Research on Science/Biology in museums: An analysis of a decade in scientific journals

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16026

Keywords:

Non-formal education; Museum spaces; State of art.

Abstract

Museums are important spaces that stimulate reflection, creativity and help in the process of knowledge construction and teaching-learning for teachers, students and the community. The objective of this work was to carry out a state of the art of scientific articles from 2011 to 2020, in relevant journals, with the theme of science and biology in Brazilian museums, through a bibliographic documentary analysis. The journals analyzed have qualis A1 and A2 in the area of Teaching and Education and they were chosen based on the Platform Sucupira of the Coordination for the Improvement of Higher Education Personnel - Capes. Forty-six articles were found and from their analysis, it was observed that the main theme found was museums with areas of natural/general sciences, with the largest number of works in the Museum of Astronomy and Related Sciences and Espaço Ciência Viva Museum, being the Southeast region predominant with the states of Rio de Janeiro and São Paulo. The main target audience of the research was museum staff and elementary school teachers, and qualitative analysis was the most used approach. The results found reveal few works developed about science/biology in museums in Brazil, but that the existing works demonstrate diversification regarding museum spaces, methodological tools for obtaining data and target audience, and reinforce the importance of museums as places of democratization of science.

Author Biographies

Marcos Adelino Almeida Filho, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Especialista em Planejamento e Gestão Ambiental (2019) e Graduado em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas (2018) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Membro do Laboratório de Ecologia e Comportamento Animal (LECA/UFERSA). Membro do Grupo de Discussão em Herpetologia (GDH/UECE). Teve experiências com: conservação, gestão de pessoas e de projetos na ONG Instituto Verdeluz; Empresa Júnior; Consultoria Ambiental; além de pesquisas científicas nas áreas de Entomologia, Microbiologia e Herpetologia. Tem interesse em: Educação Ambiental; Eventos Científicos; Bioempreendedorismo; Gestão Ambiental; Ecoturismo; Consultoria Ambiental; Ecologia, Conservação e Comportamento da Herpetofauna.

Francisca Helenita Oliveira Silva, Universidade Estatual do Ceará

Bióloga pela Universidade Estadual do Ceará. Técnica em Meio Ambiente pelo SENAI. Interesse em pesquisa e ensino nas áreas de Ecologia, Recursos Hídricos, Saúde Coletiva, Educação e Divulgação Científica. Atualmente é professora de Ciências da rede pública municipal.

Mariny Oliveira Arruda, Universidade Estatual do Ceará

Graduanda em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Mariany Oliveira Arruda, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2018.2). Atualmente é bolsista de Iniciação Científica no Laboratório de Invertebrados Marinhos do Ceará - LIMCe, onde desenvolve pesquisas na área de Zoologia dos Invertebrados, estudando principalmente a taxonomia e a ecologia de esponjas marinhas, além de atuar na curadoria da coleção científica de Porifera. É estagiária voluntária da área de Porifera do Museu de História Natural Professor Dias da Rocha.

Roselita Maria de Souza Mendes, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Ceará (1985), mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (1991) e doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (2003). Professora Associado da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Botânica Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: composição florística, banco de sementes, germinação, sistemática vegetal e ensino de botânica. Coordenadora do Laboratório de Botânica/CCS/UECE. Membro da Comissão Coordenadora de Concurso Docente (CCCD) da UECE. Coordenadora de Tutoria do curso de Licenciatura a distância em Ciências Biológicas UECE/UAB-MEC do Centro de Ciências da Saúde.

Lydia Dayanne Maia Pantoja, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Engenharia Civil (área de concentração em Saneamento Ambiental) pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2016); Mestre em Microbiologia Médica pela Universidade Federal do Ceará (2008) e graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (Bacharel - 2007 e Licenciatura - 2006). Atua como Professora Assistente Nível D da Universidade Estadual do Ceará. Docente do Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional ? PROFBIO. Coordena a Pesquisa do Curso de Ciências Biológicas a distância - UECE/UAB. É coordenadora de área do Curso Pré-Universitário UECEVest - Biologia. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Ambiental e Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: aerobiologia, taxonomia fúngica, fungos anemófilos e compostos orgânicos voláteis microbianos. Bem como, desenvolve trabalhos na área de pesquisa em educação a distância e formação de professores.

Eliseu Marlônio Pereira de Lucena, Universidade Estadual do Ceará

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Ceará (1993), Mestre em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1995), Doutor em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (2006) e Pós-Doutor em Botânica Aplicada (Plantas Bioativas e Bioprocessos) pela Texas A&M University (2014). Foi Professor Visitante da Universidade Regional do Cariri em 1996. Foi Diretor Regional do Centro de Ensino Tecnológico (CENTEC) do Cariri de 1997 a 2002. Desde 2004 é Professor do Curso de Ciências Biológicas (CCB) do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Estadual do Ceará (UECE), onde ministra aulas de Botânica e orienta alunos de Iniciação Científica, Monitoria Acadêmica e Trabalhos de Conclusão de Curso, sendo atualmente professor Associado. Foi Coordenador do CCB/CCS de 2009 a 2013. É professor do Curso de Ciências Biológicas EaD da UECE desde 2010. Foi Presidente do 62° Congresso Nacional de Botânica em Fortaleza-CE (2011). É coordenador do Laboratório de Ecofisiologia Vegetal desde 2012. Foi conselheiro do Centro de Ciências da Saúde (CONCEN) de 2007 a 2009, Conselheiro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) de 2009 a 2012, Conselheiro do Conselho Universitário (CONSU) de 2012 a 2018 e novamente Conselheiro do CEPE desde 2018. Em 2013 ingressou como Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais da UECE, orientando alunos de Mestrado e Doutorado. Desenvolve pesquisas sobre Ensino de Botânica, Botânica Aplicada, Etnobotânica, Fisiologia Vegetal, Ecofisiologia Vegetal, Fisiologia de Sementes, Fisiologia Pós-Colheita, Florística, Morfologia Vegetal, Anatomia Vegetal, Plantas Alimentícias Não Convencionais, Plantas Bioativas e Bioprocessos, tendo escrito livros e publicado regularmente estudos em periódicos de circulação nacional e internacional.

Bruno Edson-Chaves, UECE

Possui graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura - 2008; e Bacharelado - 2010) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e mestrado em Botânica pela Universidade de Brasília (UnB) - 2012; atualmente cursa doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo programa de pós-graduação em Botânica da Universidade de São Paulo - USP. É professor de Botânica (Assistente Nível D) pela Universidade Estadual do Ceará na Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu - FECLI, Campus Humberto Teixeira; atuando ainda como tutor/ formador presencial de Botânica pelo curso de Ciências Biológicas UECE/UAB, na modalidade à distância. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Anatomia Vegetal de Poales/Poaceae, atuando em três principais linhas de pesquisa: 1) Anatomia aplicada a taxonomia, 2) anatomia ecológica, 3) ontogenia de estruturas foliares. Atua ainda na área de ensino de biologia, em particular, ensino de botânica, com foco em estratégias didáticas para o ensino de botânica.

Oriel Herrera Bonilla, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1983), graduação em Licenciatura Agrícola pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1992), mestrado em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1991), doutorado em Ciências Naturais (Ecologia) na Alemanha pela Bielefeld Universität (1997) e pós-doutorado em Engenharia Agrícola (Ecologia de Halófitas em Ambientes Irrigados) pela Universidade Federal do Ceará (2019). Atualmente é professor Associado da Universidade Estadual do Ceará, junto ao Curso de Ciências Biológicas. Coordena o Laboratório de Ecologia da instituição. É membro do corpo docente do Mestrado Acadêmico em Ciências Naturais. Tem experiências na área de Ecologia da Restauração e Conservacionismo, com ênfase em Ecossistemas, atuando principalmente nos seguintes temas: Ecofisiologia de halófitas, salinidade do solo, permacultura, biodiversidade do semiárido, bioprospecção com plantas da Caatinga, aproveitamento de recursos naturais, Monitoramento e análise de impactos ambientais. Desenvolve pesquisas relacionadas com Bioinvasão e Fitoremediação.

References

Bizerra, A. F., Cizauskas, J. B. V., Inglez, G. C. & De Franco, M. T. (2012). Conversas de aprendizagem em museus de ciências: como os deficientes visuais interpretam os materiais educativos do museu de microbiologia? Revista Educação Especial, 25(42), 57-73.

Cabral, E. D. C. & Guimarães, V. F. (2020). O Público Potencial Escolar do Museu da Vida: um estudo exploratório em escolas da zona norte da cidade do Rio de Janeiro. Ciência & Educação, 26, 1-16.

Cancela, C. D. M. & Carvalho, C. (2017). A divulgação da ciência e o Museu de Astronomia e Ciências Afins. Interacções, 13(44), 43-64.

Coelho, T. B., Lauro, A. T. D., Simões, I. M. de S., Mourão, M. I. A., Mazzoni, M. A. & Chiavegatto, B. (2019). Museus de História Natural como Ferramentas de Divulgação Científica. Analecta – Centro Universitário Academia, 5(5), 1-16.

Córdova, F. P. & Silveira, D. T. (2009). A pesquisa Científica. In: T. E. Gerhardt & D. T. Silveira (Orgs.). Métodos de Pesquisa. Editora da UFRGS.

Costa, R. M. J. Oficina interativa baseada na Educação Ambiental crítica no Museu Espaço Ciência Viva no Rio de Janeiro. 145 f. Dissertação (Mestrado em Biociência e Saúde) – Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Falaschi, R. L., Capellari, R. S. & Oliveira, S. S. (2011). Museus de ciência: do reconhecimento e conservação da biodiversidade à divulgação científica. Revista Simbio-Logias, 4(6), 12-23.

Fantin, M., Santos, J. D. A. & Martins, K. J. (2019). Black Mirror e o espetáculo revisitado: um estado da arte e algumas reflexões. Revista Diálogo Educacional, 19(62), 1147-1173.

Ferreira, N. S. de A. (2002). As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, 23(79), 257-272.

Gil, A. C. (2008). Pesquisa Social: métodos e técnicas. Atlas.

Gomes, I. & Cazelli, S. (2016). Formação de Mediadores em Museus de Ciência: Saberes e Práticas. Revista Ensaio: Pesquisa em Educação e Ciências, 18(1), 23-46.

Gruzman, C. & Siqueira, V. H. F. de. (2007). O papel educacional do Museu de Ciências: desafios e transformações conceituais. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 402-423.

Jacobucci, D. F. C., Nogueira-Ferreira, F. H. & Santana, F. R. (2013). Representações de educação não formal e utilização do espaço museal por professoras do Ensino Fundamental. Ensino Em Re-Vista, 20(1), 125-132.

Lazzarin, L. F. (2017). Pesquisa em educação. Santa Maria: Núcleo de Tecnologia Educacional.

Leite, P. P. (2016). Ecomuseus e Museologia Social. Informal Museology Studies, 4, 1-98.

Marandino, M., Campos, N. F., Leporo, N., Caffagni, C. W. A., Maia, R. & Oliveira, A. D. (2012). A percepção de biodiversidade em visitantes de museus: um estudo no Brasil e na Dinamarca antes da visita. Tempo Brasileiro, 188(188), 97-112.

Meyer, G. C. & Meyer, G. C. (2014). Educação ambiental em museus de ciência: diálogos, práticas e concepções. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 9(1), 70-86.

Minayo, M. C. de S. (2010). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Vozes.

Museu de Astronomia e Ciências Afins. (2021). Sobre o museu. http://www.mast.br/museu/sobre/

Oliveira, J. C. P., Oliveira, A. L., Morais, F. de A. M., Silva, G. M. & Silva, C. N. M. (2016). O questionário, o formulário e a entrevista como instrumentos de coleta de dados: vantagens e desvantagens do seu uso na pesquisa de campo em ciências humanas. Anais do Congresso Nacional de Educação, Natal, RN, 3.

Ovigli, D. F. B. (2015). Panorama das pesquisas brasileiras sobre educação em museus de ciências. Revista brasileira de estudos pedagógicos, 96(244), 577-595.

Ovigli, D. F. B. (2011). Prática de Ensino de Ciências: o museu como espaço formativo. Revista Ensaio: Pesquisa em Educação e Ciências, 13(3), 133-149.

Pereira, J. S. & Braga, J. L. M. (2013). Museu e experiências docentes. Ensino Em Re-Vista, 20(1), 83-94.

Prodanov, C. C. & De Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale.

Pscheidt, C. & Lorenzetti, L. (2020). Contribuições de um curso de formação continuada para a promoção da alfabetização científica de docentes no Museu da Terra e da Vida. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 13(1), 155-179.

Pugliese, A. & Marandino, M. (2015). Os museus de ciências como componente curricular dos cursos de Licenciatura: uma análise sociológica. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia, SP, 10.

Queiroz, R. M., Teixeira, H. B., Veloso, A. dos S., Terán, A. F. & Queiroz, A. G. (2011). A Caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 4(7), 12-23.

Rennie, L. J. & Johnston, D. J. (2004). The Nature of Learning and Its Implications for Research on Learning from Museums. Science Education, 88(S1), S4- S16.

Romanowski, J. P. & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “Estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional, 6(19), 37-50.

Rossi, A. V. (2013). Museu de ciências universitário: sobre espaços de divulgação, educação e produção científica. Ensino Em Re-Vista, 20(1), 209-218.

Scalfi, G. A. de M., Iszlaji, C. & Marandino, M. (2020). A formação de professores na perspectiva CTSA por meio de atividades nos museus de ciências. Indagatio Didactica, 12(4),73-90.

Schneider, E. M., Fujii, R. A. X. & Corazza, M. J. (2017). Pesquisas quali-quantitativas: contribuições para a pesquisa em ensino de ciências. Revista Pesquisa Qualitativa, 5(9), 569-584.

Schuindt, C. C. & Silveira, C. (2019). Museus de Ciências Acessíveis no Brasil: mapeamento das áreas de conhecimento. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Natal, RN, 12.

Silva, M. C. B. D. & Leite, R. C. M. (2020). Formação de professores em museus de ciências: construindo o estado da questão. Atos de Pesquisa em Educação, 15(3), 695-717.

Souza, D. M. V. (2011). Ciência para todos? A divulgação científica em museus. Ciência da Informação, 40(2), 256-265.

Steola, A. C. D. S. & Kasseboehmer, A. C. (2018). O Espaço da Química nos Centros e Museus de Ciências Brasileiros. Química Nova, 41(9), 1072-1082.

Teixeira, H. B., Queiroz, R. M. D., Ghedin, E., Almeida, D. P. D. & Terán, A. F. (2012). A inteligência naturalista e a educação em espaços não formais um novo caminho para uma educação científica. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 5(9), 55-66.

Tojal, A. (2015). Política de acessibilidade comunicacional em museus: para quê e para quem. Revista Museologia & Interdisciplinaridade, 4(7), 190-202.

Valente, M. E. A. (2014). Interseções Necessárias: história, museologia e museus de ciências e tecnologia. Museologia & Interdisciplinaridade, 3(5), 37-53.

Zanette, M. S. (2017). Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, 33(65), 149-166.

Published

08/06/2021

How to Cite

ALMEIDA FILHO, M. A. .; SILVA, F. H. O. .; ARRUDA, M. O. .; ARRUDA, M. O. .; MENDES, R. M. de S. .; PANTOJA, L. D. M. .; LUCENA, E. M. P. de .; EDSON-CHAVES, B.; BONILLA, O. H. . Research on Science/Biology in museums: An analysis of a decade in scientific journals. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e53510616026, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.16026. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16026. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Education Sciences