Epidemiological aspects of dengue in the State of Mato Grosso, Brazil: time series between the years 2001 and 2018

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15716

Keywords:

Epidemiology; Lethality; Incidence; Hospital internment.

Abstract

Objective: To describe the epidemiological characteristics of dengue in the State of Mato Grosso, Brazil, from 2001 to 2018.Methods: Data were obtained from the Informatics Department of the Unified Health System (DATASUS) for analyzes of lethality, incidence and hospitalization. Results: In the state of  Mato Grosso there were 292,756 notifications and 256 deaths in the period studied. The peak of incidence and lethality was in 2009 (male 1544.1; female 1960.3; male 268.1; female 107.2 cases / 100 thousand inhabitants), respectively. However, the hospital admission rate (male 156.4 / 100 thousand inhabitants; female 178.1 / 100 thousand inhabitants) was in 2010. The peak incidence rate in the age groups was in 2009, in which children (<1 year ) had a higher incidence rate, with 2156.8 / 100 thousand inhabitants this year. Then the teenagers (10 to 19 years old) with 2003.4 / 100 thousand inhabitants); adults (20 to 59 years old; 1740.4 / 100 thousand inhabitants); children (1 to 9 years; 1653.8 / 100 thousand inhabitants) and the lowest rates were among the elderly (> 60 years; 1257.1 / 100 thousand inhabitants). The highest lethality rate was in the elderly 435.9 / 100 thousand inhabitants, then in children (<1 year; 335.2 / 100 thousand inhabitants); in children (1 to 9 years; 86.9 / 100 thousand inhabitants); in adults 54/100 thousand inhabitants and; the lowest among adolescents with 40.3 / 100 thousand inhabitants. Conclusion: Dengue showed epidemic peaks with high incidence rates. The female sex gets sick and hospitalizes more than the male, but the male has a higher lethality. Adults become more ill, however, lethality is higher in the elderly.

References

Barbosa, F. O., de Souza, D. M. T., Campos, G. O., de Almeida Carvalho, A. L. F., de Oliveira, B. M., Caminha, G. C., & de Almeida, C. F. (2020). Perfil do envelhecimento entre usuários de em uma unidade de saúde em Campina Grande-PB: interface biopsicossocial. Brazilian Journal of Development, 6(7), 42392-42401.

Barbosa, I. R., Araújo, L. D. F., Carlota, F. C., Araújo, R. S., & Maciel, I. J. (2012). Epidemiologia do dengue no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil, 2000 a 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(1), 149-157.

Böhm, A. W., Costa, C. D. S., Neves, R. G., Flores, T. R., & Nunes, B. P. (2016). Tendência da incidência de dengue no Brasil, 2002-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25, 725-733.

de Lima Oliveira, D., Silva, Y. S., Naves, J. S., de Melo Júnior, G., Gonçalves, P. H. D., Silva, B. C. R., & Silva, J. R. (2020). Custo das internações por dengue no Estado de Goiás, no período de 2016 a 2018. Brazilian Journal of Development, 6(5), 30695-30697.

de Oliveira, T. E. S., & de Musis, C. R. (2014). Análise da flutuação das populações de aedes aegypti e aedes albopictus em uma escola de Cuiabá-MT. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 18(1), 178-186.

de Oliveira Medeiros, M., de Lima, L. J., & Ferreira Filho, F. J. (2020). Morbidade hospitalar por dengue hemorrágica no Brasil (2010-2014).

de Morais Dourado, J., de Araújo, C. S., & Godói, I. P. D. (2020). Hospitalizações, óbitos e gastos com dengue entre 2000 E 2015 na região norte do Brasil. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde.

Fogaça, T. K., & de Assis Mendonça, F. (2017). Dengue nas Américas: distribuição espacial e circulação viral (1995-2014). Hygeia-Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 13(24), 175-188.

Fogaça, T. K., & Mendonça, F. (2019). Distribuição espacial dos sorotipos de dengue e fluxos intermunicipais no Paraná. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, 46(2), 101-115.

Governo do Estado de Mato Grosso, (2020). Geografia. http://www.mt.gov.br/geografia#:~:text=Geografia%20%2D%20mt.gov.br&text=Mato%20Grosso%20tem%20903.357%2C908,do%20Amazonas%20e%20do%20Par%C3%A1.&text=O%20local%20exato%20foi%20calculado,obelisco%20da%20C%C3%A2mara%20dos%20Vereadores.

Lucena, L. T. D., Aguiar, L. O., Bogoevich, A. C. A., Azevedo, F. S. D., Santos, A. C. P. D., Vale, D. B. A. P. D., & Villalobos-Salcedo, J. M. (2011). Dengue na Amazônia: aspectos epidemiológicos no Estado de Rondônia, Brasil, de 1999 a 2010. Revista Pan-Amazônica de Saúde, 2(3), 19-25.

Marchiori, E., Hochhegger, B., & Zanetti, G. (2020). Manifestações pulmonares da dengue. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 46(1).

Martins, M. M. F., Almeida, A. M. F. L., Fernandes, N. D. R., Silva, L. S., Lima, T. B. D., Orrico, A. D. S., & Ribeiro Junior, H. L. (2015). Análise dos aspectos epidemiológicos da dengue na microrregião de saúde de Salvador, Bahia, no período de 2007 a 2014. Rev Espaço Saúde [Internet], 64-73.

Ministério da Saúde (2001). Fundação Nacional de Saúde. Dengue instruções para pessoal de combate ao vetor: manual de normas técnicas. Brasília. Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde, (2017). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde: volume 2. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/PDF/2017/outubro/16/Volume-Unico-2017.pdf.

Ministério da Saúde. (2019). Guia de vigilância em Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde. Volume único, 3ª edição. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Ministério da Saúde, (2020). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php.

Ministério da Saúde. (2006). Manual de normas e rotinas do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Brasília. Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde, (2017). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde: volume 2. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/PDF/2017/outubro/16/Volume-Unico-2017.pdf.

Ministério da Saúde. (2019). Guia de vigilância em Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde. Volume único, 3ª edição. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Ministério da Saúde, (2020). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php.

Ministério da Saúde. (2006). Programa Nacional de Controle da Dengue. Brasília. Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/politicas/programa_nacional_controle_dengue.pdf.

Ministério da Saúde, (2017). Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde: volume 2. https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/PDF/2017/outubro/16/Volume-Unico-2017.pdf.

Ministério da Saúde. (2019). Guia de vigilância em Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de vigilância em saúde. Volume único, 3ª edição. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf.

Ministério da Saúde, (2020). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php.

Oliveira, R. D. M. A. B., Araújo, F. M. D. C., & Cavalcanti, L. P. D. G. (2018). Aspectos entomológicos e epidemiológicos das epidemias de dengue em Fortaleza, Ceará, 2001-2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 27, e201704414.

Organização Mundial da Saúde, (2019). Folha informativa – Dengue e dengue grave. 2019. < https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5963:folha-informativa-dengue-e-dengue-rave&Itemid=812#:~:text=A%20dengue%20%C3%A9%20uma%20doen%C3%A7a,propor%C3%A7%C3%A3o%2C%20da%20esp%C3%A9cie%20Aedes%20albopictus>

Organização Pan-americana, (2019). de Saúdehttps://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5963:folha-informativa-dengue-e-

dengue-

grave&Itemid=812#:~:text=Estimativas%20recentes%20indicam%20390%20milh%C3%B5es,com%20qualquer%20gravidade%20da%20doen%C3%A7a.

Pan American Health Organization. Dengue. 2017. http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_topics&view=article&id=1&Itemid=40734

Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso, (2016). Vigilância em Saúde. Relatório de infestação do Aedes aegypti. http://www.saude.mt.gov.br/suvsa.

Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso, (2019). Vigilância em Saúde. Vetores Transmissores de doenças. http://www.saude.mt.gov.br/suvsa.

Teich, V., Arinelli, R., & Fahham, L. (2017). Aedes aegypti e sociedade: o impacto econômico das arboviroses no Brasil. JBES: Brazilian Journal of Health Economics/Jornal Brasileiro de Economia da Saúde, 9(3).

Terra, M. R., DA Silva, R. S., Pereira, M. G. N., & Lima, A. F. (2017). Aedes aegypti e as arbovíroses emergentes no Brasil. Revista Uningá Review, 30(3).

Toyama, D., Santino, M. B. D. C., & Fushita, A. T. Qualidade da água e doenças de veiculação hídrica: o caso dos municípios de barra bonita e Igaraçu do Tietê–SP. V SIGA Ciência (Simpósio Científico de Gestão Ambiental), 1.

Vieira, U. A., de Oliveira Araujo, M., de Oliveira Araujo, B., & do Nascimento Paixão, G. P. (2020). Percepção dos enfermeiros sore a (não) procura dos homens por Atenção Primária à Saúde. Revista de Saúde Coletiva da UEFS, 10(1), 58-66.

Villar, J. E., & Gonçalves, B. C. M. Dengue: origem, espécie e tratamento. II Semana da Farmácia UniFATEA 18, 19 e 20 de outubro de 2016, 6.

World Health Organization. (1997). Dengue haemorrhagic fever: diagnosis, treatment, prevention and control. World Health Organization.

World Health Organization. (2019). World health statistics overview 2019: monitoring health for the SDGs, sustainable development goals (No. WHO/DAD/2019.1). World Health Organization.

Published

31/05/2021

How to Cite

ALMEIDA, T. G. de .; RIEDER, A.; OLIVEIRA JUNIOR, E. S. .; MUNIZ, C. C. .; RAMOS, A. O. .; PEREIRA, P. A. . Epidemiological aspects of dengue in the State of Mato Grosso, Brazil: time series between the years 2001 and 2018. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e32610615716, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15716. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15716. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences