Sensory analysis and acceptability of honey from different blossoms from three municipalities in the Northeast of Pará

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15521

Keywords:

Appis melíferas; Consumption; Consumer Profile; Acceptance test.

Abstract

Honey is by man as a food and for its therapeutic properties since prehistory, besides being a great source of several nutrients, in this sense it is important to know the relationship that consumers have with this food. Therefore, the objective of this work was to evaluate the sensory profile and the acceptability of honey from three different floral origins. The experiment was carried out in October 2019, at the Food Technology Laboratory of the Federal Rural University of the Amazon, on the Paragominas campus, Pará. Three samples of honeys of different floral origins were used, one from Terra Alta, Pará, another sample from the city of Primavera, Pará, and finally, the last sample was from the city of Santa Maria, Pará. The evaluators read and signed an informed consent form and subsequently completed a structured questionnaire. The acceptability test was applied, using the nine-point hedonic scale. The intention to purchase honey samples was assessed using a five-point structured scale. The data were organized in Microsoft Excel spreadsheets. To verify which honey sample was most accepted by the evaluators, the Kruskal Wallis non-parametric test was performed, with the aid of the SPSS software. In general, the sample that obtained the greatest acceptance was sample B, followed by sample C and lastly sample A.

Author Biographies

Emanoel dos Santos Vasconcelos, Universidade Federal Rural da Amazônia

Mestrando em Manejo do Solo e Água na Universidade Federal do Semi-Árido

Silvana dos Santos Silva, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduação em Agronomia pela Universidade Federal Rural da Amazônia

Vanessa Mayara Souza Pamplona, Universidade Federal Rural da Amazônia

Ingressou no Curso de Bacharelado em Estatística no ano de 2004, concluindo o curso em 2008, pela Universidade Federal do Pará - UFPA. No mesmo ano foi aprovada em Concurso Público pela UFPA, para exercer o Cargo de Estatístico, Classe E, com lotação no Campus Universitário Belém e nomeada no mesmo ano. Em 2010 ingressou no Curso de Pós Graduação em Matemática e Estatística da UFPA, em Nível de Mestrado, em 2011 obteve o título de mestre. No ano de 2012 ingressou no Curso de Pós-graduação em Agronomia (Entomologia Agrícola), em Nível de Doutorado na Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista - Campus de Jaboticabal - SP, em 2016 obteve o título de doutora. No ano de 2013 foi aprovada em Concurso Público de Provas e Títulos, para provimento de cargo efetivo de Professor da Carreira do Magistério Superior em Regime de Dedicação Exclusiva (DE) na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) - Campus de Paragominas - PA. Atualmente é professora efetiva do Magistério Superior e ministra aula nos cursos de graduação em Agronomia, Engenharia Florestal e Zootecnia, nas disciplinas de Estatística, Bioestatística, Estatística Experimental e Biometria.

Alessandra Epifanio Rodrigues, Universidade Federal Rural da Amazônia

Engenheira Agrônoma, formada pela Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA (2004), Mestre em Ciência Animal, pela Universidade Federal do Pará-UFPA (2007), área de concentração Produção Animal, linha de pesquisa Reprodução, Melhoramento e Conservação Animal. Doutoranda em Ciência Animal, área de concentração Produção Animal, linha de pesquisa Sanidade Animal. Professora Substituta da disciplina da genética na Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA (2006-2007). Professora Contratada da Universidade do Vale do Acaraú-UVA (2007). Engenheira Agrônoma da Secretaria de Agricultura do Município de Curralinho/PA (2008-2010). Atualmente é Professora do quadro efetivo da Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA, ministrando aula nas disciplinas de Genética, Métodos de Melhoramento Animal, Teoria do Melhoramento e Bovinocultura de Leite.

Graziela Teixeira de Oliveira, Universidade Federal Rural da Amazônia

Técnica em Farmácia pelo Cecon-2004. Licenciada em Química pela universidade de Itaúna (UIT)-2008 Mestre em Ciências da saúde pela Universidade Federal São João Del Rey-2013.  Atualmente é Professora Assistente da Universidade Federal Rural da Amazônia desde 2014, campus Paragominas. Experiência em fitoquímica, química e microbiologia.

Michele Velasco Oliveira da Silva, Universidade Federal Rural da Amazônia

Médica Veterinária formada pela Universidade Federal Rural da Amazônia -UFRA (2010), Mestrado em Aquicultura e Recursos Aquáticos Tropicais pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2012) e doutorado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários pela Universidade Federal do Pará (2016). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus Paragominas e  bolsista de Pós-dourado Jr. do CNPq na área de Sistemática de myxozoários em peixes da Amazônia. Tem experiência na área de Biologia celular, Histologia e microparasitologia de organismos aquáticos.

Lilian de Nazaré Santos Dias, Universidade Federal Rural da Amazônia

Graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2003), mestrado em Ciência Animal pela Universidade Federal do Pará (2008) e doutorado em Ciência Animal pela Universidade Federal do Pará (2013). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal Rural da Amazônia- Campus Paragominas. Atualmente nas áreas de Aquicultura e Tecnologia e Controle de Produtos de Origem Animal.

References

Agrolink. (2009). Produção de mel cresce 30% no Pará. https://www.agrolink.com.br/noticias/producao-de-mel-cresce-30--no-para_99144.html.

Alves, R. M. O., Carvalho, C. A. L., Souza, B. A., Sodré, G. S. & Marchini, L. C. (2005). Características físico-químicas de amostras de mel de Melipona mandacaia Smith (Hymenoptera: Apidae). Food Science and Technology, 25(4), 644-50.

Alvim, N. C. (2004). O mel e suas características. Revista cientifica eletrônica de medicina veterinária, (3), 1-7. Recuperado de http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/ktzYyE7wkOTdgpk_2013-5-20-10-0-38.pdf.

Dol. (2017). Criadores debatem a produção de mel no Pará. diarioonline.com.br/noticias/para/noticia-466507-criadores-debatem-a-producao-de-mel-no-para.html.

Duas Rodas. (2019). E-book traz orientações práticas sobre análise sensorial na produção de alimentos. https://www.duasrodas.com/e-book-traz-orientacoespraticas-sobre-analise-sensorial-na-producao-de-alimentos/.

Embrapa. (2007). Criação de abelhas: apicultura. https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/126300/1/00081610.pdf.

Fonseca, M. F. A. C. (2001). A certificação de alimentos orgânicos no Brasil. http://www.planetaorganico.com.br/trabfem2.htm.

Gomes, P. W. P., Souza, R. F., Muribeca, A. J. B., Malato, B. V., Alves, A. P. C., Gomes, P. W. P., Câmara, D. S. S. & Reis, J. D. E. (2016). Padrão físico-químico do mel de apis sp. Produzido em colmeias localizadas em manguezais. http://www.abq.org.br/cbq/2016/trabalhos/10/8930-20566.html.

Guimarães, T. G., Fava, L. W., Santos, M. R., Zanela, M. B. (2009). Perfil do consumidor de mel? uma pesquisa preliminar sobre hábitos de consumo. Salão de Iniciação Científica: Livro de resumos, Porto Alegre, RS Brasil, 21. Recuperado de https://lume.ufrgs.br/handle/10183/41651.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Produção de origem animal por tipo de produto. https://sidra.ibge.gov.br/tabela/74#resultado.

Instituto Adolf Lutz. (2008). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. (4a ed., pp. 290-307). São Paulo: Instituto Adolfo Lutz.

Lima, R. F., Souza, A. M. B., Silva, A. O., Pontes, L. R. T. & Mota, A. V. (2018). Estudo do perfil socioeconômico dos consumidores de mel da região nordeste paraense: uma abordagem a partir do município de terra alta. Ciências Agrárias: Campo Promissor em Pesquisa 5. 06 (1), 44-53. doi:10.31692/2526-7701.

Mel. (2019). História da apicultura no mundo. https://www.mel.com.br/historia-da-apicultura-no-mundo/comments.

Nascimento, D. M. D. (2013). Parâmetros de avaliação da qualidade do mel e percepção do risco pelo consumidor (Dissertação de Mestrado). FCUP/ FCNAUP, Porto, Portugal. Recuperado de file:///C:/Users/Positivo/Downloads/Dissertacao_de_Mestrado_Diana_Nascimento.pdf.

Ribeiro, M. I., Matos, A., Almeida, A., Fonseca, A., Fernandes, B., Mota, C., Gonçalves, E., Garcia, E., Pereira, E; Garção, H., Guedes, H., Rodrigues, M. A., Neto, M. & Abreu, R. (2009). Produtos alimentares tradicionais: hábitos de compra e consumo do mel. Revista de Ciências Agrárias, 32 (2), 97-112. http://hdl.handle.net/10198/2281.

Saúde. (2017). Inclua mel em sua dieta. https://saude.abril.com.br/alimentacao/inclua-mel-em-sua-dieta/.

Scribd. (2019). Relatório Escala Hedônica Análise Sensorial. https://pt.scribd.com/doc/44428219/Relatorio-Escala-Hedonica-Analise-Sensorial.

Sebrae. (2018). Da produção ao mercado consumidor, mel é um excelente negócio. https://sebraers.com.br/apicultura/da-producao-ao-mercado-consumidor-mel-e-um-excelente-negocio/.

Sensenova. (2017). Conheça a escala hedônica estruturada: a preferência do consumidor de forma direta. www.sensenova.com.br/blog/conheca-escala-hedonica-estruturada/.

Teixeira, L. V. (2009). Análise sensorial na indústria de alimentos. Revista do instituto de laticínios Cândido Tostes, 64, 12-21.

Venturi, K. S., Sarchineli, M. F. & Silva, L. C. (2019). Características do Mel. https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=) &url=http://agais.com/telomce/b 01107 caracteristicas mel.pdf&ved=2ahUK Ewj A45j6mu3j AAX9HLKGHQMICT7sQ FA AegQIBRAB&usg=AOvVawlrEQ6 eLsZJTfgy162Qw8y&cshid=15650882291 59.

Vilckas, M., Gramacho, K. P., Gonçalves, L. S. & Martinelli, D. P. (2001). Perfil do Consumidor de Mel e o Mercado de Mel. Mensagem Doce, 64, 05-17. https://www.apacame.org.br/mensagemdoce/64/artigo_.htm.

Published

26/05/2021

How to Cite

VASCONCELOS, E. dos S.; SILVA, S. dos S.; PAMPLONA, V. M. S. .; RODRIGUES, A. E.; OLIVEIRA, G. T. de; SILVA, M. V. O. da; DIAS, L. de N. S. Sensory analysis and acceptability of honey from different blossoms from three municipalities in the Northeast of Pará. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e16010615521, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15521. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15521. Acesso em: 23 jun. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences