Quality evaluation of Primary Health Care according to men in a municipality in Minas Gerais

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15733

Keywords:

Men's Health; Health Vulnerability; Primary Health Care; Health care quality, access, and evaluation.

Abstract

The objective was to describe the quality of the primary health care (PHC) according to male users. This is an evaluative and cross-sectional study in which 228 men were interviewed at home, from February to July of 2019, in areas of eight Family Health Strategies in a municipality in Minas Gerais. The resources Google Forms (reduced version of PCATool), Excel, SPSS and R were used. Pearson's chi-square, Fisher's Exact and Mann-Whitney tests were used, at a significance level of 5%. The participants profiled as elderly, mixed race, born in other cities, who lived with one more person, married, educated from the first to the fourth grade of elementary school, retired and with income from 1.5 up to 3 minimum wages. Self-reports of hypertension, diabetes, alcohol use, kidney disease and mental health problem were highlighted. Among the interviewees, 80.70% rated the PHC as of low quality. There was association between having hypertension and the quality of the PHC (p = 0.001). Thus, the objectives of this study were achieved, emphasizing the poor quality of PHC in the view of men belonging to socially vulnerable groups and the need to expand the access of young men to the PHC.

References

Alves A. N., Coura A. S., França I. S., Magalhães I. M. O., Rocha M. A., & Araújo R. S. (2020). Acesso de primeiro contato na atenção primária: uma avaliação pela população masculina. Rev Bras Epidemiol, 23: e200072.

Balbino C. M., Silvino Z. R., Santos J. S., Joaquim F. L., Souza C. J., Santos L. M., & Izu M. (2020). Os motivos que impedem a adesão masculina aos programas de atenção à saúde do homem. Research, Society and Development, 9(7):1-17, e389974230.

Bidinotto D.N., Simonetti J. P., & Bocchi S. C. (2016). A saúde do homem: doenças crônicas não transmissíveis e vulnerabilidade social. Rev Lat Am Enfermagem, 24 (e2756).

Borges D. B., & Lacerda J. T. (2018). Ações voltadas ao controle do Diabetes Mellitus na Atenção Básica: proposta de modelo avaliativo. Saúde em debate, 42(116), 162-178.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde (BR), Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília (DF): Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool pcatool -Brasil. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde (BR), Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral. Brasília (DF): Ministério da Saúde.

Brasil. (2017). Portaria nº 2436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Brasil. (2018). Ministério da Saúde (BR), e-SUS Atenção Básica: manual de preenchimento das fichas de coleta de dados simplificada: CDS – Versão 3.0. Brasília (DF): Ministério da Saúde.

Dantas R. C., & Roncalli A. G. (2019). Protocolo para indivíduos hipertensos assistidos na Atenção Básica em Saúde. Cien Saude Colet, 24(1), 295-306.

Garritano C. R., Junqueira F. H., Lorosa E. F., Fujimoto M. S., & Martins W. H. A. (2020). Avaliação do prontuário médico de um hospital universitário. Rev Bras Educ Med, 44(1).

Huque R., Nasreen S., Ahmed F., Hicks, J. P., Walley J., Newell J. N., & Elsey H. (2018). Integrating a diabetes and hypertension case management package within primary health care: a mixed methods feasibility study in Bangladesh. BMC Health Serv Res, 18(811).

Kessler M., Lima S. B., Weiller T. H., Lopes L. F. D., Ferraz L., Eberhardt T. D., Soares R. S. A., & Trindade L. L. (2019). Longitudinalidade do cuidado na atenção primária: avaliação na perspectiva dos usuários. Acta paulista de enfermagem, 32(2):186-193.

Lages S. R., Silva A. M., Silva D. P., Damas J. M., & Jesus M. A. (2017). O preconceito racial como determinante social da saúde: a invisibilidade da anemia falciforme. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 10(1), 109-122.

Morais J. D., Ribeiro K. S., & Paes N. A. (2019). Apoio social e satisfação de hipertensos com a atenção básica: construção de um índice sintético. Saúde em debate, 43(121), 477-488.

Moreira I. A. V., Resende A. V., Maia L. G., Judice M. G., Mota A. V. S., Ribeiro C. M., Pasieka C. R., & Silva J. R. M. (2021). Avaliação do acesso ao serviço prestado pela Atenção Primária de Saúde na Região de Saúde Sudoeste I do Estado de Goiás. Research, Society and Development, 10(4), e26910414111.

Moura F. M., & Vale A. R. (2019). Mercado de trabalho nos pequenos municípios e polarização regional: uma análise sobre Divisa Nova e Alfenas, no Sul/Sudoeste de Minas. Espaço em Revista, 20(2), 1-18.

Neves R. G., Duro S. M., & Muñiz J., Castro T. R., Facchini L. A., & Tomasi E. (2018). Estrutura das unidades básicas de saúde para atenção às pessoas com diabetes: Ciclos I e II do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade. Cad Saude Publica, 34(4).

Oliveira B. L., Cardoso L. F., Dominice R. O., Corrêa A. A. P., Fonseca A. E. C., Moreira J. P. L., & Luiz R. R. (2020). A influência da Estratégia Saúde da Família no uso de serviços de saúde por adultos hipertensos no Brasil. Rev Bras Epidemiol, 23 (e200006).

Oliveira C. R., Samico I. C., & Mendes M. F., Vargas I., & Vázquez M. L. (2019). Conhecimento e uso de mecanismos para articulação clínica entre níveis em duas redes de atenção à saúde de Pernambuco, Brasil. Cad Saude Publica, 35(4).

Oliveira M. M. (2007). Presença e extensão dos atributos da Atenção Primária à Saúde entre os serviços de Atenção Primária em Porto Alegre: uma análise agregada. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Oliveira M. M., Harzheim E., Riboldi J., & Duncan B. B. (2013). PCATool-ADULTO-BRASIL: uma versão reduzida. Revista brasileira de medicina de famí́lia e comunidade, 8(29), 256-263.

Oliveira M. R., Veras R. P., Cordeiro H. A. (2018). A importância da porta de entrada no sistema: o modelo integral de cuidado para o idoso. Physis, 28(4).

Paula C. C., Silva C. B., Tassinari T. T., & Padoin S. M. M. (2016). Fatores que interferem no acesso de primeiro contato na atenção primária à saúde: revisão integrativa. Revista de pesquisa, cuidado é fundamental, 8(1), 4056-4078.

Pierantoni C. R., Vianna C. M., França T., Magnago C., & Rodrigues M. P. S. (2015). Rotatividade da força de trabalho médica no Brasil. Saúde em debate, 39(106), 637-647.

Poças K. C., Perillo R. D., Bernal R. T., Maita D. C., & Duarte E. C. (2019). Primeira escolha para utilização de serviços de saúde pela população adulta do Distrito Federal, 2015: um inquérito de base populacional. Epidemiol Serv Saude, 28 (2).

Portela P. P., Mussi F. C., Gama G. G., & Santos C. A. S. T. (2016). Fatores associados ao descontrole da pressão arterial em homens. Acta paulista de enfermagem, 29(3), 307-315.

Protasio A. P., Gomes L. B., Machado L. S., & Valença A. M. G. (2017). Satisfação do usuário da Atenção Básica em Saúde por regiões do Brasil: 1º ciclo de avaliação externa do PMAQ-AB. Cien Saude Colet, 22(6), 1829-1844.

Pucci V. R., Halberstadt B. M. K., Bandeira D., Damaceno A. N., Gomes B. C. F., & Weiller T. H. (2020). Avaliação dos serviços de Atenção Primária à Saúde: estudo das tendências em teses brasileiras. Research, Society and Development, 9(9):1-28, e402997581.

Queiroz T. S., Rehen T. C., Stival M. M., Funghetto S. S., Lima L. R., Cardoso B. G., & Santos W. S. (2018). Como homens idosos cuidam de sua própria saúde na atenção básica?. Rev. Bras. Enferm., 71(1), 554-561.

Ribeiro C. R., Gomes R., & Moreira M. C. (2017). Encontros e desencontros entre a saúde do homem, a promoção da paternidade participativa e a saúde sexual e reprodutiva na atenção básica. Physis, 27(1), 41-60.

Salci M. A., Silva D. M., & Meirelles B.H. (2018). Avaliação no sistema de saúde brasileiro. Ciência, cuidado e saúde, 17(2).

Santos F. G., Mezzavila V. A., Rêgo A. S., Salci M. A., & Radovanovic C. A. T. (2019). Enfoque familiar e comunitário da Atenção Primária à Saúde a pessoas com hipertensão arterial. Saúde em debate, 43(121), 489-502.

Silva A. N., Silva S. A., Silva A. R., Araújo T. M. E., Rebouças C. B. A., & Nogueira L. T. (2018). A avaliação da atenção primária a saúde na perspectiva da população masculina. Rev. Bras. Enferm., 71(2), 236-243.

Silva P. M., Costa N. F., Barros D. R., Junior J. A., Silva J. R. L., & Brito T. S. (2019). Saúde mental na atenção básica: possibilidades e fragilidades do acolhimento. Revista Cuidarte, 10(1).

Sociedade Brasileira de Diabetes. (2019). Conduta terapêutica no diabetes tipo 2: algoritmo SBD 2019. Posicionamento oficial SBD nº 1 / 2019.

Souza Y. V., Gomes R. S., Sá B. V., Mattos R. M. P. R., & Pimentel D. M. M. (2020). Percepção de pacientes sobre sua relação com médicos. Revista bioética, 28(2), 332-343.

Starfield, B. (2002). Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde.

Published

30/05/2021

How to Cite

PINTO, G. dos R.; OLIVEIRA, T. M. de; FRAZÃO, R. M.; SANTOS, R. A. F. dos; NOGUEIRA, D. A.; SILVA, S. A. da; NASCIMENTO, M. C. do. Quality evaluation of Primary Health Care according to men in a municipality in Minas Gerais. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e31410615733, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15733. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15733. Acesso em: 18 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences