Social responsibility, sustainability and innovation in the Brazilian sugar-energy sector: Trends and perspectives

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14317

Keywords:

: Brazil; Sugar-energy sector; Social responsability; Innovation; Brazil; Sugar-energy sector; Social responsability; Innovation.

Abstract

It is undeniable the space that Social Responsibility and other related topics such as Sustainability and Innovation have conquered in academic discussions and in society in general, especially in the face of global economic, social, political and environmental changes, whose positive activities and actions contribute greatly to the expansion of social well-being and / or organizations. In this context, the objective of this study emerged to present an overview of, trends and perspectives of the sugar-energy sector for the next decade, having as scope the Content Analysis (AC), in this case, focused on the literature review on topics such as Social Responsibility, Social and Environmental Responsibility, Sustainability, Technological Innovation and others, involved in the sugar and alcohol production sector in the country. Methodologically, a research with a qualitative approach was conducted, treated and validated by IRAMUTEQ, via Similitude Analysis and word frequency. The results obtained demonstrate that the objective was achieved, both through the bibliographic and documentary review, which made it possible to characterize the research variables by differentiating the use of theoretical models that proved to be adequate to reality and that could be explored in other studies.

Author Biographies

Téucle Mannarelli Filho, Universidade Estadual Paulista

Professor Universitário de Economia e Administração Financeira, administrador de empresas pela FEA-USP-SP, Pós graduado, Mestrado pela UNESP, e Doutorando pela UNESP. Atuação profissional como empresário do agronegócio, consultor de empresas e conselheiro da Sicoob Paulista.

Frederico Andreis Beneli Donadon, Universidade Estadual Paulista

PhD student at FEA-USP Ribeirão Preto, Master in Business Administration at Universidade Estadual Paulista UNESP (2018); Technologist in Industrial Production at the São Paulo State School of Technology - FATEC Taquaritinga (2010), Graduated in Business Administration at the São Luís School of Education (2008); Specialist in Business Strategy Management at Faculdade de Educação São Luís (2017); Specialist in People Development at Faculdade de Educação São Luís (2019); Postgraduate in Humanities in Higher Education Teaching at Faculdade de Educação São Luís (2011). He has a Full Degree in Administration from the São Paulo State Faculty of Technology FATEC (2010), a Full Degree in Pedagogy from the Centro Paulista FACEP Faculty (2012). He has a degree in Geography and History from the Metropolitan University of Santos UNIMES (2015). Acts as a teacher in higher education at the Union of Educational Institutions of the State of São Paulo, UNIESP. He worked as a professor in higher education at the Paula Souza State Technological Education Center (CEETEPS) - Fatec Araraquara, where he also held the role of Project Coordinator Responsible for Pedagogical Coordination (2019). He works in high school and technical school - Etec Taquaritinga, where he was coordinator of the Course in the Technological Axis of Management and Business, in the courses Technical in Administration, Technical in Logistics and Administration Integrated to High School; has experience in the industrial area in Analysis of Productive Processes and in the development of empirical research in agribusiness. Current research interests: Innovation; Eco innovation; Management of Organizations; People Management and Agribusiness

Giuliana Aparecida Santini Pigatto, Universidade Estadual Paulista

He holds a degree in Economic Sciences from Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999), a master's degree in Production Engineering from Universidade Federal de São Carlos (2002) and a PhD in Production Engineering from Universidade Federal de São Carlos (2006). Post-doctorate at the University of Pisa / Italy (2019). He is a professor in Full Dedication to Teaching and Research (RDIDP) at the Faculty of Sciences and Engineering (FCE / UNESP), Campus de Tupã; Permanent professor of the Graduate Program in Agribusiness and Development at UNESP in Tupã (Capes Interdisciplinary area); Researcher at CEPEAGRO (Center for Research in Administration and Agribusiness). He has experience in the area of ​​Economics, with an emphasis on Agri-food Systems and Industrial Studies, working mainly in the lines of research: Innovation and sustainability; New Institutional Economics - Economics of Transaction Costs; Competition structures and Competitive Strategies, and International Trade

Timóteo Ramos Queiróz, Universidade Estadual Paulista

Associate Professor at UNESP, Coordinator of the Administration Course (FCE / UNESP), Administrator at UFMS, Master and Doctor in Production Engineering at UFSCar and Free Lecturer in Analysis of Agroindustrial Systems at UNESP. He acts as Advisor for the Graduate Programs in Agribusiness and Development - Master and Doctorate (PGAD / UNESP) and the Graduate Program in Administration (GOAGRO / UNESP) and researcher at CEPEAGRO / UNESP. He is part of the editorial board of the magazines Custos and @ gronegócio, Desafio, Revista de Ingeniería Industrial, Ciência Rural, Journal of Agrarian Sciences and The International Journal of Productivity and Performance Management. Coordinator of the book "Agronegócios: Gestão e Inovação", launched by Editora Saraiva in 2006 and also of the book "Agronegócios: Gestão, Inovação e Sustentabilidade" released in 2015. Researcher sponsored by FAPESP. He has experience in the areas of Administration and Agribusiness, focusing on Management of Networks and Productive Chains, Competitiveness of Agroindustrial Systems, acting mainly in the following topics of analysis of company networks, financial analysis, costing systems, performance indicators and decision making in agribusiness.

Renato Dias Baptista, Universidade Estadual Paulista

PhD Professor at Universidade Estadual Paulista - UNESP, Campus de Tupã. Lecturer in People Management (UNESP). PhD in Communication and Semiotics by the Postgraduate Studies Program in Communication and Semiotics at the Pontifical Catholic University of São Paulo (PEPGCOS / PUC-SP). Professor of the undergraduate course in Administration (FCE-UNESP), Specialization (FC / UNESP), Master's and Doctorate (FCE / UNESP). He is a member of the Editorial Committee and reviewer of scientific journals. He was Coordinator of the Administration Course in the period 04/2015 - 08/2018, Director Pro-Tempore of campus 09/2015 - 11/2015, Full Member of the University Council 02/2016 - 02/2018. Campus Ombudsman 03/2013 - 04/2015. He was Visiting Professor at the Universidad de Santiago de Chile and Universidad San Francisco Xavier. He gave conferences and courses at companies, universities and research institutions in Brazil and abroad. He also worked in advisory services in the various People Management subsystems. He is a columnist for Rádio UNESP-FM and has collaborated in different media, such as: Jornal O Estado de S. Paulo, Estadão Noite, Observatório da Imprensa, Le Monde diplomatique Brasil, Revista UNESP Ciência, among others. My interests and research are centered on the studies of culture and interculturality linked to communication, people management, technology and human behavior in different Latin American social and organizational contexts.

References

Aligleri, & Borinelli, B. (set. de 2001). Responsabilidade Social nas grandes empresas da região de Londrina. Encontro da ANPAD- Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração.

Aligleri, L. M. (2011). A adoção de ferramentas de gestão para a sustentabilidade e a sua relação com os princípios ecológicos nas empresas. São Paulo: Tese (Doutorado em Administração) -Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Andion, C., Alperstedt, G. D., & Graeff, J. F. (fev. de 2020). Ecossistema de inovação social, sustentabilidade e experimentação democrática: um estudo em Florianópolis. Revista de Administração Pública, pp. 1881-200.

Andrade, M. C. (2017). Inovações Tecnológicas no Setor Sucroalcooleiro: Determinantes, Estágio Vigente e Perspectivas no Contexto Brasileiro (2005-2014). Revista Brasileira de Gestão e Inovação - Brazilian Journal of Management & Innovation, pp. 89-106.

Ashley, P. A. (2003). Ética e responsabilidade social nos negócios. Saraiva.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Educações.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Bookman Editora, 2009. Bookman.

Bignetti, L. (2011). As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, v.47(1):3-14, 2011. Ciências Sociais Unisinos, pp. 3-14.

Brown, A. D. (1994). Politics, symbolic action and myth making in pursuit of legitimacy. Organization Studies, pp. 861-878.

Câmara, M. R., & Caldarelli, C. E. (2016). Expansão canavieira e o uso da terra no estado de São Paulo. Estudos Avançados, pp. 93-116 .

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). Iramuteq: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, pp. 513-518.

Cardona, H. A. (2011). Innovación y responsabilidad social: una reflexión sobre los puntos de encuentro. Revista Universidad y Empresa, pp. 13-35.

