Evaluation of the phytosociological structure of a forest fragment in the Municipality of Paragominas-PA, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17325

Keywords:

Amazon; Floristic analysis; Secondary forest.

Abstract

The study objective was to analyze the vegetation structure of the anthropic primary forest fragment in the municipality of Paragominas in Para. The vernacular name , the circumference of the height of 1.3 m above the ground - CAP ≥ 31.5 cm (DBH ≥ 10 cm) and height (H) of all individuals of tree species were collected in 12 sampling units of 20 mx 50 m , randomly distributed in the area. The sample sufficiency was evaluated by adjusting the generated species-area curve between the area of the parcels and the number of new species. The sample was recorded 320 individuals classified into 29 botanical families, 44 genera and 46 species defined and 4 morphospecies. To the horizontal structure, the species with the highest abundance was Inga alba (9.7%). Eschweilera coriacea stood out with 13.31% of dominance in the study area, which helped it to become the species with the highest importance value of the area with 8.59% market share. With an average occurrence of 41 species / ha of floristic composition, the area of forest fragment showed a diversity of species expressed by the Shannon-Weaner index of 3.29, considered low compared with forests in the same region. As for classification of species in ecological groups, the late pioneer and secondary species are groups equivalent to 30% of the floristic composition, characterizing that under the forest canopy dominated by shade-tolerant and species belonging to the early secondary group, contributed 28 %, showing an advanced stage of ecological succession. By outo hand, the occurrence of 30% of late secondary and pioneer can be explained by logging occurred in the fragment area. Regarding the type of life in the forest fragment 90% of the species are trees, bushes 8% and 2% palm trees, with strong predominance of trees.

References

ALMEIDA, C. M. de; ARAÚJO, M. M.; LONGHI, S. J.; ROVEDDER, A.P.; SCCOTI, M. S. V.; d’AVILA, M.; AIMI, S. C.; TONETTO, T. da S. Análise de agrupamentos em remanescente de floresta estacional decidual. Ciência Florestal, Santa Maria- RS, v.25, n.3,p.781-789, jul.-set., 2015.

ARAÚJO, F. S.; MARTINS, S. V.; NETO, J. A. A. M.; LANI, J. L.; PIRES, I. E. Florística da vegetação arbustivo-arbórea colonizadora de uma área degradada por mineração de caulim, em Brás Pires, MG. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 29, n.6, p. 983-992, 2005.

BARROS, P. L. C. de. Estudo fitossociológico de uma floresta tropical úmida no planalto de Curuá-Una, Amazônia brasileira. 1986. 158 p. TESE (Doutorado em Ciências Florestais) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

BASTOS, T. X.; PACHECO, N. A.; FIGUEIRÊDO, R. D. O.; SILVA, G. Características agroclimáticas do município de Paragominas. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), 2005.

BATISTA NETO, J. P. B. Banco de sementes do solo de uma Floresta Estacionai Semidecidual, em Viçosa, Minas Gerais. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, 4, p.311- 320.2007.

BROWER, J.E. e ZAR, J.H. Field and laboratory methods for general ecology. Wm. C. Brown Company – 194 p. 1977.

CARTER, C. T; UNGAR, L. A. Abovegroud vegetation, seed bank and soil analysis of a 31 -year-old forest restoration on coal mine spoil in southeastern Ohio. The American Midland Naturalist, Notre Dame, v. 147, n.l,p. 44-59, 2002

COELHO, R. de F.R.; ZARIN, D. J.; MIRANDA, I. S.; TUCKER, J. M. Análise florística e estrutural de uma floresta em diferentes estágios sucessionais no município de Castanhal, Pará. Acta Amaz., vol.33, n.4, p. 563-582. 2003.

COLONETTI, S.; CITADINI-ZANETTE, V.; MARTINS, R.; DOS SANTOS, R.; ROCHA, E.; JARENKOW, J. A. Florística e estrutura fitossociológica em floresta ombrófila densa submontana na barragem do rio São Bento, Siderópolis, Estado de Santa Catarina. Acta Scientiarum. Biological Sciences, v. 31, n. 4, p. 397-405, 2009.

CHAVES, A. D. C. G.; DE SOUSA SANTOS, R. M.; DOS SANTOS, J. O.; DE ALBUQUERQUE FERNANDES; A.; MARACAJÁ, P. B. A importância dos levantamentos florísticos e fitossociológicos para a conservação e preservação das florestas. ACSA – Agropecuária Científica no Semiárido, v. 9, n. 2, p. 43-48, abr - jun, 2013.

DE ANDRADE LIMA, R. B.; DA SILVA, J. A. A.; MARANGON, L. C.; FERREIRA, R. L. C.; DA SILVA, R. K. S. Fitossociologia de um trecho de floresta ombrófila densa na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacari, Carauari, Amazonas. Scientia Plena, v. 8, n. 1, 2012.

FELFILI, J. M.; REZENDE, R. P. Conceitos e métodos em fitossociologia. Brasília: Ed. UNB, 2003. 68 p. (Comunicações técnicas florestais, 5).

FINOL, U. H. La silvicultura em la Orinoquia Venezolana. Rev. For. Ven., v. 18, n.25, p. 37-114, 1975.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/.

FRANCEZ, L.M. de B; CARVALHO, J. O. P de; BATISTA, F. de J; JARDIM, F.C. da S.; RAMOS, E. M. L. S. Influência da exploração florestal de impacto reduzido sobre as fases de desenvolvimento de uma floresta de terra firme, Pará, Brasil, Ciência Florestal, Santa Maria, v.23, n. 4, p. 743-753, out.-dez., 2013.

FRANCEZ, L.M. de B; CARVALHO, J. O. P de; JARDIM, F.C. da S.; RAMOS, E. M. L. S. Mudanças ocorridas na composição florística em decorrência da exploração florestal em uma área de floresta de terra firme na região de Paragominas, PA, Acta Amazônica, Santa Maria, v.37, n. 2, p. 219-228, 2007

GANDOLFI, S.; LEITÃO FILHO, H. F.; BEZERRA, C. L. E. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, v. 55, n. 4, p. 753-767, 1995.

HACK, C.; LONGHI, S. J.; BOLIGON, A. A.; MURARI, A. B.; PAULESKI, D. T. Análise fitossociológica de um fragmento de floresta estacional decidual no município de Jaguari, RS. Ciência Rural, v. 35, n. 5, p. 1083-1091, 2005.

HOSOKAWA, T.R.; MOURA, de J. B.; CUNHA, U. S. Introdução ao Manejo e economia de florestas. Curitiba, PR: UFPR, 2008.

HUBBELL, S. P.; FOSTER, R. B. Commonness and rarity in a neotropical forest: implications for tropical tree conservation. 1986.

HUSTON, M. A. Biological diversity: the coexistence of species on changing landscapes. New York: Cambridge University Press. 1994. 681 p.

KNIGHT, Dennis H. A phytosociological analysis of species‐rich tropical forest on Barro Colorado Island, Panama. Ecological monographs, v. 45, n. 3, p. 259-284, 1975.

LAMPRECHT, H. Ensayo sobre la estrutura floristica de la parte sur-oriental del Bosque Universitário: "El caimital", Estado Barinas. Ver. For. Venezolana, v. 7 n. 10/11, p 77-119, 1964.

LEITÃO FILHO, H. DE F. Considerações sobre a florística de florestas tropicais e sub-tropicais do Brasil. IPEF, n. 35, p. 41-46,1987.

LIMA, R. B. A.; DA SILVA, J. A. A.; MARANGON, L. C.; FERREIRA, R. L. C.; SILVA, R. K. S. Fitossociologia de um trecho de floresta ombrófila densa na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacari, Carauari, Amazonas. Scientia Plena, v. 8, n. 1, 2012.

LONGHI, S. J.; NASCIMENTO, A. R. T.; FLEIG, F. D.; DELLA-FLORA, J. B.; FREITAS, R. A. ; CHARÃO, L. W. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria-Brasil. Ciência Florestal, v.9, n.1, p.115-133, 1999.

LONGHI, S. J.; NASCIMENTO, A. R. T.; FLEIG, F. D.; DELLA-FLORA, J. B.; FREITAS, R. A. D.; CHARÃO, L. W. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v.9, n. 1, p. 115-133, 1999.

MARTINS, F. R. O método de quadrantes ea fitossociologia de uma floresta residual do interior do Estado de Sao Paulo: Parque Estadual de Vassununga. USP, 1979.

MARTINS, S. V. Restauração ecológica de Ecossistemas degradados. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2012. 293p.

MATA, M.F; FELIX, L.P. Flora da Paraíba, Brasil: Inga Mill (Leguminosae-mimosoideae). Revista Brasileira de Biociências 5 (2): 135-137 (2007).

MELO, M.S. Florística, fitossociologia e dinâmica de duas florestas secundárias antigas com histórias de uso diferentes no nordeste do pará-brasil. 2004, 116 f. Dissertação (Recursos Florestais) - Escola Superior de Agricultura, "Luiz de Queiroz", São Paulo, 2004.

MENDES, F. S.; JARDIM, F. C. S.; CARVALHO, J. O. P.; LIMA, T. T. S.; SOUZA, D. V. Dinâmica da composição florística do sub-bosque em floresta tropical manejada, no município de Moju, estado do Pará, Brasil. Revista de Ciências Agrárias Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences, v. 55, n. 2, p. 117-123, 2012.

MENDES, F. D. S.; JARDIM, F. C. D. S.; CARVALHO, J. O. P. D.,; SOUZA, D. V.; ARAÚJO, C. B.; OLIVEIRA, M. G. D.; LEAL, E. D. S. Dinâmica da estrutura da vegetação do sub-bosque sob influência da exploração em uma floresta de terra firme no município de Moju-PA. Ciência Florestal, v. 23, n. 2, p. 377-389, 2013.

MIRANDA, I. S. Análise florística e estrutural da vegetação lenhosa do Rio Comemoração Pimenta Bueno, Rondônia, Brasil, Acta Botânica, v. 30, n.3, p. 393-422, 2000.

MORO, M. F.; MARTINS, F. R. Métodos de levantamento do componente arbório-arbustivo. In: FELFILI, J. M. et, al Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de casos. Viçosa: Ed. UFV. 2011.

NAPPO, M. E. Inventário florístico e estrutural da regeneração natural no sub-bosque de povoamentos homogêneos de Mimosa scabrella Bentham, implantados em áreas mineradas, em Poços de Caldas, Minas Gerais. 1999. 87 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

OLIVEIRA, A. N. DE; AMARAL, I. L. DO. Florística e fitossociologia de uma floresta de vertente na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, v. 34, n. 1, p. 21-34, 2004.

PEREIRA, L. A.; SOBRINHO, F. A. P.; DA COSTA NETO, S. V. Florística e estrutura de uma mata de terra firme na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Rio Iratapuru, Amapá, Amazônia Oriental, Brasil. Floresta, v. 41, n. 1, 2011.

PINHEIRO, K. A. O.; CARVALHO, J. C. P de; QUANZ, B.; FRANCEZ, L. M. de B.; SCHWARTZ. Fitossociologia de uma área de preservação permanente no leste da Amazônia: indicação de espécies para recuperação de áreas alteradas. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 2, p. 175-187, 2007.

RIBEIRO, J. E. L. S.; HOPKINS, M. J. G.; VICENTINI, A.; SOTHERS, C. A. COSTA, M. A. DA S; BRITO, J. M. DE; DE SOUZA, M. A. D.; MARTINS, L. H. P.; LOHMANN, L. G.; ASSUNÇÃO, P. A. C. L.; PEREIRA, E. DA C.; SILVA, C. F. DA; MESQUITA, M. R.; PROCÓPIO, L. C. Flora da reserva Ducke: guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia. Manaus: INPA, 1999. 816p. il.

RICHARDS, P. W.; FRANKHAM, R.; WALSH, R. P. D. The tropical rain forest: an ecological study. Cambridge university press, 1996.

SANDEL, M. P.; CARVALHO, J. O. P. Composição florística e estrutura de uma área de cinco hectares de mata alta sem babaçu na Floresta Nacional do Tapajós. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), 2000.

SCHILLING, A. C.; BATISTA, J. L. Ferreira. Curva de acumulação de espécies e suficiência amostral em florestas tropicais. Brazilian Journal of Botany, v. 31, n. 1, p. 179-187, 2008.

SER. Society for Ecologial Restoration, Princípios da SER International sobre a restauração ecológica, 2004. Disponível em: < (http://www.ser.org)>. Acesso em 27 de agosto de 2013.

SOUZA, A. L.; SOARES, C. P. B. Florestas Nativas: estrutura, dinâmica e manejo. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2013.

WHITMORE, T.C. 1990. An introduction to tropical rain forest. Clarendon Press, Oxford. 226pp.

Published

29/07/2021

How to Cite

NASCIMENTO, A. C. V. do .; BARROS, P. L. C. de .; FERREIRA, G. C. .; SANTOS, J. C. dos .; CARNEIRO, F. da S. . Evaluation of the phytosociological structure of a forest fragment in the Municipality of Paragominas-PA, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e41510917325, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17325. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17325. Acesso em: 23 sep. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences