Qualified care in prenatal as a prevention of obstetric violence: Integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i8.17505

Keywords:

Obstetric Violence; Health Care; Prenatal Care; Women's Health; Prevention.

Abstract

Obstetric violence comprises the aggressions suffered by pregnant women during prenatal care, childbirth or puerperium practiced by health professionals. This study aimed to analyze how the health care offered by health professionals during prenatal care can contribute to the prevention of obstetric violence. This is an integrative literature review, collected in the Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences (LILACS), Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE) databases and the Scientific Electronic Library Online (SciELO) journal portal ) indexed in the Virtual Health Library, through the descriptors “obstetric violence”, “health care” and “prenatal care”, with the help of the Boolean operator AND. Eleven publications were selected that dealt with the theme, in which women's lack of knowledge about obstetric violence was highlighted, as well as the professionals' lack of preparation, due to gaps during graduation. Therefore, it emphasizes the need for professionals to offer quality care, in a humanized and individualized manner, from prenatal care to the puerperium, with clarification of doubts and legal rights that are guaranteed by law. As well as the development of training for the management and identification of obstetric violence for professionals and educational activities for pregnant women, companions, among others.

Author Biographies

Ranna Gabriele Sampaio da Conceição, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduanda em Enfermagem, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, Bahia, Brasil.

Aline Vieira Simões, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil.

Vanda Palmarella Rodrigues, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Professora Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil.

Juliana Costa Machado, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeira, Doutora em Ciências da Saúde. Professora Adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, BA, Brasil.

Júlia Maria Nascimento Penha, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduanda em Enfermagem, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, Bahia, Brasil

Franciele Soares Balbinote, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduanda em Enfermagem, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié, Bahia, Brasil.

References

Batista, B. D. et al. Fatores associados à satisfação do acompanhante com o cuidado prestado à parturiente. (2017). Cogitare Enfermagem. 22(3).

Biscegli, T. S., Grio, J. M., Melles, L. C., Ribeiro, S. R. M. I., & Gonsaga, R. A. T. (2015) Violência obstétrica: perfil assistencial de uma maternidade escola do interior do Estado de São Paulo. Revista cuidarte enfermagem. 9(1),18-25.

Brandt, G. P., Souza, S. J. P., Migoto, M. T., & Weigertl, S. P. (2018). Violência obstétrica: a verdadeira dor do parto. Revista Gestão & Saúde. 9(1), 19-37.

Brasil (2007). Diário Oficial da União - Lei nº 11.634, de 27 de dezembro de 2007. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/2007/Lei/L11634.htm>.

Brasil (2005). Diário Oficial da União - Lei nº 11.108, de 07 de abril de 2005. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm>.

Brasil (2019a). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Despacho DAPES/SAS/MS, Brasília, 03 de maio de 2019. < https://sei.saude.gov.br/sei/controlador_externo.php?acao=documento_conferir&codigo_verificador=9087621&codigo_crc=1A6F34C4&hash_download=c4c55cd95ede706d0b729845a5d6481d07e735f33d87d40984dd1b39a32d870fe89dcf1014bc76a32d2a28d8f0a2c5ab928ff165c67d8219e35beb1a0adb3258&visualizacao=1&id_orgao_acesso_externo=0>.

Brasil (2019b). Ministério Público Federal. Recomendação nº 29/2029, de 07 de maio de 2019, Ministério Público Federal de São Paulo recomenda que o Ministério da Saúde se abstenha de empregar quaisquer ações voltadas especificamente à abolição do uso da expressão "violência obstétrica". <http://www.mpf.mp.br/sp/sala-de-imprensa/docs/recomendacao_ms_violencia_obstetrica.pdf/>.

Brasil. (2019c). Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação de ciclos de Vida. Coordenação de Saúde das Mulheres, Ofício Nº 296/2019, de 07 de junho de 2019. <http://www.mpf.mp.br/sp/sala-de-imprensa/docs/oficio-ms.>

Brasil (2019d). Projeto de Lei nº 3.947, de 2019. Senado Federal. <https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/137641>.

Cardoso, F.J. C., Costa, A. C A. M., Almeida, M. M., Santos, T. S., & Oliveira, F. B. M. (2017). Violência obstétrica institucional no parto: percepção dos profissionais de saúde. Revista de Enfermagem UFPE. 11(9), 3346-3353.

Diniz, S. G., Salgado H. de O., Andrezzo, H. F. de. A., Carvalho, P. G. C. de., Carvalho, P. C. A., Aguiar, C. de. A., & Niy, D. Y. (2015). Violência obstétrica como questão para a saúde pública no brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Periódicos Eletrônicos em Psicologia, São Paulo. 25(3), 377-384.

Ismael, F. M., Souza, G. K. R.., Esteves, N. S., & Aoyama, E. A. (2020). Assistência de Enfermagem na Prevenção da Violência Obstétrica. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde, Distrito Federal. 2(2), 75-80.

Fundação Perseu Abramo & Sesc. (2010). Pesquisa de opinião pública: mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado.

Melnyk, B. M., & Fineout-Overholt, E. (2011) Making the case for evidence-based practice. In: MELNYK, B.M; FINEOUT-OVERHOLT, E. Evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice [Internet]. 2ª ed. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins. 3-24.

Mihret, M. S. (2019). Obstetric violence and its associated factors among postnatal womwn in a specialized comprehensive hospital, Amhara region, Northwest Ethiopia.Violência obstétrica e seus fatores associados entre mulheres pós-parto em um Hospital Abrangente Especializado, Região de Amhara, Noroeste da Etiópia. BMC Res Notes. 12(1), 600.

Norman, A. H., & Tesser, C. D. (2015). Obstetrizes e enfermeiras obstetras no Sistema Único de Saúde e na Atenção Primária à Saúde: por uma incorporação sistêmica e progressiva. Rev Bras Med Fam Comunidade. 10(34),1-7.

Oliveira, M. R. R., Elias, E. A., & Oliveira, S. R. (2020). Mulher e parto: significados da violência obstétrica e a abordagem de enfermagem. Rev enferm UFPE on line.14:e243996.

Pedroso, C. N. L da S., & López, L. C. (2017). À margem da humanização? Experiências de parto de usuárias de uma maternidade pública de Porto Alegre-RS. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 27(4), 1163-1184.

Rodrigues, D. P., Alves, V. H., Penna, L. H. G., Pereira, A.V., Branco, M. B. L. R., & Silva, L. A. (2015). A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, 19(4), 614-620.

Santos, A. L. M., & Souza, M. H. T. (2017). Elaboração de novas tecnologias em enfermagem: utilização de uma cartilha de prevenção. Revista de Enfermagem UFPE on line. 11(10), 3893-3898.

Santos, C. M. da C., Pimenta, C. A. de M., & Nobre, M. R. C. (2007). A estratégia pico para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-am de Enfermagem.15(3),508-511.

São Paulo (Estado). Lei nº 17.137, de 23 de agosto de 2019. Garante à parturiente a possibilidade de optar pela cesariana, a partir de 39 (trinta e nove) semanas de gestação, bem como a analgesia, mesmo quando escolhido o parto normal.

Silva, F. C., Viana, M. R. P., Amorim, F. C. M., Veras, J. M. M. F., Santos, R. C., & Sousa, L. L. (2019). O saber de puérperas sobre violência obstétrica. Rev enferm UFPE on line. 13:e242100.

Silva, A. F. P.M., Almeida, B. G. R. F., Ribeiro, E. A., Teixeira, L. C., Silva, P. C. P. O., & Ribeiro, A. da S. (2021). Violência obstétrica relacionada a perda de autonomia da mulher na sala de parto. Research, Society and Development. 10(5), e22210514814.

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), São Paulo. 8(1), 102-106.

Published

13/07/2021

How to Cite

CONCEIÇÃO, R. G. S. da; SIMÕES, A. V.; RODRIGUES, V. P.; MACHADO, J. C.; PENHA, J. M. N.; BALBINOTE, F. S. Qualified care in prenatal as a prevention of obstetric violence: Integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 8, p. e34910817505, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i8.17505. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17505. Acesso em: 23 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences