Evaluation of waste management and hygienic-sanitary conditions of a pizzeria located in the north of Bahia

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15410

Keywords:

Good practices; Restaurant; Total coliforms; Escherichia coli; Staphylococcus aureus; Waste.

Abstract

Waste is one of the main causes of increased costs in the production of meals. Thus, the objective was to evaluate waste management and the hygienic-sanitary and microbiological conditions of food and surfaces in a pizzeria in northern Bahia. This is a cross-sectional, qualitative and quantitative study. The hygienic-sanitary diagnosis was carried out through the application of a checklist according to RDC nº 216/2004, ANVISA, and the microbiological analysis performed for the counting of total coliforms, Escherichia coli, Staphylococcus aureus and the presence / absence of Salmonella, in the food samples . For the analysis of surfaces and equipment, the swab technique and the counting of total coliforms and Escherichia coli were used through the Petrifilm Coliform Count Plate 3M® analysis system. Acceptable values ​​of total coliforms were observed on the pizza, tomato and chicken board, with values ​​of 1.40 x 10³ UFC / cm², 1.04 x 10³ UFC / g, 1.70 x 10³ UFC / g, respectively; and unacceptable in the food processor, corresponding to 4.88 x 10³ UFC / cm². It was found 1.3 x 10³ UFC / mL, total coliforms in the water, where it should be absent. There were no Escherichia coli colonies or Salmonella in the samples. As for the hygienic-sanitary conditions, the pizzeria was classified in group 3 (0 to 50% of the items' service), according to RDC nº 275/2002. Therefore, the presence of a technician in charge of food service is necessary, presenting a direct relationship in the control of waste and hygienic-sanitary, promoting corrective actions that provide the reduction of risks associated with food contamination and optimization of operating costs.

References

Abreu, E. S., Spinelli, M. G. N., & Pinto, A. M. S.(2003). Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. Editora Metha.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2002). Resolução nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre os Procedimentos Operacionais Padronizados e a lista de verificação das boas práticas de fabricação em estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2002/anexos/anexo_res0275_21_10_2002_rep.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2004). Resolução nº 216 de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre as boas práticas para serviço de alimentação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/res0216_15_09_2004.html.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2009). Resolução nº 52, de 22 de outubro de 2009. Dispõe sobre o funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasil. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2009/rdc0052_22_10_2009.html.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2019). Resolução nº 60, de 23 dezembro de 2019. Estabelece as listas de padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/instrucao-normativa-n-60-de-23-de-dezembro-de-2019-

Almeida, V. F. D. S., Oliveira, S. R. D., Jácome, P. R. L. D. A., & Jácome-Júnior, A. T. (2009). Assessment of physical-chemical characteristics and hygienic and sanitary conditions indicators in water supplied at public primary schools. Revista do Instituto Adolfo Lutz (Impresso), 68(3), 334-340.

Alves, I. C., Rios, I. N. M. S., & da Costa Matos, R. A. (2020). Avaliação do desperdício em unidade de alimentação e nutrição de instituição hospitalar pública em Brasília-DF. Brazilian Journal of Development, 6(7), 48060-48076. ). https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/13402

Ávila, M. O., Santos, P. H. S., Gois, F. N., Furtado, M. C., & Reis, I. A. O. (2016). A importância do controle das condições microbiológicas e higiênico sanitárias na prevenção de doenças transmitidas por alimentos-uma revisão de literatura. Revista Expressão Científica, 1(1), 01-12. https://repositorio.ifs.edu.br/biblioteca/handle/123456789/766

Barboza P. P, Silveira J.T., Fagundes K. P., Pedroso Q. L. V., Brasil C. C. B., & Garcia L. (2014). Condições higiênicas das cozinhas de escolas públicas de ensino fundamental de Itaqui-RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 6(2).

Bernardo, P. V., Valentim, E. C. N., de Oliveira, A. E. S., & Ramos, S. A. (2014). Avaliação das Boas Práticas na Produção de refeições na rede Hoteleira de Belo Horizonte, MG. Journal of Health Sciences, 16(4). https://doi.org/10.17921/2447-8938.2014v16n4p%25p

Botelho, L. V., Cardoso, L. D. O., & Canella, D. S. (2020). COVID-19 e ambiente alimentar digital no Brasil: reflexões sobre a influência da pandemia no uso de aplicativos de delivery de comida. Cadernos de Saúde Pública, 36(11). http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00148020

Chaves, N. P., Bezerra, D. C., Fonseca, C. M. C., Alves, L. M. C., & Lobato, M. S. (2014). Qualidade Microbiológica de mãos de manipuladores, equipamentos, utensílios e água de múltiplos usos em uma unidade de alimentação e nutrição na cidade de São Luís, MA. Revista Higiene Alimentar, 169-174.

Freitas T. P, Costa T. D, Ximenes, G. R, & Silva, C. S (2020). Condições higiênico-sanitárias de padarias de uma cidade do sertão pernambucano. In: F. Costa Barbosa. Nutrição em Foco: uma abordagem Holística. 2, 548-563. Conhecimento livre.

Gadelha, G. D. O., & Morais, G. H. N. (2015). Análise do Processo de Desperdícios de Embalagens em uma Indústria Alimentícia: Aplicação das Quatro Primeiras Etapas do MASP. ENEGEP–Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 35. http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_207_228_27154.pdf

Guimarães, B. S., Ferreira, R. S., & Soares, L. S. (2018). Perfil microbiológico de utensílios em unidade de alimentação e nutrição comercial e institucional de Salvador, BA. Revista Higiene Alimentar, 36-40. https://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/11/965453/284-285-set-out-2018-36-40.pdf

Lemos, A. G., Botelho, R., & Akutsu, R. D. C. C. (2011). Determinação do fator de correção das hortaliças folhosas comercializadas em Brasília. Horticultura Brasileira, 29(2), 231-236. https://www.scielo.br/pdf/hb/v29n2/a17v29n2.pdf

Lenz, B. E., Backes, J., Bertani, J. P. B., & Fassina (2019). Verificação de boas práticas em duas unidades de alimentação e nutrição inseridas em dois municípios do Rio Grande do Sul. Revista Simbio-Logias,11(15). 62-76. https://www.ibb.unesp.br/Home/ensino/departamentos/educacao/verificacao_de_ boas_praticas_em_duas_uans.pdf

Lopes, J. E., Sousa, M. D., Chaud, D. A., Camargo, M. C. R., & Abreu, E. S. D. (2016). Avaliação das condições higiênico sanitárias em uma unidade de alimentação e nutrição hoteleira. Higiene Alimentar, 30(256/257), 50-54. https://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/08/1413/separata-50-54.pdf

Marques, A. S., Nespolo, C. R., R. Pinheiro, F. C., Pinheiro, F. C., & de Magalhães Soares, G. (2017). Descontaminação microbiológica de esponjas de cozinha utilizadas em serviços de alimentação. Revista Contexto & Saúde, 17(32), 102-114. 10.21527/2176-7114.2017.32.102-114

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (1997). Portaria n. 368, de 04 de setembro de 1997. Aprova o regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos elaboradores/industrializadores de alimentos de origem animal. Brasil. https://gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-animal/empresario/Portaria_368.1997.pdf/view

Ministério da Saúde. (1997). Portaria n° 326, de 30 de julho de 1997. Aprova o regulamento técnico sobre condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, DF. https://gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/portaria-no-326-de-30-de-julho-de-1997.pdf/view.

Ministerio da Saúde. (2005). Portaria nº518/2004. Serie E. Legislação Saúde, Ministério da saúde, Brasília. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/porta ria_518_2004.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Portaria CVS n°5, de 9 de abril de 2013. Regulamenta sobre boas práticas para estabelecimentos comerciais de alimentos e para serviços de alimentação, e o roteiro de inspeção, anexo. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. http://cvs.saude.sp.gov.br/up/PORTARIA%20CVS-5_090413.pdf

Ministério da Saúde. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasil. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html

Monte, F.S, Santana, M.F.S, Fontes, R.S.P, Boudou, F. S. Cavalcanti, J.L.S, Silva, L.B (2021). Análise microbiológica de hortaliças em uma delicatessen na zona sul na cidade de Aracaju. Revista Eletrônica Estácio Saúde, 10(01), 7. http://revistaadmmade.estacio.br/ind ex.php/saudesantacatarina/article/view/6036.pdf

Neumann, L., & Fassina, P. (2016). Verificação de boas práticas em uma unidade de alimentação e nutrição de um município do Vale do Taquari–RS. Revista Uningá Review, 26(1). http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1791/1397.pdf

Nunes, R. (2010). Gastronomia Sustentável. Interação - Revista Científica da Faculdade das Américas, 3(1), 123-321.

Oliveira, A. B. A. D., Paula, C. M. D. D., Capalonga, R., Cardoso, M. R. D. I., & Tondo, E. C. (2010). Doenças transmitidas por alimentos, principais agentes etiológicos e aspectos gerais: uma revisão. Revista HCPA. Porto Alegre, 30(3), 279-285. http://hdl.handle.net/10183/157808.pdf

Oliveira, E. C. D. S., & Gaveia, P. P. C. (2018). Análise de condições higiênico-sanitário dos food trucks do DF e adequação das legislações vigentes.Trabalho de Conclusão de Curso, Centro Universitário de Brasília, Brasília, Brasil. https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/235/12578.pdf

Ornellas, L. H. (2007). Técnica dietética: seleção e preparo de alimentos. Atheneu.

Parisotto, D. F.; Hautrive, T. P.; & Cembranel, M. F. (2013). Redução do desperdício de alimentos em um restaurante popular. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 7(2), 1106-1117. 10.3895/S1981-36862013000200010

Pereira, A. S., Shitsuka D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica [recurso eletrônico], (ed. 1, pp.1-119) Santa Maria, RS: UFSM, NTE, e-book.

Pinto, R. G. (2001). Avaliação das boas práticas de fabricação e da qualidade microbiológica na produção de pão de queijo. Dissertação de mestrado, Faculdade de Farmácia da UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Ponath, F. S., Valiatti, T. B., Sobral, F. D. O. S., Romão, N. F., Alves, G. M. C., & Passoni, G. P. (2016). Avaliação da higienização das mãos de manipuladores de alimentos do Município de Ji-Paraná, Estado de Rondônia, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 7(1), 63-69.

Preuss, K. (2009). Integrando nutrição e desenvolvimento sustentável: atribuições e ações do nutricionista. Revista Nutrição em Pauta, 17(99), 50-53.

Rezende, C., Seemann, C. F. Silva, E. S., Jacobucci, H. B., & Mattar, M. (2012). Superfície inanimada–possível fonte de contaminação microbiológica no alimento. Revista Brasileira de Farmácia, 93(4), 444-449.

Rezende, S. M. (2018). Estudo aplicado sobre o desperdício de alimentos em uma UAN (Unidade de Alimentação e Nutrição) de uma indústria de processamento de milho. Monografia de graduação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Rigui, K. S., & Basso, C. (2016). Boas práticas de manipulação de alimentos em instituições filantrópicas de longa permanência de idosos. Disciplinarum Scientia| Saúde, 17(2), 279-290. https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumS/article/view/2036/1882

Rosa, P. T. (2015). Implantação do manual de boas práticas de manipulação em cozinha pedagógica de uma instituição de ensino na cidade de Campo Mourão-PR. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão, Paraná, Brasil.

Santos, A. D. O., Sampaio, A. N. D. C. E., Martins, O. A., Pinto, J. P. D. A. N., & Pereira, J. G. (2020). Avaliação da contaminação de equipamentos, utensílios e mãos de manipuladores de um serviço de nutrição e dietética. Archives of Veterinary Science, 25(3). http://dx.doi.org/10.5380/avs.v25i3.73104

Schmidt,V. (2014) Análise do índice de resto-ingesta em uma unidade de alimentação e nutrição do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Trabalho de Conclusão de Curso (Nutrição) - Universidade Regional de Unijuí. Unijuí, RS, Brasil.

Silva, A. N., Correia, L. M. N., Luna, J. S., Lins, J. C. (2013). Qualidade microbiológica da água utilizada em unidades de alimentação do município de Caruaru, PE. Veredas Favip-Revista Eletrônica de Ciências, 6(2), 073-082. http://blog.devrybrasil.edu.br/ojs/index.php/veredas1/article/view/65/138

Silva, F. A. M. (2019). Teoria das filas: análise do serviço em uma pizzaria. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal de Campina Grande, Sumé, Paraíba, Brasil.

Sousa, M. C. (2016). Avaliação da qualidade e determinação do desperdício de vegetais durante o pré-preparo em um restaurante universitário de um campus em expansão do interior da Paraíba. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, Paraíba, Brasil.

Souza C. L & Campos G. D. (2003). Condições higiênico-sanitárias de uma dieta hospitalar. Revista de Nutrição. 16(1):127-134.

Souza, A. O., Passos, E. V. B., Gonçalves, M. I. A., Coelho, R. L. L, Silva, C. S. (2021) Perfil higiênico-sanitário de um restaurante comercial no interior baiano. Research, Society and Development, 10 (2), 8. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i2.11870

Souza, M. D. S., Medeiros, L. B., & Saccol, A. L. F. (2013). Implantação das boas práticas em uma unidade de alimentação e nutrição (UAN) na cidade de Santa Maria (RS). Alimentos e Nutrição Araraquara, 24(2), 208. http://serv-bib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/alimentos/article/viewFile/2149/2149

Teixeira, S. M. F., Oliveira, Z. M. C. D., Rego, J. C. D., & Biscontini, T. M. B. (2007). Administração aplicada às unidades de alimentação e nutrição. São Paulo (pp.81-89). São Paulo: Atheneu.

Vasques, C. T. & Madrona, G. S. (2016). Aplicação de checklist para avaliação da implantação das boas práticas em uma unidade de alimentação e nutrição. Higiene Alimentar, 30(252/253), 54-58. https://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/07/846570/separata-53-58.pdf

Veiga, S. M. O. M., Antonacio, N. R., & Belmonte, M. G. (2020). Qualidade microbiológica de alimentos oriundos do comércio ambulante e intervenção educativa. Brazilian Journal of Development, 6(3), 14979-14997. https://doi.org/10.34117/bjdv6n3-393

Viana, R. M., & Ferreira, L. C. (2017). Avaliação do desperdício de alimentos em unidade de alimentação e nutrição cidade de Januária, MG. Higiene Alimentar, 31(266/267), 22-26. https://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/05/833306/266-267-site-22-26.pdf

Published

08/06/2021

How to Cite

SANTOS, A. A. dos .; BENÍCIO, V. C. .; SILVA , J. de S. .; SILVA , J. B. da; LIMA, Ágatha C. de S. A. .; ALBUQUERQUE, J. . M.; FILIPE, A. C. J.; SILVA, M. V. F. da; SILVA, C. de S. . Evaluation of waste management and hygienic-sanitary conditions of a pizzeria located in the north of Bahia. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e49810615410, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15410. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15410. Acesso em: 18 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences