Temporal analysis of medical and dental health plans in Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15888

Keywords:

Supplemental health; Health services; Prepaid health plans.

Abstract

Medical and dental health plans present a significant expansion in Brazil, so it becomes necessary to analyze the characteristics of this type of service provision, as part of a health care model. The objective of this study was to carry out a descriptive analysis of the medical and dental health plan operators in Brazil and the characteristics of their beneficiaries in the period from 2009 to 2019.This is a research conducted through a descriptive analysis of data provided by ANS online registration platform. The following variables were analyzed from 2009 to 2019: number of operators and modalities, age group, type of plan and gender of beneficiaries. In 2009 there were 1498 health insurance operators and in 2019, there were 1022. As for beneficiaries, there were 55 million beneficiaries in 2009 and in 2019 72 million were verified, with a predominance of 53% females aged 34 to 38 years and collective corporate mode, for both medical and dental care coverage. It was concluded that there was a significant growth in the number of beneficiaries of health plans, however there was a decrease in the number of operators from 2009 to 2019.

Author Biographies

Suzely Adas Saliba Moimaz, Universidade Estadual Paulista

Vice Coordenadora do departamento de Saúde Coletiva em Odontologia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba- Unesp : Prof.ª Titular Suzely Adas Saliba Moimaz

Julio Martinez Alves Oliveira, Universidade Estadual Paulista

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva em Odontologia, Departamento de Odontologia Preventiva e Restauradora.

Clea Adas Saliba Garbin, Universidade Estadual Paulista

Professora Titular do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva em Odontologia , Departamento de Odontologia Preventiva e Restauradora.

Tânia Adas Saliba, Universidade Estadual Paulista

Coordenadora do Departamento de Saúde coletiva em Odontologia da Faculdade de Odontologia de Araçatuba/Unesp :Prof.ª Associada Dra. Tânia Adas Saliba

References

Agência Nacional de Saúde Suplementar (2019). Quem somos. http://www.ans.gov.br/aans/quem-somos

Albuquerque, C., Piovesan, M. F., Santos, I. S., Martins, A. C. M., Fonseca, A. L., & Sasson, D. (2008). A situação atual do mercado da saúde suplementar no Brasil e apontamentos para o futuro. Ciência & Saúde Coletiva, 13(5), 1421-1430. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000500008

Almeida, A. (2009). Newsletter Abramge http://www.abramge.com.br/imagens/banco/file/Clippings/InvestNews%20-%2006_02.pdf

Alves, N. C. C., Feitosa, K. M. A., Mendes, M. E. S., & Caminha, M. F. C. (2018). Complicações na gestação em mulheres com idade maior ou igual a 35 anos. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(4), e2017-0042. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.2017-0042

Andrade, E. I. G., Freitas, R. M., Cherchiglia, M. L., & Lana, F. C. F. (2009). Análise dos modelos assistenciais praticados pelas operadoras de planos de saúde em Minas Gerais. In R. C. Pereira, R. M. Silvestre (Orgs.), Regulação e modelos assistenciais em saúde suplementar: produção cientifica da Rede de Centros Colaboradores da ANS – 2006/2008 (pp. 87-118). Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Antunes, J. L. F., & Narvai, P. C. (2010). Políticas de saúde bucal no Brasil e seu impacto sobre as desigualdades em saúde. Revista de Saúde Pública, 44(2), 360-365. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010005000002

Barbosa, C. J. L. (2014). Saúde do homem na atenção primária: mudanças necessárias no modelo de atenção. Revista Saúde e Desenvolvimento, 6(3), 99-114.

Barros, M. E. D., Lopes, G. C. F. R., Souza, M. R., Tamaki, E. M., & Teixeira, L. S. (2009). Mercado de saúde suplementar na região Centro- Oeste. In R. C. Pereira, R. M. Silvestre (Orgs.), Regulação e modelos assistenciais em saúde suplementar: produção cientifica da Rede de Centros Colaboradores da ANS – 2006/2008 (pp. 43-86). Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Brasil (1990). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Brasil (1998). Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998. Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9656.htm

Cecílio, L. C. O., Aciole, G. G., Meneses, C. S., & Iriart, C. B. (2005). A microrregulação praticada pelas operadoras investigadas. In: Brasil. Duas faces da mesma moeda: microrregulação e modelos assistenciais na saúde suplementar (pp. 75-140). Rio de Janeiro: Ministério da Saúde.

Chaves, S. C. L., Cruz, D. N., Barros, S. G., & Figueiredo, A. C. L. (2011). Avaliação da oferta e utilização de especialidades odontológicas em serviços públicos de atenção secundária na Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 27(1), 143-154. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000100015

Costa, J. P. (2013). A reforma Obama e o sistema de saúde dos EUA. Arquivos de Medicina, 27(4), 158-167.

Figueira, M. C. S., Silva, W. P., & Silva, E. M. (2018). Acesso aos serviços da Atenção Primária em Saúde: revisão integrativa da literatura. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(3), 1178-1188. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0441

Garcia-Subirats, I., Vargas, I., Mogollón-Pérez, A. S., De Paepe, P., Silva, M. R., Unger, J. P., Borrell, C., & Vázquez, M. L. (2014). Inequities in access to health care in different health systems: a study in municipalities of central Colombia and north-eastern Brazil. International Journal for Equity in Health, 13, 10. https://doi.org/10.1186/1475-9276-13-10

IBGE aponta que 71,5% da população brasileira depende do SUS (2020). http://atarde.uol.com.br/saude/noticias/2137933-ibge-aponta-que-715-da-populacao-brasileira-depende-do-sus#:~:text=O%20Instituto%20Brasileiro%20de%20Geografia,havia%20chegado%20ainda%20no%20pa%C3%ADs

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2007). http://www.ibge.com.br/home/estatistica/populacao/contagem2007/contagem_final/tabela1_1.pdf

Lo, E. C., Lin, H. C., Wang, Z. J., Wong, M. C., & Schwarz, E. (2001). Utilization of dental services in Southern China. Journal of dental research, 80(5), 1471–1474. https://doi.org/10.1177/00220345010800051701

Malta, D. C., Cecílio, L. C. O., Merhy, E. E., Franco, T. B., Jorge, A. O., & Costa, M. A. (2004). Perspectivas da regulação na saúde suplementar diante dos modelos assistenciais. Ciência & Saúde Coletiva, 9(2), 433-444. https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000200019

Manski, R. J., Moeller, J. F., & Chen, H. (2014). Dental care coverage and use: modeling limitations and opportunities. American Journal of Public Health, 104(2), e80–e87. https://doi.org/10.2105/AJPH.2013.301693

Mendes, H. J. (2005). A relação entre cirurgiões-dentistas e as operadoras de planos de saúde no município de Bauru-SP (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo, Bauru.

Moimaz, S. A. S., Marques, J. A. M., Saliba, O., Garbin, C. A. S., Zina, L. G., & Saliba, N. A. (2010). Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 20(4), 1419-1440. https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000400019

Moraes, J. R., Moreira, J. P. L., & Luiz, R. R. (2011). Associação entre o estado de saúde autorreferido de adul - tos e a área de localização do domicílio: uma análise de regressão logística ordinal usando a PNAD 2008. Ciência & Saúde Coletiva, 16(9), 3769-3780. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000013

Morris, A. J., & Burke, F. J. (2001). Primary and secondary dental care: how ideal is the interface?. British dental journal, 191(12), 666–670. https://doi.org/10.1038/sj.bdj.4801263

Nuttall, N. M., Steed, M. S., & Donachie, M. A. (2002). Referral for secondary restorative dental care in rural and urban areas of Scotland: findings from the Highlands Et Islands Teledentistry Project. British Dental Journal, 192(4), 224–228. https://doi.org/10.1038/sj.bdj.4801339

Oliveira, A. P. C., Gabriel, M., Poz, M. R. D., & Dussault, G. (2017). Desafios para assegurar a disponibilidade e acessibilidade à assistência médica no Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22(4), 1165-1180. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.31382016

Pereira A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Porto, S. M., Ugá, M. A., & Moreira, R. S. (2011). Uma análise da utilização de serviços de saúde por sistema de financiamento: Brasil 1998-2008. Ciência & Saúde Coletiva; 16(9), 3795-3806. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000015

Scott, G., Brodeur, J. M., Olivier, M., & Benigeri, M. (2002). Parental factors associated with regular use of dental services by second-year secondary school students in Quebec. Journal Canadian Dental Association, 68(10), 604–608.

Teusner, D. N., Brennan, D. S., & Spencer, A. J. (2015). Associations between level of private dental insurance cover and favourable dental visiting by household income. Australian Dental Journal, 60(4), 479–489. https://doi.org/10.1111/adj.12268

Traverso-Yépez, M., & Morais, N. A. (2004). Reivindicando a subjetividade dos usuários da Rede Básica de Saúde: para uma humanização fazer atendimento. Cadernos de Saúde Pública, 20(1):80-88. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000100022

Vieira Junior, W., & Martins, M. (2015). Idosos e planos de saúde no Brasil: análise das reclamações recebidas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar. Ciência & Saúde Coletiva, 20(12), 3817-3826. https://doi.org/10.1590/1413-812320152012.11082014

Yamamoto, T. S., Machado, M. T. C., & Silva Junior, A. G. (2015). Educação permanente em saúde como prática avaliativa amistosa à integralidade em Teresópolis, Rio de Janeiro. Trabalho, Educação e Saúde, 13(3), 617-637. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00058

Zanetti, C. H. G. (1999). A crise da odontologia brasileira: as mudanças estruturais do mercado de serviços e o esgotamento do modo de regulação curativo de massa. Revista Ação Coletiva, 2(3), 11–24.

Ziroldo, R. R., Gimenes, R. O., & Castelo Jr, C. (2013). A importância da saúde suplementar na demanda da prestação dos serviços assistenciais no Brasil. Mundo Saúde, 37(2), 216-221.

Published

09/06/2021

How to Cite

MOIMAZ, S. A. S. .; OLIVEIRA, J. M. A. .; BOTAN, G. H. R. .; GARBIN, C. A. S. .; SALIBA, T. A. . Temporal analysis of medical and dental health plans in Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e56110615888, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15888. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15888. Acesso em: 23 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences