Temporal distribution of visceral leishmaniasis in Paraíba state, northeastern brazil, by geographic region, 2012-2017

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15575

Keywords:

Leishmaniasis; Visceral leishmaniasis; Ecological studies.

Abstract

This study aims to analyze the temporal distribution of human (HVL) and canine visceral leishmaniasis (CVL) in the state of Paraíba between 2012 and 2017, by Intermediate and Immediate Geographic Region (GR). As an ecological study with a quantitative approach, data were collected in the LACEN PB database; Dra. Telma Lobo Central Public Health Laboratory, Paraíba; and refer to positive cases of HVL and CVL presented in the state in the period under study. Poisson Regression Modeling was used to quantify the average number of cases from one year to another. The results revealed that the immediate GRs of Mamanguape - Rio Tinto, Campina Grande, and Cajazeiras present a statistically significant increasing trend in the average number of HVL cases. The immediate GRs of Campina Grande, Patos, Cuité - Nova Floresta, Itaporanga, and João Pessoa revealed a significant increase in the average number of CVL cases during the period analyzed. The need for reorganization of disease control operations and preventive actions was confirmed, especially in those regions identified with growth.

Author Biographies

Allan Batista Silva, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando em Modelos de Decisão e Saúde pela Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Hemílio Fernandes Campos Coêlho, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Estatística pela Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Modelos de Decisão e Saúde pela Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Francisca Inês de Sousa Freitas, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciências da Saúde, Professora Associada do Departamento de Ciências Farmacêuticas e Coordenadora do Laboratório de Parasitologia Clínica da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Clélia de Alencar Xavier Mota, Faculdades de Enfermagem e Medicina Nova Esperança

Doutora em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos pela Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil. Professora da Faculdades de Enfermagem e Medicina Nova Esperança, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Sérgio Vital da Silva Junior, Federal University of Paraíba

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

Caliandra Maria Bezerra Luna Lima, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos e Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Modelos de Decisão e Saúde pela Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

References

Abrantes, T. R., Werneck, G. L., Almeida, A. S., & Figueiredo, F. B. (2018). Fatores ambientais associados à ocorrência de leishmaniose visceral canina em uma área de recente introdução da doença no estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública 34(1):e00021117.

Afonso, M. M. S. (2013). Estudos sobre Lutzomyia (lutzomyia) longipalpis: hábito alimentares, infecção natural por Leishmania (Leishmania) infantum chagasi e correlação com a expansão da leishmaniose visceral americana. Tese de doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca.

Anversa, L., Montanholi, R. J. D., & Sabino, D. L. (2016). Avaliação do conhecimento da população sobre leishmaniose visceral. Rev Inst Adolfo Lutz, 75:1685-93.

Alves, E. B., Costa, C. H. N., Carvalho, F. A. A., Cruz, M. S. P., & Werneck, G. L. (2016). Risk profiles for Leishmania infantum infection in Brazil. Am J Trop Med Hyg, 94(6):1276-81.

Atlas Brasil. (2013). Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/home/

Barbosa, M. N., Guimarães, E. A. A., & Luz, Z. M. P. (2016). Avaliação de estratégia de organização de serviços de saúde para prevenção e controle da leishmaniose visceral. Epidemiol Serv Saude, 25(3):563-74.

Barbosa, D. S. (2011). Distribuição espacial e definição de áreas prioritárias para vigilância da leishmaniose visceral no município de São Luís, Maranhã, Brasil. Dissertaçãode Mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca.

Barros, L. M., Moreira, R. A. N., Araújo, T. M., Frota, N. M., Caetano, J. A., & Feitosa, A. C. L. (2013). Aspectos clínicos e epidemiológicos da leishmaniose visceral em crianças. J Res Fundam Care Online, 6(3):966-75.

Belo, V. S. (2012). Fatores associados à leishmaniose visceral nas Américas. Dissertação de mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Belo, V. S., Werneck, G. L., Barbosa, D. S., Simões, T. C., Nascimento, B. W. L., Silva, E. S., & Struchiner, C. J. (2013). Fators associated with visceral leishmaniasis in the Americas: a systematic review and meta-analysis. PLoS Negl Trop Dis, 7(4):e2182.

Castro, C. O. (2016) Análise da distribuição geográfica dos casos de leishmaniose visceral canina no município do Rio de Janeiro de 2011 a 2014. Dissertação de mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca.

Cardim, M. F. M., Guirado, M. M., Dibo, M. R., & Chiaravalloti Neto, F. (2016). Leishmaniose visceral no estado de São Paulo, Brasil: análise espacial e espaço-temporal. Rev Saúde Pública, 50(48):1:11.

Cavalcante, I. J. M., & Vale, M. R. (2014). Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral (kala-azar) no Ceará no período de 2007 a 2011. Rev Bras Epidemiol, 17(4):911-24.

Fernandes, A. R. F., Pimenta, C. L. R. M., Vidal, I. F., Sartori, R. S., Araújo, R. B., Melo, M. A., Langoni, H., & Azevedo, S. S. (2016). Risk factors associated with seropositivity for leishmania spp. And Trypanosoma cruzi in dogs in the state of Paraiba, Brazil. Rev Bras Parasitol Vet, 25(1):90-8.

Figueiredo, A. B. F., Werneck, G. L., Cruz, M. S. P., Silva, J. P., & Almeida, A. S. (2017). Uso e cobertura do solo e prevalência de leishmaniose visceral canina em Teresina, Piauí, Brasil: uma abordagem utilizando sensoriamento remoto orbital. Cad Saúde Pública, 33(10):e00093516.

Freitas, J. C. C., Sampaio Filho, A. P., Santos, G. J. L., Lima, A. L., & Nunes-Pinheiro, D. C. S. (2013). Analysis of seasonality, tendencies and correlations in human and canine visceral leishmaniasis. Acta Sci Vet, 41(1151):1-8.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6a ed). Atlas.

Gomes, A. M., Alexandre, M. K. M., Gonzaga, D. S. S., Holanda, H. Á., Noronha, R. B., Gonçalves, D. E., & Ferreira, R. J. Vigilância sorológica da leishmaniose humana e canina no município de Farias Brito, Estado do Ceará, Brasil. (2017). Biota Amazônia, 7(1):63-8.

Hirschmann, L. C., Brod, C. S., Radin, J., Simon, C. F., & Recuero, A. L. C. (2015). Leishmaniose visceral canina; comparação de métodos sorológicos em cães de área indene do Rio Grande do Sul no Brasil. Rev Patol Trop, 44(1):33-44.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Paraíba. (2017a). Paraíba. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pb/panorama

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017b). Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população. (2018). Estimativa de população. hftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/

Laurenti, M. D., Rossi, C. N., Matta, V. L., Tomakane, T. Y., Corbett, C. E., Secundino, N. F., Pimenta, P. F. P., & Marcondes, M. (2013). Asymptomatic dogs are highly competent to transmit Leishmania (Leishmania) infantum chagasi to the natural vector. Vet Parasitol, 196(3-4):296-300.

Lisboa, A. R., Leite, F. C., Dantas, A. E. F., Oliveira, I. B., Evangelista, T. R., & Sousa, J. B. G. (2016). Análise epidemiológica de leishmaniose visceral em municípios do sertão paraibano. REBES, 6(3):05-12.

Marcondes, M., & Rossi, C. N. (2013). Leishmaniose visceral no Brasil. Braz J Vet Res Anim Sci, 50(5):341-52.

Ministério da Saúde. (2014). Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2019). Sistema de Informação de Agravos de Notificação. http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?are a=0203&id=29892192&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/leishv.

Ministério da Saúde. (2018). Sistema de Informação de Agravos de Notificação. http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php? area=0203&id=29892192&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/leishv.

Miranda, G. M. D. (2008). Leishmaniose visceral em Pernambuco: a influência da urbanização e da desigualdade social. Dissertação de mestrado, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, PE, Brasil.

Oliveira, E. M., & Pimenta, A. M. (2014). Perfil epidemiológico das pessoas portadoras de Leishmaniose visceral no município de Paracatu – MG no período de 2007 a 2010. REME,18(2):371-375.

Ortiz, R. C., & Anversa, L. (2015). Epidemiologia da Leishmaniose visceral em Bauru, São Paulo, no período de 2004 a 2012: um estudo descritivo. Epidemiol Serv Saude, 24(1):97-104.

Reis, L. L., Baleiro, A. A. S., Fonseca, F. R., & Gonçalves, M. J. F. (2017). Changes in the epidemiology of visceral leishmaniasis in Brazil from 2001 to 2014. Rev Soc Bras Med Trop, 50(5):638-45.

Rocha, T. J. M., Silva, K. K. M., Oliveira, V. C., Silveira, L. J. D., Wanderley, F. S., & Calheiros, C. M. L. (2015). Perfil epidemiológico relacionado aos casos de letalidade por leishmaniose visceral em Alagoas: uma análise entre os anos de 2007 a 2012. Rev Ciênc Farm Apl, 2015;36(1):17-20.

Sales, D. P., Chaves, D. P., Martins, N. S., & Silva, M. I. S. (2017). Aspectos epidemiológicos da leishmaniose visceral canina e humana no estado do Maranhã, Brasil (2009-2012). Rev Bras Cienc Vet, 24(3):144-50.

Teles, E. J. C. (2011). Perfil epidemiológico da leishmaniose visceral em Barcarena, um município minerário no estado do Pará, Brasil. Dissertação de mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Belém, PA, Brasil.

Toledo, C. R. S., Almeida, A. S., Chaves, S. A. M., Sobroza, P. C., Toledo, L. M., & Caldas, J. P. (2017). Vulnerabilidade à transmissão da leishmaniose visceral humana em área urbana brasileira. Rev Saúde Pública, 51(49):1-11.

Werneck, G. L. (2016). Controle da leishmaniose visceral no Brasil: o fim de um ciclo? Cad Saúde Pública, 32(6):eED010616.

Werneck, G. L., Pereira, T. J. C. F., Farias, G. C., Silva, F. O., Chaves, F. C., Gouvêa, M. V., Costa, C. H. N., & Carvalho, F. A. A. (2008). Avaliação da efetividade das estratégias de controle da leishmaniose visceral na cidade de Teresina, Estado do Piauí, Brasil: resultados do inquérito inicial – 2004. Epidemiol Serv Saude, 17(2):87-96.

Zuben, A. P. B. V., & Donalisio, M. R. (2016). Dificuldades na execução das diretrizes do Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral em grandes municípios brasileiros. Cad Saúde Pública, 32(6):e00087415.

Downloads

Published

22/05/2021

How to Cite

SILVA, A. B.; COÊLHO, H. F. C.; FREITAS, F. I. de S. .; MOTA, C. de A. X.; SILVA JUNIOR, S. V. da .; LIMA, C. M. B. L. Temporal distribution of visceral leishmaniasis in Paraíba state, northeastern brazil, by geographic region, 2012-2017. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e9410615575, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15575. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15575. Acesso em: 15 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences