The use of pounds with deaf students in the Math and Science disciplines

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.14886

Keywords:

Teaching perceptions; Pounds; Logical reasoning; Various methodologies; Teaching.

Abstract

The present article has as general objective to make an investigation about the origin of the Brazilian sign language (LIBRAS), as well as, a theoretical foundation in analysis of textual productions of contributors of the teaching of LIBRAS. And it has as other objectives: to reflect on the teaching of mathematics and science for deaf students, where the teaching of the subjects is approached showing the teachers' perceptions related to their pedagogical practice; discuss the teacher's way of proceeding when faced with deaf students in a classroom, as well as the importance of understanding the use of LIBRAS to arrive at the student's logical reasoning and with the encouragement of different methodologies. The research exposes the need for educational practice and in the format of how the teacher can adopt new teaching mechanisms, with the aim of significantly promoting the improvement of the linguistic and cognitive structure that will favor the teaching-learning process of the deaf.

References

Alves, M. & Ramos, A. (2018). Formação do Pedagogo para atuar na Educação Inclusiva: o Currículo da Faculdade de Educação da UFF. In Colóquio Internacional Educação, Cidadania e Exclusão. https://www.editorarealize.com.br/editora/anais/ceduce/2018/TRABALHO_EV111_MD4_SA10_ID432_04052018192041.pdf

Ariès, P. (1981). História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC.

BrasiL(1994). Declaração de Salamanca e Linhas de ação sobre necessidades educativas especiais. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Brasil (2002), Lei Federal N. 10436 de 24 de abril de 2002: Oficializa a Língua Brasileira de Sinais em território nacional.

Brasil (2005), Decreto N. 5626/2005: Regulamenta a Lei n. 10436/2002, que oficializa a Língua Brasileira de Sinais. Brasília.

Correia, L. M. (2003), Educação Especial e Inclusão: Quem disser que uma vive sem a outra não está no seu perfeito juízo. Porto: Porto Editora.

Curierkorn, M. M. O. B. (1996), A Escolaridade Especial do Deficiente Auditivo: Estudo Crítico Sobre os `Procedimentos Didáticos Especiais. Disertação de mestrado da Educação- pontifícia Universidade Catolica de São Paulo.

Cruz, G. C. (2007), Formação continuada de professores de educação física ante a provocação da inclusão escolar. In: Manzini, E. J. Inclusão do aluno com deficiência na escola: os desafios continuam. Marília. p. 127-137.

Damázio, M. F (2005), Educação Escolar Inclusiva de Pessoas com Surdez na Escola Comum – Questões Polêmicas e Avanços Contemporâneos. Brasil.

Gessinger, R. M. (2001), Alunos com Necessidades Educacionais Especiais nas Classes Comuns:relatos de professores de Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, PUC-RS, Porto Alegre.

Gomes, J. O. M. (2006), A formação do Professor de Matemática: um estudo sobre Implantação de novas metodologias nos cursos de licenciatura de Matemática da Paraíba. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Goldfeld, M (2002). A criança surda – linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 2 ed. São Paulo: Plexus

Guarinello, A. C. (2006), et al. A inserção do aluno surdo no ensino regular: visão de um grupo de professores do Estado do Paraná. Revista Brasileira de Educação Especial.

Lacerda, C. B. F. de (2006), A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Caderno CEDES, Campinas, v. 26, n. 69.

Lima, P. A. &Vieira, T. (2006), Surdos: a(s) linguagem (s) como sistemas de representação e organização mental. São Paulo: Avercamp.

Nogueira, C. M. I. & Machado, E. L. (1996), O Ensino de Matemática para Deficientes Auditivos: uma visão psicopedagógica. p.160. Relatório final de Projeto de pesquisa – Universidade Estadual de Maringá - PR.

Nóvoa, A. (2009), Professores: Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa.

Pereira, C. L & Santos, M. (2009), Educação Inclusiva; uma breve reflexão sobre os avanços no Brasil, após a Declaração de Salamanca. Revista da Católica. Uberlandia, v.1,n.2p.265-274.

Pimenta, S. G. (2001) O estágio na formação dos professores: unidade teoria e prática.4 ed. São Paulo: Cortez.

Ponte, J. P. (2002), A vertente profissional da formação inicial de professores de Matemática. Educação Matemática em Revista, São Paulo, n. 11A, pp. 03-08.

Ponte, J. P. & Oliveira, H. (2002). Remar contra a maré: a construção do conhecimento e da identidade profissional na formação inicial. Revista de Educação, v. 11, nº 2. Lisboa: Universidade de Lisboa.

Ramalho, I. B. & Núñez, B. L. (2011) Diagnóstico das necessidades formativas de professores do ensino médio no contexto das reformas curriculares. Revista Educação em Questão, Natal- UFRN.

Santaló, L. A. (1990). Matemática para Não-Matemáticos. In: Parra, Cecilia; Saiz, Irma (Orgs) (1996), Didática da Matemática: Reflexões Psicopedagógicas. Porto Alegre: Artmed.

Santana, A. P. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus, 2007.

Schemberg, S., Guarinello, A. C., & Massi, G. (2012), O ponto de vista de pais e professores a respeito das interações linguísticas de crianças surdas. Revista Brasileira de Educação Especial, 18(1), 17-32.

Schön. D. formar professores como profissionais reflexivos. In: Nóvoa, A. (Coord) (1992). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p.79-91

Severino,A. J. Metodologia do Trabalho Cientifico.São Paulo.Cortez Editora.

Shigunov N, A. & Fortunato, I. (org.) (2017), 20 anos sem Donald Schön: o que aconteceu com o professor reflexivo? São Paulo: Edições Hipótese, 2017. p. 7.

Silva,T. B. A, O surdo na escola. 1ª Ed. São Paulo: Editora Letras e Versos, 2018

Strobel, K. L. (2008), As Imagens do Outro sobre a Cultura Surda. Florianópolis: UFSC.

Paniagua, G. (2004). As famílias de crianças com necessidades educativas especiais. In: César C, Álvaro M. & Jesus, P. (2004), Desenvolvimento psicológico e educação. Trad. Fatima Muranda. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

Williams, K. D. (2000), Teaching Pre-math SkillsVia Stimulus Equivalente Procedures. Master Thesis-Southern Illinois University at Carbondale. Unpuplished Manuscript.

Published

28/05/2021

How to Cite

FRANÇA, M. G. B.; BARROSO, M. C. da S. The use of pounds with deaf students in the Math and Science disciplines. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e22610614886, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.14886. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14886. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Review Article