Carvalho, F. S. (2012). O setor sucroenergético no Brasil: Estado, hegemonia e relações internacionais . Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências. 2012. .

Carvalho, G. R., & Oliveira, C. d. (2006). O setor sucroalcooleiro em perspectiva. Embrapa Territorial-Circular Técnica (INFOTECA-E).

Castillo, R. (2016). Dinâmicas recentes do setor sucroenergético no Brasil: competitividade regional para o bioma Cerrado. GEOgraphia , pp. 17-35.

Chueri, L. O., & Santos, R. C.-S. (2019). Caracterização e Gerenciamento de Ecossistemas Digitais de Inovação Social. Workshop de Teses e Dissertações em Sistemas de Informação - Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação (SBSI). Aracaju: Anais.

Cirani, C. B., & Moraes, M. A. (dez. de 2010). Inovação na indústria sucroalcooleira paulista: os determinantes da adoção das tecnologias de agricultura de precisão. Revista Economia Social Rural, pp. 543-565.

Clock, D., Heidemann, A., Moraes, A., & Baldin, N. O. (2015). Conhecimento, Responsabilidade Social e Sustentabilidade –Pilares para a cidadania no século XXI. VI Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Porto Alegre.

Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) (2020). (Abril de 2020). <http://www.conab.gov.br/chromeextensi. Fonte: CONAB. Companhia nacional de abastecimento. Monitoramento Agrícola – Cana-de-Açúcar -Acompanhamento de safra brasileira de cana – Quarto levantamento, abril 2020 – v.6 safras 2019/2020: <http://www.conab.gov.br/chromeextension://oemmndcbldboiebfnladdacbdfmadadm/https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/cana/boletim-da-safra-de-cana-de-acucar/item/do

Corrêa, D., Sacomano Neto, M., Spers, V., & Giuliani, A. (set./dez. de 2010). Sustentabilidade e Responsabilidade Social: análise da experiência de uma empresa de equipamentos pesados. Revista de Gestão Social e Ambiental, pp. 90-105.

Cruz, J. (2015). Gestão Ambiental à luz da Responsabilidade Social Empresarial: Um estudo no setor sucroenergético em Goiás. IV SINGEP - Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. São Paulo.

Dalfovo, M. S., Lana, R., & Silveira, R. (2008). Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 1-13.

Dias, R. ( 2012). Responsabilidade Social: fundamentos e gestão. Atlas.

Domeneghetti, D., & Meir, R. (2009). Ativos Intangíveis, o Real Valor das Empresas. Campus Elsevier.

Duarte, C., & Malheiros, T. (set./dez. de 2015). Sustentabilidade e Políticas Públicas para o Setor Sucroenergético: uma análise dos temas abordados. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade.

Eon, F. (2015). O que é Responsabilidade Social? . Acesso em 31 de out. de 2020, disponível em Revista ResponsabilidadeSocial.Com: http://www.responsabilidadesocial.com/o-que-e-responsabilidade-social/>

Ethos. (2000). Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial. Instituto Ethos.

Ethos, (2007). O que é RSE? Acesso em 31 de out. de 2020, disponível em Instituto Ethos: https://www.ethos.org.br/cedoc/conceitos-basicos-e-

indicadores-de-responsabilidade-social-empresarial-5a-edicao-2/.

Gilnberg, G. (1980). Introdução aos problemas da poluição ambiental. EPU.

Furtado, A., Scandiffio, M., & Cortez, L. (2010). The Brazilian Sugarcane innovation system. Energy Policy, pp. 156-166.

Garcia, J. R., Lima, D. A., & Vieira, A. C. (abril de 2015). A nova configuração da estrutura produtiva do setor sucroenergético brasileiro: panorama e perspectivas. Revista Economia Contemporânea, pp. 162-185.

Garriga, E., & Melé, D. (2004). Corporate social responsability teories: mapping the territory. Journal of Business Ethics, pp. 51-71.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 57-63.

Horbach, J. (2005). Indicator systems for sustainable innovation. Physica-Verlag.

Karkotli, G. (2007). Responsabilidade Social Empresarial (2a ed.). Vozes.

Kraemer, M. E. (2006). Marco referencial da responsabilidade social corporativa. GESTIPOLIS 2006. Disponível em: <http://www.gestiopolis.com/canales5/fin/marcore.htm>. Acesso em nov.2020.

Kripka, R. M., Scheller, M., & Bonotto, D. L. (2015). Pesquisa documental na pesquisa qualitativa: conceitos e caracterização. Revista de investigaciones UNAD, v. 14, n. 1, p. 55-73, 2015. Revista de investigaciones UNAD, 14(1), 55-73.

Luppi, L. (2007). Responsabilidade Social x Motivação. Responsabilidade Social. Acesso em 29 de out. de 2020, disponível em resposabilidadesocial.com: <http://www.responsabilidadesocial.com/artigo/responsabilidade-social-x-motivacao/>

Malaver, F., & Vargas, M. (2007). Los procesos de innovación en la industria colombiana: aportes para su caracterización. Organización de Estados Americanos, 2007.

Mariano, R. P. (ago./out. de 2000). Elementos principais dos diferentes modelos propostos de Balanço Social. Pensar Contábil, 9.

MastrotI, R. R., & Souza, D. G. (2011). Sustentabilidade & produção: teoria e prática para uma gestão sustentável. Atlas.

Melo Neto, F. D., & Froes, C. (2001). Gestão da responsabilidade social corporativa: o caso brasileiro. Qualitymark.

Mendonça, J. R., & Gonçalves, J. C. (2004). Responsabilidade social nas empresas: uma questão de imagem ou de essência? Organizações & Sociedade, 115-130.

Milanez, A. Y., Souza, J. A., & Mancuso, R. V. (2017). Panoramas setoriais 2030: desafios e oportunidades para o Brasil. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Moraes, M. A., & Zilberman, D. (2014). Production of ethanol from sugarcane in Brazil. Springer.

Nardy, V., & Gurgel, A. C. (2013). Impactos da liberalização do comércio de etanol entre Brasil e Estados Unidos sobre o uso da terra e emissão de CO2. Nova Economia, 693-726.

Nidumolu, R., Prahalad, C. K., & Rangaswami, M. R. (2009). Why sustainability is now the key driver of innovation. Harvard business review, 56-964.

Nill, J., & Kemp, R. (2009). Evolutionary approaches for sustainable innovation policies: From niche to paradigm? Research policy, 668-680.

Novaes, E. N. (2009). Responsabilidade Social e abertura de capitais: uma descrição dentro do complexo agroindustrial canavieiro do Brasil. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Organização de cooperação para o desenvolvimento económico (OCDE) (2007). Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Organização de cooperação para o desenvolvimento económico, Oslo.

Oliveira, B., & Gouvea, M. A. (2010). A importância das ações sociais empresariais nas decisões de compra dos consumidores. Gestão Produção , 791-800.

Pelegrin, I., & Antunes Jr, J. A. ( 2013.). Gestão da inovação e competitividade no Brasil: da teoria à prática. Bookman.

Penrose, E. (1959). The theory of the growth of the firm. Oxford University Press.

Pfeiffer, J., & Salancik, G. R. (1978.). The external control of organizations: a resource dependence perspective. Harpes & Row.

Pinsky, V. C., Moretti, S., KruglianskaS, I., & Plonski, G. (2015). Inovação sustentável: uma perspectiva comparada da literatura internacional e nacional. RAI Revista de Administração e Inovação, pp. 226-250.

Pinto, J. C., Mazieri, M. R., & VILS, L. (2017). Análise léxica automatizada em administração de empresa. VI SINGEP.

Prahalad, C. K., & Hart, S. L. (2002). The fortune at the bottom of the pyramid. Strategic Business, pp. 55-67.

Ratinaud, P. (2009). Iramuteq: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Tex-tes et de Questionnaires [Computer software]. Retrieved from http://www.iramuteq.org. Computer software: Retrieved from http://www.iramuteq.org.

Raufflet, E. (2008). Creating the Context for Corporate Responsibility. Journal of Corporate Citizenship, 95-106.

Raufflet, E., & Do-Amaral, C. G. (2007). Bridging business and society: the Abrinq Foundation in Brazil. Journal of Business Ethics, pp. 119-128.

