Intersectoriality and the paths of dehospitalization in a SUS unit

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15876

Keywords:

Intersectoral collaboration; Right to health; Right to health care.

Abstract

This article discusses how networking is constituted in the dehospitalization process. It usually involves users with some condition of dependence due to chronic issues that are evident when associated with social expressions. The study methodology was based on qualitative nature, in which participant observation was used together with semi-structured interviews with the dehospitalization sector of a public hospital located in the city of Rio de Janeiro. The findings show that the networking encompasses both internal and external articulations, having as its main challenges the precariousness of public policies, the personal relations and the difficulties of communication among teams. We conclude that there is a need to think about dehospitalization from the perspective of public policies and that ensure care as a right.

Author Biographies

Nilza Rogéria de Andrade Nunes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Assistente Social. Doutora em Serviço Social (PUC-Rio). Professora de do Departamento de Serviço Social da PUC-Rio. Professora Adjunta do Departamento de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Endereço: R. Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro – RJ. CEP: 22451-900. Email: n.rogerianunes@gmail.com 

Mariana Setúbal Nassar de Carvalho, Instituto Fernandes Figueira; Fiocruz

Assistente Social. Doutorado em Serviço Social pela UFRJ (2011).  Tecnologista em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) no cargo de Assistente Social, atuando nos âmbitos da Assistência, Ensino, Pesquisa e Gestão. Av. Rui Barbosa, 716 - Flamengo - 22295-900 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil
E-mail: msnassar@gmail.com

References

Akerman, M., Franco de Sá, R., Moyses, S., Rezende, R., & Rocha, D. (2014). Intersetorialidade? IntersetorialidadeS! Ciência & Saúde Coletiva, 19(11), 4291–4300. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.10692014

Avelar, M.R. & Malfitano, A.P.S. Entre o suporte e o controle: a articulação intersetorial de redes de serviços. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2018, vol. 23, no. 10.

Behring, E. R., & Boschetti, I. (2011). Política social: Fundamentos e história. Cortez.

Bravo, Maria Ines Souza. (2006). Políticas de Saúde no Brasil. In MOTA, Ana Elizabete. [El al], (orgs). Serviço Social e Saúde – Formação e Trabalho Profissional (p. 88–100).

Bravo, Maria Inês Souza. (2013). Prefácio. In SILVA, L. B.; RAMOS, A (Org). Serviço Social, Saúde e Questões Contemporâneas: Reflexões Críticas Sobre a Prática Profissional.

Bravo, Maria Ines Souza, Pelaez, E. J., & Pinheiro, W. N. (2018). As contrarreformas na política de saúde do governo Temer. Argumentum, 10(1), 6–23. https://doi.org/10.18315/argumentum.v10i1.19139

Carmo, M. E. do, & Guizardi, F. L. (2017). Desafios da intersetorialidade nas políticas públicas de saúde e assistência social: Uma revisão do estado da arte. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27(4), 1265–1286. https://doi.org/10.1590/s0103-73312017000400021

Carvalho, M. S. N. de. (2019). Desospitalização de crianças com condições crônicas complexas: Perspectivas e desafios (L. A. de M. Menezes, A. D. da C. Filho, & C. M. de P. Maciel, Orgs.; 1o ed). Editora Valentina.

Castro, M. M. C., Oliveira, A. S. O., & Resende, L. T. ([s.d.]). Humanização em saúde e Serviço Social: Estado da arte, reflexões e desafios. In FORTI, V.; GUERRA, Y. (orgs.). Serviço Social e Política de Saúde – Ensaios sobre trabalho e formação profissionais. Lumen Juris.

Cecílio, L. C. de O. (2001). As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In Pinheiro R, Mattos R. A. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. UERJ.

Cecílio, L. C. de O., & Merhy, E. E. (2007). A Integralidade do Cuidado como Eixo da Gestão Hospitalar. In Pinheiro, R; Mattos, R. A. (orgs) Construção da Integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. UERJ, IMS: ABRASCO.

Cislaghi, J. F. (2018). Privatização da gestão na saúde e precarização do trabalho no Brasil. In Ramos, A.; Silva, L.B.; Paula, L.G.P. (orgs). Serviço Social e Política de Saúde – ensaios sobre trabalho e formação profissionais. Lumen Juris.

Costa, M. D. H. da. (2010). Serviço social e intersetorialidade: A contribuição dos assistentes sociais para a construção da intersetorialidade no cotidiano do Sistema Único de Saúde [Dotourado]. UFPE.

Cunha, M. A. O., & Morais, H. M. M. de. (2007). A assistência domiciliar privada em saúde e suas estratégias (aparentes e ocultas). Ciência & Saúde Coletiva, 12(6), 1651–1660. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000600026

Dighiero, K. B. (2015). Las políticas y el cuidado en América Latina Una mirada a las experiencias regionales. CEPAL.

Ervatti, L., Borges, G. M., Jardim, A. de P., & Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Orgs.). (2015). Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: Subsídios para as projeções da população. IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

ESCOREL, S. Equidade em saúde. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. Dicionário da educação profissional em saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: Escola Politécnica em Saúde Joaquim Venâncio, 2009. Disponível em: < http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/equsau.html>.

Franco, C. M., Santos, S. A., & Salgado, M. F. (2011). Manual do Gerente: Desafios da média gerência na saúde (L. R. Pessôa, E. H. de A. Santos, & K. R. B. de O. Torres, Orgs.). ENSP.

Guará, I. M. F. R. G., & Gonçalves, A. S. (2010). Redes de proteção social na comunidade. In Guará I. M. F. R. (org). Redes de proteção social. Associação Fazendo História.

Junqueira, L. A. P. (2000). Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Revista de Administração Pública, 34(6): 35-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mudança Demográfica no Brasil no Início do Século XXI: subsídios para as projeções da população. 2015.

Leite, R.F.B., & Veloso, T.M.G. Psicologia Ciência e Profissão, 2008, 28 (2), 374-389

Malta, D.C; Goshi, C. S; Buss, P; Rocha D.G.; Rezende, R; Freitas, P. C;Akerman, M. Doenças Crônicas Não Transmissíveis e o suporte das ações intersetoriais no seu enfrentamento. Ciência & Saúde Coletiva,19(11):4341-4350, 2014.

Marcondes, M. M. (2013). A corresponsabilização do estado pelo cuidado: Uma análise sobre a Política de Creches do PAC-2 na perspectiva da divisão sexual do trabalho [Dissertação de mestrado].

Martinho, C. (2003). Redes: Uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. WWF-Brasil.

Matos, M.C. Serviço Social Ética e Saúde – reflexões para o exercício profissional. 2ed São Paulo: Cortez, 2017.

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: O imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. OPAS.

PORTARIA No 3.390, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013, (2016). Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), estabelecendo- se as diretrizes para a organização do componente hospitalar da Rede de Atenção à Saúde (RAS). http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt3390_30_12_2013.html

Mioto, R. C. (2010). Família, trabalho com famílias e Serviço Social. Serviço Social em Revista, 12(2), 163. https://doi.org/10.5433/1679-4842.2010v12n2p163

Minayo, M.C.S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. DESLANDES, SF et. al (orgs). 21 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

Monnerat, G. L., & Souza, R. G. (2014). Intersetorialidade e Políticas Sociais: Um diálogo com a literatura atual. In MONNERAT, G.L. (orgs) A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Papel Social.

Moreira, M. E. L., & Goldani, M. Z. (2010). A criança é o pai do homem: Novos desafios para a área de saúde da criança. Ciência & Saúde Coletiva, 15(2), 321–327. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000200002

Netto, J. P. (1992). Capitalismo Monopolista e Serviço Social. Cortez Editora e Livraria Ltda. http://public.eblib.com/choice/PublicFullRecord.aspx?p=6432564

Nogueira, A.C & Monteiro, M.V. A família e a atenção em saúde: proteção, participação ou responsabilização? In: SILVA, Letícia Batista; RAMOS, Adriana (Org.). Serviço social, Saúde e questões contemporâneas: reflexões críticas sobre a prática profissional. Campinas, SP: Papel Social, 2014.

Nunes, N. R. de A., Rocha, D. G., & Fernandes, F. L. (2019). O Direito a Saúde em Tempos de Austeridade: Limites, desafios e possibilidades. O Social em Questão, 44, 09–20.

Otávio Cruz Neto. (2002). O trabalho de campo como descoberta e criação. In In: DESLANDES, SF et. Al (orgs). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. Vozes.

Organização Mundial da Saúde. (1946). Constituição da Organização Mundial da Saúde.

OXFAM Brasil. (2018). País estagnado: Um retrato das desigualdades brasileiras.

Passos, R. G. (2018). Teorias e Filosofias do Cuidado – subsídios para o Serviço Social. Papel Social.

Passos, R. G. (2018). “Entre o assistir e o cuidar”: Tendências teóricas no Serviço Social brasileiro. Revista Em Pauta, 15(40), 247–260. https://doi.org/10.12957/rep.2017.32725

Rocha, P. R. da, & David, H. M. S. L. (2015). Determinação ou Determinantes? Uma discussão com base na Teoria da Produção Social da Saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(1), 129–135. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000100017

Rocha, L. T. (2016). Hospital não, pelo amor: Etnografando processos de desospitalização. Instituto de Medicina Social –UERJ.

Silva, K. L., Sena, R. R. de, & Castro, W. S. (2018). A desospitalização em um hospital público geral de Minas Gerais: Desafios e possibilidades. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(4). https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.67762

Desospitalização: sistema de saúde está refém dos hospitais de alta complexidade, indicados apenas para o tratamento de doenças agudas. (2018). Visão Saúde, 7.

Soares, L. T. (2000). As atuais políticas de saúde: Os riscos do desmonte neoliberal. Revista Brasileira de Enfermagem, 53(spe), 17–24. https://doi.org/10.1590/S0034-71672000000700003

Vasconcelos, A. M. de. (2017). A/O Assistente Social na luta de classes: Projeto profissional e mediações teórico-práticas. Cortez. http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&scope=site&db=nlebk&db=nlabk&AN=2244614

Vecina Neto, G., & Malik, A. M. (2007). Tendências na assistência hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva, 12(4), 825–839. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000400002

Vieira, F. S., & Benevides, R. P. de S. (2016). Os Impactos do novo regime fiscal para o financiamento do Sistema Único de Saúde e para a efetivação do direito à saúde no Brasil (Nota Técnica No 28). IPEA.

Wiese, M. L., Dal Prá, K. R., & Mioto, R. C. T. (2017). O cuidado como direito social e como questão de política pública. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress.

World Health Organization (Org.). (2002). Innovative care for chronic conditions: Building blocks for action: global report. World Health Organization.

Yazbek, M. C. (2014). Sistemas de proteção social, Intersetorialidade e Integração de Políticas Sociais. In In: MONNERAT, G. L. (orgs). A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Papel Social.

Published

30/05/2021

How to Cite

BIANCO, I. G. dos S. .; NUNES, N. R. de A. .; CARVALHO, M. S. N. de . Intersectoriality and the paths of dehospitalization in a SUS unit. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e27710615876, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15876. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15876. Acesso em: 26 jul. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences