Relationship of anxiety and stress in academic performance in evaluations under active methodology

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17843

Keywords:

Anxiety; Stress; Academic performance; Active methodology.

Abstract

This study aims to analyze the relationship between anxiety and stress in the performance of dental students in evaluations under active methodology. It is characterized as cross-sectional and retrospective, with a quantitative approach developed through an electronic form, with 71 academics from the dentistry course using a participant identification form, the anxiety assessment beck inventory (BAI), and the stress perception form before, during and after the active methodology applied in their evaluations. A greater portion of students aged between 18 and 24 years (80.02%) was noticed, with between 1 and 3 hours of study a day (30.98%). As for the assessment of anxiety, a higher degree of moderate or severe anxiety (53.5%). However, in the analysis of the mean value attributed to stress, there was a predominance before and during the assessment, with a reduction after its completion (6.30±3.07; 6.73±2.85; and 3.42±3. 16, respectively). By establishing the correlation between the mean values ​​of perceived stress and anxiety levels, a positive, moderate and significant correlation was observed in the three evaluated moments (p<0.05) and a significant difference was also obtained between the stress values during (A) and after the evaluation (B) with the grade values ​​indicated by the students (A:[F(1,718) = 529.27; p> 0.037]; B:[F(10.24) = 569.7 ; p<0.001]). Therefore, the multifactorial perception of the influence on academic performance is reinforced, and stress and anxiety can be stimulants or blockers of this performance, and it is up to the teacher to use methodologies that encourage a result closer to the student's learning reality.

Author Biographies

Francisca Alana de Lima Santos, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

Mestranda do Programa de Mestrado Profissional em Ensino em Saúde do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO). Professora dos cursos de Fisioterapia e Educação Física do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio. Graduação-bacharelado em Fisioterapia Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO). Pós-graduada em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Kurios (FAK). 

Wenderson Pinheiro de Lima, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

Especialista em Hematologia. Docente do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio. Departamento de Biomedicina.

Marcos Antônio Araújo Bezerra, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente. Docente do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio. Departamento de Educação Física.

Ivo Cavalcante Pita Neto, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

Doutor em Ciências da Saúde, Docente do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio. Departamento de Mestrado Profissional em ENsino em Saúde.

References

Angelina, C., & Soligo, S. (2016). Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Comentada / Joyce Marquezin Setubal, Regiane Alves Costa Fayan

Akgun, S., & Ciarrochi, J. (2003). Learned resourcefulness moderates the relationship between academic stress and academic performance. Educational Psychology, 23(3), 287-294.

Altoé, S. M. L., Fragalli, A. C., & Espejo, M. M. D. S. B. (2014). A “dor do crescimento”: um estudo sobre o nível de estresse em pós-graduandos de contabilidade. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 7(1), 213-233.

Alves, M. G. D. M., Chor, D., Faerstein, E., Werneck, G. L., & Lopes, C. S. (2009). Estresse no trabalho e hipertensão arterial em mulheres no Estudo Pró-Saúde: Estudo Pró-Saúde (Pro-Health Study). Revista de Saúde Pública, 43, 893-896.

Andrade, A. G. D., Duarte, P. D. C. A. V., Barroso, L. P., Nishimura, R., Alberghini, D. G., & Oliveira, L. G. D. (2012). Use of alcohol and other drugs among Brazilian college students: effects of gender and age. Brazilian Journal of Psychiatry, 34(3), 294-305.

Araújo, T. M. D., Pinho, P. D. S., & Almeida, M. M. G. D. (2015). Prevalência de transtornos mentais comuns em mulheres e sua relação com as características sociodemográficas e o trabalho doméstico. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 5(3), 337-348...

Azevedo, M. L. N. (2015). Internacionalização ou transnacionalização da educação superior: entre a formação de um campo social global e um mercado de ensino mundializado. Crítica Educativa, 1(1), 56-79.

Bacich, L., & Holanda, L. (2020). STEAM em Sala de Aula: A Aprendizagem Baseada em Projetos Integrando Conhecimentos na Educação Básica. Penso Editora.

Bacich, L., & Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Penso Editora.

Barbosa, J. R. A. (2008). A avaliação da aprendizagem como processo interativo: um desafio para o educador. Rio de Janeiro: Faetec.

Bartholomeu, D., Machado, A. A., Spigato, F., Bartholomeu, L. L., Cozza, H. F., & Montiel, J. M. (2018). Traços de personalidade, ansiedade e depressão em jogadores de futebol. Revista brasileira de psicologia do esporte, 3(1).

Basudan, S., Binanzan, N., & Alhassan, A. (2017). Depression, anxiety and stress in dental students. International journal of medical education, 8, 179.

Bathla, M., Singh, M., Kulhara, P., Chandna, S., & Aneja, J. (2015). Evaluation of anxiety, depression and suicidal intent in undergraduate dental students: A cross-sectional study. Contemporary clinical dentistry, 6(2), 215.

Batista, M. A., & Oliveira, S. M. D. S. S. (2005). Sintomas de ansiedade mais comuns em adolescentes. Psic: Revista da Vetor Editora, 6(2), 43-50.

Bayram, N., & Bilgel, N. (2008). The prevalence and socio-demographic correlations of depression, anxiety and stress among a group of university students. Social psychiatry and psychiatric epidemiology, 43(8), 667-672.

Beck, A. T., Epstein, N., Brown, G., & Steer, R. A. (1988). An inventory for measuring clinical anxiety: psychometric properties. Journal of consulting and clinical psychology, 56(6), 893.

Benavente, S. B. T., & Costa, A. L. S. (2011). Respostas fisiológicas e emocionais ao estresse em estudantes de enfermagem: revisão integrativa da literatura científica. Acta Paulista de Enfermagem, 24(4), 571-576.

Bernardo, I. C. (2010). Investigação do nível de ansiedade e sintomas de depressão entre alunos de graduação em Odontologia. Piracicaba, SP.

Bittar, D., & Kohlsdorf, M. (2017). Ansiedade e depressão em mulheres vítimas de violência doméstica. Psicologia Argumento, 31(74).

BRASIL. Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais. (2016). Sinopse Estatística da Educação Superior. Disponível em: < http://inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior>.

_______. (2004). Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Leis, Brasília, DF.

_______. (2012). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF.

Brookhuis, K. A., & De Waard, D. (2001). Assessment of drivers'workload: performance and subjective and physiological indexes. Stress, workload and fatigue.

Bzuneck, J. A., & Silva, R. (1989). O Problema da Ansiedade nas provas: perspectivas contemporâneas. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 10(3), 195-201.

Camargo, V. C. V., Calais, S. L., & Sartori, M. M. P. (2015). Estresse, depressão e percepção de suporte familiar em estudantes de educação profissionalizante. Estudos de Psicologia (Campinas), 32, 595-604.

Carneiro, E. B., Braga, R. T., Silva, L. F. D., & Nogueira, M. C. (2012). Fatores associados a beber pesado episódico entre estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 36, 524-530.

Chaves, E. D. C. L., Iunes, D. H., Moura, C. D. C., Carvalho, L. C., Silva, A. M., & Carvalho, E. C. D. (2015). Anxiety and spirituality in university students: a cross-sectional study. Revista brasileira de enfermagem, 68, 504-509.

Clark, D.A.; Beck, A.T. (2012). Terapia cognitiva para os transtornos de ansiedade: ciência e prática. Porto Alegre, Artmed, 640 p.

Coelho, A. T., Lorenzini, L. M., Suda, E. Y., Rossini, S., & Reimão, R. (2010). Qualidade de sono, depressão e ansiedade em universitários dos últimos semestres de cursos da área da saúde. Neurobiologia, 73(1), 35-9.

Costa, L. B. D. S. (2018). Avaliação do estresse e do o rendimento acadêmico em estudantes da área da saúde da Universidade de Brasília.

Cruz, M. A. C. (2008). Ansiedade e bem-estar na transição para o ensino superior: o papel do suporte social.

Cunha, J. A. (2001). Inventário Beck de Ansiedade (BAI). Manual da versão em português das escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dázio, E. M. R., Zago, M. M. F., & Fava, S. M. C. L. (2016). Use of alcohol and other drugs among male college students and their meanings. Rev Esc Enferm USP, 50(5), 785-91.

Dias-Lima, A., Silva, M. D. C., Ribeiro, L. C. V., Bendicho, M. T., Guedes, H. T. V., & Lemaire, D. C. (2019). Avaliação, ensinagem e metodologias ativas: uma experiência vivenciada no componente curricular Mecanismos de Agressão e de Defesa, no curso de Medicina da Universidade do Estado da Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, 43, 216-224.

Eisenberg, D., Gollust, S. E., Golberstein, E., & Hefner, J. L. (2007). Prevalence and correlates of depression, anxiety, and suicidality among university students. American journal of orthopsychiatry, 77(4), 534-542.

Farias, J.; Nascimento, I. (2009). Didática. Coleção Formando Educadores, Editora Nupre.

Fávero, V. R., del Olmo Sato, M., & Santiago, R. M. (2018). Uso de ansioliticos: abuso ou necessidade?. Visão acadêmica, 18(4).

Fernandes, D. (2010). Acerca da articulação de perspectivas e da construção teórica em avaliação educacional. Olhares e interfaces: Reflexões críticas sobre a avaliação, 115-160.

Fernandes, M. A., Vieira, F. E. R., Silva, J. S., Avelino, F. V. S. D., & Santos, J. D. M. (2018). Prevalence of anxious and depressive symptoms in college students of a public institution. Revista brasileira de enfermagem, 71, 2169-2175.

Ferreira, C. L., Almondes, K. M. D., Braga, L. P., Mata, Á. N. D. S., Lemos, C. A., & Maia, E. M. C. (2009). Universidade, contexto ansiogênico? Avaliação de traço e estado de ansiedade em estudantes do ciclo básico. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 973-981.

Fiorotti, K. P., Rossoni, R. R., Borges, L. H., & Miranda, A. E. (2010). Transtornos mentais comuns entre os estudantes do curso de medicina: prevalência e fatores associados. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59, 17-23.

Fontana, R. T.; Brigo, L. (2011). Estudar e Trabalhar: Percepções Técnicas da Enfermagem. Esc Anna Nery, 1(16), 128- 133.

Fragelli, R. R., & Fragelli, T. B. O. (2017). Trezentos: a dimensão humana do método. Educar em Revista, 253-265.

Frison, L. M. B. (2016). Monitoria: uma modalidade de ensino que potencializa a aprendizagem colaborativa e autorregulada. Pro-posições, 27, 133-153.

Gaeta, C., & Masetto, M. T. (2019). O professor iniciante no ensino superior: aprender, atuar e inovar. Editora Senac São Paulo.

Galato, D., Madalena, J., & Pereira, G. B. (2012). Automedicação em estudantes universitários: a influência da área de formação. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 3323-3330.

Galocha, C., Poleto, S. S., & Tavares, M. (2017). Avaliação no ensino superior: paradoxos e desafios. Revista@ mbienteeducação, 10(1), 25-35.

Gauy, F. V., & Guimarães, S. S. (2006). Triagem em saúde mental infantil. Psicologia: teoria e pesquisa, 22, 5-15.

Gerreth, K., Chlapowska, J., Lewicka-Panczak, K., Sniatala, R., Ekkert, M., & Borysewicz-Lewicka, M. (2019). Self-evaluation of anxiety in dental students. BioMed research international, 2019.

Glewwe, P., Hanushek, E. A., Humpage, S., & Ravina, R. (2013). 2. School Resources and Educational Outcomes in Developing Countries: A Review of the Literature from 1990 to 2010 (pp. 13-64). University of Chicago Press.

Goldberg, D. P., & Huxley, P. (1992). Common mental disorders: a bio-social model. Tavistock/Routledge.

Gomes, I.P.; et al. (2019). Factors Associated with Continued Smoking Addiction and Alcohol Consumption among Medical Students in Capital City in the Northeast of Brazil. Rev. Bras. Edu. Méd. 43(1), 55-64.

Gomes, R. K., & Oliveira, V. B. D. (2013). Depressão, ansiedade e suporte social em profissionais de enfermagem. Boletim de Psicologia, 63(138), 23-33.

Gonzaga, L. R. V., de Macedo, A. G., & Lipp, M. E. N. (2014). Avaliação das variáveis escolha profissional e vocação no nível de stress de alunos do ensino médio. em foco, 189.

Goulart Júnior, E., Feijó, M. R., Cunha, É. V. D., Corrêa, B. J., & Gouveia, P. A. D. E. S. (2013). Exigências familiares e do trabalho: um equilíbrio necessário para a saúde de trabalhadores e organizações. Pensando famílias, 110-122.

Grácio, J. C. G. (2009). Determinantes do consumo de bebidas alcólicas nos estudantes do ensino superior de Coimbra (Doctoral dissertation).

Grassi, L. T. V., & Castro, J. E. D. S. (2014). Estudo do consumo de medicamentos psicotrópicos no município de Alto Araguaia–MT. Faculdade do Pantanal–FAPAN, Ed, 3.

Guo, Y. J., Wang, S. C., Johnson, V., & Diaz, M. (2011). College students' stress under current economic downturn. College Student Journal, 45(3), 536-544.

Hyman, S. E.; Cohen, J. D. (2014). Transtornos do humor e de ansiedade. Em Kandel, E. R.; Hudspeth, J.H. Princípios de Neurociências. 5 ed. (pp. 1222-1241), Porto Alegre: AMGH.

Sadock, B. J., Sadock, V. A., & Ruiz, P. (2016). Compêndio de Psiquiatria-: Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. Artmed Editora.

Kulsoom, B., & Afsar, N. A. (2015). Stress, anxiety, and depression among medical students in a multiethnic setting. Neuropsychiatric disease and treatment, 11, 1713.

Lamers, J. M. D. S., Santos, B. S. D., & Toassi, R. F. C. (2017). Retenção e evasão no ensino superior público: estudo de caso em um curso noturno de odontologia. Educação em Revista, 33.

Lazarus, R. S. (2006). Stress and emotion: A new synthesis. Springer publishing company.

Leão, A. M., Gomes, I. P., Ferreira, M. J. M., & Cavalcanti, L. P. D. G. (2018). Prevalence and Factors Associated with Depression and Anxiety among University Students in the Field of Health in a Large Urban Center in the Northeast of Brazil. Revista Brasileira de Educação Médica, 42(4), 55-65.

Leite, C. D., Silva, A. A., Angelo, L. F., Rubio, K., & Melo, G. F. (2016). Representações de ansiedade e medo de atletas universitários. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, 6(1).

Lima, L. D., Silva, L. V., & de Souza, V. R. (2019). Avaliação do nível de estresse em acadêmicos de medicina. Caderno de Graduação-Ciências Humanas e Sociais-UNIT-ALAGOAS, 5(2), 79-79.

Lipp, M. E. N. (2003). Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teoria e aplicações clínicas.

Lisboa, M. T. L., Oliveira, M. M. D., & Reis, L. D. (2006). O trabalho noturno e a prática de enfermagem: uma percepção dos estudantes de enfermagem. Escola Anna Nery, 10, 393-398.

Loureiro, E., Mcintyre, T., Mota-Cardoso, R., & Ferreira, M. A. (2008). A relação entre o stress e os estilos de vida nos estudantes de medicina da Faculdade de Medicina do Porto.

Lourenço, A. A., & Almeida Paiva, M. O. (2015). Learning Approaches: Dynamics for Academic Success. CES Psicología, 8(2), 47-75.

MacGeorge, E. L., Samter, W., & Gillihan, S. J. (2005). Academic stress, supportive communication, and health. Communication Education, 54(4), 365-372.

Mamede, S. D. P. N., Marques, A. V. C., Rogers, P., & Miranda, G. J. (2015). Determinantes Psicológicos do Desempenho Acadêmico em Ciências. CEP, 38, 902.

Marchi, K. C., Bárbaro, A. M., Miasso, A. I., & Tirapelli, C. R. (2013). Ansiedade e consumo de ansiolíticos entre estudantes de enfermagem de uma universidade pública. Revista Eletrônica de Enfermagem, 15(3), 729-37.

Margis, R., Picon, P., Cosner, A. F., & Silveira, R. D. O. (2003). Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 25, 65-74.

Marques, C. P., Gasparotto, G. D. S., & Coelho, R. W. (2015). Fatores relacionados ao nível de estresse em adolescentes estudantes: uma revisão sistemática. Salusvita, 34(1), 99-108.

Mascarenhas, S.A. Do N.; Roazzi, A., Leon, G. F., & Ribeiro, J. L. P. (2012). Necessidade da gestão do estresse, ansiedade e depressão em estudantes universitários brasileiros. In Actas do 9º congresso nacional de psicologia da saúde.

Matumoto, P., & Peres, T. (2018). As Influências do Estresse no Desempenho Acadêmico de Estudantes Universitários. UEMG. Monteiro, C, 66-72.

Medeiros, P. P., & Bittencourt, F. O. (2017). Fatores associados à ansiedade em estudantes de uma faculdade particular. Id on Line Revista de Psicologia, 10(33), 42-55.

Melguizo, T., & Wainer, J. (2016). Toward a set of measures of student learning outcomes in higher education: evidence from Brazil. Higher Education, 72(3), 381-401.

Melo, De A; Urbanetz, T.S. (2008). Fundamentos da didática. Curitiba: IBPEX.

Mesquita, A. A., Gomes, D. S., Lobato, J. L., Gondim, L., & de Souza, S. B. (2013). Estresse e síndrome de burnout em professores: Prevalência e causas. Psicologia Argumento, 31(75).

Miranda, G. J., da Silva Lemos, K. C., de Oliveira, A. S., & Ferreira, M. A. (2015). Determinantes do desempenho acadêmico na área de negócios. Revista Meta: Avaliação, 7(20), 175-209.

Montezuma, L. Q. V. (2020). Ansiedade e dependência de Smartphone em acadêmicos do curso de odontologia da Universidade Federal do Ceará.

Morais, L. M., Mascarenhas, S., & Ribeiro, J. L. P. (2010). Diagnóstico do estresse, ansiedade e depressão em universitários: desafios para um serviço de orientação e promoção da saúde psicológica na universidade: um estudo com estudantes da Ufam-Brasil.

Moreira, S. D. N. T., Silva, C. A. N., Tertulino, F. D. F., Tertulino, F. M. D. F., Vilar, M. J. P., & Azevedo, G. D. D. (2006). Processo de significação de estudantes do curso de medicina diante da escolha profissional e das experiências vividas no cotidiano acadêmico. Revista Brasileira de Educação Médica, 30, 14-19.

Moritz, A. R., Marques-Pereira, E., Pereira-de-Borba, K., Clapis, M. J., Gryczak-Gevert, V., & Mantovani, M. D. F. (2016). Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma universidade pública brasileira. Investigación y Educación en Enfermería, 34(3), 564-572.

Moura, A.; et al. (2018). Los factores asociados con la ansiedad entre los profesionales de atención primaria. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental,19, 17-26.

Neri, J. V. D. (2020). Uso de ansiolíticos e antidepressivos por acadêmicos da área da saúde: uma revisão bibliográfica. Brazilian Journal of Development, 6(9).

Oenning, V., & De Oliveira, J. M. P. (2011). Dinâmicas em sala de aula: envolvendo os alunos no processo de ensino, exemplo com os mecanismos de transporte da membrana plasmática. Revista de Ensino de Bioquímica, 9(1), 18-29.

Oliveira Barreto, A. C., Granzotti, R. B. G., Domenis, D. R., Pellicani, A. D., da SILVA, K., & Dornelas, R. (2017). Métodos de avaliação discente em um curso de graduação baseado em metodologias ativas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 12(2), 1005-1019.

Paro, C. A., & Bittencourt, Z. Z. L. D. C. (2013). Qualidade de vida de graduandos da área da saúde. Revista brasileira de educação médica, 37, 365-375.

Pasqualucci, P. L.; Damaso, L.L.M.; Danila, A.H.; et al. (2019). Prevalência e correlatos de depressão, ansiedade e estresse em médicos residentes de um sistema acadêmico de saúde brasileiro. BMC Med Educ 19, 193.

Pedrosa, A. A. D. S., Camacho, L. A. B., Passos, S. R. L., & Oliveira, R. D. V. C. D. (2011). Consumo de álcool entre estudantes universitários. Cadernos de Saúde Pública, 27, 1611-1621.

Pelicioli, M., Barelli, C., Gonçalves, C. B. C., Hahn, S. R., & Scherer, J. I. (2017). Perfil do consumo de álcool e prática do beber pesado episódico entre universitários brasileiros da área da saúde. Jornal Brasileiro de psiquiatria, 66, 150-156.

Perrenoud, P., & Thurler, M. G. (2009). As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Artmed Editora.

Pinto, N. A. J., de Melo Cavestro, J., & Fereira, W. (2018). Prevalência de transtorno de ansiedade generalizada em estudantes de medicina. Revista Interdisciplinar Ciências Médicas, 2(2), 36-43.

Portz, R. M., & Amazarray, M. R. (2019). Trastornos mentales comunes y factores asociados en trabajadores bancarios de Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 19(1), 515-522.

Portelo, Aline Da Costa, A., dos Santos, F. A., Pereira, G. A. U., Neto, I. C. P., & de Lima, W. P. Sintomas De Ansiedade E Depressão Em Acadêmicos E Sua Relação Com A Tendência Ao Suicídio. Sintomas De Ansiedade E Depressão Em Acadêmicos E Sua Relação Com A Tendência Ao Suicídio, 1-388.

Ramis, T. R., Mielke, G. I., Habeyche, E. C., Oliz, M. M., Azevedo, M. R., & Hallal, P. C. (2012). Smoking and alcohol consumption among university students: prevalence and associated factors. Revista Brasileira de Epidemiologia, 15(2), 376-385.

Risco. Em: Dicio, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em: <https://www.dicio.com.br/risco/>. Acesso em: 27/07/2020.

Rodrigues, V. B., & Madeira, M. (2009). Suporte social e saúde mental: revisão da literatura.

Rodríguez-Hidalgo, C. T., Tan, E. S., Verlegh, P. W., Beyens, I., & Kühne, R. (2020). Don’t stress me now: assessing the regulatory impact of face-to-face and online feedback prosociality on stress during an important life event. Journal of Computer-Mediated Communication, 25(5), 307-327.

Roman, C., Ellwanger, J., Becker, G. C., Silveira, A. D. D., Machado, C. L. B., & Manfroi, W. C. (2017). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clinical and biomedical research. Porto Alegre. Vol. 37, n. 4 (2017), p. 349-357.

Santos, G. C.; Souza, J. F. C. (2014). Acesso às bases de dados de Educação e áreas afins: navegando no conhecimento. Manuais Técnicos BFE, n.4, Campinas, SP: FE/UNICAMP.

Santos, M. J. D. C., Vilhena, E. M. D. S. R., Antonelli, R. A., & Meurer, A. M. (2020). Desempenho acadêmico e características sociodemográficas, comportamentais, psicológicas e de formação docente: análise de alunos portugueses da área de negócios. Contabilidade Vista & Revista, 31(2).

Silva, F. C. F. D., & Macedo, M. M. K. (2012). A escuta do masculino na clínica psicanalítica contemporânea: singularidades de um padecer. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28, 205-218.

Silva, J. G. A. R., & Romarco, E. K. S. (2021). Análise dos níveis de ansiedade, estresse e depressão em universitários da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Instrumento: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação, 23(1).

Strack, J., & Esteves, F. (2015). Exams? Why worry? Interpreting anxiety as facilitative and stress appraisals. Anxiety, Stress, & Coping, 28(2), 205-214.

Suhr, I. R. F. (2012). Processo avaliativo no ensino superior. Editora Ibpex.

Tovar, A. L. L., Díaz Caballero, A. J., González Martínez, F. D., & Simancas Pallares, M. A. (2010). Consumo de Bebidas Alcohólicas y factores relacionados en Estudiantes de Odontología. Revista Clínica de Medicina de Familia, 3(2), 93-98.

Travis, J., Kaszycki, A., Geden, M., & Bunde, J. (2020). Some stress is good stress: The challenge-hindrance framework, academic self-efficacy, and academic outcomes. Journal of educational Psychology, 112(8), 1632.

Urbina, P. B. (2014). Factores determinantes del rendimiento académico de los estudiantes de la Universidad de Atacama. Estudios Pedagógicos, Valdivia, 40(1), 25-39.

Valmorbida, S. M. I., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Ripoll-Feliu, V. M. (2014). Avaliação de desempenho para auxílio na gestão de universidades públicas: análise da literatura para identificação de oportunidades de pesquisas. Journal of Accounting, Management and Governance, 17(3).

Vargas, G. M. G. (2014). Factores asociados al rendimiento académico tomando en cuenta el nivel socioeconómico: Estudio de regresión múltiple en estudiantes universitarios. Revista Electrónica Educare, 18(1), 119-154.

Vergara, K. A., Cárdenas, S. D., & Martínez, F. G. (2013). Síntomas de depresión, ansiedad y estrés en estudiantes de odontología: prevalencia y factores relacionados. Revista Colombiana de Psiquiatría, 42(2), 173-181.

Veríssimo, S. M. A. C. (2010). Relações entre ansiedade-estado e ansiedade-traço, sintomas depressivos e sensibilidade ao stresse em puérperas (Master's thesis).

You, J. W. (2018). Testing the three-way interaction effect of academic stress, academic self-efficacy, and task value on persistence in learning among Korean college students. Higher Education, 76(5), 921-935.

Zeidner, M. (1998). Test anxiety: the state of the art: Springer Science & Business.

Zettler, E. W., Nudelmann, L. M., Cunha, D. P. D., Hilgert, C., Mattos, M. D., Scholl, M., ... & Nader, T. L. (2005). Prevalência do tabagismo entre estudantes de Medicina e fatores de risco associados. Rev. AMRIGS, 16-19.

Zajacova, A., Lynch, S. M., & Espenshade, T. J. (2005). Self-efficacy, stress and academic success in college. Research in higher education, 46(6), 677-706.

Published

23/07/2021

How to Cite

SANTOS, F. A. de L. .; LIMA, W. P. de; BEZERRA, M. A. A. .; PITA NETO, I. C. . Relationship of anxiety and stress in academic performance in evaluations under active methodology. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e15810917843, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17843. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17843. Acesso em: 20 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences