Health communication by an ascribed population of a family clinic in the city of Rio de Janeiro

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14279

Keywords:

Health Communication; Health Education; Primary Health Care; Nursing.

Abstract

The study aims to present subsidies for the development of effective health communication strategies for an enrolled population of a basic health unit in the city of Rio de Janeiro through the realization of a situational diagnosis. This is a cross-sectional, descriptive study with a quantitative approach, using secondary data from 200 reports produced at the health unit. Information was acquired on the sociodemographic profile and health communication process of the population enrolled. The median age of the participants was 35 years old, the majority being female. The predominant level of education was incomplete primary education and income of a minimum wage. Most of the population had smartphones, television and internet access. It was found that users have Google® and Health Professionals as sources of health information used, with Google® being more expressive among men over women, who use Instagram® more. With regard to health communication strategies, age was shown to be a statistically relevant factor regarding the acceptance of health information pamphlets (p=0,005). As for fake health news, it was found that participants aged 18 to 25 years old value information checking more, however 85% of users affirmed the importance of such a procedure. Therefore, the findings contribute to the understanding of the health communication process and the planning of educational actions by primary health care professionals, highlighting its important role in this context.

Author Biographies

Sara Soares Ferreira da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Bolsista de Iniciação Científica pelo CNPQ (PIBIC). Diretora de Pesquisa da Liga Acadêmica de Atenção em Oncologia (LAAONCO). 

Danielle Galdino de Paula, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2015). Professora adjunta da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Docente Permanente do Programa de Pós Graduação Saúde e Tecnologia no Espaço Hospitalar - Mestrado Profissional (PPGSTEH/UNIRIO); Membro Representativo do PPGSTEH junto a Câmara do Núcleo de Inovação e tecnologia da UNIRIO.

Marina Medeiros Ribeiro, Secretaria Municipal de Saúde do Município do Rio de Janeiro

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Yuri Zoel Brasil, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Bolsista de Data Science da Empresa OLX Brasil. Discente do curso de ciência da computação da Pontifícia
Universidade Católica - Rio de Janeiro.

References

Borba, A., Santos, B. M., & Puggina, A. C. G. (2017). Barreiras de comunicação nas relações enfermeiro-paciente: revisão integrativa. Revista Saúde - UNG-Ser, 11(1/2), 48–61.

Braga, R. L., Carozzo, N. P.P. (2020). Avaliação da comunicação médico-paciente na perspectiva de ambos interlocutores. Salud (i) Ciencia, 23(i), 668–672.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. (2013). Portaria no 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (PNEPS-SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. (2017). Portaria no 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Coscrato, G., & Bueno, S. M. V. (2013). Concepts of health education by public health nurses. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(3), 714–721.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal 2018. Recuperado 22 de dezembro de 2020, de https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101705

Jacobi, G. (2019). Mídias sociais como fonte de informação de adolescentes e jovens em tempos de fake news. [Trabalho de Conclusão de Curso] Porto Alegre: Universidade Federal do Estado do Rio Grande do Sul.

Llorente J. A. (2017). A era da pós-verdade: realidade versus percepção. Revista UNO, 27. Recuperado 22 de dezembro de 2020, de https://www.revista-uno.com.br/numero-27/

Malta D. C., Bernal, R. T. I., Lima, M. G., de Araújo, S. S. C., da Silva, M. M. A., Freitas, M. I. de F., & Barros, M. B. de A. (2017). Noncommunicable diseases and the use of health services: Analysis of the National Health Survey in Brazil. Revista de Saúde Publica, 51, 1S-10S.

Marchetti, J.R., da Silva M. (2020). Educação em saúde na atenção primária: Diabetes Mellitus. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc Xanxerê, 5, e24183.

Medronho, R.A., Bloch K. V., Luiz R.R., Werneck G.L. (2008). Epidemiologia. Atheneu

Meirelles, F. S. (2020). Pesquisa Anual do Uso de TI. FGV, 162. Recuperado de https://eaesp.fgv.br/producao-intelectual/pesquisa-anual-uso-ti

Ministério da Saúde. (2015). Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Brasília: DF: Ministério da Saúde

Miranda, F. S., & Rocha, D. G. (2018). O uso do Facebook na promoção da saúde: uma revisão bibliográfica sobre empoderamento e participação popular. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 12(2), 232–243.

Monari, A. C. P., & Bertolli Filho, C. (2019). Saúde sem Fake News: estudo e caracterização das informações falsas divulgadas no Canal de Informação e Checagem de Fake News do Ministério da Saúde. Revista Mídia e Cotidiano, 13(1), 160.

Moretti, F.A., Oliveira V.E., & da Silva, E. M. K. (2012). Acesso a informações de saúde na internet: uma questão de saúde pública? Revista da Associação Médica Brasileira, 58(6), 650–658.

Morettin, P. A. & Bussab, W. O. (2010). Estatística Básica. Saraiva.

Neto, M., Gomes, T. de O., Porto, F. R., Russo Rafael, R. de M., Fonseca, M. H. S., & Nascimento, J. (2020). Fake news no cenário da pandemia de Covid-19. Cogitare Enfermagem, 25(0).

Perillo, R. D., Poças, K. C., Machado, I. E., Bernal, R. T. I., Duarte, E. C., & Malta, D. C. (2020). Fatores associados à utilização da atenção primária pela população adulta de Belo Horizonte, Minas Gerais, segundo inquérito telefônico. Revista Mineira de Enfermagem, 24(0), 1–10.

Poças, K. C., Freitas, L. R. S. de, & Duarte, E. C. (2017). Censo de estrutura da Atenção Primária à Saúde no Brasil (2012): estimativas de coberturas potenciais. Epidemiologia e serviços de saúde, 26(2), 275–284.

Sacramento, I. (2018). A saúde numa sociedade de verdades. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 12(1).

Shu, K., Sliva, A., Wang, S., Tang, J., & Liu, H. (2017, agosto 6). Fake news detection on social media: A data mining perspective. arXiv, Vol. 19, p. 22–36.

Silva, C. V., Pinheiro, F. A., Batista T.L., Guerra N. A. Q., Souza T.V.T.S, Gomes R.K.G. (2019). Educação em saúde na atenção primária : aplicação de um panfleto informativo sobre febre amarela. Mostra Interdisciplinar Do Curso De Enfermagem, 3(1).

Silva, E. A. da, & Terencio, M. L. (2019). Educação em Saúde: a utilização de panfletos informativos e educativos como estratégia de educação e prevenção às patologias mais prevalentes da população no contexto da atenção básica [Artigo completo]. In

Universidade Federal da Integração Latino-Americana Artigos Científicos, II Semana Integrada de Ensino, Pesquisa e Extensão (p.217-221).

Silva, E. de S. M. e, Ono, B. H. V. S., Souza, J. C., & Menin, I. B. F. (2020). Media and health promotion in times of COVID-19. Research, Society and Development, 9(8), e842986252.

Silva, S. C., Ferro, E. L. B. S., Pereira, C. H. C., Ramos, S. B., & Manochio-Pina, M. G. (2020). Vídeos educativos de oficina culinária para incentivo da alimentação saudável em Unidades de Saúde. Brazilian Journal of Development, 6(4), 21316–21336.

Souza, M. do S. de, & Cabral, I. E. (2014). 25 years of Unified Health System Regulamentation and the 15 th National Conference of Health. Escola Anna Nery, 18(3), 376–378.

Starfield, B., Shi, L., & Macinko, J. (2005). Contribution of primary care to health systems and health. Milbank Quarterly, 83, 457–502.

Stopa, S. R., Malta, D. C., Monteiro, C. N., Szwarcwald, C. L., Goldbaum, M., & Cesar, C. L. G. (2017). Use of and access to health services in Brazil. Revista de Saúde Publica, 51, 1S-10S.

Tasca, R., Massuda, A., Carvalho, W. M., Buchweitz, C., & Harzheim, E. (2020). Recommendations to strengthen primary health care in Brazil. Revista Panamericana de Salud Publica, 44.

We Are Social. (2018). Digital in 2018 in Southern America Part 1 - North. Recuperado de https://www.slideshare.net/wearesocial/digital-in-2018-in-southern-america-part-1-north-86863727

Published

18/04/2021

How to Cite

SILVA, S. S. F. da .; PAULA, D. G. de; RIBEIRO, M. M.; BRASIL, Y. Z. Health communication by an ascribed population of a family clinic in the city of Rio de Janeiro. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e45810414279, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14279. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14279. Acesso em: 7 may. 2021.

Issue

Section

Health Sciences