The perception of puerperal about obstetric violence in the parturition period: An integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16017

Keywords:

Nursing; Women's Health; Obstetrics; Violence.

Abstract

Objective: Identify and analyze the Brazilian scientific knowledge produced on the perceptions of the puerperal women regarding institutional obstetric violence in the parturitive period. Method: This is an integrative review. For the selection of articles, the following databases were used: LILACS, MEDLINE, SCIELO and BDENF. Results: Seven articles were selected, from which three categories emerged: Violence of a psychological nature: its modes and repercussions, Violence of a physical character and unnecessary procedures and institutional violence and the violation of women's rights. Conclusion: Sensitization of health professionals and institutions regarding the importance of humanizing childbirth and birth.

References

Biscegli, T. S., Grio, J. M., Melles, L. C., Ribeiro, S. R. M. I., & Gonsaga, R. A. T. (2015). Violência Obstétrica: Perfil Assistencial de uma Maternidade Escola do Interior do Estado de São Paulo. Cuidart Enfermagem, 9(1):18-25.

Brasil. (2007). Lei nº 11.634, de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e a vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do SUS. Diário Oficial da União 27 dez 2007.

Brasil. (2019). Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Balanço anual: Ligue 180 recebe mais de 92 mil denúncias de violações contra mulheres. Brasília: Distrito Federal. https://www.mdh.gov.br/todas-as-noticias/2019/agosto/balanco-anual-ligue-180-recebe-mais-de-92-mil-denuncias-de-violacoes-contra-mulheres

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Conheça a Rede Cegonha. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/rede_cegonha.pdf

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Universidade Federal do Ceará. Humanização do parto e do nascimento. Ministério da Saúde.

Bohren, M., Hunter, E. C., Munther-Kaas, H. M., Souza, J. P., Vogel, J. P., & Gulmezoglu, A. M. (2014). Facilitators and barriers to facility-based delivery in low- and middle-income countries: A systematic review of qualitative evidence. Reprod Health, 11(1): 1-17.

Cielo, C., Carvalho, C., Kondo, K., Delage, D., Niy, D., Werner, L., & Santos, S. K. (2012). Violência Obstétrica “Parirás com dor”. Brasília: Senado Federal. https://www.senado.gov.br/comissoes/documentos/SSCEPI/DOC%20VCM%20367.pdf

Ferreira, A. G. N., et al. (2013). Humanização do parto e nascimento: acolher a parturiente na perspectiva dialógica de Paulo Freire. Rev Enferm UFPE On Line, 7(5):1398-405.

Fiocruz. (2021). Os Direitos da Mulher. http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/direitodasmulheres.htm

Guimarães, L. B. E, Jonas, E., & Amaral, L. R. O. G. (2018). Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins. Revista Estudos Feministas, 26(1): e43278.

Maia, J. S., Sant’anna, G. S., & Menegossi, F. S. (2018). A Mulher Diante da Violência Obstétrica: Consequências Psicossociais. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 7(3): 54-68.

Martins, F. L., et al. (2019). Violência Obstétrica: Uma expressão nova para um problema histórico. Revista Saúde em Foco, s/v(11): 413-423.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão Integrativa: Método de Pesquisa para a Incorporação de Evidências na Saúde e na Enfermagem. Texto Contexto Enferm., 17(4): 758-64.

Moura, R. C. M., et al. Cuidados de Enfermagem na Prevenção da Violência Obstétrica. Enferm. Foco, 9 (4): 60-65.

Monguilhott, J. J. C., Bruggemann, O. M., Freitas, P. F., & D’orsi, E. (2018). Nascer no Brasil: a presença do acompanhante favorece a aplicação das boas práticas na atenção ao parto na região Sul. Rev Saude Publica, 52(1): 1-11.

Nascimento, L. C., Santos, K. F. O., Andrade, C. G., Costa, I. C. P., & Brito, F. M. (2017). Relato de Puérperas Acerca da Violência Obstétrica nos Serviços Públicos. Rev Enferm UFPE On Line, 11(5): 2014-23.

Oliveira, L. G. S. M. & Albuquerque, A. (2018). Violência obstétrica e direitos humanos dos pacientes. Revista CEJ, s/v(75): 36-50.

Oliveira, M. C., & Merces, M. C. (2017). Percepções sobre Violências Obstétricas na Ótica de Puérperas. Rev Enferm UFPE On Line, 11(6): 2483-9.

Oliveira, T. R., Costa, R. E. O. L., Monte, N. L., et al. (2017). Percepção das mulheres sobre violência obstétrica. Rev Enferm UFPE On Line, 11(1):40-6.

Organização Mundial da Saúde. (2014). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/134588/3/WHO_RHR_14.23_por.pdf

Possati, A. B., Prates, L. A., Cremonese, L., Scarton, J., Alves, C. N., & Ressel, L. B. (2017). Humanização do Parto: Significados e Percepções de Enfermeiras. Esc Anna Nery, 21(4):1-6.

Rodrigues, D. P., et al. (2017). O descumprimento da lei do acompanhante como agravo à saúde obstétrica. Texto Contexto Enferm, 26(3): e5570015.

Rodrigues, F. A. C., Lira, S. V. G., Magalhães, P. H., Freitas, A. L. V., Mitros, V. M. S., & Almeida, A. P. C. (2017). Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à Rede Cegonha. Reprod Clim., 32(2):78-84.

Sá, A. M. P., Alves, V. H., Rodrigues, D. P., Branco, M. R. B. L., Paula, E., & Marchiori, G. R. S. (2017). O Direito ao Acesso e Acompanhamento ao Parto e Nascimento: A Ótica das Mulheres. Rev Enferm UFPE On Line, 11(7):2683-90.

Santos, R. C. S., & Souza, N. F. (2015). Violência institucional obstétrica no Brasil: revisão sistemática. Estação Científica UNIFAP, 5(1):57-68.

Sauaia, A. S. S., & Serra, M. C. M. (2016). Uma dor além do parto: violência obstétrica em foco. Revista de Direitos Humanos e Efetividade, 2(1): 128-147.

Silva, R. L. V., Lucena, K. D. T., Deininger, L. S. C., et al. (2016). Violência Obstétrica Sob o Olhar das Usuárias. Rev Enferm UFPE On Line, 10(12):4474-80.

Sipião, J. P., & Vital, B. V. S. C. (2015). Violência Obstétrica: O Silêncio das Inocentes. Anais do VIII Encontro de Pesquisa e Extensão da Faculdade Luciano Feijão. https://flucianofeijao.com.br/novo/wp-content/uploads/2016/11/VIOLENCIA_OBSTETRICA_O_SILENCIO_DAS_INOCENTES.pdf.

Vieira D. R., & Apolinário, J. A. (2017). A violência obstétrica na compreensão de mulheres usuárias da rede pública de saúde do município de Lins. São Paulo. Monografia (Graduação em Psicologia). Unisalesiano. http://www.unisalesiano.edu.br/biblioteca/monografias/61050.pdf

Zanatta, E., Pereira, C. R. R., & Alves, A. P. (2017). A experiência da maternidade pela primeira vez: as mudanças vivenciadas no tornar-se mãe. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 12(3): e1113.

Published

09/06/2021

How to Cite

CALVÃO, T. F. .; VIEIRA, B. D. G.; ALVES, V. H. .; VIDAL, A. P.; QUEIROZ, A. B. A. .; SANTOS, M. V. dos .; RANGEL, G. C. R. . The perception of puerperal about obstetric violence in the parturition period: An integrative review . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e56710616017, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.16017. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16017. Acesso em: 20 jun. 2021.

Issue

Section

Review Article