Sampaio, M. A. (2015). 360º: o périplo do açúcar em direção à Macrorregião Canavieira do Centro-Sul do Brasi. São Paulo: Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Universidade de São Paulo.

Santos, G., Santos, A., & Sehnem, S. (jan/jun de 2016). Como mensurar a sustentabilidade? Um estudo das principais técnicas e indicadores. Organizações e Sustentabilidade, pp. 3-48.

Sartori, S., Latronico, F., & Campos, L. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente e Sociedade [online], pp. 1-22.

Schaltegger S., W. M. (may de 2011). Sustainable entrepreneurship and sustainability innovation: categories and interactions. Business Strategy and the Environment, pp. 222-237.

Schommer, P. C., & Fischer, T. (maio/agosto de 1999). Cidadania empresarial no Brasil: os dilemas conceituais e a ação de três organizações baianas. Organizações &Sociedade, pp. 99-118.

Schumpeter, J. A. (1985). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Nova Cultural.

Shikida, P. F., & Souza, E. C. (julho/setembro de 2009). Agroindústria canavieira e crescimento econômico local. Revista de Economia e Sociologia Rural., pp. 569-600.

Shikida, P. F., Azevedo, P. F., & Vian, C. E. (2011). Desafios da agroindústria canavieira no Brasil pós-desregulamentação: uma análise das capacidades tecnológicas. Revista de Economia e Sociologia Rural, pp. 599-628.

Silva, C. R., Gobbi, B. C., & Simao, A. A. (2005). O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: Descrição e aplicação do método. Organizações Rurais Agroindustriais, 7(1), 70-81.

Silva, D. (2015). Oportunidades de Inovação no Setor Sucroenergético. Rio de Janeiro: Dissertação (Mestrado em Engenharia Química) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – Escola de Química – Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos.

Siqueira, P. H. (2013). Estratégias de crescimento e de localização da agroindústria canavieira brasileira e suas externalidades. Lavras: Tese (Doutorado em Dinâmica e Gestão de Cadeias Produtivas) - Universidade Federal de Lavras.

Tenório, F. G. (2006). Responsabilidade Social Empresarial: Teoria e Prática.FGV.

Tinoco, J. E. (2001). Balanço Social: uma abordagem da transparência e da responsabilidade pública das organizações. Atlas.

União da Indústria de Cana-de-Açucar UNICA (2020). Setor sucroenergético – Mapa da Produção, 2019-2020. Fonte: UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar): <http://www.unica.com.br/mapa-da-produção/ .pdf

Tranin, M. R. (12 de 02 de 2020). Setor Sucroalcooleiro: o futuro é promissor. Fonte: Jornal Paraná: https://www.jornalparana.com.br/noticias

UNICA. (2020). Setor sucroenergético – Mapa da Produção, 2019-2020. Fonte: UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar): <http://www.unica.com.br/mapa-da-produção/ .pdf

Vasconcelos, A. C., Andrade, E. D., & Cândido, G. A. (2009). Indicadores de sustentabilidade e suas influências no desenvolvimento local: uma aplicação em região produtora de mamona no Estado da Bahia. Revista de Gestão Social e Ambiental, pp. 105-120.

Vilella, J. N. (2015). Responsabilidade Social e Ambiental como nova competência da Gestão de RH. Fonte: IDEMP 2015: http://idemp-edu.com.br/artigos/36

Wissmann, M. A., Shikida, P. F., & Ayala, J. C. (out/dez de 2018). Responsabilidade Social nas Agroindústrias Canavieiras no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, pp. 681-700.

Wissmann, M., & Shikida, P. (julho de 2017). Impactos Econômicos, Ambientais e Sociais da Agroindústria Canavieira no Brasil. Revista Desenvolvimento, Fronteiras e Cidadania , pp. 134-160.

Published

12/04/2021

How to Cite

MANNARELLI FILHO, T.; DONADON, F. A. B. .; PIGATTO, G. A. S. .; QUEIRÓZ, T. R. .; BAPTISTA, R. D. . Social responsibility, sustainability and innovation in the Brazilian sugar-energy sector: Trends and perspectives. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e32610414317, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14317. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14317. Acesso em: 8 may. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences