (2008). O papel do serviço-escola de psicologia no atendimento ao deficiente visual. Estudos de Psicologia, 25(4), 535-545.

Witchs, P. H., & Lopes, M. C. (2018). Forma de vida surda e seus marcadores culturais. Educação em Revista, 34.

Published

18/04/2021

How to Cite

RITERBUSCHE, C. da S.; MAFFINI, G.; GONÇALVES, C. dos S. Equity and mental health: challenges for the psychologist’s work with people with deaf people. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e48410414208, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14208. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14208. Acesso em: 7 may. 2021.

Issue

Section

Health Sciences