Obstetric violence and its impact on women's lives: An integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15634

Keywords:

Violence; Obstetrics; Women's Health.

Abstract

The objective was to analyze the scientific evidence on the consequences of obstetric violence in women's lives during pregnancy. An integrative literature review study was conducted by searching the databases of the Virtual Health Library (VHL), SCIELO, LILACS, BDENF, with the following descriptors present in DECS: "Violence"; "Obstetrics"; "Women's health". 1371 articles were selected in total, then the inclusion criteria were applied and 218 were selected for reading the titles and abstracts. After this reading were selected 13 articles that met the research objective to compose the work. The results of the study showed that socioeconomic factors, fear, insecurity, lack of information about their rights during pregnancy and puerperium. We conclude that pregnant women need to know and demand that their rights and decisions be respected during pregnancy. Thus, it is necessary the training and empathy of health professionals in addition to the implementation of strategies to positively change this scenario.

References

Aguiar, J. M., D’ Oliveira A. F. P. L. & Schraiber, L. B. (2013). Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a óticados profissionais de saúde. Cad. Saúde Pública.

Almeida, S. S. R., Reticena, K. O., Gomes, M. F. P., & Fracolli, L. A.(2020). Vivências de puérperas frente à atuação da equipe de enfermagem durante o trabalho de parto. Revista online de pesquisa: cuidado é fundamental, 12, 350-354.

Andrade, P. O. N., Silva, J. Q. P., Diniz, C. M. M., & Caminha, M. F. C. (2016). Fatores associados a violência obstetrica na assistencia do parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant, 16(1), 29-37.

Anjos, M. A., & Gouveia G. H.(2019). Presença do acompanhante durante o processo de parturição e nascimento: análise da prática. Rev enferm UERJ, 27.

Bohren, M. A., Vogel, J. P., Hunter, E. C., Lutsiv, O., Makh S. K., Sousa, J. P., Aguiar, C., Coneglian, F. S., Diniz, A. L. A. et al. (2015). The mistreatment of women during childbirth in healthy facilities globally:a mixed-methods systema ticreview. Plosmed, 12(6).

Brito, C. M. C., Oliveira, A. C. G. A., & Costa, A. P. C. A. (2020). Violência obstétrica e os direitos da parturiente: o olhar do poder judiciário brasileiro. Cad. Ibero-amer.

Castro, B. T. A., & Rocha, P. S. (2020).Violência obstétrica e os cuidados de enfermagem: reflexões a partir da literatura. Enfermagem em foco, 11(1), 176-181.

Cunha, A. L., Henriques, R. B. L., Silva, T. R. D, Silva, M. R. B., Tertulliano, K., & Armada e Silva, H. C. D. (2020). Produção de conhecimento sobre violência obstétrica: o lado invisível do parto. Revista nursing, 23(260).

Defensoria Pública do estado de São Paulo. (2017). Violência obstétrica:você sabe o que é?. Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher e Associação Artemis. São Paulo –SP: Defensoria Pública.

Fernandes, I. B., Bento, P. A. S. S., & Xavier, R. B. (2019). Experiência das mulheres no gestar e parir fetos anencéfalos: as múltiplas faces da violência obstétrica. Interface, 23(14).

Grecia, R. M. L., Neto, D. L., Dias, V. P. & Moisés, M. S. (2019). Percepção e ações de doulas no processo de humanização do parto.Revista mineira de Enfermagem, 23 (1209).

Jardim, N. M. B., & Modena, C. M. (2018). A violência obstétrica no cotidiano assistencial e suas características. Revista latino-americano de enfermagem, 26.

Koperck,C.S., Matos, G.C., Soares, M. C., Escobal, A. P. L., Quadro, P. P., & Cecagno, S. (2018). A violencia obstétrica no contexto multinacional. Revista de Enfermagem UFPE on line,12 (7), 2050-2060.

Lanky, S., Souza, K. V., Peixoto, E. R. M., Oliveira, B. J., Diniz, C. S. G., Vieira, N. F., Cunha, R. O. et al. (2019). Violência obstétrica: influência da exposição sentidos do nascer na vivência das gestantes. Ciência de Saúde Coletiva, 24(8), 2811-2823.

Moura,R. C. M., Pereira, T. F., Rebouças, F. J., Costa, C. M., Lernades, A. M. G., Silva, L. K. A., & Rocha, K. M. M. (2018). Cuidados de enfermagem na prevenção da violência obstétrica.Enferm.foco.natal, 9(4), 60-65.

Narchi z, N., Venâncio, K. C. M. P., Ferreira, F. M., & Vieira, J. R. (2019). O Plano individual de parto como estratégia de ensino-aprendizagem das boas práticas de atenção obstétrica. Rev Esc Enferm USP, 53.

Nascimento, S. L, Pires, V. M. M. M., Santos, N. A., Machado, J. C., Meira, L. S., & Palmarella, V. P. R. (2019). Conhecimentos e experiências de violência obstétrica emmulheres que vivenciaram a experiência do parto. Revista enfermería actual, 37.

Oliveira,M. S. S., Rocha, V. S. C., Arrais, T. M. S. N.,Alves, S. M., Marques, A. A., Oliveira, D. R., & Santana,M. D. R. (2019). Vivências de violência obstétrica experimentadas por parturientes.

Abcs Health SCI, 44(2), 114-119.

Pascoal, K. C. F., Filgueiras, T. F., Carvalho, M. A., Candeia, R. M. S., Pereira, J. B., & Cruz, R. A. O. (2020). Violência obstétrica na percepção de puérperas. Revista Nursing, 23(265), 4221-4226.

Piler, A. A; Wall, M. L., Aldrighi, J. D., Benedet, D. C. F., Silva, L. R., & Szpin, C. C. (2019). Protocolo de boas práticas obstétricas para os cuidados de enfermagem no processo de parturição. Revista Mineira de Enfermagem. 23.

Programa Das Nações Unidas Para O Desenvolvimento, Ipea-Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. (2019). Relatório do desenvolvimento humano 2019. Brasilia – DF.

Rodrigues, F. A. C., Lira, S. V. G., Magalhães, P. H., Freitas, A. L. V., Mitros, V. M. S., & Almeida, P. C. (2017). Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à rede cegonha. Reprodução & climatério, 32(2), 78-84.

Sanches, M. E. T. L., Barros, S. M. O., Santos, A. A. P., & Lucena, T. S. (2019). Atuação da enfermeira obstétrica na assistência ao trabalho departo e parto. Revista Enfermagem UERJ, 27.

Sena, L.M., & Tesser, C. D. (2017). Violência obstétrica no brasil e ciberativismo de mulheres. Interface,21(60) 209-20.

Silva, F. C., Viana, M. R. P., Amorim, F. C. M., Veras, J. M. M. F., Santos, R. C., & Sousa, L.L. (2019). O saber das puérperas sobre violência obstétrica. Revista de Enfermagem UFPE online, 13, 1-6.

Silva, J. B., Moraes, M. N., Brandão, B. M. L. S., Freitas, W. M. F., Souto, R. Q., & Dias, M. D.(2020). Mulheres em privação de liberdade: narrativas de des(assistência) obstétrica. Rev Min Enf, 24.

Teixeira, P. C., Antunes, L.S., Duamarde, L. T. L., Velloso, V., Faria, G. P. G., & Oliveira, T. S. (2020). Percepção das parturientes sobre violência obstétrica: a dor que querem calar. Revista Nursing, 23(261). 3607-3615.

Published

21/05/2021

How to Cite

MACHADO, D. de S. .; BARROS, S. L. .; GUIMARÃES, T. M. M. . Obstetric violence and its impact on women’s lives: An integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e6110615634, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15634. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15634. Acesso em: 14 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences