Risk and occurrence of falls in elderly care in Family Health Strategy inside Mato Grosso

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14584

Keywords:

Aging; Accidents due to falls; Primary health care.

Abstract

Falls accidents are an important health problem for the elderly population, representing a public health problem. Objective: To describe the profile of the elderly population and to identify the occurrence of falls and the risk of falling for elderly people in the community assisted by a Family Health Strategy team, in a municipality in the northern region of Mato Grosso. Methods: Cross-sectional survey, conducted in 2019, with 50 elderly people followed up in primary care, who met the inclusion criteria. A socio-demographic questionnaire and the Falls Risk Score translated and validated for Brazil were used. Subsequently, the statistical technique of descriptive analysis was applied, presented in comparative tables and graphs, with absolute and relative frequencies, and later the discussion was made based on the literature on the researched subject. Results: The participants were young elderly, with a prevalence of females, married, retired and / or pensioners, non-alcoholic and non smokers. Most lived with family members, 26% had 1 to 4 years of study and 26% had 9 to 10 years. 46% had a monthly income of up to 1 minimum wage; 92% reported comorbidities; 54% denied practicing physical activity. It was observed that 68% had a high risk of falling, 74% reported having fallen after 60 years and, 73% the fall was due to slipping / stumbling. The residence was the main place of occurrence of falls and, 37.8% of the elderly had fractures. Conclusion: The prevalence of risk of falls is high. It is necessary to outline strategies to prevent falls in the elderly and reflect on the need for continued training for the FHS team, especially the nurse.

References

Abi-Ackel, M. M., Lima-Costa, M. F., Castro-Costa, E., & Loyola Filho, A. I. (2017). Uso de psicofármacos entre idosos residentes em comunidade: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20 (1), 57-69.

Amthauer, C., & Falk, J. W. (2017). Discursos dos profissionais de saúde da família na ótica da assistência à saúde do idoso. Revista Online de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 9 (1), 99-105.

Azevedo, D. P. G. D., Azevedo, N. G., & Istoe, R. S. C. (2018). Envejecimiento y longevidad: interfaces biológicas, psicológicas y sociales. Brasil Multicultural.

Barbosa, F. A., et.al. (2017). A influência do nível de atividade física no equilíbrio em mulheres idosas. Revista Destaques Acadêmicos, 9 (3), 197-215.

Barreto, M. S., Carreira, L., & Marcon, S. S. (2015). Envelhecimento populacional e doenças crônicas: Reflexões sobre os desafios para o Sistema de Saúde Pública. Revista Kairós Gerontologia, 18 (1), 325-39.

Brasil (2018). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Projeção da População do Brasil por sexo e idade: 2010-2060 - Revisão 2018. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21837-projecao-da-populacao-2018-numero-de-habitantes-do-pais-deve-parar-de-crescer-em-2047

Brasil (2007). Portaria n. 3.213 de 20 de dezembro de 2007. Institui Comitê para assessorar políticas de prevenção e promoção dos cuidados da osteoporose e da queda na população idosa. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt3213_20_12_2007.html

Chagas, A. M., & Rocha, E. D. (2012). Aspectos fisiológicos do envelhecimento e contribuição da Odontologia na saúde do idoso. Revista Brasileira de Odontologia, 69 (1), 94-6.

Chehuen Neto, J. A., et.al. (2017). Fall awareness as a determining factor of this event among elderly community residentes. Geriatrics, Gerontology and Aging, 11 (1), 25-31.

Cruz, D. T., & Leite, I. C. G. (2018). Quedas e fatores associados em idosos residentes na comunidade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 21 (5), 532-41.

Cruz, D. T., Vieira, M. T., Bastos, R. R., Leite, I. C. G. (2017). Fatores associados à fragilidade em uma população de idosos da comunidade. Revista de Saúde Pública, 51 (106), 1-13.

Damaceno, M. J. C. F., & Chirelli, M. Q. (2019). Implementação da Saúde do Idoso na Estratégia Saúde da Família: visão dos profissionais e gestores. Ciência & Saúde Coletiva, 24 (5), 637-1646.

Ferraz, M. O. S., Reis, L. A., & Lima, P. V. (2017). Condições de saúde de idosos portadores de Diabetes mellitus e hipertensão arterial sistêmica. Id On Line: Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 10 (33), 794-806.

Ferreira, L. M. B. M. et. al. (2019). Quedas recorrentes e fatores de risco em idosos institucionalizados. Ciência e Saúde Coletiva, 24 (1), 67-75.

Ferretti, F., Lunardi, D., & Bruschi, L. (2013). Causas e consequências de quedas de idosos em domicílio. Fisioterapia em Movimento, 26 (4), 753-62.

Gasparotto, L. P. R., Falsarella, G. R., e Coimbra A. M. V. (2014). As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17 (1), 201-209.

Guerra, H. S., et. al. (2016). Prevalência de quedas em idosos na comunidade. Revista Saúde e Pesquisa. 9 (3), 547-55.

Hilgert, M. A., Costa, A. E. K., & Pissaia, L. F. (2017). Qualificação da assistência ao idoso na atenção básica: realização da visita domiciliar pela equipe. Revista Espaço Ciência & Saúde, 5 (2).

Macena, W. G., Hermano, L. O., & Costa, T. C. (2018). Alterações fisiológicas decorrentes do envelhecimento. Revista Mosaicum, 15 (27), 223-236.

Mallmann, D. G., Galindo Neto, N. M., Sousa, S. C., & Vasconcelos, E. M. R. (2015). Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, 20 (6), 1763-1772.

Morsch, P., Myskiw, M., & Myskiw, J. C. (2016). A problematização da queda e a identificação dos fatores de risco na narrativa de idosos. Ciência e Saúde Coletiva, 21 (11), 3565-74.

Nascimento, J. S., & Tavares, D. M. S (2016). Prevalência e fatores associados a quedas em idosos. Texto & Contexto Enfermagem, 25 (2), 2-9.

Nery, M (2007). Sociedade – a nova velha geração. Revista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 32.

Oliveira, T., Baixinho, C. L., & Henriques M. A. (2018). Risco multidimensional de queda em idosos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 31 (2), 1-9.

Oliveira, M. A. S., & Menezes, T. M. O. (2014). A enfermeira no cuidado ao idoso na estratégia saúde da família: sentidos do vivido. Revista Enfermagem UERJ, 22 (4), 513-8.

Oliveira, F. A., et. al. (2017). Estratégias educativas para promoção da saúde de idosos de um Centro de convivência. Revista Conexão UEPG, 13 (3), 500-11.

Oliveira, S. F., et. al. (2015). Produção científica acerca dos fatores de risco ambientais para quedas em idosos: revisão integrativa. Revista Enfermagem UFPE Online, 9 (2), 759-67.

Organização Mundial da Saúde (2010). Relatório global da OMS sobre Prevenção de quedas na velhice. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_prevencao_quedas_velhice.pdf

Padoin, P. G., Gonçalves, M. P., Comaru, T., & Silva, A. M. V. (2010). Análise comparativa entre idosos praticantes de exercício físico e sedentários quanto ao risco de quedas. O Mundo da Saúde. 34 (2), 158-64.

Reis, L. A, & Flores, C. M. R. (2014). Avaliação do risco de quedas e fatores associados em idosos. Revista Baiana de Enfermagem, 28 (1), 42-9.

Rodrigues, I. G., Fraga, G. P., & Barros, M. B. A. (2014). Quedas em idosos: fatores associados em estudo de base populacional. Revista Brasileira de Epidemiologia, 17 (3), 705-18.

Sardinha, A. H. L., & Cantanhêdes, N. L. C. (2018). Quedas em idosos: avaliação dos fatores de riscos. Revista Nursing, 21 (240), 2160-63.

Schiaveto, F. V. (2008). Avaliação do risco de quedas em idosos da comunidade. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto. http://10.11606/D.22.2008.tde-19122008-153736.

Souza, L. H. R., Brandão, J. C. S., Fernandes, A. K. C., & Cardoso, B. L. C. (2017). Queda em idosos e fatores de risco associados. Revista de Atenção à Saúde, 15 (54), 55-60.

Teixeira, D. K. S., Andrade, L M., Santos, J. L. P., & Caires, E. S. (2019). Quedas em pessoas idosas: restrições do ambiente doméstico e perdas funcionais. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 22 (3), 1-10.

Veras, R. P., e Oliveira, M. (2018). Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência e Saúde Coletiva, 23(6), 1929-36.

World Health Organization (2012). Falls. Fact sheet N° 344. http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs344 /en/

Zangirolami-Raimundo, J., Echeimberg, J. O., & Leone, C. (2018). Research methodology topics: cross-sectional studies. Journal of Human Growth and Development, 28 (3), 356-60.

Published

23/04/2021

How to Cite

MORAES, S. L. V. de A. .; ROTHEBARTH, A. de P. .; AGULHÓ, D. L. Z. .; MOCHEUTI, K. N. . Risk and occurrence of falls in elderly care in Family Health Strategy inside Mato Grosso. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e56910414584, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14584. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14584. Acesso em: 8 may. 2021.

Issue

Section

Health Sciences