Neonatal grief and the role of psychology in this context

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15347

Keywords:

Mourning; Neonatal; Loss; Parenting; Perinatal.

Abstract

Currently, death in childhood is uncommon, considering all the modern resources that are available today, namely, prenatal care, neonatal ICU, among others. For this reason, when affected by this fatality, the family feels strangeness and strong impact. The loss of a baby can produce intolerable pain, since it means frustration of desires, fantasies, daydreams and not least, the impotence before the possibility of applying your ability to be a mother / father. In this sense, the need for professionals such as the psychologist is emphasized, in order to help the family to cope with parental mourning and the elaboration of the loss of a child. Thus, this study aimed to talk about the importance of psychological intervention in grieving situations: perinatal and neonatal. From a qualitative research, from a bibliographic review, it was possible to identify that this type of mourning goes against what is culturally expected in our society about the life cycle. That said, in view of what these losses can cause in families and even in health teams, the presence of the psychologist in this context is necessary. Consubstantially, the importance of future studies that may invest in new reflections on perinatal mourning is emphasized, since the considerations brought by them may have implications for the psychologist's practice in the hospital environment.

References

Alves, R. S. S., Celestino, K. A. A. (2020). De braços vazios, nos braços da dor: Perda gestacional e neonatal. Research, Society and Development, v. 9, n. 11, e5459119804.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bartilotti, M. R. M. B. (2007). Intervenção psicológica em luto perinatal. In F. F. Bortoletti (Org.). Psicologia na prática obstétrica: abordagem interdisciplinar. São Paulo: Manole.

Bleichmar, S. (1994). A fundação do inconsciente: destinos de pulsão, destinos de sujeito. Porto Alegre: Artes Médicas.

Carvalho, F. T. & Meyer, L. (2007). Perda gestacional tardia: aspectos a serem enfrentados por mulheres e conduta profissional frente a essas situações. Boletim de Psicologia, 57 (126), 33-48.

Costa, J. C., & Lima, R. A. G. (2005). Luto da equipe: revelações dos profissionais de enfermagem sobre o cuidado à criança/adolescente no processo de morte e morrer. São Paulo: Rev. Latino-Am. Enferm.

Chiattone, H. B. C. (2007). Assistência psicológica de urgência. In F. F. Bortoletti, A. F. Moron, J. B. Filho, U. M. Nakamura, R. M. Santana, & R. Mattar (Eds.), Psicologia na prática obstétrica (pp. 52-60). Barueri: Manole.

Dolto, F. (1984). A gênese do sentimento materno: esclarecimento psicanalítico da função simbólica feminina. In F. Dolto. No jogo do desejo: ensaios clínicos. Rio de Janeiro: Zahar.

Gaíva, M. A. M., Bittencourt, R. M., & Fujimori, E. (2013) Óbito neonatal precoce e tardio: perfil das mães e dos recém-nascidos. Mato Grosso: Rev Gaúcha Enferm.

Iaconelli, V. (2007). Luto Insólito, desmentido e trauma: clínica psicanalítica com mães de bebês. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 10, 614-623. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_isoref&pid=S1415-47142007000400004&lng=en&tlng=pt

Ichikawa, C., Sampaio, P., Sá, N. N., Szylit, R., Santos, S., & Vargas, D. (2017). O cuidado à família diante da perda neonatal: uma reflexão sob a ótica da Teoria da Complexidade. Pernambuco: Revista de Enfermagem UFPE.

Kübler-Ross, E. (1998). Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiros, religiosos e aos seus próprios parentes. São Paulo: Martins Fontes.

Kavanaugh, K. & Wheeler, S. R. (2003). When a baby dies: Caring for bereaved families. In C. Kenner, & J. W. Lott (Eds.)

Lebovici, S. (2004). Diálogo Letícia Solis-Ponton e Serge Lebovici. In L. Solis-Ponton (Org.), Ser pai, ser mãe parentalidade: um desafio para o terceiro milênio. São Paulo: Casa do Psicólogo.pp.

Lemes, P. R. A., Oliveira, E. G. F., Santos, S. P. A., Silva, T. A. R., & Fitaroni, J. (2018). Luto Materno Perinatal: um estudo a partir da Abordagem Centrada na Pessoa. Mato Grosso: UNIVAG.

Limbo, R. K. & Wheeler, S. R. (2003). When a baby dies: A handbook for healing and helping. La Crosse: Bereavement Services

Lothrop, H. (1997). Help, comfort, & hope after losing your baby in pregnancy or the first year. Cambridge, MA: Da Capo Press.

Maldonado, M. (1987). Nós estamos grávidos. Rio de Janeiro: Bloch.

Mercer, V. R. (2002). Volte para casa e desmanche o quartinho: o luto perinatal. In L. M. F. Bernardino, & C. M. F. Rohenkohl (Eds.), O bebê e a modernidade: abordagens teórico-clínicas (pp. 205-218). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ministério da Saúde – BR (2009). Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília (DF): Ministério da Saúde.

Montero, S. M. P., Sánchez, J. M. R., Montoro, C. H., Crespo, M. L., Jaén, A. G. V., & Tirado, M. B. R. (2011). A experiência da perda perinatal a partir da perspectiva dos profissionais de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem.

Muza, J. C., Souza, E. N., Arrais, A. R., & Iaconelli, V. (2013). Quando a morte visita a maternidade: atenção psicológica durante a perda perinatal. São Paulo: Revista Psicologia: Teoria e Prática

Public Health Agency of Canada (2000). Family-centred maternity and newborn care: National guidelines. Ottawa: Author.

Quintans, E. T. (2018). Eu também perdi meu filho: Luto paterno na perda gestacional/neonatal. Dissertação de mestrado. Pós Graduação PUC-Rio, Rio de Janeiro, BR.

Ripsa - Rede Interagencial De Informação Para A Saúde. (2008). Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Rolim, L. & Canavarro, M. C. (2001). Perdas e luto durante a gravidez e o puerpério. In M. C. Canavarro (Ed.). Psicologia da gravidez e da maternidade (pp. 255-297). Coimbra: Quarteto Editora

Soifer, R. (1992). Psicologia da gravidez, parto e puerpério (6ª ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia de pesquisa clínico-qualitativa. Construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes.

Unicef Brasil (2019). Mortalidade Materna e na Infância – Mulheres e crianças estão sobrevivendo cada vez mais. https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/mortalidade-materna-e-na-infancia-mulheres-e-criancas-estao-sobrevivendo-cada-vez-mais

Published

18/05/2021

How to Cite

LAGUNA, T. F. dos S. .; LEMOS, A. P. S. .; FERREIRA, L.; GONÇALVES, C. dos S. . Neonatal grief and the role of psychology in this context. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e5210615347, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15347. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15347. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Review Article