“Treating water’’: A didactic game for teaching chemistry with a focus on the Science, Technology and Society – STC approach

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14237

Keywords:

Environment education; Basic sanitation; Water treatment; Mixture separation.

Abstract

In view of the difficulties of contextualizing the contents worked in the subject of chemistry with the daily of students to facilitate their understanding and make the teaching and learning processes more effective, teachers resort to various teaching strategies and didactic resources to energize their classes and arouse the interest of students. Therefore, this work aims to propose a didactic sequence (DS), focusing on the Science, Technology and Society (STC) approach, using a game as a didactic resource, to be used by teachers in the final years of Elementary II and High School. The methodology used was qualitative research having the data regarding the contributions of the use of didactic resources and the STC approach present in the DS, analyzing elements that would confer to the didactic sequence and the game, a STC character. It was found that the STC approach associated with the use of the didactic game, contributes significantly to the teaching of chemistry, bringing students closer to the content and motivating them to build knowledge in a playful and efficient way.

References

Alcará, A. R. & Guimarães, S. E. R. (2007). A instrumentalidade como uma estratégia motivacional. Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), 11(1), 177-8.

Andrade, M. G. (2008). Planejamento e Plano de Ensino de Química para o Ensino Médio: concepções e práticas de professores em formação contínua. Dissertação (Mestrado). 276 f. Universidade de São Paulo. São Paulo – SP. <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-30082018-152143/publico/Marcela_Gaeta_de_Andrade.pdf>.

Batista, R. C. (2016). Sequência didática – ponderações teórico-metodológicas. Mato Grosso. Anais XVIII ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Cuiabá – MT. 6 p. <https://www.ufmt.br/endipe2016/downloads/233_9937_37285.pdf>.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2018: Química. Ministério da Educação. Brasília: MEC. <https://www.fnde.gov.br/pnld-2018/>.

Bouzon, J. D., Brandão, J. B., Santos, T. C. & Chrispino, A. (2019). A química verde no ensino médio a partir da abordagem CTS. XII ENPEC - XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN – 25 a 28 de junho de 2019. .

Cardoso, S. P. & Colinvaux, D. (2000). Explorando a motivação para estudar química. Química Nova, 23(2), 401-404. <http://www.scielo.br/pdf/qn/v23n3/2827.pdf >.

Coimbra, C. L. (2017). A aula expositiva dialogada em uma perspectiva Freiriana. Universidade Federal de Uberlândia/UFU. Eixo 07: Formação e desenvolvimento profissional de professores do ensino superior. <http://200.145.6.217/proceedings_arquivos/ArtigosCongressoEducadores/6495.pdf>

Cunha, M. B. (2012). Jogos no ensino de química: Considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Rev. Química Nova na Escola. 34(2), 92- 98. < http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc34_2/07-PE-53-11.pdf >.

Ferreira, L. H., Hartwig, D. R. & Oliveira, R.C. (2010). Ensino experimental de química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola. 32(2), 101-106, <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc32_2/08-PE-5207.pdf>.

Ferreira, W. M., Rocha, L. B., Santos, B. L. S. R., Santos, L. D., & Pitanga, A. F. (2018) Corantes: uma abordagem com enfoque ciência, tecnologia e sociedade (CTS) usando processos oxidativos avançados. Química Nova na Escola. 40(4). 249-257. <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc40_4/05-RSA-36-17.pdf >.

Lima, J. O. G. (2012). Perspectivas de novas metodologias no Ensino de Química. Revista Espaço acadêmico. 12 (136). <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/setembro2013/quimica_artigos/perspect_novas_metod_ens_quim.pdf >.

Lourenço, A. A. & Paiva, M. O. A. (2010). A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição.15 (2). 132-14. < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cc/v15n2/v15n2a12.pdf >.

Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: Bacich, L., Moran, J. (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. (p. 1-25).

Perovano, L. P., Pontara, A. B., & Mendes, A. N. F. (2017). Dominó inorgânico: Uma forma inclusiva e lúdica para ensino de química. Revista Conhecimento Online. 2. 37-50. <https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistaconhecimentoonline/article/vi ew/1088/1831>. ISSN 2176-8501.

Pontes, A. N., Serrão, C. R. G., Freitas, C. K. A. F., Santos, D. C. P., & Batalha, S. S. A. (2008). O ensino de química no nível médio: Um olhar a respeito da motivação. In: XIV Encontro Nacional de Ensino de Química – XIV ENEQ. Anais. 21 a 24 de julho de 2008. <http://bohr.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0428-1.pdf >.

Rocha, D. F. & Rodrigues, M. S. (2018). Jogo didático como facilitador para o ensino de biologia no ensino médio. Revista Cippus – Unilasalle. 8(2). (1-8). <https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Cippus/article/viewFile/4742/pdf>.

Santos, O. K. C., & Belmiro, J. F. B. (2013). Recursos didáticos: uma melhoria na qualidade da aprendizagem. Editora Realize. (1-12). <https://www.oeducador.com/download.php?arquivo=44940Texto_3.pdf>.

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2002). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem CTS no contexto da educação brasileira. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências. 2(2). (110-132). <http://www.scielo.br/pdf/epec/v2n2/1983-2117-epec-2-02-00110.pdf >.

Silva, N.C (IFMA), Almeida, A. C. B. (IFMA) & Brito, A. C. F. (IFMA). (2011). Dificuldade em aprender Química: uma questão a ser abordada no processo de ensino. In.: 51º Congresso Brasileiro de Química, São Luís - MA. <51º CBQ - Dificuldade em aprender Química: uma questão a ser abordada no processo de ensino (abq.org.br) >.

Silva, R. L. J. & Strieder, R. B. (2017). A falta de água no bairro: educação CTS com alunos de 9º ano do ensino fundamental. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC – 3 a 6 de julho de 2017. <http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1045-1.pdf>.

Trassi, R. C. M., Castellani, A. M., Gonçalves, J. E. & Toledo, E. A. (2001). Tabela periódica interativa: “um estímulo à compreensão”. Acta Scientiarum. 23(6). (1335-1339). <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciTechnol/article/view/2757/1824>.

Trevisan, T. S., & MARTINS, P. L. O. (2006). A prática pedagógica do professor de química: possibilidades e limites. UNIrevista. 1(2). <https://www.yumpu.com/pt/document/read/13056020/a-pratica-pedagogica-do-professor-de-quimica-possibilidades-e-limites/2>.

Xavier, T. C. (2018). Relatório de Estágio de Mestrado em Ensino de Geografia no 3º ciclo do ensino básico e no ensino secundário. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa. <https://run.unl.pt/bitstream/10362/57501/1/relatorio_ver_final_thiagoxavier_ens_de_geografia.pdf>.

Wartha, J. E., Silva, L. E., & Bejarano, N. R. (2003). Cotidiano e contextualização no ensino de química. Química Nova na Escola. 35(2). (84-91). <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc35_2/04-CCD-151-12.pdf>.

Published

13/04/2021

How to Cite

COSTA, W. G. de C.; SILVA, M. R. A. da; SILVA, L. C. da. “Treating water’’: A didactic game for teaching chemistry with a focus on the Science, Technology and Society – STC approach. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e35210414237, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14237. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14237. Acesso em: 15 may. 2021.

Issue

Section

Education Sciences