Use of information technology in primary health care: Nurses' perception

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16179

Keywords:

Information systems; Public health informatics; Information technology.

Abstract

This study aimed to identify nurses' perception of primary health care about the use of computers and information technology in their daily activities. It is a field research, exploratory, descriptive, with a qualitative approach, through the application of a form via Google Docs, containing guiding questions, made by the researcher, based on the literature. The sample consisted of 19 nurses with ages varying from 22 to 55 years old, mostly female. When asked if they had a specific computer course, most did not have it considering their knowledge as a basic level. However, it was found that the computer and information technology assist in the organization and planning of care, allowing the optimization of work, making not only the assistance more agile but also with greater quality, safety and resolution. However, these tools were limited for technical and operational reasons.

Author Biography

Josiane Lima da Silva, Universidade Paranaense

Enfermeira.

References

Araujo J. R., Filho D. C. A., Machado L. D. S., Martins R. M. G., & Cruz R. S. B. L. C. C. (2019). Sistema e-SUS AB: percepções dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Saúde Debate. Rio de Janeiro. 43(122): 780-92. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201912210

Assis M. A. & Ramos J. M., (2017). Conhecimento dos graduandos de Enfermagem sobre o uso de Tecnologias Informatizadas. J. Health Inform. 9(2): 39-43. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/442.

Baratieri T. & Marcon S.S., (2011) Longitudinalidade do Cuidado: Compreensão dos enfermeiros que atuam na Estratégia Saúde da Família. Esc Anna Nery. 15(4):802-10. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000400020.

Cardoso R. B., Ferreira B. J., Martins W. A. & Paludeto S. B. (2017). Programa de educação permanente para o uso do prontuário eletrônico do paciente na enfermagem. J. Health Inform. 9(1):25-30. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/429/302.

Cavalcante R. B., Esteves C. J. S., Gontijo T. L., Guimarães E. A. A., Machado R. M. & Oliveira C. V. (2018). Informatização da Atenção Básica a Saúde: Avanços e Desafios. Cogitare Enfermagem. 2018 Ago; 23(3): e54297. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i3.54297

Cavalcante R. B., Esteves C. J. S., Gontijo T. L., Brito M. J. M., Guimarães E. A. A. & Barbosa S. P. (2019). Informatização da atenção primária à saúde no Brasil: a rede de atores. Rev. Bras. Enferm. Brasília. 2019 Abr; 72(2): 337-44. https://doi.org/10.1590/interface.180364

Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). (2017). Resolução nº 564/2017, de 06 de novembro de 2017. Dispõe sobre o Código de Ética dos profissionais de Enfermagem. Brasília. http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html

Daniel V. M., Pereira G. V. & Macadar M. A. (2014) Perspectiva Institucional dos sistemas de informação em saúde em dois estados brasileiros. RAC. 18(5):650-69. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20141709.

Dengo MC. (2020). IDS Saúde: O sistema para sua gestão de Secretaria de Saúde ser rápida e eficaz. Pato Branco. https://www.ids.inf.br/ids-saude/.

Ferreira S. R. S., Perico L. A. D. & Dias V. R. F. G. A (2018). A complexidade do trabalho do enfermeiro na Atenção Primária à Saúde. Rev. Bras. Enferm. Brasília. 71(1): 704-709. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0471

Gonçalves L. S., Castro T. C. & Fialek S. A. (2015). Experiência Computacional de Enfermeiros Brasileiros de um Hospital Universitário. J. Health Inform. 2015 Jul/Set; 7(3): 82-7. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/342.

Gonçalves L. S., Fialek S. A., Castro T.C. & Wolff L. D. G. (2016). Experiência de Enfermeiros com Computadores na Atenção Primária: Estudo Exploratório. Rev Cogitare Enferm. 21(1): 1-11. http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare

Jensen R., Guedes E.S. & Leite M. M. J. (2016). Competências em Informática Essenciais à Tomada de Decisão no Gerenciamento em Enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 50(1): 112-20. https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000100015

Juliani C. M. C. M., Silva M. C. & Bueno G. H. (2014). Avanços da Informática em Enfermagem no Brasil: Revisão Integrativa. J. Health Inform. 2014 Out/Dez; 6(4):161-5. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/322.

Júnior C. C. M. C., Lima F. A., Conceção I. A., Souza W. A. & Konrad M. A. (2016). O Gerenciamento das relações entre as múltiplas gerações no mercado de trabalho. Revista da Faculdade Eça de Queirós. 6(1): 2179-9636. http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20170509162633.pdf

Martins A. P. O. Q., Peres A. M., Gil N. L. M., Ros C., Lowen I. M. V. & Gonçalves L. S. (2017). Usabilidade do Prontuário Eletrônico em Unidades Básicas de Saúde. Ciência, Cuidado e Saúde. Umuarama. 2017 Abr/Jun; 16(2). DOI: 10.4025/cienccuidsaude.v16i2.29748

Matsuda L. M., Évora Y. D. M., Higarashi I. H., Gabriel, C. S. & Inoue, K. C. (2015). Informática em enfermagem: Desvelando o uso do computador pelos enfermeiros. Texto contexto - enferm. Florianópolis. 24(1): 178-86. https://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00178.pdf.

Medeiros J. B., Holmes E. S., Albuquerque S. G. E., Candeia R. M. S. & Costa T. (2017). O e-SUS Atenção Básica e a Coleta de Dados Simplificada: Relatos da implementação em uma Estratégia Saúde da Família. Rev. APS. 20(1): 145-9. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2017.v20.15784

Mieiro D. B., Oliveira E. B. C., Fonseca R. E. P., Miniel V. A., Zem- Mascarenhas, S. H. & Machado, R. C. (2019). Estratégias para minimizar erros de medicação em unidades de emergência: Revisão Integrativa. Rev Bras Enferm. Brasília. 72(1): 320-7. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0658

Ministério da Saúde (BR) (2020). Departamento de Informática do SUS (DATASUS). SI-PNI Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização. DATASUS. http://pni.datasus.gov.br/

Ministério da Saúde (BR) (2016). Diretoria de Vigilância Epidemiológica Estado de Santa Catarina, Superintendência de Vigilância em Saúde. Plano de ampliação de testes rápidos nos serviços de saúde de Santa Catarina. https://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/legislacao-principal/anexos-de-deliberacoes-cib/anexo-deliberacoes-2016/10961-anexo-deliberacao-238-2016-plano-estadual-ampliacao-teste-rapido-2016/file.

Ministério da Saúde (BR) (2013). Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). Sistema de Informação do Câncer: manual preliminar para apoio a implantação. Rio de Janeiro. https://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/atencao-basica/saude-da-mulher/siscan/7171-manual-preliminar-siscan/file.

Pissaia L.F., Costa A. E. K., Moreschi C. & Rampel C. (2016). Sistematização da assistência de enfermagem: impacto da informática e os desafios na qualidade da assistência. Saúde.com. 12(4): 737-43. DOI 10.22481/rsc.v12i4.483

Portela G. Z. (2017). Atenção Primária à Saúde: um ensaio sobre conceitos aplicados aos estudos nacionais. Physis, Rio de Janeiro. 27(2): 255-76. https://doi.org/10.1590/s0103-73312017000200005.

Santos T. O., Pereira L. P. & Silveira D.T. (2017). Implantação de sistemas informatizados na saúde: uma revisão sistemática. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. 11(3): 1-11. https://doi.org/10.29397/reciis.v11i3.1064

Cavalcante R. B., Silva T. I. M., Silva H. R. M. Santos R.C., Guimarães E. A. A. & Pinheiro M. M. K. (2018) Difusão da Inovação Tecnológica e- SUS AB: aceitação ou rejeição? Cogitare enferm. 3(23): e55911. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i3.55911

Werle G. & Medeiros C. R. G. (2017). Os desafios do Enfermeiro na coordenação da Unidade Básica de Saúde. Artigo (Graduação) – Curso de Enfermagem, Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado. Disponível em: https://univates.br/bdu/handle/10737/1981?mode=full.

Published

09/06/2021

How to Cite

CAVALHEIRI, J. C.; SILVA, J. L. da . Use of information technology in primary health care: Nurses’ perception. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e55010616179, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.16179. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16179. Acesso em: 18 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences