Survey on the quality of life of pharmaceutical professionals of drugstore

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.14640

Keywords:

Pharmacists; Drugstores; Quality of life.

Abstract

Objective: This study has the objective of assessing the quality of life among pharmacists, especially in the drug network. Methodology: Or instrument adapted from WHOQOL, using 5 domains (biological, psychological, level of independence, social relations and work-life), establishing scores for the domains and for the quality of life. Included in the list are not 21 pharmacists of both genders, of varying degrees and time of skill, who work in a drug store from network functions of Pharmaceutical Managers (GF) and Technical Responsible (RT). Results: There was a predominance of women, RT, between 20-40 years old, who had more than two domains for which they were classified as good to very good. In the meantime, no domain III (level of independence), 20 pharmacists demonstrated a reduced level and scored less than 5 and only 1st note was 5. For the other domains, the pharmacist numbers with a note lower than 5.0 (classified as bad) was: biological ID-4, psychological ID-2; DIV social relationships-4 e DV housing work- 2. Meanwhile, due to the low scores on DIII, 8 pharmaceutics were classified as low quality of life. It was realized also that the instrument allows to track some health problems, relationships, labor problems, as well as an endorsement of the quality of life. Conclusion Despite the small number of participants, the results should not be disregarded. They can indicate that many pharmaceuticals may be facing serious problems of health, relationships and non-work. In this context, it is important that new studies are carried out to assess the quality of life and trace two possible problems faced in the class.

References

Abreu, W. C. (2001). Identidade, formação e trabalho: das culturas locais às estratégias identitárias dos enfermeiros. Formasau/Educa.

Alves, R. C. V. (2004). A gestão de pessoas em unidades de informação: a importância da capacitação no uso de tecnologias. Revista de Iniciação Científica da FFC, 4 (2), 32-51.

Aquino, T. A. A., Dara, D. M. B. & Simeão, S. de S. S. (2016). Depressão, percepção ontológica do tempo e sentido da vida. Rev. bras. ter. cogn., 12(1), 35-41. http://dx.doi.org/10.5935/1808-5687.20160006.

Assis, B. C. S. (2019). Satisfação e sobrecarga de trabalho entre profissionais de equipes da Atenção Primária à Saúde. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal de Minas Gerais.

Atos, E., Pires, D. E. P. de & Campos, G. W. de S. (2009). Relações de trabalho em equipes interdisciplinares: contribuições para a constituição de novas formas de organização do trabalho em saúde. Rev. Bras. Enferm., 62(6),.863-869. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000600010.

Baldoino, E. S. & Santos, M. C. (2020). Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem com dupla jornada de trabalho: uma revisão da literatura. Trabalho de conclusão de curso. Curso de Enfermagem da Escola de Ciências Sociais e da Saúde da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 48p.

Barbosa, G. C. & Buesso, T. S. (2019), O impacto da sobrecarga de trabalho e a satisfação do trabalhador em saúde mental. Revista Saúde, 45 (2), 1-13. 10.5902/2236583429678.

Batista, A. A. V., Vieira, M. J., Cardoso, N. C. dos S. & Carvalho, G. R. P. de. (2005). Fatores de motivação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. Rev. esc. enferm. USP, 39(1), 85-91. https://doi.org/10.1590/S0080-62342005000100011.

Belluzzo, R. C. B. (1995). Da capacitação de recursos humanos à gestão da qualidade em bibliotecas universitárias: paradigma teórico-prático para ambiente de serviço de referência e informação. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 259 f.

Braverman, H. (1981). Trabalho e Capital Monopolista. (3a ed.), Zahar Ed.

Carlotto, M. S. (2010). A relação profissional-paciente e a síndrome de Burnout. Encontro - Revista de Psicologia, 12(17), 7-20.

Carvalho, C. G. & Magalhães, S. R. (2011). Sindrome de burnout e suas consequências nos profissionais de enfermagem. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 9(1), 200-210.

Chambel, M. J. & Santos, M. V. (2009). Práticas de conciliação e satisfação no trabalho: mediação da facilitação do trabalho na família. Estudos de Psicologia, 26(3), 275-286.

Eddleston, K. A. & Powell, G. N. (2012). Nurturing entrepreneurs’ work-family balance: A gendered perspective. Entrepreneurship Theory & Practice, 36(3), 513-541. https://doi.org/10.1111/j.1540-6520.2012.00506.x.

Fabichak, C., Silva-Junior, J. S., Morrone, L. C. (2014). Síndrome de Burnout em médicos residentes e preditores organizacionais do trabalho. Rev Bras Med Trab., 12(2), 79-84.

Fagundes, E. deF., Costa, J. C. da & Moreira, T. A. S. (2017). Qualidade de Vida no Trabalho: o caso dos agentes penitenciários em um Centro de Detenção Provisória do Rio Grande do Norte. Research, Society and Development, [S. l.], 5(2), 109-123. 10.17648/rsd-v5i2.101.

Farias, S. N. P., Mauro, M. Y. & Zeitoune, R. C. G. (2000). Questões legais sobre a saúde do trabalhador de enfermagem. Rev. Enferm. UERJ, 8 (1), 26–32.

Fernandes, E. C. (1996). Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar. Casa da Qualidade.

Ferreira, M. S. G. & Anderson, M. I. P. (2020). Sobrecarga de trabalho e estresse. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 15(42), 2188-2188.

Fleck, M. P. A. (2000). O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Ciênc. saúde coletiva, 5(1), 33-38.

Frankl, V. E. (1989). Psicoterapia e sentido da vida. Quadrantes

Goméz, S. (2003). La incorporación de la mujer al mercado laboral: Implicaciones personales, familiares y profesionales, y medidas estructurales de conciliación trabajo-familia. Pamplona: Cátedra SEAT-IESE de Relaciones Laborales/ Universidad de Navarra.

Gonçalves, F., Fernandes, N., Setin, P. & Calvo, E. (2013). Padronização de processos: estudo bibliográfico sobre sua aplicação, vantagens e desvantagens. ETIC- Encontro de Iniciação Científica, 9(9), 1-12.

Ishara, S. (2007). Equipes de saúde mental: avaliação da satisfação e do impacto do trabalho em hospitalização parcial. Tese (Doutorado em Saúde Mental), Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Johnson, S. J., O'Connor, E. M., Jacobs, S., Hassell, K. & Ashcroft, D. M. (2014). The relationships among work stress, strain and self-reported errors in UK community pharmacy. Res Social Adm Pharm, 10(6), 885-895. 10.1016/j.sapharm.2013.12.003.

Junqueira, L. A. P. (1990). Gerência dos serviços de saúde. Cad. Saúde Pública, 6(3), 247-259. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1990000300002.

Marcelino, N. C. (2002). Estudo do Lazer: uma introdução. Autores associados.

Maslow, A. (1968). Introdução à psicologia do ser. Eldorado.

Mattos, R. A. (1985). Desenvolvimento de Recursos Humanos e Mudança Organizacional, LTC/ANFUP, Gerência e Democracia nas Organizações. (2a ed.), Ed. Livre Ltda..

Moreira, A. P. F., Patrizzi, L. J., Accioly, M. F., Shimano, S. G. N. & Walsh, I. A. P. (2016). Avaliação da qualidade de vida, sono e Síndrome de Burnout dos residentes de um programa de residência multiprofissional em saúde. Medicina, 49(5), 393-402. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v49i5p393-402.

Moreira, D. deS., Magnago, R. F., Sakae, T. M. & Magajewski, F. R. L. (2009). Prevalência da síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, 25(7), 1559-68. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000700014.

Mott, D. A., Doucette, W. R., Gaither, C. A., Pedersen, C. A. & Schommer, J. C. (2004). Pharmacists' attitudes toward worklife: results from a national survey of pharmacists. J Am Pharm Assoc., 44(3), 326-36. 10.1331/154434504323063968.

Nauderer, T. M. & Lima, M. A. D. daS. (2005). Imagem da enfermeira: revisão da literatura. Rev. Bras. Enferm., 58(1), 74-77. https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000100014.

Neves, T. S., Campos, L. de F. & Morais, H. A. (2020). Qualidade de vida no trabalho dos servidores técnico-administrativos em educação em uma Universidade Federal de Minas Gerais. Research, Society and Development, [S. l.], 9(5), e1395220810.33448/rsd-v9i5.2208.

Nunes, L.(2003). Um olhar sobre o ombro: Enfermagem em Portugal (1881- 1998). Loures: Lusociencia. 375 p

Pavlakis, A., Raftopoulos, V. & Mamas, T. (2010). Burnout syndrome in Cypriot physiotherapists: a national survey. Health Serv Res., 10 (63), 1-8.

Pêgo, F. P. L. & Pêgo, D. R. (2016), Síndrome de Burnout. Rev Bras Med Trab., 14(2),171-6.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Pereira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Santa Maria: UFSM, NTE. Recuperado de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf

Phipps, D. L., Malley, C. & Ashcroft, D. M. (2012). Job characteristics and safety climate: The role of effort-reward and demand-control-support models. J Occup Health Psychol., 17(3), 279-289. 10.1037/a0028675.

Piancastelli, C. H., Faria, H. P. de & Silveira, M. R. da. (2000). O Trabalho em Equipe. Texto de Apoio da Unidade Didática I, Sequência de Atividades I, 45-51.

Ramos, C. I. C. F. (2018). Saúde sexual e envelhecimento: o papel dos fatores psicológicos e crenças sexuais. Dissertação, Mestrado Integrado de Psicologia, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. 82p.

Rebouças, D., Legay, L. F. & Abelha, L. (2007). Satisfação com o trabalho e impacto causado nos profissionais de serviço de saúde mental. Revista Saúde Pública, 41(2), 244-50. https://doi.org/10.1590/S0034-89102007000200011.

Ribeiro, J. M. daS. (2009). Autonomia profissional dos enfermeiros. Dissertação de Mestre em Ciências de Enfermagem, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Universidade do Porto. 129p

Santana, C. S. & Servo, M. L. S. (2019). Estresse no processo de trabalho dos profissionais de saúde: uma revisão de literatura. Anais Seminário de Iniciação Científica, 22.

Santos, V. L. C. G., Ferraz, A. F., Diogo, A. J. D. & Souza, R. M. C. (1988). A imagem de enfermeira e do enfermeiro percebida por alunos ingressantes no curso de graduação. Rev Bras. Enferm., 41(3/4), 241-51.

Silva, B. M. da, Lima, F. R. F., Farias, F. S. deA. B. & Campos, A. do C. S. (2006). Jornada de trabalho: fator que interfere na qualidade da assistência de enfermagem. Texto contexto - enferm., 15(3), 442-448. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000300008.

Souza, E. S. (2007). Um estudo sobre a repercussão do conflito trabalho-família e família-trabalho na satisfação no trabalho e na família e sua consequência na satisfação do hóspede: o caso da rede hoteleira de Porto de Galinhas. Dissertação de Mestrado. Mestrado em Administração – Centro de Pesquisa e Pós–Graduação em Administração. Faculdade de Boa Viagem. Recife.

Teixeira- Junior, M. A. B., Sferra, L. F. B. & Bottcher, L. B. (2012). A importância do lazer para a qualidade de vida do trabalhador. Rev Conexão eletrônic., 581-95.

Teixeira, R. & Nascimento, I. (2011). Conciliação trabalho-família: Contribuições de medidas adotadas por organizações portuguesas. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 12(2), 215-225.

Tremblay, D-G. (2004). Desafio da conciliação entre trabalho e família nas empresas canadenses: Experiência sindical e gestão de recursos humanos. In Anais do Encontro Nacional Da Associação Nacional de Pós-Graduação Em Administração. Curitiba: ENAMPAD.

Vilela, E.C. S., Soares, L. R., Gusmão, A. S., Torres, R. A. T. & Sá, E. C. (2015). Fatores de risco para estresse e transtornos mentais em farmacêuticos e auxiliares de farmácia. Saúde, Ética & Justiça, 20(2), 77-83.

Wagner, L. R., Thofehrn, M. B., Amestoy, S. C., Porto, A. R. & Arrieira, I. C. O. (2009) Relações interpessoais no trabalho: percepção de técnicos e auxiliares de enfermagem. Cogitare Enferm., 14(1), 107-13.

Waldow, V. R. (1999). Cuidado humano: o resgate necessário. (2a ed.), Sagra Luzzatto.

Young, C. E. F., Aguiar, C. F., & Gema, E. P. (2013). Sinal fechado: custo econômico do tempo de deslocamento para o trabalho na região metropolitana do Rio de Janeiro. Revista Econômica, 2013 -1-17p.

Published

21/05/2021

How to Cite

LIMA, S. dos S. F. de .; DOLABELA, M. F. . Survey on the quality of life of pharmaceutical professionals of drugstore. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e7210614640, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.14640. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14640. Acesso em: 19 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences