Adult nutritional state between 20 and 59 years old according to the food and nutritional surveillance system indicators (Sisvan) in basic care

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15510

Keywords:

Malnutrition; Basic care; Public policy; Overweight.

Abstract

Objective: Identify the nutritional status of adults between 20 and 59 years old in Primary Health Care. Methodology: this is a descriptive, cross-sectional study, with a quantitative approach. Conducted from online public reports available in the Food and Nutrition Surveillance System (SISVAN). Were extracted the nutritional data of adults aged from 20 to 59, attended in Primary Health Care in the five regions of Brazil, in the period 2015-2019. Results: The study showed that the Northeast stands out with the highest percentage of low weight, the northern region with the highest percentage of weight Adequate and overweight, and the South Region presented the highest obesity rate over these five years. Final considerations: From this, it is expected that the tabulation, monitoring and nutritional intervention of adults assisted in Primary Health Care will be continuous so that there is an increase in life expectancy, resulting in a healthy aging of the Brazilian population.

References

Abreu, E. T. F. et al., (2018). Monitoramento do estado nutricional de adultos atendidos na Atenção Básica de Saúde em Salvador- BA. Revista Saúde em Foco.

Alves, K. P. S. & Jaime, P.C., (2014). A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e seu diálogo com a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, 19.

Azakura, L. et al., (2015). Fatores relacionados aos padrões alimentares de indivíduos com síndrome metabólica que frequentam ambulatório de nutrição em São Paulo. Nutrire.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2008). Política nacional de alimentação e nutrição / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. (2a ed.), Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html >.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2013). Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Básica. Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da saúde. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN. Relatórios de Acesso Público. <http://sisaps.saude.gov.br/sisvan/relatoriopublico/index>.

Brasil. Portaria nº. 2.488, de 21 de outubro. (2011). Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União 2011; 24 Out.

Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de atenção Básica. (2014). Guia alimentar para a população brasileira / ministério da saúde, secretaria de atenção à saúde, departamento de atenção Básica. ministério da saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2015). Marco de referência da vigilância alimentar e nutricional na atenção básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2017) Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - PLANSAN 2016-2019. MDSA, CAISAN.

Cabral, M. J., et. al., (2013). Perfil socioeconômico, nutricional e de ingestão alimentar de beneficiários do Programa Bolsa Família. Estudos Avançados.

Cavalcante, J. B., et. al., (2017). Ingestão de energia e nutrientes segundo consumo de alimentos fora do lar na Região Nordeste: uma análise do Inquérito Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev. Bras. Epidemiologia.

Cembranel, F., et. al., (2017). Relação entre consumo alimentar de vitaminas e minerais, índice de massa corporal e circunferência da cintura: estado de base populacional com adultos no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública.

Development Initiatives. (2018). Global Nutrition Report: Shining a light to spur action on nutrition. Development Initiatives.

Dutta, M., et. al., (2019). The double burden of malnutrition among adults in India: evidence from the National Family Health Survey-4 (2015-16). Epidemiol Health.

Global Burden of Disease. (2019). Health effects of dietary risks in 195 countries, 1990–2017: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017. Lancet. 393, 1958–72.

Jaime, P. C., et al., (2018). Um olhar sobre a agenda de alimentação e nutrição nos trinta anos do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva.

Lourenço, A. E. P., et. al., (2019). Influência da ambiência escolar no estado nutricional de pré-escolares de Macaé, Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva.

Martins, J. J. (2015). Como escrever trabalhos de conclusão de curso: instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e a apresentar trabalhos monográficos e artigos. 9 ed. - Petrópolis, RJ: Vozes.

Mattos. A. C. E.; Rocha. L. S. & Rodrigues. L. (2018). Diálogo sobre alimentação e nutrição na saúde mental: Ações promotoras de saúde por meio de oficinas de horticultura. RASBRAN - Revista da Associação Brasileira de Nutrição. (2), 17-24.

Mazur, C. E. & Navarro, F. (2015). Insegurança alimentar e obesidade em adultos: Qual a relação? Saúde. 41(2).

MDS. (2018). Princípios e Práticas para Educação Alimentar e Nutricional. Ministério do Desenvolvimento Social– MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SESAN.

Nascimento, F. A.; Silva, S. A. & Jaime, P. C. (2017). Cobertura da avaliação do estado nutricional no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional brasileiro: 2008 a 2013. Cadernos de Saúde Pública.

Pesquisa nacional de saúde 2019: Atenção primária à saúde e informações antropométricas: Brasil / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. IBGE, (2020). 66p

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil / IBGE. (2020). Coordenação de Trabalhos e Rendimentos. IBGE.

Ricardi, L.M. & Sousa, M. F. (2015). Educação permanente em alimentação e nutrição na Estratégia Saúde da Família: encontros e desencontros em municípios brasileiros de grande porte. Ciência e saúde coletiva.

Oliveira, F. A. A. & Carvalho, F. A. F. (2020). Extinção do CONSEA ou instituição do “descontrole social” na Política Nacional de Alimentação Escolar? Jornal de Políticas Educacionais. 14(15).

Silva, E. A. et al., (2016). Excesso de pesos em usuários de Unidades Básicas de Saúde. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde - ABCS Health Sci.

Silva, R. V. et al., (2019). Índice de qualidade da dieta e presença de fatores de risco para DCNTs em colaboradores de uma UAN. RASBRAN - Revista da Associação Brasileira de Nutrição. 10(2), 09-17.

Silva, V. S. et al., (2015). Correspondência entre excesso de peso e indicadores socioeconômicos e demográficos na população adulta brasileira. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015.

Soares, J. M. D. et al., (2020). (In)Segurança alimentar, indicadores socioeconômicos e perfil antropométrico de mulheres contempladas por programas social. Revista Brasileira de Ciência e Saúde.

Sousa, F. A. C. G. (2016). Avaliação da Atenção Básica à Saúde no Município de Jacareí. R bras ci Saúde.

Sousa, M. F. M. et. al., (2018). Transição da saúde e da doença no Brasil e nas Unidades Federadas durante os 30 anos do Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva.

UNA-SUS/UFMA. (2017). Alimentação e Nutrição na Atenção Básica em Saúde /Paola Trindade Garcia; Regimarina Soares Reis (Org.). - São Luís: EDUFMA.

Vedana, E. H. B., et al., (2008). Prevalência de Obesidade e Fatores Potencialmente Causais em Adultos em Região do Sul do Brasil. Arq Bras Endocrinol Metab.

Vigitel Brasil 2019. (2020). Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito não telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde.

WHO. World Health Organization. (1998). Obesity: Preventing and managing the global epidemic – Report of a WHO consultation on obesity. Geneva: WHO.

WHO. (2017). The double burden of malnutrition. Policy brief. Geneva: World Health Organization.

Zhong, Y. & Moon, H. C. (2020). What Drives Customer Satisfaction, Loyalty, and Happiness in Fast-Food Restaurants in China? Perceived Price, Service Quality, Food Quality, Physical Environment Quality, and the Moderating Role of Gender. Foods.

Published

30/05/2021

How to Cite

SANTOS, R. M. dos; OLIVEIRA, F. S. da S. .; COSTA, L. Y. A.; MORAES, V. M. S. de; BEZERRA, G. K. de A.; BARBOSA, M. S. da S.; BARBOSA, S. M. da S.; LAVRA, F. M. B.; CUNHA, F. T.; OLIVEIRA, D. C. de. Adult nutritional state between 20 and 59 years old according to the food and nutritional surveillance system indicators (Sisvan) in basic care. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e18810615510, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15510. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15510. Acesso em: 20 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences