Promotion of men's health and the media as a tool from the perspective of self-care

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15421

Keywords:

Men's health; Media; Self-care; Nursing.

Abstract

Objectives: To describe man's perception of the importance of the media for his health and to discuss the impact of the media as a tool in the promotion of man's health aimed at self-care. Methodology: Descriptive and exploratory study, with a qualitative approach, developed with 27 men from 18 years old, duly enrolled in a public university, located in the municipality of Rio de Janeiro. The data collection instrument was the semi-structured interview and, for data analysis, the content analysis technique was applied, according to the stages: pre-analysis, exploration of the material and treatment of the results, inference and interpretation. Results and Discussion: The study showed the perception of men about the means of communication and information for their health and the invisibility of health promotion actions on the male population in digital media. The analysis pointed out that the men in the study do not perceive themselves as contemplated by the media, regarding the health theme, and observe campaigns aimed at the female and child population, with the exception of “Novembro Azul” as a campaign dedicated to the male population. They also understand the importance of the media as a tool for stimulating, clarifying and reflecting on issues involving male issues in relation to health and self-care. Final considerations: In view of the invisibility of health promotion actions on the male population in digital media, easy-to-understand campaigns are needed, with an understanding of integrality in health, from a gender perspective.

Author Biographies

Elizabeth Rose Costa Martins, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1978)

Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO (1994)

Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ (2006)

Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro -UERJ

Professor Colaborador do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Enfermagem da – UERJ

Na área de ensino e pesquisa, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem saúde do Homem e na Promoção a Saúde e Prevenção das IST/AIDS; saúde do adulto e idoso e Sistematização da assistência de enfermagem.

Pesquisador no Grupo de Pesquisa "Concepções Teóricas do Cuidar em Saúde e Enfermagem". Linha de pesquisa Fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar em saúde e enfermagem, na UERJ.

Karoline Lacerda de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Participante da gestão administrativa da Liga de Trauma e Emergência de Enfermagem da Uerj, monitora de Biologia Celular, bolsista voluntária de iniciação cientifica na temática de Vulnerabilidade de homens jovens universitários diante das suas necessidades de saúde, membro do grupo de pesquisa na temática de saude do homem na linha de pesquisa de fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar da saúde do homem tendo como orientadora Elizabeth Rose da Costa Martins. Foi voluntária do projeto de extensão Saúde é Brincadeira, realizado no Hospital Universitário Pedro Ernesto e ex participante de iniciação científica sobre "Asma e Poluentes ambientais" no Instituto de Medicina Social da UERJ

Andressa da Silva Medeiros, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de Enfermagem na Universidade do estado do Rio de Janeiro , Tecnica em Administração formada pelo Colégio Estadual Erich Walter Heinne (EWH), Bolsista de Iniciação Científica FAPERJ na temática da vulnerabilidade dos homens jovens universitários diante de suas necessidades de saúde como orientadora Elizabeth Rose Costa Martins, Membro do grupo de pesquisa na Temática da saúde do homem, na linha de pesquisa de Fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar em saúde e enfermagem, na UERJ, , Monitora Voluntária da Disciplina de Farmacologia ministrada no quarto período da graduação , Integrante da Liga de Anatomia Humanada (LEAH) . Foi Ligante Acadêmica de Trauma e Emergência em Enfermagem ( LATREEnf / UERJ ), Foi Integrante na Liga Acadêmica de Saúde Mental de Enfermagem (LIASME / UERJ).

Gabriele Malta da Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de Enfermagem na Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Bolsista do Estágio Interno Complementar: Identificação do Paciente nas Unidades de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Pedro Ernesto. Voluntária do Projeto de Extensão: Segurança do Paciente: gerenciamento do risco e prevenção de eventos adversos. Gestora responsável pela extensão e pesquisa da Liga Acadêmica de Ginecologia e Obstetrícia - UERJ. Voluntária do Projeto de Extensão: Cuidando da Saúde do Homem na perspectiva da Promoção a Saúde e Prevenção de agravos. Inglês Avançado. Conhecimentos básicos de computação.

Letícia Guimarães Fassarella , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em enfermagem na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2019. Integrante do projeto de pesquisa "Vulnerabilidade de homens jovens universitários diante suas necessidades de saúde" da UERJ. Integrante do projeto de extensão "O cuidado de Enfermagem a Saúde do Homem jovem na perspectiva da promoção a saúde e prevenção de agravos" da UERJ.

Nizélia Ferreira da Silva Floro Rosa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de enfermagem desde o primeiro semestre de 2018, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Bolsista do Estágio Interno Complementar: Grupo com adolescentes sobre saúde e sexualidade. Membro fundador e gestora responsável pela direção científica da Liga de Enfermagem em Anatomia Humana. Monitora voluntária da disciplina de Anatomia. Voluntária dos Projetos: Desmistificando Oncologia; Cuidando da Saúde do Homem na perspectiva da Promoção a Saúde e Prevenção de agravos; O cuidado de enfermagem baseados na equidade, integralidade e universalidade para a população adulta; Grupo com adolescentes em saúde e sexualidade. Inglês intermediário, com ênfase na leitura. Conhecimentos básicos de computação.

Samara de Andrade Ferreira , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possuo formação técnica em enfermagem pela instituição Colégio de Aplicação Emmanuel Leontsinis (CAEL), 2014. Atualmente graduanda de enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ),Membro do grupo de pesquisa na Temática da saúde do homem, na linha de pesquisa de Fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar em saúde e enfermagem, na UERJ, tendo como orientadora Professora Doutora Elizabeth Rose Costa Martins.

Jady Assis de Souza , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de enfermagem na Universidade do Estado do Rio de Janeiro - FENF UERJ. Bolsista PIBIC CNPq de Iniciação Científica no departamento de Anatomia Humana - pesquisa urogenital. Membro fundador e gestora responsável pela direção de extensão da Liga de Enfermagem em Anatomia Humana - LEAH. Monitora voluntária da disciplina de Anatomia Humana para enfermagem.

Elisa da Conceição Silva Barros, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Participante do Projeto de Extensão: Cuidando da Saúde do Homem na perspectiva da Promoção a Saúde e Prevenção de agravos. Inglês Avançado.

Henrique Francisco de Sena, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmico de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Participante do Projeto de Extensão: Cuidando da Saúde do Homem na perspectiva da Promoção a Saúde e Prevenção de agravos. Inglês Avançado.

Fabiana Cristina Silva da Rocha, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (2020), pós graduação em Enfermagem Oncologia Clínica pela Universidade Veiga de Almeida (2018) e graduação em Enfermagem pela Universidade Veiga de Almeida (2015). Atualmente é enfermeira da Estratégia de Saúde da Família no Centro Municipal de Saúde Maria Augusta Estrella. Tenho experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde do Homem, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde do homem, saúde da família, saúde da criança, clinica médica, pré natal, oncologia, saúde do adulto.

References

Almeida, M. A. (2012). A promoção da saúde nas mídias sociais: uma análise do perfil do Ministério da Saúde no Twitter. Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia. Universidade Federal de Goiás, Goiânia. Recuperado de http://repositorio.bc.ufg.br/bitstream/ri/4480/5/TCCE%20-%20Mar%C3%ADlia%20de%20Almeida%20e%20Almeida%20-%202012.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Botton, A., Cunico, S. D., & Strey, M. N. (2017). Diferença de gêneros no acesso aos serviços de saúde: problematizações necessárias. Mudanças- Psicologia da Saúde. 25(21), 67-72, jan./jun. doi: https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v25n1p67-72.

Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: Plano de Ação Nacional. Brasília. Recuperado de http://portalsaude.saude.gov.br/i ages/pdf/2014/maio/21/CNSH-DOC-Plano-Nacional.PNAISH-2009-2011.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. (2018). Perfil da morbimortalidade masculina no Brasil [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde. ISBN 978-85-334-2575-0 1.

Fontes, O. A., Borelli, F. C., & Casotti, L. M. (2012). Como ser homem e ser belo? Um estudo exploratório sobre a relação entre masculinidade e o consumo de beleza. REAd. Rev. eletrôn. adm. 18(2), 400-432. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-23112012000200005

Gomes, R., Moreira, M. C. N., Nascimento, E. F., Rebello, L. E. F. S., Couto, M. T., Schraiber, L. B. (2011). Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Cad Saúde Pública. 16(supl. 1), 983-92. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700030

Gomes, R. (2003) Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Cien Saúde Colet. 8(3), 825-9. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000300017.

Lima, B., Martins, E. R. C., Ramos, R. C. A., Cristiane Maria Amorim Costa, C. M. A., Clos, A. C., & Ferreira, J. I. C. (2014). Os meios alternativos de comunicação como ferramenta para a prevenção do câncer de próstata. Rev. enferm UERJ. Rio de Janeiro, 22(5), 656-62. doi: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2014.15669.

Martins, E. R. C. et al. (2020a). Saúde do homem jovem e as práticas educativas na perspectiva da promoção a saúde. Research, Society and Development. 9(9), e400997351. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7351

Martins, E. R. C. et al. (2020b) Ações extensionistas para a saúde do homem: um relato de experiência. Research, Society and Development. 9(11), e1579119687. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9687.

Minayo, M. C. S. (2013). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Monari, A. C. P., & Bertolli, F. C. (2019). Saúde sem fake news: Estudo e caracterização das informações falsas divulgadas no canal de informação e checagem de fake news do Ministério da Saúde. Revista Mídia e Cotidiano. 13(1), 160-186. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/f875/dec4fde098fb73081b7f8516d9c8508705a2.pdf.

Moreira, M. F., Nobrega, M. M. L., & Silva, M. I. T. (2003). Comunicação escrita: contribuições para a elaboração de material educativo em saúde. Rev. Bras. Enf. 56(2), 184-8. https://doi.org/10.1590/S0034-71672003000200015.

Rocha, F C. S. et al. (2020). Acolhimento da população masculina sob a percepção dos profissionais de enfermagem: desconstrução da invisibilidade. Research Society and Development. 9(12) e6791210708. Doi: http://doi.org/10.33448/rsd-v9i12.10708

Rub, M. B. C., Medrano, C., Silva, C. D., Wink, S., Liss, P. E., & Santos, E. K. A. (2006). A noção de cuidado de si mesmo e o conceito de autocuidado na enfermagem. Texto Contexto Enferm. Florianópolis, 15(esp.), 152-7. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/tce/v15nspe/v15nspea18. Acesso em: 29 ago. 2019.

Schwarz, E. (2012). Reflexões sobre o gênero e a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciência e Saúde Coletiva. 17(10), 2581-83. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000004

Published

18/05/2021

How to Cite

MARTINS, E. R. C.; OLIVEIRA, K. L. de .; MEDEIROS, A. da S. .; COSTA, G. M. da .; FASSARELLA , L. G. .; ROSA, N. F. da S. F. .; FERREIRA , S. de A. .; SOUZA , J. A. de .; BARROS, E. da C. S. .; SENA, H. F. de .; ROCHA, F. C. S. da . Promotion of men’s health and the media as a tool from the perspective of self-care. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e0410615421, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15421. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15421. Acesso em: 20 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences