The Environment and Health relationship through the conceptions of students and teachers from the final years of Elementary School

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.14261

Keywords:

Environment and health; Final years; Health and environment; Middle School; Environmental health.

Abstract

After the new definition of health elaborated by the World Health Organization - WHO (1946), which defined it as a state of complete physical, mental and social well-being, and not just as the absence of illness or infirmity, several international events and scientific nationals were promoted aiming at the quality of life, where elements such as the environment and its socio-environmental reflex were considered as conditioning factors of health. In Brazil, educational guidelines and normative documents incorporated the themes of environment and health as fundamental in the teaching process, where they must be contextualized and addressed in a transversal way. Thus, the present study sought to diagnose the knowledge of students who finished elementary school, as well as teachers about the “Environment and Health” relationship, in four municipal schools in Alegrete / RS, randomly selected, which, however, were located in different socio-environmental contexts. Data collection was carried out through the application of semi-structured questionnaires, adapted to the research method survey, where Bardin's content analysis was performed for the open-dissertation answers (2016). The methodology used made it possible to highlight possible strengths and weaknesses in relation to the articulation of the theme "Environment and Health" resulting from their different contexts, as well as to reveal the teachers' understanding, considering its transversality. From the observed results, we can conclude that the teaching of environment and health occurs, however, in a fragmented and limited way, where certain aspects are privileged due to the confusion of conceptions observed on the theme.

Author Biographies

Márcio da Mota Machado Filho, Universidade Federal do Pampa

Licenciado em Ciências Biológicas pelo IFFar Campus Alegrete;
Mestre em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde da Unipampa Campus Uruguaiana;

Pesquisador no Grupo de Pesquisa ComCiência;
Especialista em Metodologia do Ensino de Biologia (Uninter);
Especialista em Geografia Ambiental (Faculdade Única de Ipatinga).

Maurício Cendón do Nascimento Ávila, Universidade Federal do Pampa

Bacharel em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul;
Especialista em Diversidade e Conservação da Fauna pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Mestre em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Pampa.

Fernando Icaro Jorge Cunha, Universidade Federal do Pampa

Professor formado através de Curso Normal (Magistério em Nível Médio), por meio do
Instituto de Educação CIEP 179 Professor Claudio Gama - SJM/RJ. Atualmente é
Licenciado em Ciências da Natureza na Universidade Federal do Pampa Campus
Uruguaiana/RS, onde é bolsista PIBID/CAPES edital N° 157/2020, Bolsista de apoio à
gestão do curso de Ciências da Natureza PROGRAD/chamada N°08/2020, sob supervisão
e orientação do Prof. Dr. Ailton Jesus Dinardi. Bolsista do Banco Santander em premiação
como rendimento acadêmico excelente na modalidade de baixa renda, Bolsista
PRAEC/Unipampa chamada N° 7/2019. Pertence ao grupo de pesquisa em bioquímica e
toxicologia de eucariontes (GPBTE), onde é iniciante científico, orientado pela Profª Drª
Simone Pinton. Além disso, atua nas área de ensino de ciências onde desenvolve
pesquisas e projetos de ensino na área da formação continuada, onde foi tutor e professor
dos cursos: curso de capacitação na modalidade EaD para profissionais da educação
básica - educação ambiental: do pensar global ao agir regional e o uso do QR Code como
ferramenta para a organização de trilhas urbanas, orientado pelo Prof. Dr. Ailton Jesus
Dinardi. Idealizador do curso de formação continuada - subsídios básicos de psicologia da
educação para a aprendizagem significativa, orientado pela Prof ª Drª Raquel Ruppenthal,
fomentando a oferta de subsídios didáticos e pedagógicos para profissionais da educação
básica. E-mail para contato: icaro729@gmail.com

Edward Frederico Castro Pessano, Universidade Federal do Pampa

Graduado em Ciências Biológicas pela PUCRS;
Especialista em Educação Ambiental pela FACISA;
Mestre e Doutor em Educação em Ciências pela UFSM;
Atualmente é Professor Adjunto na Fundação Universidade Federal do Pampa.

References

Alencar, M. M. M. (2005). Reciclagem de lixo numa escola pública do município de Salvador. Revista Virtual, 1(2), 96-113.

Almeida Filho, N. (2011). O que é saúde? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. (Coleção Temas em Saúde).

Almeida Filho, N. (1999). Uma breve história da epidemiologia. Rouquayrol, M. Z. & Almeida Filho, N. Epidemiologia e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Medsi.

Amorim, L.; Kuhn, M.; Blank, V. & Gouveia, N. (2009). Saúde ambiental nas cidades. In: Ia Conferência Nacional.

Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2003). Problemas de saúde relacionados à exposição por agrotóxicos. Brasília: Anvisa.

Azevedo, C. J. C. (1996). Concepção e prática da população em relação ao lixo domiciliar na área central da cidade de Uruguaiana-RS. Uruguaiana, PUCRS-Campus II. Monografia de pós-graduação. Educação ambiental. RS, Brasil.

Barbi, J. S. P. & Neto, J. M. (2017). A Saúde nos anos finais do Ensino Fundamental: Uma análise de documentos de referência. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências–XI ENPEC. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC–3 a, v. 6.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bittencourt, C. M. F. (2018). Ensino de História: fundamentos e métodos. Cortez editora.

Bonatto, A.; Barros, C. R.; Gemeli, R. A.; Lopes, T. B. & Frison, M. D. (2012). Interdisciplinaridade no ambiente escolar. In: IX ANPED SUL.

Brasil. (1999). Lei 9795, de 27.04.99. Dispõe sobre a educação, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília.

Brasil. (1997). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (1998). Secretaria da Educação Fundamental/MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF.

Carrapato, P.; Correia, P. & Garcia, B. (2017). Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde e Sociedade, 26, 676-689.

Castiel, L. D. & Dardet, C. A. (2007). A saúde persecutória: os limites da responsabilidade. Editora Fiocruz.

De Lima, E. C. & De Oliveira Neto, C. R. (2017). Revolução Industrial: considerações sobre o pioneirismo industrial inglês. Revista Espaço Acadêmico, v. 17, n. 194, p. 102-113.

De Sena, D. C. S.; Rodrigues, W. C. M. F.; Sobrinho, J. M.; Dantas, M. J. B. & Silva, C. G. L. S. (2016). A BNCC em discussão na formação continuada de professores de Educação Física: um relato de experiência–Natal/RN. Motrivivência, 28(49), 227-241.

Demajorovic, J. & Lima, M. (2013). Cadeia de reciclagem: um olhar para os catadores. Editora Senac.

Dutra, R. M. S. & De Souza, M. M. O. (2017). Impactos negativos do uso de agrotóxicos à saúde humana. Hygeia-Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 13(24), 127-140.

Fazenda, I. C. A. (2002). Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro. Edições Loyola.

Felix, R. A. Z. (2017). Coleta seletiva em ambiente escolar. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 18. DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v18i0.3321

Franco Netto, G.; De Freitas, C. M.; Andahur, J. P.; Pedroso, M. M.; Rohlfs, D. B. (2009). Impactos socioambientais na situação de saúde da população brasileira: Estudo de indicadores relacionados ao saneamento ambiental inadequado. Tempus - Actas de Saúde Coletiva, 4(4), 53-71.

Franco, J. B.; Vaz, M. R. C. (2007). Aprendendo a ensinar a partir de uma perspectiva socioambiental no contexto da saúde coletiva. Ambiente & Educação, 12(1), 81-89.

Gil, A. C. (2019). Métodos e técnicas de pesquisa social (7a. ed.). Atlas.

Gonçalves, F. D. Catrib, A. M. F.; Vieira, N. F. C. & Vieira, L. J. E. S. (2008). A promoção da saúde na educação infantil. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 12(24), 181-192. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832008000100014

Krieger, N. (2001). Theories for social epidemiology in the 21st century: an ecosocial perspective. International journal of epidemiology, 30(4), 668-677.

Leff, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, Editora Vozes.

Levins, R.; Lopez, C. (1999). Toward an ecosocial view of health. International Journal of Health Services, 29(2), 261-293.

Martins, L. C.; Latorre, M. R. D. O.; Saldiva, P. H. N. & Braga, A. L. F. (2001). Relação entre poluição atmosférica e atendimentos por infecção de vias aéreas superiores no município de São Paulo: avaliação do rodízio de veículos. Revista Brasileira de Epidemiologia, 4, 220-229.

Monteiro, P. H. N. & Bizzo, N. (2015). A saúde na escola: análise dos documentos de referência nos quarenta anos de obrigatoriedade dos programas de saúde. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 22(2), 411-428.

Monteiro, P. H. N. & Bizzo, N. (2014). Hábitos, atitudes e ameaças: a saúde nos livros didáticos brasileiros. Cadernos de Pesquisa, 44(151), 132-154.

Nicolussi, F. H.; Santos, A. P. M.; André, S. C. S.; Veiga, T. B. & Takayanagui, A. M. M. (2014). Poluição do ar e doenças respiratórias alérgicas em escolares. Revista de Saúde Pública, 48, 326-330.

Nunes, E. D. (2006). Saúde coletiva: uma história recente de um passado remoto. In: Tratado de saúde coletiva, 295-315.

Oliveira, D. G. Félix. (2010). Determinantes do estado de saúde dos Portugueses. Tese de Doutorado. https://run.unl.pt/bitstream/10362/3423/1/TEGI0251.pdf

Organisation Mondiale de la Santé. (1992). Comission Santé et Environnement. Notre planète, notre santé. Génève: OMS.

Penteado, H. D. (2012). Meio ambiente e formação de professores. Cortez.

Pinhão, F. & Martins, I. (2012). Diferentes abordagens sobre o tema saúde e ambiente: desafios para o ensino de ciências. Ciência & Educação (Bauru), 18(4), 819-836.

Pinsonneault, A. & Kraemer, K. (1993). Survey research methodology in management information systems: an assessment. Journal of management information systems, 10(2), 75-105.

Porto, M. F. & Martinez-alier, J. (2007). Ecologia Política, economia ecológica e saúde coletiva: interfaces para a sustentabilidade do desenvolvimento e para promoção de saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23, 503-512.

Ribeiro, H. & Besen, G. R. (2007). Panorama da coleta seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. InterfacEHS, 2(4).

Ribeiro, J. W. & Rooke, J. M. S. (2010). Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. Monografia de Especialização em Análise Ambiental, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. 36p.

Rigotto, R. M. (2003). Saúde Ambiental & Saúde dos Trabalhadores: uma aproximação promissora entre o Verde e o Vermelho. Revista Brasileira de Epidemiologia, 6(4), 388-404.

Rio Grande do Sul (RS). (2018). Secretaria de Estado da Educação. Departamento Pedagógico. União dos Dirigentes Municipais de Educação. Referencial Curricular Gaúcho: Educação Infantil. Porto Alegre: Secretaria de Estado da Educação.

Santana, P.; Nogueira, H.; Santos, R. & Costa, C. (2007). Avaliação da qualidade ambiental dos espaços verdes urbanos no bem-estar e na saúde. A Cidade e a Saúde, Edições Almedina, 219-46.

Sousa, M. C.; Esperidião, M. A.; Medina, M. G. (2017). A intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: avaliação do processo político-gerencial e das práticas de trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 1781-1790.

Strand, R. (2001). The role of risk assessments in the governance of genetically modified organisms in agriculture. Journal of Hazardous Materials, 86(1-3), 187-204.

Teixeira, L. A. & Tozoni-Reis, M. F. C. (2013). A educação ambiental e a formação de professores: pensando a inserção da educação ambiental na escola pública. Rio Claro: Anais VII EPEA-Encontro Pesquisa em Educação Ambiental.

Tozoni-Reis, M. F. C. (2007). Contribuições para uma pedagogia crítica na educação ambiental: reflexões teóricas. In: Loureiro, C. F. B. A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Quartet, 177-221.

Tozoni-Reis, M. F. C. (2001). Educação ambiental e paradigmas de interpretação da realidade: tendências reveladas. DE BOTUCATU, UNESP Campus. Recuperado de http://www.epea.tmp.br/epea2001_anais/pdfs/plenary/tr43.pdf

Tozoni-Reis, M. F. C. (2008). Educação ambiental: natureza, razão e história. Autores Associados.

Vieira, A. C. P. & De Oliveira, S. S. (2011). Educação Ambiental e Saúde Pública: uma análise crítica da literatura. Ambiente & Educação, 16(1), 37-44.

Westphal, M. F.; Ziglio, E. (1999). Políticas públicas e investimentos: a intersetorialidade. In: O município no século XXI: cenários e perspectivas, 111-21.

World Health Organization (WHO). (1946). Preamble to the Constitution of the Word Health Organization as adopted by the International Health Conferece. New York, Official Records of the World Health Organization. Recuperado de https://www.who.int/about/who-we-are/constitution

World Health Organization. (1996). Creating healthy cities in the 21 st century (WHO/EOS/96.9). Geneva: WHO.

Published

26/03/2021

How to Cite

MACHADO FILHO, M. da M.; ÁVILA, M. C. do N.; CUNHA, F. I. J.; PESSANO, E. F. C. The Environment and Health relationship through the conceptions of students and teachers from the final years of Elementary School. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e59710314261, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.14261. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14261. Acesso em: 12 apr. 2021.

Issue

Section

Education Sciences