Maternal device and childbirth: an analysis of the gender interface and mental health in the women’s reports of the documentary ‘’O renascimento do parto 1’’

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.17577

Keywords:

Obstetric violence; Humanizing delivery; Mental health; Psychology.

Abstract

According to the National Health Agency, obstetric violence affects 1 in 4 Brazilian women. Considering the number of practices of violence in prenatal, childbirth, and the puerperium, this article aimed to investigate the obstetric violence experienced and reported by women in the documentary “The Rebirth of Childbirth I” (free translation), produced in 2013, directed by Eduardo Chauvet, filmmaker, and Érica de Paula, psychologist. Considered as a milestone in the fight against obstetric violence in Brazil, this documentary brings testimonials from women in relation to their experiences during pregnancy, in this way, as a methodology, film analysis has been carried out, the discourse analysis has been used as a method, carried out from categories of analysis chosen from the narratives of these women, such as lack of information and induction of cesarean section, psychological violence such as obstetric violence, invasive procedures, and losses in the mother-baby relationship. As a result, it was shown that the reality of violence, caused by the lack of information and market conduct of health practices, contradicts the culture that romanticizes motherhood, pregnancy, and childbirth; offering an environment, services, and policies that place women in a situation of helplessness and violence, thus affecting their mental health. In outline, the way birth is approached is related to a social project and, therefore, there is a need to reformulate policies for prenatal and childbirth care, with the role of women being important, psychoeducational interventions for parents, being necessary to link gender and feminist studies to health and practice studies.

Author Biographies

Adrianny Bárbara Maués da Conceicao , Universidade da Amazônia

Psicóloga

Mônica Cristina Martins Rocha , Universidade da Amazônia

Psicóloga

Sarah Medeiros Tavoglieri, Universidade da Amazônia

Psicóloga

Barbara de Araújo Sordi, Universidade da Amazônia

Psicóloga

References

Abdala, L. G. & Da Cunha, M. L. C. (2018). Contato pele a pele entre mãe e recém-nascido e amamentação na primeira hora de vida. Clinical & Biomedical Research, 38(4), 356-360.

Almeida, N. M. C. & Arrais, A. R. (2016). O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto. Psicologia: ciência e profissão, 36(4), 847-863.

Arrais, A. R. & Araujo, T. C. C. F. (2017). Depressão pós-parto: uma revisão sobre fatores de risco e de proteção. Psicologia, Saúde & Doenças, 18(3), 828-845.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução: Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Balaskas, J. (2005). Parto Ativo: Guia prático para o parto natural (A história e a filosofia de uma revolução. São Paulo: Ground.

Batista Filho, M. & Rissin, A. (2018). A OMS e a epidemia de cesarianas. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 18(1), 3-4.

Brandt, G. P. et al. (2018). Violência obstétrica: a verdadeira dor do parto. Revista Gestão & Saúde, 19(1), 19-37.

Brasil, K.C.T., Almeida, T.M.C. & Zanello, V. (org). (2010). Gênero e Feminismos: convergências (in)disciplinares. Brasília: Ex.Libris.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Nascidos Vivos – Brasil. Recuperado em 02 dezembro, 2020, de: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.de.

Brasil. (2016). Portaria n 306, de 28 de março de 2016. Aprova as Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana. Ministério da Saúde.

Brasil. (2003). HumanizaSUS - Política Nacional de Humanização. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde.

Cabral, S. M. D. S. C. & Perez, D. K. (2019). Violência obstétrica: produção científica de psicólogos sobre o tema. ECOS Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 9(2), 270-283. Recuperado em 11 outubro, 2020, de http://www.periodicoshumanas.uff.br/ecos/article/view/2872.

Cortés, M. S., Barranco, D. A., Jordana, M. C. & Roche, M. E. M. (2015). Uso e influencia de los Planes de Parto y Nacimiento en el proceso de parto humanizado.

Revista latino-americana de Enfermagem, 23(3), 520-526.

Costa, et al. (2015). Episiotomia no parto normal: incidência e complicações. Carpe Diem Revista Cultural e Científica do UNIFACEX, 13(1), 173-187.

Diniz, C. S. G. (2005). Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 627-637.

Diniz, S. G. et al. (2015). Abuso e desrespeito na assistência ao parto como questão de saúde pública no Brasil: origens, definições, impactos na saúde materna e propostas para sua prevenção. Journal of Human Growth and Development, 25(3), 377-384.

Ferrari, A. P. et al. (2020). Efeitos da cesárea eletiva sobre os desfechos perinatais e práticas de cuidado. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, 20(3), 879-888. Recuperado em 08 novembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/1806-93042020000300012.

Filha, M. M. T. et al. (2016). Factors associated with postpartum depressive symptomatology in Brazil: the Birth in Brazil National Research Study, 2011/2012. Journal of affective disorders, 194, 159-167.

Guimarães, L. B. E., Jonas, E. & Amaral, L. R. O. G. D. (2018). Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins. Revista Estudos Feministas, 26(1). Recuperado em 20 setembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/1806-9584.2018v26n143278.

Haddad, S. E. M. T. & Cecatti, J. G. (2011). Estratégias dirigidas aos profissionais para redução das cesáreas desnecessárias no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 33(5), 252-262. Recuperado em 29 setembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/S0100-72032011000500008.

Hirsch, O. N. (2015). O parto “natural” e “humanizado” na visão de mulheres de camadas médias e populares no Rio de Janeiro. Civitas Revista de Ciências Sociais, 15(2), 229-249. Recuperado em 15 novembro, 2020, de https://doi.org/10.15448/1984-7289.2015.2.17933.

Krob, A. D. et al. (2017). Depressão na gestação e no pós-parto e a responsividade materna nesse contexto. Revista Psicologia e Saúde, 9(3), 3-16. Recuperado em 25 novembro, 2020, de http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v9i3.565.

Leal, Maria do Carmo et al. (2017). A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 33. Recuperado em 10 setembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/0102-311X00078816.

Fiocruz. (2012). Depressão pós-parto acomete mais de 25% das mães no Brasil. PORTAL FIOCRUZ. Recuperado em 28 novembro, 2020, de https://portal.fiocruz.br/noticia/depressao-pos-parto-acomete-mais-de-25-das-maes-no-brasil.

Mamede, F., Mamede, M. & Dotto, L. (2007). Reflexões sobre deambulação e posição materna no trabalho de parto e parto. Esc Anna Nery R Enferm, 11(2).

Martins, A. C. & Barros, G. M. (2016). Parirás na dor? Revisão integrativa da violência obstétrica em unidades públicas brasileiras. Revista Dor, 17(3), 215-218. Recuperado em 29 outubro, 2020, de http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20160074.

Mccallum, C., Menezes, G. & Reis, A. P. D. (2016). O dilema de uma prática: experiências de aborto em uma maternidade pública de Salvador, Bahia. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 23(1), 37-56. Recuperado em 25 setembro, 2020, de http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702016000100004.

Motta, T. (2018). Quase 30 milhões de mulheres chefiam lares no Brasil. O TEMPO. Recuperado em 19 setembro, 2020, de https://www.otempo.com.br/interessa/comportamento/quase-30-milhoes-de-mulheres-chefiam-os-lares-no-brasil-1.2034999.

Mouta, R. J. O. et al. (2017). Plano de parto como estratégia de empoderamento feminino. Revista Baiana de Enfermagem, 31(4). Recuperado em 15 outubro, 2020, de http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v31i4.20275.

Nucci, M., Nakano, A. R. & Teixeira, L. A. (2018). Ocitocina sintética e a aceleração do parto: reflexões sobre a síntese e o início do uso da ocitocina em obstetrícia no Brasil. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 25(4), 979-998. Recuperado em 5 setembro, 2020, de http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652011000200007.

Nunes, S. A. (2011). Afinal, o que querem as mulheres? Maternidade e mal-estar. Psicologia Clínica, 23(2), 101-115. Recuperado em 10 outubro, 2020, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652011000200007.

Oliveira, V. J. (2016). O sensível e o insensível na sala de parto: interdiscursos de profissionais de saúde e mulheres. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Recuperado de 5 novembro, 2020, de http://hdl.handle.net/1843/ANDO-AHHJSV.

Oliveira, V. J. & Penna, C. M. D. M. (2017). O discurso da violência obstétrica na voz das mulheres e dos profissionais de saúde. Texto & Contexto-Enfermagem, 26(2), 1-10. Recuperado em 15 novembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/0104-07072017006500015.

OMS – Organização Mundial DA Saúde. (2014). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Recuperado em 5 dezembro, 2020, de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134588/WHO_RHR_14.23_por.pdf;jsessionid=6C821BD684EC9B78D6474FEEAD2022B2?sequence=3.

O Renascimento do Parto. (2013). Produção de Érica de Paula e Eduardo Chauvet. Brasília: Master Brasil Ritmo Filmes, 2013. (90 min.).

Orlandi, E. (2012). Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2012.

Paim, J. S. & Almeida Filho, N. D. (1998). Saúde coletiva: uma" nova saúde pública" ou campo aberto a novos paradigmas? Revista de Saúde Pública, 32, 299-316. Recuperado em 2 setembro, 2020, de https://www.scielosp.org/article/rsp/1998.v32n4/299-316/pt/.

Pedroso, C. N. L. S. & Lopez, L. C. (2017). À margem da humanização? Experiências de parto de usuárias de uma maternidade pública de Porto Alegre-RS. Physis Revista de Saúde Coletiva, 27(4), 1163-1184. Recuperado em 1 novembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000400016.

Pizziani, L. et al. (2012). A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. RDBCI Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 10(2), 53-66. Recuperado em 8 outubro, 2020, de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1896.

Rattner, D. (2005). Reflexões sobre qualidade e humanização. In: Rattner, D; Trench, B. (Ed.). Humanizando nascimentos e partos. São Paulo: Editora do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Recuperado em 10 setembro, 2020, de https://www.scielo.br/j/icse/a/fCmYFyBrTTprMSVS6L9TdQg/?lang=pt.

Rocha, M. I. B. (2006). A discussão política sobre aborto no Brasil: uma síntese. Revista Brasileira de Estudos de População, 23(2), 369-374. Recuperado em 23 outubro, 2020, de https://doi.org/10.1590/S0102-30982006000200011.

Sena, L. M. & Tesser, C D. (2017). Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 21, 209-220. Recuperado em 18 novembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0896.

Silva, J. L. P. (2018). Fatores associados ao aleitamento materno na primeira hora de vida em um hospital amigo da criança. Texto & Contexto-Enfermagem, 27(4). Recuperado em 3 outubro, 2020, de https://doi.org/10.1590/0104-07072018004190017.

Souza, A.C.A. & Valente, M.B.B. (2016). Violência obstétrica: um desafio para a psicologia. Revista Hum@nae, 10(1), 1-11. Recuperado em 2 dezembro, 2020, de http://www.humanae.esuda.com.br/index.php/humanae/article/view/521.

Swain, T. N. (2007). Meu corpo é um útero? Reflexões sobre a procriação e a maternidade. In: Stevens, C. M. T. (org.). Maternidade e Feminismo diálogos interdisciplinares. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2007.

¬¬¬_______. (2010). O grande silêncio: a violência da diferença sexual. In: STEVENS, C. et al. Gênero e feminismos: convergências (in)disciplinares. Brasília: Ex.Libris.

Tornquist, C. S. (2002). Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Revista Estudos Feministas, 10(2), 483-492. Recuperado em 17 setembro, 2020, de https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200016.

Tostes, N. A. & Seidl, E. M. F. (2016). Expectativas de mujeres embarazadas sobre el parto y sus percepciones acerca de la preparación para el parto. Temas em Psicologia, 24(2), 681-693. Recuperado em 24 outubro, de http://dx.doi.org/10.9788/TP2016.2-15.

Velho, M. B. et al. (2014). Parto normal e cesárea: representações sociais de mulheres que os vivenciaram. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(2), 282-289. Recuperado em 24 outubro, 2020, de https://doi.org/10.5935/0034-7167.20140038.

Venturi, G. & Godinho, T. (Org.) (2013). Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Edições Sesc SP.

Viana, I. O. et al. (2011). Episiotomia e suas complicações: revisão da literatura. RMMG Revista Médica de Minas Gerais, 21(2), 43-46. Recuperado em 9 outubro, 2020, de http://rmmg.org/exportar-pdf/893/v21n2s4a13.pdf.

Xavier, A. & Zanello, V. (2018). Ouvindo o inaudito: mal-estar da maternidade em mães ofensoras atendidas em um CREAS. Revista de Ciências Humanas, 52. Recuperado em 9 novembro, 2020, de https://repositorio.unb.br/handle/10482/35357.

Zanardo, G. L. P. et al. (2017).Violência Obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade, 29. Recuperado em 19 setembro, 2020, de http://dx.doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29155043.

WHO - World Health Organization. (2018). WHO recommendations non-clinical interventions to reduce unnecessary caesarean sections. Geneva: World Health Organization. Recuperado em 6 dezembro, 2020, de https://www.who.int/reproductivehealth/publications/non-clinical-interventions-to-reduce-cs/en/.

Zanello, V. (2018). Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. 1. ed. Curitiba: Appris.

Published

10/08/2021

How to Cite

CONCEICAO , A. . B. M. da .; ROCHA , M. C. M. .; TAVOGLIERI, S. M. .; SORDI, B. de A. . Maternal device and childbirth: an analysis of the gender interface and mental health in the women’s reports of the documentary ‘’O renascimento do parto 1’’. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e283101017577, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.17577. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17577. Acesso em: 20 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences