Analysis of anxiety and work stress in primary health care professionals

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15763

Keywords:

Worker´s health; Anxiety; Stress; Occupational stress; Primary health care.

Abstract

Objective: To analyze the level of anxiety and work stress in workers of the Basic Health Units of Caxias-MA. Methodology: This is an analytical, cross-sectional study with a quantitative approach. Seventy-one (71) workers answered the sociodemographic and occupational questionnaire, the anxiety scales, Trait-State Anxiety Inventory (STAI) and stress, Stress at Work Scale (TSE). The data from the methodological instruments were tabulated using the Office Excel version 2013 program, a database was created, and later, analyzed electronically by the SPSS 22.0 program for Windows. Results and discussion: The predominance of the average level of anxiety and stressful factors was evidenced, with the vigilant ones being the most anxious and stressed. Workers with more than one occupation have higher levels of anxiety. Regarding Neuromusculoskeletal Disorder (DNME), there is a predominance among the watchmen, however in all professions the existence of this disorder was observed, except receptionist. The results show that of the 21 workers with another occupation, 11 have DNME. Conclusion: It is necessary to develop a more careful look at the physical and mental health of workers such as strengthening social support at work, the importance of ergonomics, moments of team interaction, qualified listening, in addition to activities that can enrich and reorganize the process and workflow, together with the advice of management and supervisory bodies. Due to research limitations, the emergence of other studies on care for workers' health is of great importance.

Author Biographies

Pammela Weryka da Silva Santos, Universidade Federal do Piauí

Realizou seu Trabalho de Conclusão de Residência (TCR), o qual deu base para o artigo, desde o planejamento da pesquisa e coleta de dados a campo, bem como na análise dos dados, assim como
na redação do artigo.

Marisa Araujo Costa, Universidade Estadual do Maranhão

Orientadora do trabalho, apoiou no planejamento do estudo, orientou a
coleta de dados a campo e parte da análise de dados, bem como
redação do artigo.

Raydelane Grailea Silva Pinto, Universidade Federal do Piauí

Coorientadora, apoiou no planejamento da pesquisa e na coleta de dados a campo, bem
como na análise dos dados e redação do artigo.

kameny Santos Franco, Centro Universitário Santo Agostinho

Apoiou desde o planejamento da pesquisa e na coleta de dados a
campo, bem como na análise dos dados e redação do artigo.

Raquel Ferreira Coelho, Universidade Federal do Piauí

Participou da interpretação e análise dos dados obtidos
e redação do artigo.

Yasmine Maria Rodrigues dos Santos, Centro Universitário Santo Agostinho

Participou da interpretação e análise dos dados obtidos
e redação do artigo.

Ana Hélia de Lima Sardinha, Universidade Federal do Maranhão

Participou da interpretação e análise dos dados obtidos
e redação do artigo.

References

Almeida, D. L.M., Ribeiro, L. G., Montibeler, E. E., Domingues Junior, P. L. & Saldanha, J. A. V. (2017). Estudo sobre os níveis e fatores de estresse profissional: uma análise comparativa entre os setores público e privado. Revista do Congresso de Administração, Sociedade e Inovação. Petrópolis/RJ.

Almeida, D. M. (2015). Satisfação no trabalho e estresse ocupacional na perspectiva dos policiais militares do Estado do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Administração) -Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 148 bp.

Alves, M. G. M., Chor, D., Faerstein, E., Lopes, C. S. & Werneck, G. L. (2004). Short version of the “job stress scale”: a Portuguese-language adaptation. Rev Saúde Pública. 38(2), 164–71.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde, Brasília.

Brasil. Ministério da Saúde. (2018). Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde do trabalhador e da trabalhadora. Brasília: Ministério da Saúde, Cadernos de Atenção Básica, (41), 136p.

Brentini, L. C., Brentini, B. C., Araújo, E. C. S., Aros, A. C. S. P. C. & Aros, M. S. (2018). Transtorno de ansiedade generalizada no contexto clínico e social no âmbito da saúde mental. Rev. Nucleus. 15(1), abr.

Cardoso, A. C & Morgado, L. (2019). Trabalho e saúde do trabalhador no contexto atual: ensinamentos da Enquete Europeia sobre Condições de Trabalho. Saúde e Sociedade, 28(1), 169-181.

Carlos, M. A. (2017). Perfil, qualidade de vida, estresse laboral, abuso e dependência de álcool dos trabalhadores da estratégia saúde da família. Dissertação (Mestrado Profissional em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador) - Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia (PPGAT/UFU). Uberlândia.

Carlotto, M., Câmara, S., Batista, J., & Schneider, G. (2019). Prevalência de Afastamentos por Transtornos Mentais e do Comportamento Relacionados ao Trabalho em Professores. PSI UNISC, 3(1), 19-32.

Carneiro, C. D. A., Peixoto, S. S., & Albuquerque, L. C. de. (2021). Occupational stress in professionals of the oral health teams in the family health strategy. Research, Society and Development, 10(4), e17610414065.

Ciconato, A., Cacciar, P., Haddad, M. C. F. L., Rossaneis, M.A. & Birolim, M. M. (2016). Estado de saúde e perfil ocupacional dos trabalhadores readequados e readaptados de uma universidade pública. Revista de Saúde Pública do Paraná. 17(1), p:49-55.

Dosea, G. S., Oliveira, C. C. C. & Lima, S. O. (2016). Musculoskeletal symptomatology and quality of life of patients with work-related musculoskeletal disorders. Esc. Anna Nery. 20(4).

Fernandes, B. M. A., Chaves Neto, G., Araújo, P. R. S., Trajano, F. M. P. & Braga, J. E. F. (2018b). Ansiedade em técnicos de enfermagem da atenção básica. Rev. Electrón. Enferm., (51).

Fernandes, M. A., Ribeiro, H. K. P., Santos, J. D. M., Monteiro, C. F. S., Costa, R. S. & Soares, R. F. S. (2018). Prevalência de transtornos de ansiedade como causa de afastamento do trabalhador. Revista Brasileira de Enfermagem , 71 (Supl. 5), 2213-2220.

Fontes, A. P., Neri, A. L. & Yassuda, M. S. (2010). Enfrentamento de estresse no trabalho: relações entre idade, experiência, autoeficácia e agência. Psicol. cienc. prof. 30(3), p:620-33.

Godinho, M. R., Ferreira, A. P., Greco, R. M., Teixeira, L. R. & Teixeira, M. T. B. (2016). Capacidade para o trabalho e saúde dos vigilantes de uma Universidade pública. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 24, p:e2725.

Haeffneri, R., Kalinkeii, L. P., Felliiii, V. E. A.,Mantovaniii, M. F.,Consonniiv, V. D. & Sarquisii, L. M. M. (2018). Absenteísmo por distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores do Brasil: milhares de dias de trabalho perdidos. Rev Bras Epidemiol. 21.

Kaipper, M. B. (2008). Avaliação do Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE) através da análise de Rasch. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Laux, R. C., Hoff, K., Antes, D. L., Cviatkovski, A. & Corazza, S. T. (2018). Efeito de um Programa de Exercício Físico no Ambiente de Trabalho Sobre a Ansiedade. Rev. Cienc. Trab., 20(62), mai./ago.

Leão, A. M., Gomes, I. P., Ferreira, M. J. M., & Cavalcanti, L. P. G. (2018). Prevalência e Fatores Associados à Depressão e Ansiedade entre Estudantes Universitários da Área da Saúde de um Grande Centro Urbano do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, 42(4), 55-65.

Leite, P. C., Silva, A. & Merighl, M. A. B. (2007). A mulher trabalhadora de Enfermagem e os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Ver. Esc. Enferm. 41(2), p: 287-91.

Morin, E., Tonelli, M. J. & Pliopas, A. L. V. (2007). O trabalho e seus sentidos. Psicol Soc. 19, 47-56.

Oliveira, M. M. C. (2007). Presença e extensão dos atributos da Atenção Primária à Saúde entre os serviços de Atenção Primária em Porto Alegre: uma análise agregada. Dissertação - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Pereira-jorge, I. M., Espíndola, T. K., Varella, P. B.,Raymundo, T. M. & Bernardo, L. D. (2018). Identificação do estresse em trabalhadores do período noturno Identification of stress among night shift workers. Rev. Fac. Med. 66(3), 327-33.

Pie, A. C. S., Fernandes, R. C. P., Carvalho, F. M., & Porto, L. A. (2020). Fatores associados ao presenteísmo em trabalhadores da indústria. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 45, e13. Epub April 03, 2020.

Ribeiro, R. P., Marziale, M. H. P., Martins, J. T., Ribeiro, P. H. V., Robazzi, M. L. C. C. & Dalmas, J. C. (2015). Prevalência da Síndrome Metabólica em trabalhadores de enfermagem e sua associação com estresse ocupacional, ansiedade e depressão. Revista Latino-Americana de Enfermagem , 23 (3), 435-440. Epub em 03 de julho de 2015.

Rocha, S. R.A., Mendes, A. M. & Morrone, C. F. (2012). Sofrimento, Distúrbios osteomoleculares e Depressão no contesto de trabalho. Estudos e Pesquisa em Psicologia. 12(2), 379-394.

Souza, M. A. & Stancato, K. (2010). Avaliação da Qualidade de Vida de Profissionais de Saúde em Campinas. Rev Adm Saúde. 12(49), 154-162.

Published

29/05/2021

How to Cite

SANTOS, P. W. da S.; COSTA, M. A.; PINTO, R. G. S.; FRANCO, kameny S.; COELHO, R. F. .; SANTOS, Y. M. R. dos; SARDINHA, A. H. de L. . Analysis of anxiety and work stress in primary health care professionals. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e26210615763, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15763. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15763. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences